O fim do Corona?

1
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

E algumas especulações sobre o futuro.

Foi assim que eu descrevi como achava que seria o futuro em outubro de 2020:

    O cenário otimista é que a vacina seja lançada na primavera de 2021, e tudo isso desapareça ao longo dos próximos dezoito meses. Um ponto importante contra o otimismo é que o Covid deu muito poder a muitas pessoas terríveis, patéticas e medíocres, e elas não estarão dispostas a desistir disso nunca. … Apenas reverte a favor delas que a maioria dessas vacinas provavelmente fornecerá imunidade limitada, pode ser perigosa para crianças e possivelmente menos eficaz para idosos. …

Um cenário mais pessimista, é que o Covid se transforma em um eterno incômodo seguindo o padrão das mudanças climáticas, porém mais intrusivo. A vacina chega, mas os testes em massa e as políticas de contenção permanecem em vigor. Nos próximos anos, a maioria dos países luta contra seus burocratas de doenças em direção a algum compromisso de longo prazo minimamente aceitável. … Os lockdowns completos, contrários aos interesses de muitas indústrias, são eliminados gradualmente, mas as intervenções menos dispendiosas retornam todos os anos a tempo do Natal. … Se o SARS-2 se tornar especialmente raro, outras doenças respiratórias sazonais, como a gripe, poderão ser utilizadas. …

Para surpresa de ninguém, não chegamos ao paraíso da vacina. BioNTech, Moderna e AstraZeneca não erradicaram o SARS-2, e isso tem sido muito ruim para os políticos imprudentes e gurus da saúde pública que presidiram os últimos dois anos de destruição social e econômica. Deixou-os a encontrar o seu próprio caminho para fora do labirinto, sem a ajuda da Ciência que eles tanto gostam de seguir. Mas também não chegamos ao purgatório absoluto da contenção indiferenciada e contínua. No evento, havia a Omicron, uma terceira via.

A Omicron provou ser incompatível com o regime de confinamento, pelo menos como atualmente organizado. Após alguns meses, as vacinas aumentam a transmissão da Omicron. Os linha-dura usaram suas intervenções não farmacêuticas para levar todos para os braços dos vacinadores, e agora que as vacinas aumentam as infecções por Omicron, eles simplesmente não têm mais políticas públicas para impor. Tudo o que resta é o assédio legal mesquinho aos não vacinados.

Como se isso não bastasse, a Omicron tem sazonalidade imprevisível e finalmente revelou toda a farsa do rastreamento de contatos. A compreensão de que as ondas de infecção têm sua própria dinâmica, que, como o clima, estão além de nossa influência, agora está implícita na mídia mainstream. E, finalmente, como observei antes, bilhões de pessoas agora têm experiência pessoal com a infecção por SARS-2, o que torna a propaganda estatal sobre as graves ameaças representadas pelo vírus muito mais difícil de vender.

Alguns países responderam a esses desenvolvimentos abandonando todas as medidas de pandemia, em alguns casos mais ou menos da noite para o dia. Outros, como a Alemanha, estão lutando para manter pelo menos parte do circo Corona funcionando. Superficialmente, você pode dizer que nessas jurisdições, o impasse que eu imaginei realmente aconteceu, mas isso seria errado. Não foi qualquer oposição institucional ou política, mas sim a natureza e o próprio vírus, que colocou os pandêmicos na defensiva. Restou a eles ponderar a possibilidade de variantes futuras e mais mortais que exigirão um retorno a políticas de contenção mais duras e talvez uma nova rodada de vacinações em massa no outono. Enquanto isso, quase todo mundo tem anticorpos SARS-2 de um tipo ou de outro. O vírus deve, a partir de agora, operar em um mundo de resistência imunológica generalizada. Saberemos mais após o outono, mas acho muito duvidoso que o SARS-2 possa convocar as futuras variantes necessárias para restaurar seu poder em declínio.

Nada disso quer dizer que o Corona desaparecerá da terra. O próprio vírus, juntamente com seu legado institucional, estará conosco por muito tempo.

O que acabou foi apenas a fase aguda de um fenômeno muito maior e de longo prazo. Na verdade, acho que o Corona Agudo acabou há mais tempo do que muitos de nós imaginamos. Conforme encenado por planejadores de pandemia, virologistas e políticos, essa farsa foi armada desde o início para acabar com a vacinação em massa no ato final. Quando as vacinas fracassaram, houve um paroxismo de raiva e desespero, e então a energia se foi. Enquanto a Omicron finalmente quebrou o regime de contenção, ele teria se desfeito de qualquer maneira. Depois das vacinas, simplesmente não havia mais nada para ninguém fazer. Mais cedo ou mais tarde, uma jurisdição após a outra começaria a procurar as saídas. Omicron foi apenas a causa imediata.

Ficamos, então, com Corona Crônico, porque enquanto as energias específicas que o SARS-2 evocaram se esgotaram, as estruturas mais amplas responsáveis ​​por tudo isso permanecem não apenas intactas, mas fortalecidas, até otimizadas, para as pandemias do futuro. Entramos em um período incerto entre guerras, onde a capacidade imediata de ação é despendida, mas os problemas de condução permanecem sem solução – e talvez mais profundamente enraizado.

Não haverá repúdio a lockdowns, máscaras e coerção de vacinas por uma geração ou mais. Milhões de pessoas em todo o mundo agora exigirão que seus governos respondam dessa maneira a todas as futuras ameaças de pandemia. A estrutura institucional e os entendimentos legais necessários para atender a essa demanda estão em vigor em todos os lugares. Políticos e pandêmicos sabem o quanto é possível fazer, sabem o quanto as pessoas vão tolerar e, da próxima vez, vão além desses limites.

O que eu chamo de ‘indústria pandêmica’ foi massivamente expandido. Os coronavírus relacionados ao SARS, e especificamente o SARS-2, permanecerão um ponto focal de pesquisa em todo o mundo por muito tempo, provavelmente pelo resto de nossas vidas. Isso significa mais vazamentos de laboratório, respostas mais duras a ameaças mais brandas e pressão constante na academia e na burocracia por novas leis e novos poderes de emergência.

 

****

Aqui no final, apenas por diversão, vamos verificar com a virologista e conselheira governamental alemã Melanie Brinkmann, que explica ao órgão de mídia estatal NDR que precisamos de decretos de máscara para que as pessoas que desejam usar máscara não se sintam constrangidas com isso:

    Deixe-me dizer muito brevemente que se eu… se o decreto da máscara acabar, é muito fácil se sentir estranho, as pessoas podem dizer coisas para você se você usar uma máscara, e então eu realmente acho que é importante que essas regras ainda existam, que nós tenhamos que usar máscara em espaços fechados, por exemplo.

Esta é a segunda vez que encontramos esse argumento triste e ridículo em poucas semanas. Em que estado lamentável os astrólogos de Corona se encontram. Mesmo na Alemanha, é difícil ver como isso pode durar muito mais tempo.

 

 

Artigo original aqui