Arcebispo Viganò apoia os caminhoneiros canadenses contra o Grande Reinício ‘infernal’

2
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Caros irmãos e irmãs caminhoneiros canadenses,

O golpe global que nestes dois anos de farsa psicopandêmica foi realizado pela elite globalista aparece mais claramente se não nos limitarmos a considerar o que aconteceu em nações individuais, mas ampliar nosso olhar para o que aconteceu em todos os lugares.

Seu protesto, queridos amigos caminhoneiros canadenses, junta-se a um coro mundial que quer se opor ao estabelecimento da Nova Ordem Mundial sobre os escombros dos estados-nação, através do Grande Reinício desejado pelo Fórum Econômico Mundial e pelas Nações Unidas sob o nome de Agenda 2030. E sabemos que muitos chefes de governo participaram da Escola para Jovens Líderes de Klaus Schwab – os chamados Líderes Globais do Amanhã – começando com Justin Trudeau e Emmanuel Macron, Jacinta Ardern e Boris Johnson, e antes desses Angela Merkel, Nicolas Sarkozy e Tony Blair.

Parece que o Canadá é – junto com Austrália, Itália, Áustria e França – uma das nações mais infiltradas pelos globalistas. E neste projeto infernal devemos considerar não apenas a farsa psicopandêmica, mas também o ataque às tradições e à identidade cristã – aliás, mais precisamente à identidade católica – desses países.

Vocês entenderam isso instintivamente, e seu anseio por liberdade foi demonstrado em toda a sua harmonia coordenada, movendo-se em direção à capital Ottawa. Caros caminhoneiros, vocês estão enfrentando grandes dificuldades, não apenas porque abrem mão de seu trabalho para protestar, mas também por causa das condições climáticas adversas, longas noites de frio e tentativas de dispersão que enfrentam. Mas junto com essas dificuldades vocês também ganharam a solidariedade de muitos de seus concidadãos, que como vocês entenderam a ameaça iminente e querem apoiá-los em seu protesto contra o regime. Permitam-me também manifestar-vos o meu apoio e a minha solidariedade espiritual, aos quais junto a oração para que o vosso evento seja coroado de êxito e se estenda também a outros países.

Nestes dias vemos cair as máscaras de tiranos de todo o mundo, e infelizmente também vemos tanto conformismo, tanto medo, tanta covardia em pessoas que até ontem considerávamos amigos, mesmo entre nossos familiares. No entanto, precisamente por esta situação extrema, nos surpreendemos com gestos de humanidade feitos por estranhos, sinais de solidariedade e fraternidade por parte daqueles que se sentem próximos de nós na luta comum. Descobrimos tanta generosidade e tanta vontade de nos livrar desse estupor. Descobrimos que não estamos mais dispostos a sofrer passivamente a destruição de nosso mundo imposta por uma cabala de criminosos sem escrúpulos, sedentos de poder e dinheiro.

Nesse ataque implacável ao mundo tradicional, não apenas seu modo de vida e sua identidade foram afetados, mas também suas posses, suas atividades e seu trabalho. Este é o Grande Reinício, este é o futuro prometido por slogans como Build Back Better (Vamos reconstruir melhor), este é o futuro de bilhões de pessoas sendo controladas em todos os seus movimentos, em todas as suas transações, em todas as compras, todas as práticas burocráticas, todas as atividades. Autômatos sem alma nem vontade, privados de identidade, reduzidos a ter uma renda universal que lhes permita sobreviver, comprar apenas o que outros já decidiram colocar à venda, transformados por um soro genético em doentes crônicos.

Hoje, mais do que nunca, é essencial que você perceba que não é mais possível assistir passivamente: é preciso se posicionar, lutar pela liberdade, exigir o respeito às liberdades naturais. Mas ainda mais, queridos irmãos canadenses, é preciso entender que esta distopia serve para estabelecer a ditadura da Nova Ordem Mundial e apagar totalmente todo vestígio de Nosso Senhor Jesus Cristo da sociedade, da história e das tradições dos povos.

Manifestai-vos pelos vossos direitos, amigos canadenses: mas que estes direitos não se limitem a uma simples reivindicação da liberdade de entrar nos supermercados ou de não serem vacinados: que seja também uma reivindicação orgulhosa e corajosa do vosso sacrossanto direito de ser homens livres. Mas a sua demonstração deve ser de verdadeira liberdade, lembrando-lhe que é a Verdade – ou seja, Nosso Senhor Jesus Cristo – que sozinha pode garantir a liberdade: a verdade o libertará.

Rezemos para que Cristo volte para reinar na sociedade, em seus corações e em suas famílias. Pegue a arma espiritual do Santo Rosário, e reze à Santíssima Virgem, Santa Ana, São Jorge e aos Santos Mártires Canadenses para proteger sua pátria.

Gostaria de concluir o meu apelo pedindo-vos que rezeis comigo, com as palavras que Nosso Senhor nos ensinou: sejam elas o selo deste despertar, desta libertação nacional. Rezemos todos juntos, em voz alta, para que a nossa oração suba ao Céu, mas também para que ressoe poderosamente nestas praças, nestas ruas, até aos palácios dos poderosos:

Pai Nosso que estais nos Céus,
santificado seja o vosso Nome,
venha a nós o vosso Reino,
seja feita a vossa vontade
assim na terra como no Céu.
O pão nosso de cada dia nos dai hoje,
perdoai-nos as nossas ofensas
assim como nós perdoamos
a quem nos tem ofendido,
e não nos deixeis cair em tentação,
mas livrai-nos do Mal.

 

+ Carlo Maria Viganò, Arcebispo

2 COMENTÁRIOS

  1. “E neste projeto infernal devemos considerar não apenas a farsa psicopandêmica, mas também o ataque às tradições e à identidade cristã – aliás, mais precisamente à identidade católica – desses países.”

    “Mais precisamente à identidade católica”, sim, para a maioria dos olavetes, kogosianos e família, todo o problema é este: a santa igreja pipipi popopó perdeu seu lugar de fala! Não bastasse Jesus não ter sido católico ( óbvio) , não obstante, o imperador romano ( papa) não manda mais nada e isso é insuportável para seus apoiadores fanatizados.

  2. Isso foi um discurso ao vivo? não tem link para o original.

    Mais dez arcebispos como o Viganó e muita munição, nós conseguiríamos fazer uma cruzada contra esses imundos, como citado no texto, psicopandêmicos. Essa expressão é preciosa, pois é uma boa síntese também para um artigo publicado aqui, ” A Matrix Covid”.
    Eu não confio em psicólogos, psiquiatras – aliás, em toda o pessoal da saúde, pois eu não fiquei sabendo de nenhum que tenha identificado o comportamento do covidiota como patológico. Muito antes pelo contrário! os doido seríamos nós, dissidentes. Mas é típico das ditaduras tratar seus adversários desta maneira.