Uma crise mundial fabricada

2
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

Poucas pessoas hoje fazem a pergunta mais importante sobre o conflito entre a Rússia e a Ucrânia. Muitas pessoas querem que os Estados Unidos fiquem fora da guerra, mas mesmo elas não fazem a pergunta vital. Por que o mundo enfrenta uma crise hoje? Por que uma disputa de fronteira entre a Rússia e a Ucrânia chegou ao ponto de as pessoas temerem uma guerra nuclear?

A resposta é simples. Os EUA, sob a “liderança” de um Biden com morte cerebral e das forças que o controlam, fez isso e, ao fazê-lo, levou o mundo à beira do desastre. Como sempre, o grande Dr. Ron Paul acerta:

  “Três semanas nesta guerra terrível, os EUA não estão negociando com a Rússia. Como o Antiwar.com relatou recentemente, em vez de apoiar as negociações entre a Ucrânia e a Rússia que poderiam levar a um cessar-fogo e ao fim do derramamento de sangue, o governo dos EUA está na verdade agravando a situação, coisa que só pode aumentar o derramamento de sangue.

O fluxo constante de armas dos EUA e aliados para a Ucrânia e as conversas de apoiar uma insurgência prolongada não parecem destinadas a dar à Ucrânia uma vitória no campo de batalha, mas sim a entregar à Rússia o que o secretário de Estado Blinken chamou de “uma derrota estratégica”.

Parece muito que o governo Biden pretende lutar contra a Rússia até o último ucraniano. A única solução para os EUA é ficar de fora. Que os russos e os ucranianos cheguem a um acordo. Isso significa que não haverá OTAN para a Ucrânia e nem mísseis dos EUA nas fronteiras da Rússia? E daí! Acabe com a guerra e depois acabe com a OTAN.”

Vejamos uma analogia que nos ajudará a entender o ponto de vista do Dr. Paul. Durante anos, o governo ucraniano atacou uma área na região de Donbas que se separou da Ucrânia e formou uma república independente e pró-Rússia. Pouco antes de Putin agir contra a Ucrânia, os ucranianos aumentaram a escala e o alcance de seu ataque. Rick Rozoff descreve o que eles fizeram: “Dois terços dos militares ucranianos foram reunidos ao longo da linha de contato de Donbas, disse Eduard Basurin, porta-voz da autoproclamada milícia da República Popular de Donetsk (DPR), na quinta-feira.

“Outras três brigadas estão a caminho [de Donbas], que significam 20.000 a 25.000 soldados a mais. O número total chegará a 150 mil, sem contar os nacionalistas. Isso é cerca de dois terços do pessoal das Forças Armadas da Ucrânia”, disse Basurin ao canal de televisão Rossiya 1 (VGTRK) na quinta-feira.

Tropas ucranianas estão estacionadas ao longo da linha de frente de 320 quilômetros, disse ele.”

Ao contrário do que acabou de acontecer, o ataque ucraniano não resultou em sanções dos EUA à Ucrânia. Não houve reuniões da ONU para condenar a agressão ucraniana. Não se falava em guerra mundial. Pelo contrário, o governo da Ucrânia usou armas americanas em seu ataque e pediu aos EUA mais armas para continuar seu ataque. Vamos ouvir Rick Rozoff novamente: “As Forças Armadas da Ucrânia usaram o sistema de mísseis antitanque americano Javelin nas hostilidades em Donbas. O anúncio foi feito pelo chefe da Diretoria Principal de Inteligência do Ministério da Defesa da Ucrânia, Kirill Budanov, em uma entrevista….

Budanov disse que, idealmente, os EUA ajudariam a impedir qualquer incursão russa, por meio de ajuda militar adicional e aumento da pressão diplomática e econômica, incluindo mais sanções contra a Rússia e a apreensão e bloqueio de contas bancárias russas.

Além disso, além da ajuda dos EUA já prometida e entregue, incluindo barcos de patrulha Mark VI, sistemas anti-blindagem Javelin e sistemas de radar de contra-fogo AN/TPQ-53, a Ucrânia busca sistemas adicionais de defesa aérea, mísseis e drones e dispositivos eletrônicos de interferência, disse Budonov. Baterias de mísseis Patriot e sistemas de contra-foguetes, artilharia e morteiros estão na lista de desejos da Ucrânia.

Os sistemas AN/TPQ-53 foram usados ​​com grande efeito, informaram oficiais militares da Ucrânia anteriormente. Budanov disse que os sistemas Javelin também foram usados ​​contra as forças russas. Esses, juntamente com os drones fabricados na Turquia, usados ​​contra as tropas de artilharia separatistas alinhadas com a Rússia, têm um valor psicológico significativo de dissuasão, disse Budanov.”

Por que a diferença? Achamos que os EUA não deveriam ter enviado armas para a Ucrânia. Fazer isso piorou a situação. Mas pelo que estamos dizendo agora, não importa o que você pensa da política. O ponto-chave é que, como não houve clamor internacional nem sanções, o assunto continuou sendo uma luta local. Se Biden com morte cerebral e sua gangue tivessem reagido da mesma maneira à chamada “invasão” russa, o assunto teria permanecido uma briga local. A Rússia e a Ucrânia teriam feito um acordo e pronto.

Os promotores de guerras neoconservadores e outros defensores da “democracia”, que infelizmente incluem alguns iludidos “libertários” objetaram: Não temos o dever de resistir à “agressão”? A resposta é clara: não, não temos. Não temos o dever de avaliar todas as brigas estrangeiras e identificar quem é o culpado. Não temos o dever de exigir líderes de regimes que nós não gostamos – ou melhor, nossos mestres de Washington não gostam – de aceitar as fronteiras existentes dos países como imutáveis. Devemos rejeitar a falsa doutrina da “segurança coletiva”, que faz de todas as disputas de fronteira uma guerra mundial. O grande historiador americano Charles Beard reconheceu o que havia de errado com a “segurança coletiva” na década de 1930. Em seu artigo, “Giddy Minds and Foreign Quarrels”, ele perguntou: “Em que … a política externa dos Estados Unidos deve se basear? Aqui está uma resposta e não é cogitada no estudo de nenhum professor ou fornecida por agitadores políticos. É a doutrina formulada por George Washington, complementada por James Monroe e seguida pelo governo dos Estados Unidos até quase o final do século XIX, quando o frenesi do aventureirismo estrangeiro explodiu no país. Esta doutrina é simples. A Europa tem um conjunto de “interesses primários” que têm pouca ou nenhuma relação conosco, e é constantemente atormentada por “ambição, rivalidade, interesse, humor ou capricho”. Os Estados Unidos são uma potência continental separada da Europa por um vasto oceano que, apesar de todas as mudanças na guerra, ainda é um poderoso ativo de defesa. Nas vicissitudes ordinárias ou regulares da política europeia, os Estados Unidos não deveriam se envolver em nenhum vínculo permanente. Devemos promover o comércio, mas não forçar “nada.” Devemos evitar ódios e amores. Devemos manter relações corretas e formais com todos os governos estabelecidos, independentemente de suas formas ou religiões, sejam cristãs, maometanos, xintoístas ou o que quer que seja.”

Beard então respondeu àqueles que queriam descartar nossa política tradicional de não intervenção com “segurança coletiva”: “No resto do mundo, fora deste hemisfério, nossos interesses são remotos e nosso poder de impor nossa vontade é relativamente pequeno. Nada que possamos fazer pelos europeus aumentará substancialmente o nosso comércio ou aumentará o nosso bem-estar ou o deles. Nada que possamos fazer pelos asiáticos aumentará materialmente nosso comércio ou aumentará nosso bem-estar ou o deles. Com todos os países da Europa e da Ásia, nossas relações devem ser formais e corretas. Como indivíduos, podemos nos entregar ao ódio e ao amor, mas o governo dos Estados Unidos embarca em mares tempestuosos quando começa a amar um poder e odiar outro oficialmente”.

Devemos prestar atenção à sabedoria de Beard hoje. Caso contrário, o mundo pode pegar fogo.

 

 

Artigo original aqui

2 COMENTÁRIOS

  1. “Os promotores de guerras neoconservadores e outros defensores da “democracia”, que infelizmente incluem alguns iludidos “libertários” objetaram: Não temos o dever de resistir à “agressão”? A resposta é clara: não, não temos. Não temos o dever de avaliar todas as brigas estrangeiras e identificar quem é o culpado.” Mandar pro Peter essa