O limite de velocidade correto é o seu limite!

5
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

As pessoas nunca vão concordar qual deve ser o limite de velocidade – o que deveria suscitar a questão do porquê  existirem limites de velocidade.

É um negócio estranho – essa imposição de cima para baixo de tamanho único, quando é óbvio que esse tamanho não serve para quase ninguém. Mesmo o defensor mais ardente dos limites de velocidade geralmente comete “excesso de velocidade” – ou seja, ele pelo menos ocasionalmente dirige um pouco mais rápido do que qualquer que seja a velocidade mais rápida permitida arbitrariamente decretada. Essas pessoas costumam defender seu “excesso de velocidade” como sendo razoável – enquanto condenam aqueles que “aceleram” um pouco mais.

Sendo este um padrão tão arbitrário quanto o próprio limite de velocidade.

O grande (e falecido, infelizmente) comediante George Carlin explicou isso melhor em um de seus esquetes sobre o assunto: Todo mundo que dirige mais devagar do que você é um idiota – e todo mundo que dirige mais rápido, é um maníaco.

É dolorosamente engraçado – porque toca a verdade, como um dentista toca um nervo com sua broca. Rimos porque estamos, em algum nível, cientes de nossa própria idiotice.

Esta é a arte da comédia.

A questão não é qual deveria ser o limite de velocidade. O que quer dizer: com que velocidade todos devem dirigir?

Deve ser: Quão rápido você deve dirigir?

Este tamanho não serve para todos. Assim como as roupas que você veste não servem para todos, também. Elas cabem em você. Você os escolheu por esse motivo. Você não escolheria roupas que não lhe servissem e se alguém dissesse que você tinha que usar roupas que não cabiam em você, você iria saber que estava no campo de treinamento ou na prisão.

A estrada não deve ser como nenhum desses lugares. Quando é como eles, o resultado é frustrante, enfadonho, perigoso – e injusto.

É frustrante – e enfadonho – conduzir a uma velocidade muito inferior à que consegue conduzir com segurança. E a maioria das pessoas sabe perfeitamente bem qual é essa velocidade – porque é a velocidade em que dirigem. Não importa qual é o limite de velocidade, que eles obedecem somente quando necessário. Não porque eles sintam necessidade – uma diferença importante.

Esta é realmente a maneira como os limites de velocidade devem ser definidos, a propósito. É chamado de Padrão Percentil 85º e é derivado observando a rapidez com que a maioria dos motoristas dirige naturalmente em um determinado trecho da estrada; o limite postado é definido de tal forma que a maioria dos motoristas não o “ultrapasse” ou não ultrapasse muito. Esta é uma admissão interessante, pois sugere que os limites de velocidade formais não são necessários, já que a maioria dos motoristas não dirige mais rápido do que seus próprios limites, mesmo que não haja nenhuma lei que proíba isso.

Pela mesma razão, é desnecessário aprovar leis proibindo as pessoas que não sabem nadar de nadar.

A maioria das pessoas tem mais respeito por sua segurança do que pela lei e, quando há um conflito entre elas, é a segurança dela que vence.

Claro, cada um tem uma avaliação diferente no que diz respeito ao que é seguro – quando se trata de dirigir e de outras coisas. É seguro correr oito quilômetros em um dia frio de inverno? Não, se você não estiver acostumado com essas coisas e puder fazê-las com segurança. É seguro dirigir mais rápido do que qualquer número que a placa diga que você pode fazer? Se você puder fazer isso com segurança – se você conhece o caminho, conhece seus limites e não os excede – então pode muito bem ser. Assim como pode não ser seguro para outra pessoa dirigir no limite de velocidade, que está acima de sua capacidade de dirigir com segurança.

O que não é seguro – para todos – é esperar que todos dirijam na mesma velocidade. Isso gera a frustração e o tédio mencionados acima e ambas as coisas são ameaças maiores à segurança do que não se importar com o que diz exatamente o totem ao lado da estrada.

Motoristas entediados são motoristas desatentos. A atenção deles vagueia – da estrada para o que está no rádio. Eles brincam com seus telefones. O controle de velocidade de cruzeiro é indiscutivelmente o dispositivo de “segurança” mais perigoso já instalado em um carro – depois da transmissão automática.

É melhor colocar um travesseiro atrás da cabeça do motorista.

Está procurando encrenca. Pois quando a atenção é necessária geralmente leva um ou dois momentos vitais para o motorista que não está prestando atenção voltar a focar. A essa altura, muitas vezes já é tarde demais.

É difícil adormecer quando você está ocupado – como quando realmente dirige de verdade. Você necessariamente se concentra no que está fazendo quando está dirigindo a uma velocidade que não é entediante, porque está acima da velocidade que você pode dirigir quando meio adormecido, usando as pernas para girar o volante; dirigir mais rápido é mais seguro – para você. Punir você por isso faz tanto sentido quanto punir alguém que se exercita porque está em melhor forma do que as pessoas sedentárias.

Também é frustrante – outra coisa perigosa. Limites de velocidade arbitrários resultam em direção imprudente. Em motoristas que não abrem passagem para motoristas mais rápidos. Afinal, eles dirão – estou obedecendo o limite de velocidade!

O resultado? Aumento da tensão, geralmente – também colar na traseira e costurar pela direita. Nem o primeiro nem o último se justificam mais do que obstruir a passagem do motorista mais rápido – mas o ponto é que a referência estúpida ao limite de velocidade é o que estabelece as condições que levam a ambos. Essas condições se dissipariam em grande parte se, em vez da obediência estúpida aos limites de velocidade, as pessoas praticassem a atenção plena – e ajustassem sua direção para sincronizar com o ritmo do fluxo do tráfego.

Mas a consequência mais destrutiva de um tamanho único para todos é indiscutivelmente a injustiça da coisa. De punir pessoas – com “multas” e prêmios de seguro aumentados com base em tais “multas” – por nada mais do que “excesso de velocidade”. Igualar isso com periculosidade, o que é uma besteira e todo mundo sabe disso (eles apenas discordam sobre o limite no qual “excesso de velocidade” se torna “perigoso”), bem como injusto sob qualquer padrão razoável.

Porque é fundamentalmente injusto punir as pessoas quando elas não prejudicaram outras pessoas.

Se você acha que eles poderiam ter prejudicado outras pessoas – e considera que isso basta para punir alguém – você é monstruosamente injusto porque o princípio por trás disso abre a caixa de Pandora para punir as pessoas por qualquer dano que outra pessoa sinta que elas possam causar.

A esta altura, todo mundo que ainda está pensando direito – ou pelo menos apenas pensando – deve ser capaz de ver o perigo disso.

O que excede em muito o perigo de eu dirigir mais rápido do que você se sente confortável dirigindo – ou o contrário!

 

Artigo original aqui

5 COMENTÁRIOS

  1. Muito bom esse texto. O cara consegue argumentar com sucesso contra o que é provavelmente a face mais próxima e de fácil entendimento do poder dos mafiosos do estado: as suas leis positivadas inúteis – e muitas vezes perigosas, expressas apenas por símbolos gráficos. O que é uma placa de trânsito senão a própria legitimação da constituição da gangue estatal?

    Como a gangue de ladrões em larga escala está há muito tempo destruindo a razão humana, ninguém se interessa em discutir a fundo as leis do governo. Para todos uma placa é uma placa e pronto. Existe a intuição sobre o erro, mas não o bastante para se discutir como e porque a placa está ali. Se os limites de velocidade são arbitrários atualmente, isso é somente consequência de um processo socializado que começou na Inglaterra no século 19, impondo o limite de 8Km/h.

    Outra vaca sagrada dos vagabundos do estatismo são os sinais de trãnsito. Hoje parece impossível uma cidade sem sinaleiras, mas o fato é que elas não são necessárias. O exemplo da segurança ao dirigir na própria velocidade segura, se aplica à um sujeito em um cruzamento. Ninguém passaria a 100Km/h em um cruzamento se soubesse que do outro lado tem um sujeito que pode fazer o mesmo. Sinaleiras de trânsito são coisas inúteis, assim com todas as leis de trânsito.

    O curioso é que anos atrás houve um debate aqui em Porto Alegre sobre a “irresponsabilidade” da prefeitura em desligar as sinaleiras – só deixar piscando o laranja, entre 12:00 e 6:00. Sim, existem pessoas que param no sinal vermelho ás 3 da madrugada. E rotineiramente eram assaltadas… no final, as marias estatistas encheram tanto o saco que as sinaleiras foram religadas…

    ‘A maioria das pessoas tem mais respeito por sua segurança do que pela lei e, quando há um conflito entre elas, é a segurança dela que vence.”

    O governo não se importa nem um pouco se suas leis tornam a vida dos indivíduos mais perigosa enquanto a ausência delas mais segura.

  2. Excelente texto dirigido aos donos de estadas privadas.

    A solução para os limites de velocidade como para todos os problemas econômicos se chama propriedade privada.

    A partir do momento que estradas tiverem donos, com a liberdade de estabelecer suas regras e a liberdade de discriminar quem vai ter acesso a essas estradas. Todo tipo de regras vão surgir. E os usuários e o mercado como sempre vão escolher as estradas em que atende melhor o consumidor.

    No dia que acontecer isso, o autor do texto provavelmente vai ser chamado para dar consutoria a uma estrada privada sobre possibilidades de termos de uso da estrada. E se eu fosse apostar, apostaria que seria uma consultoria muito bem sucedida com o aumento de satisfação dos clientes!

    • Mas o texto é dirigido para a situação estatista atual, não para um hipotético futuro de uma sociedade de leis privadas.
      Tudo pode ser respondido desse jeito: As armas devem ser liberadas? Só os donos das ruas podem dizer. Posso construir uma mesquita aqui? Só o dono da rua pode dizer. Pessoas podem andar peladas? “A partir do momento que estradas tiverem donos, com a liberdade de estabelecer suas regras e a liberdade de discriminar quem vai ter acesso a essas estradas. Todo tipo de regras vão surgir. E os usuários e o mercado como sempre vão escolher as estradas em que atende melhor o consumidor.”

      Ou seja, pra você ninguém pode falar nada aqui e agora, só “no dia que isso acontecer”.

      • Não digo que ninguém pode falar! As pessoas podem e devem falar. A argumentação do autor é perfeita e por lógica chega a conclusões que eu acredito serem verdadeiras. Porém eu erro muito e nem sempre meu raciocínio está correto.

        Mas como explica esse texto:
        https://rothbardbrasil.com/por-uma-nova-liberdade-o-manifesto-libertario-9/

        Qualquer opinião em tese sobre limites de velocidade podem ser adotadas. No final num ambiente de livre mercado a verdade vai ser estabelecida. E a verdade pode ser obtida por lógica sem esperar essa situação hipotética de absoluta propriedade privada.

        Eu só estou dizendo que eu não tenho absoluta confiança no meu raciocínio lógico e que sempre a resposta final é o que livre mercado vai determinar. Que vai ser idêntico ao que pessoas com raciocínio lógico correto vão prever. Que eu acredito ser a opinião do autor.

        No caso sua argumentação é 100% correta e pessoas que se sentem seguras da sua lógica podem e devem argumentar e vão prever corretamente de forma a priori o que o livre mercado vai estabelecer.