‘Médica’ da CNN: “A ciência mudou” então cancelem as restrições COVID

1
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Bem na hora de eleições

Apesar de nada ter mudado, a ‘médica’ residente da CNN, Leana Wen, afirmou esta semana que “a ciência mudou” e, portanto, as restrições COVID, incluindo as obrigatoriedades de máscara, devem ser rescindidas.

Wen não citou quaisquer estudos ou dados que mostrem que a ciência mudou.

Wen, que começou a admitir há algumas semanas que as máscaras não funcionam para impedir a propagação do COVID, afirmou que “a decisão de usar uma máscara deve deixar de ser uma ordem do governo e passar a ser uma escolha individual”.

Ela acrescentou que as crianças nas escolas não devem ser forçadas a usar máscaras porque pode ser prejudicial e dificultar o aprendizado.

“A ciência mudou.” @DrLeanaWen explica por que ela apoia o fim de algumas restrições pandêmicas e acha que a decisão de usar uma máscara deve mudar de um decreto do governo para uma escolha individual.

 

Há dois meses, Wen estava defendendo que o governo Biden “restringisse ainda mais as atividades dos não vacinados”.

Wen também já havia consolidado uma sociedade segregada quando culpou as pessoas que não tomaram a injeção por um “surto” de COVID-19 enquanto afirmava que “não podemos confiar nos não vacinados”.

Wen também pediu para tornar “dificultar que as pessoas permaneçam não vacinadas” restringindo suas liberdades sociais.

Ela afirmou que “precisamos dificultar a vida das pessoas que permanecerem não vacinadas”, alegando que atualmente isso não é difícil (apesar do grupo ser demonizado e discriminado diariamente).

Wen também afirmou anteriormente que as crianças que retornam à escola precisam ser forçadas a usar máscaras de nível industrial e devem ser submetidas a testes semanais de COVID até serem totalmente vacinadas.

De repente, tudo isso mudou para Wen.

Acontece que isso coincide com o início da temporada eleitoral, e os democratas agora se afastam das políticas de lockdown que anteriormente defendiam com veemência por temores de serem politicamente exterminados.

 

Artigo original aqui

1 COMENTÁRIO