O que a economia não é

4
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

O mal-entendido mais comum sobre economia é que se trata apenas de dinheiro e comércio. O passo seguinte é previsível: eu me preocupo com mais do que dinheiro, e todos deveriam também, então vamos deixar a economia para os trabalhadores e gestores do mercado financeiro e, de outra forma, dispensar seus ensinamentos. Este é um erro fatal, porque, como diz Mises, a economia diz respeito a tudo e a todos. Ela é o cerne da civilização

Essa é uma confusão semeada pelos próprios economistas, que postulam algo chamado “homem econômico”, que possui uma propensão psicológica a sempre se comportar de maneira a maximizar a riqueza. Seus modelos matemáticos, previsões e análises de políticas são baseados nessa ideia.

No mundo real, entretanto, sabemos que não é esse o caso. O mundo como conhecemos envolve a busca de lucros, mas também atos extraordinários de caridade, sacrifício, doações não pecuniárias e voluntariado (embora eu não goste desse termo, já que todas as trocas comerciais são voluntárias também!).

Como explicar isso? A abordagem austríaca da economia dispensa a ideia de “homem econômico”, ou melhor, amplia o significado da economia para incluir todas as ações que ocorrem em um contexto de escassez. A escassez exige que economizemos algo em tudo o que fazemos, mesmo quando a riqueza não é a motivação. Por essa razão, os austríacos analisam indivíduos que agem, não protótipos maximizadores.

Por que isso é importante? Uma reclamação comum contra o mercado livre é que ele precisa ser complementado por leis que restrinjam o poder do materialismo desenfreado. O mercado realmente “cobiça”, as pessoas admitem, mas precisamos que o governo forneça caridade, ordem, lei e moderação de todos os tipos, como se essas áreas estivessem fora do domínio da economia.

A verdade é que uma estrutura teórica que explica os mercados de ações, mas não os leilões de caridade, as redes de lojas, mas não a frequência à igreja, as taxas de poupança, mas não a criação dos filhos, não tem a pretensão de ser uma teoria universal.

É por isso que este artigo de Rothbard é tão importante. Ele define o livre mercado como parte integrante de toda uma teoria de uma sociedade livre que é ordenada e desenvolvida por meio da ação cooperativa de todos os seus membros. Essa ação não está condicionada apenas à busca de lucro, mas às instituições de propriedade, contrato e livre associação.

A economia, então, é uma ciência que está enraizada em uma compreensão mais ampla do que costumava ser chamado de ordem liberal. A alegação central desse entendimento é que a sociedade – assim como o subconjunto menor frequentemente chamado de “economia” – não precisa de um administrador central para prosperar.

E assim como as estruturas econômicas são mais bem administradas por proprietários e comerciantes, toda a sociedade contém em si a capacidade de autogestão. Qualquer tentativa de impedir seu funcionamento por meio da coerção do estado só pode criar distorções e reduzir a riqueza de todos.

Qualquer pessoa familiarizada com os textos e periódicos de economia atuais sabe que essa não é a visão que eles promovem. Eles ainda estão presos em uma era em que os burocratas se imaginavam mais espertos do que o resto de nós, onde os banqueiros centrais acreditavam que poderiam controlar os ciclos econômicos e inflar apenas o suficiente para causar crescimento, mas não dar início a inflação, onde especialistas antitruste sabiam exatamente o quão grandes empresas deveriam ser.

Mas os gestores do governo sabem como gerenciar as decisões diárias sobre produção e alocação melhor do que os proprietários? Eles podem melhorar os acordos, inovações e regras criadas por indivíduos que agem? Eles não têm nem o equipamento intelectual nem o incentivo para fazê-lo. Eles são cegos para a realidade de nossas vidas e incapazes de fazer mais por nós do que podemos fazer por nós mesmos, mesmo que tenham o incentivo para fazer mais do que roubar e coagir.

Como é que a profissão de economista passou a ignorar esses pontos? Murray Rothbard acreditava que isso se devia parcialmente ao declínio do tratado geral sobre teoria econômica, livros sistemáticos que começam com fundamentos e traçam causa e efeito em toda a gama da ação humana.

Esses livros eram comuns no século XIX (livros como Principles de J.B. Say). Graças a Deus que Mises escreveu sua incrível obra Ação Humana, e Rothbard escreveu sua elaboração sobre a economia de Mises na forma de Homem, Economia e Estado. Nosso instituto disponibiliza ambos.

Você sabe o que? Eles ainda estão sendo lidos, ensinando cada nova geração de economistas por meio do nosso trabalho de divulgação. E não apenas nos Estados Unidos: recebemos relatórios regulares de progresso de grupos de estudo na China, América Latina, Europa Oriental e África. Uma teoria universal mais uma vez está tendo um impacto universal.

 

 

Artigo original aqui.

4 COMENTÁRIOS

  1. Esse erro é muito comum. Meu cotidiano não tem absolutamente nada em comum com economia.

    Sim e Não.

    Sim se você estiver se referindo a economia mainstream. Bom mais ai essa frase está perfeitamente correta assim como astrologia não tem absolutamente nada em comum com minhas características psicológicas.

    Agora um sonoro NÃO se você estiver se referindo a escola austríaca de economia. Porque ao analisar a ação humana, através da praxeologia, Mises introduz uma ciência que permite analises atemporais sobre qualquer atividade que envolve ação. Não a toa a escola austríaca possui analises extremamente profundas e atemporais nos campos da filosofia, ética e na minha opinião reestabelece muitos dos princípios biblícos pelo meio da lógica.

    Eu considero a economia austríaca como ensinar por lógica aquilo que os pais, o bom senso e a igreja tentaram ensinar de outra forma.

    • Eu acho que o Rockwell quis dizer é que a ação humana está acima da economia, ou seja, os indivíduos podem ou não se comportar como homens econômicos maximinizadores do lucro.

      Eu acho importante separar a teoria austríaca da sociedade, pois aquela só explica as consequências da ação humana na luta contra a escassez, mas não como ou se devemos fazer isso. Ou seja, muitas ações podem ser eventualmente anti-econômicas de maneira legítima e aceita por todos.

      Algo que me incomoda profundamente neste sentido, é que a máfia liberaloide do estado mínimo usa a economia austríaca como justificativa para defender um capitalismo selvagem cuja única moral possível é a determinada pela máfia estatal. De maneira que eles rejeitam a Igreja, por exemplo, por não criar valor, já que para esses utilitaristas do demônio a economia vem antes do indivíduo. As liberalocas ignoram por maldade ou burrice, a revolução rothbartiana, que completou o trabalho de Von Mises ao liquidar o estado como uma organização legítima.

      Nesse sentido, eu diria que um libertário pode ignorar completamente a economia austríaca, pois a sua teoria está implícita no modelo do Murray fucking Rothbard. Ou seja, eu não preciso defender o livre mercado – isso os liberais aloprados fazem e ninguém presta atenção, mas impedir que o pensamento estatista continue existindo. Eu fui liberal somente até ler Rothbard e vi com perfeição o quanto a canalha estatista fica perdida…

      O que você falou sobre a economia austríaca está correto.