O mito de hoje

2
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Um tema recorrente na narrativa americana da história é que os bandidos fazem coisas ruins sem motivo algum. O enredo geral é que as coisas estavam indo muito bem e, de repente, sem motivo algum, os bandidos começaram a fazer coisas ruins. Inevitavelmente, os mocinhos, que sempre serão os americanos, foram forçados a deixar de cuidar de suas próprias vidas para salvar o mundo da maldade.

A Grande Guerra foi provavelmente a primeira tentativa dessa forma de criação de mitos. Segundo a lenda, Os EUA estavam se esforçando para ficar fora da guerra na Europa, então, sem motivo algum, aqueles alemães muito ruins começaram a atacar navios americanos. Finalmente, aqueles alemães malvados afundaram um navio de passageiros perfeitamente inocente chamado Lusitania. O fato de estar cheio de munições é convenientemente omitido da história.

É claro que a Segunda Guerra Mundial é a plena expressão desse mito. No Pacífico, a grande ameaça amarela decidiu do nada atacar o Havaí. Os EUA estavam em paz e por nenhuma razão os japoneses atacaram Pearl Harbor. Na Europa, o plano de paz dos EUA criado por Woodrow Wilson estava funcionando perfeitamente, mas sem motivo nenhum aqueles alemães muito ruins declararam guerra ao mundo.

Os elementos importantes da história são sempre os mesmos. Os EUA é o espectador inocente, fazendo o possível para cuidar de sua própria vida. O vilão não é apenas o agressor, mas eles não têm justificativa para suas ações. Quaisquer razões que eles tenham são descartadas como irracionais ou más. O elemento final é que os EUA devem relutantemente entrar em ação para salvar o mundo dos bandidos.

Esse tipo de coisa faz sentido depois do sucesso. Os vencedores contam a história de sua vitória e isso sempre significa criação de mitos. O único exemplo que temos do vencedor se declarando o vilão e o perdedor sendo escalado como a parte moralmente superior é o colonialismo. Na América, isso significa que os nativos são os inocentes e o cara-pálida é o vilão. Este conto, no entanto, não é escrito pelos verdadeiros vencedores da luta, mas pelos vencedores da guerra cultural do século XX.

Essa forma padrão de criação de mitos americana não é apenas uma justificativa post hoc, mas uma justificativa para ações futuras. As cruzadas contra o Islã foram enquadradas da mesma forma pelos neocons que dirigiam a política externa. Em vez de criação de mitos para explicar ações passadas, é a criação de mitos para justificar um de seus esquemas. Os americanos devem atacar relutantemente algum país, a fim de evitar ser forçado a fazê-lo mais tarde.

Em seu livreto The War Over Iraq: Saddam’s Tyranny and America’s Mission, Bill Kristol e Larry Kagan usaram esse enquadramento exato para defender a invasão do Iraque no segundo governo Bush. Preempção é a alegação de que é moralmente justificado atacar outro país se puder ser argumentado que o país alvo pode um dia ser uma ameaça aos interesses americanos ou aos interesses de aliados americanos.

É justo dizer que toda a cruzada contra o Islã foi enquadrada como uma reação dos Estados Unidos a atores fazendo coisas repentinamente sem motivo algum. Terroristas sauditas lançaram aviões no World Trade Center sem motivo algum, então os Estados Unidos atacaram e ocuparam o Afeganistão com relutância. Saddam poderia ter pensado em obter armas nucleares sem motivo algum, então os Estados Unidos invadiram o Iraque e depuseram o regime dominante. A mesma narrativa estava pronta para o Irã, mas o tempo se esgotou no governo Bush.

Agora estamos vendo os mesmos argumentos em relação à Ucrânia. Os EUA está sendo arrastado para este conflito contra sua vontade porque a Rússia, sem motivo algum, invadiu as terras sagradas da Ucrânia. Membros do Congresso estão sendo levados diante das câmeras por seus manipuladores neoconservadores para nos dizer que não temos escolha a não ser arriscar a aniquilação nuclear por causa da Ucrânia.

Claro, nunca há qualquer menção à intromissão interminável de Washington ou a intromissão em outras ex-repúblicas soviéticas na fronteira russa. De acordo com o mito, os EUA está cuidando de sua própria vida e por nenhuma razão os russos lançaram esta guerra sangrenta contra civis inocentes. Mesmo que tenham uma razão, é desinformação russa e apenas fantoches de Putin acreditam nisso.

Fica claro pela massiva campanha de relações públicas lançada pela mídia americana que eles tinham certeza de que o velho mito dos EUA funcionaria novamente. Todos obedientemente começaram a cantar “Keev” e vestiram as cores da Ucrânia. As grandes plataformas de mídia social entraram em ação para suprimir a dissidência. Todos presumiram que isso funcionaria e o público correria para apoiar uma guerra com a Rússia.

O fato de que isso não tenha acontecido, apesar do bombardeio da mídia de massa, sugere que o mito dos EUA como guerreiro relutante perdeu força. A maioria dos americanos estão dispostos a aceitar a Ucrânia como vítima e a Rússia como agressor, mas eles colocam um limite sobre tomar ações a esse respeito. Mesmo os retardados ouvintes de rádios conservadoras começaram a questionar o suposto patriotismo.

No final da Guerra Fria, a esperança era que os EUA pudessem voltar a ser um país normal novamente, em vez de o salvador do mundo. Em vez disso, foi uma geração de guerras inúteis escolhidas por malucos neoconservadores com um antigo rancor contra a humanidade. Como um vírus resistente a medicamentos, eles infestaram o establishment da política externa, levando a um desastre após o outro.

Seu ato final pode muito bem estar destruindo a imagem que os EUA têm de si mesmo como uma força positiva no mundo. Isso será uma coisa difícil para as pessoas aceitarem, especialmente as gerações mais velhas, mas será um pequeno preço a pagar se isso significar a remoção desse carbúnculo da face do país. Se a humilhação na Ucrânia significa que os EUA voltarão à normalidade, então o fim desse mito valerá a pena.

 

 

Artigo original aqui

2 COMENTÁRIOS

  1. “A maioria dos americanos estão dispostos a aceitar a Ucrânia como vítima e a Rússia como agressor”

    É basicamente a posição libertária sobre o assunto mas que, de alguma forma, é rejeitada por muitos libertários. A neutralidade sem ignorar quem é o agressor parece ser a melhor forma de evitar a continuidade do conflito. Mas quando sabemos que são ineteresses estatias de hegemonia que estão fortemente enraízados na questão, é bem provável que a guerra só acabe quando a Ucrânia virar um deserto. E neste caso, muito dinheiro irá rolar na “reconstrução”…

    Eu tenho uma bandeira dos Estados Unidos no meu escritório. Vai ficar lá como lembrança do meu passado errático de liberaleco do estado mínimo, paga pau de país imperialista e empresas monopolistas multi-nacionais. Mas ao menos me converti ao libertarianismo no dia em que li um livro do Rothbard pela segunda vez. Os liberais canalhas, randianos aloprados ainda não viram a a luz. Como eu já fui um liberal, eu sei muito bem que existe uma grande diferença entre ser mal-informado e mal-intencionado – ou burro. Ou seja, quem sabe da existência de Hoppe e Rothbard e ainda insiste no liberalismo, é canalha e ponto final. De nada adianta conhecerer Mises e Hayek. É preciso ir além. Mas isso é pedir muito para um liberaleco ignorante e safado do estado mínimo.