Musk pode cumprir suas promessas de liberdade de expressão e informação?

1

A aquisição do Twitter por Elon Musk e sua imediata demissão de funcionários do alto escalão representa um enfraquecimento potencial do cartel woke da Grande Indústria Digital que controla informações, modera conteúdo, censura e bane usuários e serve como um braço de propaganda de estatistas totalitários de esquerda. Dada sua cooperação e promoção do estatismo de esquerda, é mais do que evidente que Twitter, Facebook, Google e outros serviram como aparelhos de Estado, como o que chamei de “governamentalidades”. A aquisição de Musk não representa apenas um golpe potencial para o cartel woke, mas também para os estatistas globalistas a quem ele serve tão assiduamente.

Argumentei que a jogada de Musk no Twitter representa um importante teste para o cartel woke porque coloca “o homem mais rico do mundo” contra esses agentes do Estado. A aquisição de Musk agora demonstrará o quanto esse cartel e os estatistas que eles apoiam conseguem infringir os direitos de propriedade controlando o que Musk pode fazer com sua própria propriedade.

A União Europeia [UE] já está ameaçando Musk com o controle do conteúdo do Twitter. Depois que Musk twittou “o pássaro está livre”, o chefe da indústria da UE, Thierry Breton, twittou [na] Europa, o pássaro voará de acordo com nossas regras da UE”. Breton estava se referindo indiretamente à Lei de Serviços Digitais da UE, que visa banir “conteúdo ilegal e prejudicial” em toda a Europa.

Mas a Lei de Serviços Digitais ameaça universalizar a moderação de conteúdo pelas mídias sociais e mecanismos de busca, submetendo-os às leis rigorosas e anti-liberdade de expressão da UE contra “desinformação” e “discurso de ódio”, que (ainda) não são categorias legais reconhecidas nos Estados Unidos. Dado que o Twitter será forçado a cumprir a moderação de conteúdo imposta pela UE para seus usuários da UE, é possível que ele simplesmente aplique as regras da Lei de Serviços Digitais a todo o conteúdo – a menos que o Twitter crie algoritmos que permitam distinguir entre postagens originadas da UE e aquelas provenientes de outros lugares.

Pouco depois de Musk se mobilizar para comprar o Twitter, várias dezenas de países e órgãos de governança internacionais – incluindo os EUA e a UE – anunciaram a ratificação da “Declaração para o Futuro da Internet”, que, entre outras coisas, visa “reforçar a resiliência à desinformação e aumentar a participação em processos democráticos [sic].” Dois dias depois que Musk anunciou que estava comprando o Twitter, o governo Biden anunciou a formação de um “Conselho de Governança de Desinformação”, que já foi descartado, pelo menos por enquanto.

O cartel woke e o estatismo totalitário de esquerda que ele apoia não iriam simplesmente aceitar a incursão de Musk na aquisição das principais mídias sociais. Essa luta mostrará o quão importante é o controle de informações para “a panelinha no poder”.

Musk não é de forma alguma um modelo para os libertários do livre mercado, mas sua aquisição e remodelação do Twitter não deixa de ser um evento significativo na luta pela liberdade contra o cartel woke e o estado que ele apoia. O que acontecer no Twitter não será apenas um teste para a sinceridade e determinação de Musk, mas também para o poder do regime do cartel woke para fazer cumprir os ditames e narrativas do Estado.

Sou uma das vítimas recentes do cancelamento de vozes dissidentes pelo Twitter. Acredito que fui cancelado porque argumentei que o movimento transgênero faz parte de um regime de despovoamento neomalthusiano (ao mesmo tempo que é um meio de desmantelar a família). Agora que Musk está no comando, espero ser reintegrado (e verificado). Mas não estou muito confiante sobre isso.

 

 

Artigo original aqui

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.