O fim do petrodólar acabará com o império americano?

0
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Os futuros historiadores podem dizer que o evento mais significativo de 2023 não teve nada a ver com Donald Trump, outros candidatos presidenciais de 2024 ou mesmo a guerra na Ucrânia. Em vez disso, o evento com maior significado de longo prazo pode ter recebido pouca atenção na grande mídia – o movimento da Arábia Saudita em aceitar moedas diferentes do dólar americano para pagamentos de petróleo.

Depois que o presidente Nixon cortou o último elo entre o dólar e o ouro, seu governo negociou um acordo com o governo saudita. Os EUA apoiariam o regime saudita, inclusive fornecendo armas. Em troca, os sauditas realizariam todas as transações de petróleo em dólares. Os sauditas também concordaram em usar os dólares excedentes que acumularam para comprar títulos do Tesouro dos EUA. O “petrodólar” resultante é uma das principais razões pelas quais o dólar manteve seu status de moeda de reserva mundial.

Também neste ano, a China e o Brasil fizeram um acordo para conduzir o comércio futuro entre os países usando suas próprias moedas em vez de dólares. O presidente brasileiro Lula da Silva pediu a mais nações que abandonassem o dólar.

Esse movimento de desdolarização é impulsionado em parte pelo ressentimento da política externa dos Estados Unidos, incluindo, em particular, o uso crescente de sanções econômicas pelo governo dos Estados Unidos. Destronar o dólar de seu status de moeda de reserva mundial torna mais fácil para os países ignorar essas sanções.

A desdolarização terá um impacto negativo na capacidade do governo dos EUA de administrar sua dívida de mais de 30 trilhões de dólares. Com algumas exceções, ainda não há apoio real no Congresso para cortes de gastos. Os membros da liderança republicana podem dizer que não apoiarão um aumento do teto da dívida, a menos que esteja vinculado a cortes de gastos. No entanto, depois que o governo Biden acusou os republicanos de querer cortar a Previdência Social e o Medicare, o presidente da Câmara, Kevin McCarthy, declarou que uma redução nos gastos com Previdência Social e Medicare – grandes impulsionadores do déficit federal – está “fora de cogitação”. Da mesma forma, apesar do crescente ceticismo do intervencionismo estrangeiro entre os republicanos, o complexo militar-industrial mantém um controle sobre a liderança do Congresso e a Casa Branca. Portanto, não espere nenhuma redução nos gastos militares. Em vez disso, o orçamento do Pentágono provavelmente aumentará.

O Federal Reserve enfrentará pressão contínua para monetizar a crescente dívida federal e manter baixas as taxas de juros (e, portanto, os custos dos empréstimos do governo federal). A inflação resultante levará a mais apoio para acabar com o status de moeda de reserva mundial do dólar. À medida que mais países abandonarem o dólar, o Fed se tornará menos capaz de monetizar a dívida do governo federal sem criar hiperinflação. Isso resultará em uma crise do dólar e um colapso econômico pior do que a Grande Depressão.

Esta crise levará ao fim do sistema monetário fiduciário de bem-estar social e guerra. Embora a história sugira que isso levará ao surgimento de movimentos políticos ainda mais autoritários, a crescente popularidade das ideias libertárias sugere que o colapso também alimentará o crescimento do movimento pela liberdade. Isso pode significar que a crise leva a uma restauração do governo limitado e a um avanço da liberdade. A chave para aproveitar ao máximo a oportunidade apresentada pela crise é continuar divulgando nossas ideias. Felizmente, não precisamos de maioria; só precisamos de uma minoria incansável, irada e comprometida com a causa para recuperar nossa liberdade.

 

 

 

Artigo original aqui

Artigo anteriorA criminalidade do Estado
Próximo artigoAs tristes consequências do pânico da Covid no Japão
Ron Paul
é médico e ex-congressista republicano do Texas. Foi candidato à presidente dos Estados Unidos em 1988 pelo partido libertário e candidato à nomeação para as eleições presidenciais de 2008 e 2012 pelo partido republicano. É autor de diversos livros sobre a Escola Austríaca de economia e a filosofia política libertária como Mises e a Escola Austríaca: uma visão pessoal, Definindo a liberdade, O Fim do Fed – por que acabar com o Banco Central (2009), The Case for Gold (1982), The Revolution: A Manifesto (2008), Pillars of Prosperity (2008) e A Foreign Policy of Freedom (2007). O doutor Paul foi um dos fundadores do Ludwig von Mises Institute, em 1982, e no ano de 2013 fundou o Ron Paul Institute for Peace and Prosperity e o The Ron Paul Channel.