Minha batalha contra a polícia do pensamento

5
Tempo estimado de leitura: 8 minutos

Os leitores deste site provavelmente sabem sobre meu tormento na minha universidade, que foi abordado extensivamente neste site e pela grande imprensa tradicional. Agora que as principais operações de combate terminaram (para empregar uma frase usada por Bush em referência ao Iraque … dois anos atrás), tive algum tempo para refletir sobre o que aconteceu, por que, se e em que medida minha reação foi adequada.

E aqui estão minhas reflexões sobre este incidente que levou minha carreira como professor de economia em uma direção que eu nunca teria previsto. Agora que o caso está mais ou menos resolvido, não me sinto mais obrigado por considerações jurídicas a ficar calado sobre detalhes importantes. Este artigo é o primeiro a divulgar todos os detalhes do caso.

Las Vegas se orgulha de sua tolerância, assim como a UNLV, sua universidade. Na universidade, porém, a tolerância é seletiva. Você pode afirmar que os homens heterossexuais brancos são responsáveis ​​por toda a miséria da humanidade, que a Cuba de Castro é uma grande história de sucesso, que o capitalismo significa exploração ou que a maioria dos professores universitários são progressistas porque os conservadores são estúpidos demais para ensinar. Se alguém reclamar disso, tal reclamação será imediatamente rejeitada.

E com razão. Afinal, a universidade está comprometida com a liberdade acadêmica. Seu corpo docente tem a “liberdade e a obrigação … [de] discutir e perseguir o assunto do corpo docente com franqueza e integridade, mesmo quando o assunto requer a consideração de tópicos que podem ser politicamente, socialmente ou cientificamente polêmicos. … (um) membro do corpo docente … não deve ser sujeito a censura ou disciplina pela Universidade … sob o fundamento de que o docente expressou opiniões ou pontos de vista controversos, impopulares ou contrários às atitudes da Universidade … ou da comunidade.”

Nada disso se aplica a professores que discordam das visões socialistas, estatistas ou culturalmente de esquerda, como eu descobriria.

Em março de 2004, durante uma palestra de 75 minutos em minha aula de Moeda e Sistema Bancário sobre preferência temporal, juros e capital, apresentei vários exemplos destinados a ilustrar o conceito de preferência temporal (ou na terminologia do sociólogo Edward Banfield de “orientação presente e futura”). Como um breve exemplo, referi-me aos homossexuais como um grupo que, por normalmente não ter filhos, tende a ter um maior grau de preferência temporal e é mais voltado para o presente. Eu também observei – como muitos outros estudiosos – que JM Keynes, cujas teorias econômicas foram o assunto de algumas palestras futuras, tinha sido homossexual e que isso pode ser útil saber ao considerar sua recomendação de política econômica de curto prazo e sua famosa frase “no longo prazo, estaremos todos mortos”.

Durante minha palestra, nenhuma pergunta foi feita. (Você pode ouvir a mesma palestra, dada algum tempo depois, no Mises.org.) No entanto, dois dias depois, uma queixa informal foi registrada por um aluno com o “comissário” de ação afirmativa da universidade. O estudante alegou que ele, como homossexual, havia se sentido “mal” com minha palestra. Com base nessa “evidência”, o comissário, que, como eu descobriria apenas algumas semanas depois, era um ex-clérigo que se tornou ativista gay “certificado”, me ligou em casa para me informar que cancelaria minha classe se eu continuasse a fazer tais observações.

Concordei em me encontrar com o comissário em meu escritório pensando que isso encerraria rapidamente o assunto. O aluno seria informado sobre a natureza de uma universidade e liberdade acadêmica, incluindo seu direito de perguntar e desafiar seu professor. Em vez disso, o comissário me deu um sermão sobre o que e como eu deveria dar as minhas aulas. Expliquei a ele a diferença entre um professor e um burocrata e que ele estava ultrapassando os limites, mas sem sucesso. No entanto, como o aluno havia falsamente alegado que minhas observações tinham sido sobre “todos” os homossexuais, concordei em explicar a diferença entre as afirmações “todos” e “média” durante minha próxima aula.

Em minha próxima palestra, expliquei que, quando digo que os italianos comem mais espaguete do que os alemães, por exemplo, isso não significa que todo italiano come mais espaguete do que todo alemão. Isso significa que, em média, os italianos comem mais espaguete do que os alemães.

Diante disso, o aluno apresentou uma reclamação “formal”. Não levei seus sentimentos a sério. Ele se sentiu “magoado de novo”; e como ele havia aprendido com o comissário, sentir-se mal por duas vezes constituía um “ambiente hostil de aprendizagem” (uma ofensa que não está definida no estatuto da universidade). A partir de então, o comissário assumiu o caso do aluno. Qualquer pretensão de agir como mediador neutro foi abandonada e ele se tornou promotor.

Em abril, recebi ordem de comparecer perante um comitê administrativo reunido pelo comissário para provar minha declaração. Isso foi uma clara violação das regras da universidade: não apenas não há provisão para qualquer “esquadrão da verdade”, mas, sendo burocratas, os membros do comitê eram totalmente desqualificados para tal tarefa.

No entanto, ingenuamente forneci as provas solicitadas. Meu pedido de reunião gravada foi negado. Durante a audiência, que foi conduzida em um estilo que lembra os interrogatórios de acadêmicos politicamente suspeitos em países comunistas ou na Alemanha nazista, basicamente apenas o comissário falou.

Meu pedido repetido para que testemunhas fossem ouvidas foi negado. Uma estudante, recomendada pelo reclamante, foi posteriormente entrevistada secretamente, mas como seu depoimento contradisse o que o comissário queria ouvir, foi suprimido. Além disso, em sua acusação, que eu não veria até novembro, o comissário se referiu a uma reclamação anterior de um estudante sem relação com aquela, mas ele suprimiu a informação de que essa reclamação havia sido rejeitada como sem mérito e na verdade resultou em um constrangimento para a administração da universidade.

As evidências fornecidas foram postas de lado, porque algumas delas também teriam aparecido em websites anti-gays que eu nunca havia nem visitado. Na verdade, o que quer que eu ou qualquer outra pessoa dissesse era irrelevante, porque o comissário já havia encontrado “provas” de minha hostilidade em meus escritos.

Em meu livro Democracia – o deus que falhou, não apenas defendo o direito à discriminação implícito no direito à propriedade privada, mas também enfatizo a necessidade da discriminação na manutenção de uma sociedade livre e explico sua importância como fator civilizador. Em particular, o livro também contém algumas frases sobre a importância, sob circunstâncias claramente declaradas, de discriminar comunistas, democratas e defensores habituais de estilos de vida alternativos e não centrados na família, incluindo homossexuais.

Por exemplo, na pág. 218, eu escrevi “em um pacto celebrado entre proprietários e inquilinos da comunidade com o propósito de proteger sua propriedade privada … ninguém tem permissão para defender ideias contrárias ao próprio propósito do pacto … como democracia e comunismo.” “Da mesma forma, em um convênio fundado com o propósito de proteger a família e parentes, não pode haver tolerância para com aqueles que habitualmente promovem estilos de vida incompatíveis com este objetivo. […] [os violadores] terão que ser fisicamente removidos da sociedade.”

Em seu contexto adequado, essas declarações dificilmente são mais ofensivas do que dizer que a Igreja Católica deve excomungar aqueles que violam seus preceitos fundamentais ou que uma colônia de nudismo deve expulsar aqueles que insistem em usar maiôs. No entanto, se você interpretar as declarações fora do contexto e omitir a condição: em um pacto … elas parecem defender uma violação de direitos.

Meu elogio à discriminação foi parte de um ataque frontal contra o que às vezes é chamado de libertarianismo de esquerda – contra a política que iguala liberdade a libertinagem, multiculturalismo e os chamados direitos civis em oposição à existência e aplicação de direitos de propriedade privada. Em retaliação, para me desacreditar como um “fascista”, um “racista”, um “fanático”, etc., o libertário de esquerda tem distorcido rotineiramente meus pontos de vista citando as passagens acima fora do contexto.

O comissário descobriu essas “citações” – e pronto! Fui considerado culpado da acusação. (Caracteristicamente, após a contestação, o comissário se mostrou incapaz – também durante uma segunda audiência seis meses depois – de citar em qual página as supostas citações estavam.)

Um indiciamento recomendando uma carta de reprimenda e perda do pagamento de uma semana, foi encaminhado ao meu reitor, que não a aceitou nem rejeitou, mas a enviou ao diretor. Depois de esperar mais de 5 meses, o diretor agiu da mesma forma.

Em novembro, ele instruiu o encarregado do código da universidade, que havia sido membro do primeiro comitê de inquisição, a me enviar a acusação, formar outro comitê e ordenar que eu comparecesse a um segundo julgamento. O comitê era composto pelo reitor de ciências naturais, o reitor associado da faculdade de hotelaria, um professor de biologia e o presidente do diretório estudantil. O encarregado do código atuou como secretário e o comissário como promotor. Fui acompanhado de um advogado, em resposta ao qual a universidade também enviou um advogado. Nenhum membro do comitê tinha conhecimento de economia.

O pedido do meu advogado para gravar a reunião ou pela presença de um relator no tribunal foi negado. Depois que o aluno explicou sobre seus sentimentos feridos, meu advogado perguntou onde no código um “ambiente de aprendizagem hostil” foi definido. Nem o encarregado do código nem o advogado da universidade puderam responder à pergunta porque essa definição não existe.

Li as passagens citadas acima a respeito da liberdade acadêmica e argumentei que meus direitos concedidos por contrato haviam sido violados. Já havia falado sobre o meu tema e, além disso, não era obrigado a “provar” nada. Na verdade, dificilmente minha declaração pode ser considerada “polêmica”, ao contrário, foi totalmente razoável à luz de minhas evidências aduzidas. Novamente solicitei que os alunos fossem entrevistados sobre minha alegada “hostilidade”, mas novamente o pedido foi ignorado. Ofereci várias cartas de alunos escritas em meu apoio, mas não foram admitidas como prova.

Os membros do comitê fizeram poucas perguntas, se é que fizeram alguma; apenas o reitor contribuiu com algumas joias preciosas do politicamente correto. A maior parte do tempo foi ocupada pelo comissário. Nesse ínterim, ele reuniu informações sobre mim e minha proeminência e chegou à conclusão de que se ele pudesse me silenciar, ele poderia silenciar qualquer um. Ele começou um discurso contra mim que, no julgamento de meu advogado, teria feito com que ele fosse expulso de qualquer tribunal normal. Depois de reclamar por quase meia hora, até o advogado da universidade se cansou e disse-lhe “Cale a boca” e, quando ele continuou, o advogado advertiu o presidente do comitê para interrompê-lo.

Dois meses depois, no final de janeiro de 2005, o encarregado do código ligou para meu advogado para informá-lo de que o comitê de “pares” havia confirmado a constatação de “ambiente hostil” do primeiro comitê e recomendaria ao diretor uma carta de reprimenda e confisco de meu próximo aumento por mérito. Poderia haver um pouco de espaço para negociação, mas se eu não aceitasse a oferta, uma punição ainda mais séria até a rescisão poderia ser iminente. O pedido do meu advogado para ver o relatório foi negado.

Rejeitei a oferta e, tendo até então sido colocado sob uma ordem de silêncio, finalmente comecei uma contraofensiva. Fui colocado em contato com a ACLU Nevada e, embora nossas visões políticas sejam polos opostos, a ACLU, para seu crédito eterno, tinha princípios o suficiente para assumir o meu caso de professor “direitista”. Além disso, um proeminente advogado local ofereceu seus serviços e, em poucos dias, a equipe de relações públicas do Mises Institute começou a trabalhar em meu caso.

Primeiro, a ACLU enviou uma “carta de exigência”, solicitando o fim imediato da farsa ou a universidade seria levada a tribunal, então notícias locais sobre o caso apareceram, e cartas de protesto e ligações furiosas começaram a chover na universidade.

Como primeiro resultado, em 9 de fevereiro o diretor me enviou uma “carta de instrução não disciplinar” – muito longe de ser uma reprimenda e punição monetária. Mas se esta carta foi enviada para acalmar as águas, ocorreu o contrário. As “instruções” contradiziam os estatutos de liberdade acadêmica, como até um idiota poderia reconhecer. Qualquer que fosse a reputação acadêmica que o diretor pudesse ter antes, a carta o fazia parecer um tolo invejoso.

Um caso local transformou-se em nacional e até internacional, e uma onda de protestos se transformou em uma enchente. A universidade teve um desastre de relações públicas em suas mãos. Apenas dez dias depois – quase exatamente um ano após o início do caso – o presidente da universidade, por ordem do chanceler de todo o sistema universitário, retirou oficialmente todas as acusações contra mim.

Este foi um momento de grande triunfo pessoal, mas algumas coisas ficaram por fazer: a universidade não se desculpou comigo, nenhuma forma de restituição foi oferecida por um ano perdido de meu trabalho e ninguém foi responsabilizado na UNLV. Para conseguir isso, um julgamento seria necessário. Embora meus advogados concordem que eu venceria no tribunal, mais um ou dois anos de minha vida seriam perdidos. Esse custo é muito alto. A manifestação de apoio mundial em meu nome e as muitas cartas edificantes e comoventes são minha satisfação.

Há muito tempo considero o movimento do politicamente correto uma ameaça a todo pensamento independente e estou profundamente preocupado com o nível de autocensura no meio acadêmico. Para neutralizar essa tendência, não deixei nenhum tabu político intocado em meu ensino. Eu acreditava que os EUA ainda era livre o suficiente para que isso fosse possível e presumi que minha relativa proeminência me oferecesse alguma proteção extra.

Quando me tornei vítima da polícia do pensamento, fiquei genuinamente surpreso e agora temo que meu caso tenha tido um efeito assustador em acadêmicos menos estabelecidos. Ainda assim, é minha esperança que minha luta e vitória final, mesmo que elas não possam fazer um homem tímido valente, encorajem aqueles com espírito de luta a se defenderem.

Se cometi um erro, foi porque fui muito cooperativo e esperei muito para partir para a ofensiva.

 

Artigo original aqui.

5 COMENTÁRIOS

  1. Você é apenas um preconceituoso e foi dar uma aula com seu viés preconceituoso.Você não consegue provar que gays têm baixa preferência temporal. Gays também são empreendedores, investidores, poupadores e também têm filhos de diversas formas, biológicos ou não. Você apenas foi mais um preconceituoso punido por isso. E depois, ninguém paga uma universidade para ser humilhado por um professorzinho. Demitir maus funcionários também é capitalismo.

  2. Cara, fiquei até emocionado com esse negócio.

    É curioso que o Jordan Peterson sofreu exatamente o mesmo problema na sua suposta universidade. O que lhe salvou foi na verdade a sua potência intelectual, já que no geral não teve o mesmo apoio do Herr Hans Hoppe.

    É curioso que uma sociedade liberal, nos moldes dos liberalecos randianos, quer dizer isso mesmo, liberal, ou seja, libertina. Na medida em que eu fui me afastando da máfia liberal, é que eu pude perceber o quanto eles estão entranhados ao lado da esquerda na guerra cultural, o que obviamente quer dizer apoio irrestrito ao estatismo. São liberais fru fru, sempre pontos a chamar alguém de reacionário. Em sua vasta maioria são ateus militantes pregando contra a Igreja, esta uma sólida instituição civilizatoria. Um típico liberalóide não conseguiria entender a profundidade do “Democracia – o deus que falhou”.

    Existe um livro interessantíssimo chamado “Radicais nas universidades”, que descreve exatamente o tipo de ambiente político que forma o caldo cultural que leva à um processo como este que sofreu o Hoppe. E diga-se de passagem, nossas universidades são piores, pois não existe de fato a quem recorrer, devido à um negócio chamado autonomia universitária.

    Neste sentido, não se deve esperar um minuto para reagir a qualquer ofensiva de um esquerdista radical ou de um estatista. Eles não estão interessados em argumentos – do tipo da ética argumentativa hoppeana, mas sempre em liquidar com as pessoas de maneira concreta e pontual. São mafiosos. Al Capone sorri no inferno, pois este jamais faria um discurso a favor da tolerância mafiosa, ele simplesmente mataria seus inimigos. Assim é a esquerda e por consequência, grande parte dos estatistas atuais.