O analfabetismo econômico está vivo e passa bem

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Como acadêmico e economista, poucas coisas são tão frustrantes e alucinantes quanto o fervor com que as pessoas incorporam e exibem seu analfabetismo econômico. Parece que alguns, e um número cada vez maior deles, consideram uma qualidade ou mesmo uma vantagem moral permanecer ignorante com relação a economia básica.

Em vez de considerar o conhecimento econômico, que muitas vezes é conhecido e afirmado há séculos, esse conhecimento é atacado. Embora o processo científico deva ser de fundamental (ou seja, não apenas para se mostrar) e constante escrutínio e reavaliação das conclusões aceitas, o discurso científico não é o domínio primário para a crítica e rejeição e repúdio total da ciência econômica. Não, a crítica é formulada por aqueles que demonstram não compreender a disciplina, sua abordagem científica ou suas descobertas.

Uma coluna recente dos analfabetos econômicos Mike Konczal e Bryce Covert no The Nation ilustra claramente do que se trata essa crítica à economia. A coluna, intitulada O Placar: O salário mínimo mata empregos?, coloca como um exame das evidências sobre os efeitos das leis de salário mínimo, e pretende resolver o debate de uma vez por todas. Konczal e Covert parecem completamente alheios ao fato de que essa “pontuação” há muito está estabelecida na economia; aumentar, introduzir ou impor um salário mínimo acima do salário de mercado produz uma situação com menos empregos ceteris paribus.

Mas note que, embora essa pontuação tenha sido estabelecida na economia, Konczal e Covert têm um público diferente em mente. Eles se dirigem ao especialista imune à realidade: “Atire uma pedra para o alto em meio a uma multidão de especialistas e você vai acertar em alguém argumentando que o aumento do salário mínimo mata empregos”, começam a coluna. Devemos aceitar logo de cara que essa politização retórica (“matar empregos”) de uma lei econômica é ridícula. E os analfabetos econômicos provavelmente o fazem de bom grado, especialmente se pertencerem ao mesmo campo partidário que os autores. A maioria dos que lerem sua coluna também provavelmente não verá a representação desonesta dos autores (frequentemente usada por “ambos os lados” da multidão de especialistas) da bem estabelecida verdade econômica de que aumentar artificialmente os custos reduz a oferta voluntária. (Sua veracidade deve ser óbvia, na verdade.)

O restante da coluna lista artigos escolhidos a dedo e exemplos do mundo real para comprovar a afirmação dos autores. Um erro fundamental e flagrante assombra os autores ao longo do texto, mas aparentemente eles só estão interessados em fazer uma declaração política. Qualquer estudante universitário calouro produzindo uma “análise” como essa, comparando maçãs e laranjas da maneira que Konczal e Covert consistentemente fazem, esperançosamente receberia um grande e gordo “0” de seu professor. Ou, pelo menos, uma conversa sobre como conduzir uma análise econômica adequada.

O especialista comumente faz uso de tais “análises” de maçãs e laranjas, mas elas são inaceitáveis na ciência. A verdade econômica de que o aumento do salário mínimo acima do salário de mercado “causa desemprego” (a abreviatura frequentemente usada) não diz nada sobre o emprego no tempo T em comparação com o emprego no tempo T+1 (depois de introduzir/aumentar o salário mínimo). A análise afirma apenas que a situação em T+1 com salário mínimo necessariamente vê emprego menor do que a mesma situação em T+1 sem salário mínimo. Uma lei de “salário mínimo” só faz uma coisa: proíbe salários baixos. (Certamente não “aumenta” os salários.)

Muitas coisas podem (e mudam) entre T e T+1 que afetam o “emprego” (um agregado pesado que muda de composição com o passar do tempo), o que significa que a simples comparação temporal das estatísticas de empregos não nos diz praticamente nada. Se os estudos referenciados na coluna são representados com precisão por Konczal e Covert, eles são simplesmente má economia. Mas mesmo que eles usem técnicas econométricas avançadas para produzir um contrafactual “provável” (T+1 sem salário mínimo, o que não existe empiricamente), e essa seria reconhecidamente uma abordagem melhor (ou seja, menos ruim), os resultados ainda não significam quase nada. Tudo o que esses estudos fazem é comparar uma observação empírica (juntamente com seus vieses) com um contrafactual especulativo. Suas conclusões certamente não mudam a verdade econômica.

Não há razão para acreditar que Konczal e Covert estão interessados no que é a verdade real. Eles também não estão interessados em produzir uma análise honesta e adequada. Eles só estão interessados em que sua opinião sobre um assunto específico ganhe terreno repetindo sua conclusão preferida. Vemos isso o tempo todo entre os especialistas, que tendem a se referir a todo tipo de estatística (boa ou ruim) que supostamente apoia sua política favorecida.

As verdadeiras vítimas de sua empreitada são as pobres almas que são e se tornarão incapazes de encontrar emprego graças às leis do salário mínimo. Mas há também outra vítima: a ciência econômica. Não é exagero pensar que essa é uma característica da empreitada de Konczal e Covert (e outros como eles), e não um bug. O poder da economia é que ela identifica e prova a impossibilidade de certas políticas atingirem fins declarados (quando contradizem o direito econômico). É por isso que a economia e os economistas são usados e abusados – e quando não servem aos seus propósitos são ridicularizados e rejeitados – pelo poder político.

É realmente muito simples: a alfabetização econômica é a melhor e mais importante defesa do povo contra leis arbitrárias. É por isso que os especialistas têm tanto ódio de análises econômicas sólidas. O que é frustrante é que a maioria segue o que os especialistas dizem.

 

 

Artigo original aqui