Neil Fergusson; o Lyssenko do Ocidente

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Nos primeiros dias da Guerra Fria, era costume no Ocidente zombar da cegueira científica dos soviéticos, que acreditavam na bobagem do professor Trofim Lyssenko. O primeiro secretário do partido, Joseph Stalin, proibiu o ensino de genética e usou Lyssenko como justificativa científica para o marxismo, mas ele não trouxe consequências práticas.  Hoje a mesma doença mental chegou ao Ocidente. O professor Neil Fergusson assegura que as estatísticas podem prever o comportamento dos seres vivos. Isso é estúpido, mas muitos líderes políticos de alto escalão acreditam nisso. Infelizmente, ao contrário dos soviéticos, eles trazem consequências políticas que arruínam seus países.

A criação do Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças

Nas últimas duas décadas, os líderes políticos ocidentais tentaram usar o conhecimento estatístico de epidemias para determinar as decisões corretas a serem tomadas em caso de perigo. Após o surto de SARS em 2003, a União Europeia estabeleceu o Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças (ECDPC) em 2005. Durante o segundo semestre de 2008, este centro e a presidência rotativa francesa organizaram um colóquio para estudar a conveniência de fechar as escolas para combater uma epidemia de gripe e determinar quando deveria ocorrer e quando deveria parar.  Ainda não se falava em contenção generalizada de toda a população.

A principal contribuição foi feita pelos professores Neil Ferguson e Simon Cauchemez, do Imperial College London. Ele (Ferguson) comparou dados estatísticos sobre o fechamento de escolas em Hong Kong em 2003 e 2008, sobre o impacto da greve de professores em Israel em 2000, sobre o impacto de feriados regionais na França entre 1984 e 2006, sobre o fechamento de escolas infectadas pela influenza na França em 1957 e sobre o impacto da gripe espanhola em algumas cidades dos EUA e na Austrália em 1918. E apontou as desigualdades e injustiças associadas ao fechamento de escolas no Reino Unido e nos EUA.

A partir daí, o problema foi virado de cabeça para baixo. Os especialistas observaram que o fechamento de escolas não teve um impacto significativo no número final de mortes, mas apenas na velocidade de propagação da doença. Sua tarefa era fornecer uma solução para o fechamento de leitos hospitalares que não eram usados no dia-a-dia. As estatísticas não estavam mais a serviço da saúde dos europeus, mas de uma ideologia, a da administração socialista do estado.

Bernard Kouchner, ministro das Relações Exteriores da França que organizou este simpósio, foi quem, quando era ministro da Saúde (1992-93, 1997-99, 2001-02), iniciou a reorganização do sistema hospitalar francês de acordo com critérios médicos, mas de acordo com uma lógica de rentabilidade. Em cerca de quinze anos, a França conseguiu economizar substancialmente fechando 15% de seus leitos hospitalares; economia irrisória em comparação com o custo atual de contenção.

O charlatanismo do professor Neil Ferguson

O professor Ferguson ainda é a referência europeia para modelagem de epidemias.

– Apesar de ter sido ele que, em 2001, convenceu o primeiro-ministro Tony Blair a abater 6 milhões de bovinos para interromper a epidemia de febre aftosa (uma decisão que custou 10 bilhões de libras e agora é considerada uma aberração).

– Em 2002, ele calculou que a doença da vaca louca mataria cerca de 50.000 britânicos e outros 150.000 quando transmitidos às ovelhas. Na verdade, houve apenas 177 mortes.

– Em 2005, ele previu que a gripe aviária mataria 65.000 britânicos. Houve um total de 457 mortes.

Mesmo assim, ele se tornou consultor do Banco Mundial e de muitos governos. Foi ele quem enviou uma nota confidencial ao presidente francês Emmanuel Macron em 12 de março, anunciando meio milhão de mortes na França. Em pânico, este último tomou a decisão de confinamento generalizado naquela mesma noite. Foi também o professor Ferguson que anunciou publicamente em 16 de março que, se nada fosse feito, haveria 550.000 mortes no Reino Unido e 1,2 milhão nos Estados Unidos, forçando o governo britânico a rever sua política.

Simon Cauchemez, que era seu braço direito em 2009, agora dirige a unidade de modelagem no Instituto Pasteur. Ele é, é claro, membro do Comitê Científico do Élysée, onde propôs confinamento generalizado. Esse comitê foi criado pelo diretor geral de saúde, professor Jérôme Salomon, pupilo e ex-consultor técnico de Bernard Kouchner.

A tomada de poder da equipe de Ferguson foi baseada em uma fraude intelectual. A “biologia matemática “(sic) poderia justificar a gestão estatal dos serviços de saúde.

Infelizmente, embora as estatísticas possam ser usadas para avaliar os efeitos desta ou daquela medida após o fato, elas não podem prever o comportamento de um organismo vivo, um vírus. Um vírus procura se espalhar, e não matar, o que ocorre sem querer quando a espécie em que nidifica ainda não possui anticorpos adequados. Nenhum vírus eliminará nenhuma espécie, inclusive os humanos, porque se matasse todas elas, desapareceria com elas.

Aliás, extrapolar as medidas da gripe para a epidemia de Covid-19 é absurdo: a gripe afeta muitas crianças, a Covid-19 não, que em termos demográficos mata apenas idosos ou pessoas com diabetes ou pressão alta. As crianças infectadas com Covid-19 têm uma carga viral muito baixa, nem se sabe até hoje se são contagiosas.

O professor Ferguson admitiu em 22 de março que havia realizado seus cálculos na epidemia de Covid-19 exclusivamente com um banco de dados de 13 anos de idade de epidemias de influenza.

De fato, não se pode deixar de notar a tendência desse guru, que não está mais satisfeito em justificar políticas socialistas aplicadas à saúde pública, mas chegou a advogar a privação de liberdade de povos inteiros. Para ocultar a realidade dessa aberração, os apoiadores do professor Fergusson distraem a atenção do público, propondo o uso de máscaras cirúrgicas, que já explicamos que são inúteis diante da epidemia.[1]

A polêmica com o professor Didier Raoult

Essas explicações fizeram ressurgir a polêmica que opunha os discípulos do professor Neil Ferguson aos do professor Didier Raoult[2] Ao contrário do que foi dito, este não é um problema de metodologia, mas de finalidade.

Neil Ferguson é um charlatão envolvido em sua fraude, enquanto Didier Raoult é médico clínico. Os seguidores do primeiro precisam de pessoas mortas para acreditar em sua religião, os do segundo cuidam de seus pacientes.

O problema que estamos enfrentando não é um debate científico, mas uma guerra de erros repetidos contra a abordagem científica. É surpreendente ouvir membros do Conselho Científico do Élysée censurarem o professor Raoult por não realizar estudos comparativos com um grupo de controle. Em tempos de crise, um médico responsável deve deixar de tratar alguns de seus pacientes e sacrificá-los deliberadamente?

 

_____________________________

NOTAS

[1]Pânico e absurdo político diante da pandemia”, de Thierry Meyssan, tradução Roger Lagassé, Rede Voltaire, 7 de abril de 2020.

[2]Covid-19: propaganda e manipulação”, de Thierry Meyssan, tradução Pete Kimberley, rede Voltaire , 21 de março de 2020.

 

Artigo original aqui.

Tradução de Alexandre Coutinho