O Enigma do Aço de “Conan, o Bárbaro” revela o segredo do poder

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Quando eu era adolescente, meu pai me chamou para assistir a um dos maiores filmes de fantasia já feitos: Conan, o Bárbaro, o épico de John Milius de 1982, co-escrito por Oliver Stone, estrelado por Arnold Schwarzenegger no papel principal.

O filme é uma obra-prima da fantasia, e não é comum a esse gênero de filme. Está repleto não apenas de violência gráfica, mas também de tortura, parricídio e muita nudez. (Por esse motivo, só pude assistir à versão com cortes para TV.)

Naturalmente eu adorei.

Isso não é surpresa, porque, de muitas maneiras, Conan é um filme de amadurecimento.

Como muitos heróis em histórias épicas, quando criança, Conan perde seus pais e forçado a encontrar seu próprio caminho em um mundo perigoso. Depois que sua família é brutalmente assassinada por um cruel senhor da guerra chamado Thulsa Doom (James Earl Jones), o jovem Conan é feito prisioneiro e vendido como escravo. Preso à Roda da Dor, ele luta dia após dia e se torna mais forte.

Os críticos de cinema teorizaram que a Roda é uma metáfora para a escola primária, e talvez seja por isso que o lendário crítico Roger Ebert chamou o filme de “fantasia perfeita para o pré-adolescente alienado”. Isso pode explicar por que Conan se tornou um dos meus filmes favoritos. (Eu não era um adolescente “alienado”, mas alguma confusão e alienação são consequências naturais, como qualquer adolescente pode testemunhar.) Depois de assistir à sequência, Conan, o Destruidor (1984), comecei a devorar os romances de Conan escritos por Robert E. Howard, o criador do personagem.

Embora eu tenha me tornado uma espécie de guru de Conan, uma coisa sobre Conan, o Bárbaro, sempre me intrigou – e dizia respeito ao “enigma do aço”.

O enigma do aço

No início do filme, o pai de Conan compartilha um enigma com seu filho enquanto lhe conta uma história sobre seu deus, Crom. É uma das cenas mais memoráveis ​​e poéticas do filme.

“Fogo e vento vêm do céu, dos deuses do céu. Mas Crom é o seu deus. Crom, e ele vive na terra. Uma vez, gigantes viveram na Terra, Conan.

E na escuridão do caos, eles enganaram Crom, e tiraram dele o enigma do aço. Crom ficou furioso. E a Terra tremeu. Fogo e vento derrubaram esses gigantes, e eles jogaram seus corpos nas águas, mas em sua fúria, os deuses esqueceram o segredo do aço e o deixaram no campo de batalha.

Nós que o encontramos somos apenas homens. Não deuses. Não gigantes. Apenas homens. O segredo do aço sempre carregou consigo um mistério. Você deve aprender seu enigma, Conan. Você deve aprender sua disciplina.”

O pai de Conan morre logo depois que ele compartilha esse enigma com Conan, levando consigo seu segredo – ou assim pensamos.

Mais tarde no filme, depois de matar uma cobra gigante, conhecer (no sentido bíblico) uma bruxa atraente, embora aterrorizante, e roubar um enorme rubi de um templo esquisito, Conan recebe uma tarefa de um rei interpretado pelo falecido, grande Max von Sydow.

“Roube minha filha de volta,” o Rei Osric comanda Conan e seus dois companheiros. Se o fizerem, o rei pagará aos ladrões toda a riqueza que eles puderem carregar.

Acontece que a filha do rei Osric foi vítima de um culto religioso e, por acaso, esse culto é liderado por Thulsa Doom. Isso dá a Conan a oportunidade perfeita não apenas para resgatar a filha do rei, mas também para aplicar a vingança contra os invasores assassinos que mataram sua família.

Infelizmente, a tentativa de Conan de penetrar no culto dá errado e ele é aprisionado. Depois de ser duramente espancado, Conan é levado até Thulsa Doom, que nem se lembra de ter destruído a vila de Conan ou matado seus pais. Mas ele tem a resposta para um importante mistério: o enigma do aço.

Thulsa Doom: Houve um tempo, rapaz, em que eu procurava aço, quando o aço significava mais para mim do que ouro ou joias.

Conan: O enigma… do aço.

Thulsa Doom: Sim! Você sabe o que é, não sabe, rapaz? Devo lhe dizer? É o mínimo que posso fazer. O aço não é forte, rapaz, a carne é mais forte!

Neste ponto, Thulsa Doom olha para os penhascos que cercam ele e Conan. Várias jovens estão de pé em rochedos com túnicas brancas esvoaçantes, braços cruzados passivamente.

“Venha para mim, minha criança,” Thulsa Doom diz em uma voz gentil para uma jovem.

Obedientemente, a mulher se afasta das rochas acima… e calmamente mergulha para a morte.

“Isso é força, garoto! Isso é poder!”, Thulsa Doom diz a Conan. “O que é o aço comparado à mão que o empunha?”

O enigma do aço, explicado… por Mises?

Durante anos, eu nunca realmente entendi essa cena.

A resposta de Thulsa Doom para o enigma não combinava com minha mente adolescente. O poder está fazendo lavagem cerebral em hippies de cabeça mole e convencendo-os a pular das pedras? A resposta parecia absurda, ou pelo menos incompleta.

Não foi até muitos anos depois, enquanto estudava o texto de Ludwig von Mises, Ação Humana, que a resposta de Thulsa Doom fez todo o sentido para mim. Mises, como Thulsa Doom, entendeu que o poder vem da ação, e as ideias são o que impulsionam a ação humana.

“As ideologias têm poder sobre os homens”, escreveu Mises. “Poder é a faculdade ou capacidade de dirigir ações.”

Quando Thulsa Doom, com uma mera palavra, convida uma bela jovem a se jogar de um penhasco, ele está mostrando a Conan do que é capaz, ou o que Mises chamou de “poder”.

“Poder é a capacidade de dirigir”, escreveu Mises. Esse poder, entendeu Mises, não vem de espadas ou “aço”, mas de ideias.

Quem tem poder, deve-o a uma ideologia. Somente as ideologias podem conferir
a um homem o poder de influenciar a conduta e a escolha de outras pessoas. Alguém só pode vir a ser um líder se estiver apoiado em uma ideologia que torne as outras pessoas dóceis e submissas. O poder, portanto, não é algo tangível e material, mas um fenômeno moral e espiritual.

Foi isso que Thulsa Doom quis dizer quando disse que não é o aço que é forte, mas a carne. A pessoa que pode usar ideias para comandar as pessoas é uma pessoa que tem verdadeiro poder, verdadeira força.

Ao contrário de Thulsa Doom, Mises obviamente via o poder como uma força perigosa e corruptora, e é por isso que ele se opôs à concentração de poder na instituição mais poderosa e mortal da história moderna: o estado.

Mas isso, como dizem no final de Conan, o Bárbaro, é outra história.

 

 

 

Artigo original aqui

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.