O inimigo é sempre o estado

7
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

A internet adora uma boa briga, então as pessoas costumam me escrever pedindo para responder a um crítico do LRC ou do Mises Institute. Certamente não há falta deles, e eles vêm da esquerda, da direita e de toda parte que está entre elas. Meu primeiro pensamento sobre o pedido é que nosso arquivo fala por si, e uma resposta equivaleria a pouco mais do que uma reimpressão. E, no entanto, as críticas em si são interessantes porque muitas vezes vêm de pessoas que gostaram de uma coisa que dissemos e depois se sentiram traídas por outra coisa que dissemos, então recebemos elogios pela primeira coisa e atacados pela segunda.

Há uma resposta que cobriria todas essas críticas, mas primeiro deixe-me dar uma ideia melhor do que estou falando. Digamos que publicamos um artigo expondo como as elites corporativas estão trabalhando em parceria com o governo para lucrar com a guerra e a destruição. A esquerda aplaude. No dia seguinte, atacamos a ideia de um novo imposto sobre as empresas ou alguma ação antitruste, e vamos em defesa das grandes empresas. A esquerda grita traição e anuncia que o nosso lado do debate se vendeu.

Em um nível muito inferior, o mesmo ocorre com relação à política partidária. Atacamos republicanos e os democratas comemoram. Então atacamos os democratas e eles se irritam conosco por não termos conseguido apoiar a linha do partido até o fim.

O mesmo acontece à direita. Um dia atacamos o lobby organizado do vitimismo por pressionar por privilégios do governo para negros, gays ou mulheres ou por usar o “multiculturalismo” como um imperativo moral para restringir o direito de livre associação. A direita comemora que nos alistamos na guerra cultural! No dia seguinte, atacamos os cristãos por exigirem oração obrigatórias em escolas obrigatórias ou por apoiarem a fiscalização na guerra contra as drogas. Então, a direita cristã diz que vendemos nossas almas ao diabo.

Outro exemplo de um tópico mais complicado diz respeito à imigração. Ao longo da história moderna, o estado usou os imigrantes como uma ferramenta para aumentar seu poder. Isso assume a forma de exigir serviços financiados por impostos, como escolas públicas e serviços médicos, ou intimidar os cidadãos a amar e abraçar todos os recém-chegados enquanto aplica a lei antidiscriminação. Nem os cidadãos, nessas condições, podem notar o aumento da criminalidade que acompanha alguma imigração ou as convulsões demográficas que causam ressentimento às pessoas. O resultado das ondas de imigração é diminuir a liberdade para os cidadãos americanos.

Ao mesmo tempo, o sentimento anti-imigração também pode ser usado pelo estado para expandir seu poder. Em nome de uma repressão, o Estado invade os direitos das empresas e exige a documentação de todos os funcionários. Ele envia seus burocratas por todo o país e trabalha para obter uma carteira de identidade nacional. Torna virtualmente impossível para as empresas contratar pessoas, mesmo trabalhadores temporários, de outros países, tudo em nome da segurança nacional ou para impedir a imigração. O estado tem o prazer de estimular o frenesi nativista em nome do amor à pátria, a fim de aumentar seu poder. Isso prejudica a produtividade e nos torna menos livres.

Então você vê o problema aqui. O estado usa o sentimento pró e anti-imigração a seu favor. Para combater esse problema, o libertário será solidário com um ponto de vista em um contexto político e outro ponto de vista em um contexto diferente. Realmente depende de que tipo de aparato retórico o estado está usando no momento. Os grupos que merecem apoio são aqueles que resistem ao estado. Não é incomum ver esses mesmos grupos conquistados pelo estado em um estágio posterior do desenvolvimento do estatismo, caso em que as simpatias libertárias precisam mudar.

Murray Rothbard observou isso durante toda a sua vida. Quando ele era jovem, a resistência estava entre os remanescentes da Velha Direita que se opunham ao New Deal e ao planejamento de tempos de guerra. Mas então a direita foi conquistada pelo estado de guerra, e as simpatias de Rothbard mudaram a ponto de ele se aliar à Nova Esquerda contra o estado. Mas é claro que a esquerda então ganhou poder e seus ideólogos se venderam, e a direita voltou ao modo de resistência. Murray narrou as mudanças enquanto ocorriam – enquanto mantinha uma adesão firme e direta aos princípios.

Vejamos a história política recente para ver como isso funciona. Na década de 1990, a direita era a resistência. Ele lutou contra o socialismo clintoniano e o internacionalismo de guerra. Ela se ressentia da tendência do regime para a centralização e sua implacável supressão das ligações culturais da burguesia americana. O ressentimento foi sentido intensamente pela classe média, que levou George Bush ao poder com a promessa de um governo menor e uma política externa menos beligerante.

Mas a classe média foi enganada mais uma vez, e os próprios impulsos culturais que o regime Clinton atacou foram usados ​​pelo regime de Bush como um meio de expandir seu império doméstico e internacional. O cristianismo foi invocado não como uma razão para resistir ao Estado, mas sim para obedecê-lo em todas as coisas, uma vez que Bush alegou que suas guerras eram piedosas e sua política doméstica estava priorizando o Cristianismo no cenário político. O gado acreditou nisso em todos os sentidos, criando a máquina política assustadora que chamei de fascismo do estado vermelho.

Portanto, é claro que os republicanos se sentirão traídos se esperarem que simpatizemos com seus impulsos políticos, independentemente de estarem lutando contra o estado ou pelo estado. Esses são motivos completamente diferentes com resultados opostos. O poder corrompe qualquer um que o conquiste, seja a direita ou a esquerda ou qualquer outra coisa no meio. E o libertário consistente deve lutar contra o poder, não importa sua cor ou variedade. Isso é o que Mises fez em sua vida. Rothbard também. O mesmo ocorre com toda a tradição liberal. O verdadeiro liberal, em busca de princípios fixos, nunca deve ter alianças políticas fixas. Eles devem mudar com base na racionalidade dominante do momento.

Vou tentar dizer isso tão claramente quanto possível. O inimigo é o estado. Existem outros inimigos também, mas nenhum tão temível, destrutivo, perigoso ou cultural e economicamente debilitante. Não importa que outro inimigo próximo você possa pensar – grandes empresas, sindicatos, lobbies vitimistas, lobbies estrangeiros, cartéis médicos, grupos religiosos, classes, moradores da cidade, fazendeiros, professores de esquerda, operários de direita ou mesmo banqueiros e negociadores de armas – nenhum é tão horrível quanto a hidra conhecida como o estado leviatã. Se você entender este ponto – e apenas este ponto – você pode entender o cerne da estratégia libertária.

Houveram avanços tremendos na teoria do estado no século XX. Comece com The State (1908), de Franz Oppenheimer. Leia Our Enemy, the State (1935), de A.J. Nock. Aprenda com Rise and Fall of Society (1959), de Chodorov. Volte para a obra-prima insuperável de Rothbard Por uma nova liberdade (1973). Para compreender a varredura histórica, consulte Rise and Decline of the State (1999), de Martin Van Creveld. Então você entenderá por que fazemos o que fazemos. Até que isso seja feito, nossos críticos não passam de ingênuos ludibriados pelas próprias forças contra as quais deveriam lutar.

 

Artigo original aqui

7 COMENTÁRIOS

  1. “Para compreender a varredura histórica, consulte Rise and Decline of the State (1999), de Martin Van Creveld.”

    Cara, que doido, nunca tinha visto ninguém citar este livro até hoje. Tinha que ser mestre Rockwell. Este livro foi fundamental da minha vida. Estava na praia quando li e até esqueci do mar… Este é o tratado mais importante de todos os tempos para qualquer anarquista de propriedade privada. Obviamente que Mises, Hoppe e Rothbard não contam porque são extra-classe ou hors concours.

    Curiosamente, nos tempos do Orkut, eu recomendei este livro pro Helio Petrolão, antes dele se juntar ao Mises Brasil. Ele leu – segundo consta, e depois me mandou um e-mail agradecendo pois nunca tinha escutado falar sobre este livro… outros tempos.

        • Exatamente, eu deveria ter escrito o falecido Mises Brasil ou descontinuado Mises brasil…

          Poema de um alemão pra o Helio Petrolão

          “Avança: ouvimos
          dizer que és um homem bom.
          Não te deixas comprar, mas o raio
          que incendeia a casa, também não
          pode ser comprado.

          Manténs a tua palavra.
          Mas que palavra disseste?
          És honesto, dás a tua opinião.
          Mas que opinião?
          És corajoso.
          Mas contra quem?
          És sábio.
          Mas para quem?
          Não tens em conta os teus interesses pessoais.
          Que interesses consideras, então?
          És um bom amigo.
          Mas serás também um bom amigo de gente boa?

          Agora escuta: sabemos
          que és nosso inimigo. Por isso
          vamos encostar-te ao paredão. Mas tendo em conta os teus méritos
          e boas qualidades
          vamos encostar-te a um bom paredão e matar-te
          com uma boa bala de uma boa espingarda e enterrar-te
          com uma boa pá na boa terra.”

        • Na verdade já não acompanhava o Mises Brasil há muito tempo e passei a acompanhar quase que diariamente o Instituto Rothbard. Mas apenas por curiosidade resolvi dar uma olhada lá e realmente foi deprimente. Sou economista e um cara que respeito lá pelo seu conhecimento é o Leandro Roque e também o Professor Ubiratan Iório que tive o privilégio de ser aluno. Mas fora isso não dá mais.