O Ocidente é o melhor – Parte 3

Tempo estimado de leitura: 7 minutos

O Ocidente não inventou a escravidão, aboliu-a

Os países ocidentais alcançaram uma prosperidade sem precedentes. Muitas pessoas pensam que essa riqueza é baseada na escravidão e exploração de países não ocidentais. Eles assumem que ‘nós’ nos tornamos ricos saqueando países pobres e, portanto, consideram nosso dever fornecer ajuda ao desenvolvimento e pagar compensação pelo sofrimento infligido.

Falso

No entanto, esta versão da história é bastante enganosa. É verdade que os países ocidentais exploraram e “conquistaram” parcialmente o mundo desde o século XV. E também é verdade que, ao fazê-lo, eles eram culpados de tráfico de escravos e escravidão em grande escala. Mas o Ocidente não tinha o monopólio do mal enquanto o resto do mundo era pacífico e nobre.

Tampouco é verdade que o Ocidente enriqueceu graças ao colonialismo e à escravidão. Você também pode olhar ao contrário: porque os países ocidentais eram mais ricos e mais avançados, eles podiam dominar outros países. No entanto, essa dominação não é de onde veio a prosperidade ocidental. Pode até ter custado ao Ocidente mais do que ganhou.

Gostaríamos de consertar a imagem da “exploração” ocidental com base em cinco proposições.

  1. A escravidão não é uma invenção ocidental

A escravidão é um fenômeno horrível e degradante. Não há dúvida quanto a isso. Mas a verdade dolorosa é que a escravidão esteve em toda parte ao longo da história humana.

O historiador James C. Scott, em seu livro Against the Grain – A Deep History of the Earliest States, escreve sobre as origens dos primeiros estados: “Para os primeiros estados, a escravidão era uma forma essencial de maximizar a produção e remover a produção excedente. É quase impossível exagerar a centralidade da servidão para o desenvolvimento do Estado… Por volta de 1800, três quartos da população mundial vivia na servidão. No Sudeste Asiático, todos os primeiros estados eram estados de escravos e estados de comércio de escravos – a carga mais valiosa de comerciantes malaios no Sudeste Asiático era, até o final do século XIX, escravos.’

A escravidão também era generalizada na África. “O número de escravos na África era maior do que o número exportado”, escreve o historiador americano Thomas Sowell em seu livro Conquests and Cultures. A história os esqueceu. Sowell descreve em detalhes os horrores que acompanharam o comércio de escravos no mundo árabe. A razão pela qual não há uma grande minoria negra vivendo lá agora, ao contrário da América, é porque os escravos eram tão maltratados lá que não podiam se reproduzir.

  1. O Ocidente aboliu a escravidão

O Ocidente pode ter sido culpado da escravidão e do comércio de escravos como o resto do mundo – mas foi o Ocidente “capitalista” que aboliu a escravidão. Você raramente ouve os críticos antiocidentais falarem sobre isso.

A abolição do tráfico de escravos foi em grande parte o resultado de uma deliberada batalha de ideias travada durante décadas por uma combinação de pensadores liberais clássicos e ativistas de inspiração religiosa, os quacres, na Inglaterra. Os conhecidos adeptos do livre mercado dos séculos XVIII e XIX, como Adam Smith, Ricardo, Bentham, Cobden e Bright, eram opositores de princípio da escravidão, e também do colonialismo, que viam como uma forma de protecionismo (monopólios comerciais) e como uma indesejada intervenção estatal.

Adam Smith, o patriarca do livre mercado, escreveu já no século XVIII em sua Teoria dos Sentimentos Morais: “Cada negro da costa da África possui mais generosidade do que seu mestre malvado pode imaginar”. Ele chamou os escravos de ‘heróis’ e os proprietários de escravos de ‘lixo’ e ‘desgraçados’.

O papel dos quacres também não deve passar despercebido. Em 1783, eles criaram o primeiro comitê de combate à escravidão. Sob sua influência, sociedades antiescravagistas foram formadas em toda a Inglaterra. Isso acabou levando o Parlamento britânico a aprovar uma lei em 1807 proibindo o comércio de escravos em navios britânicos.

Nas décadas que se seguiram, o governo britânico assumiu a liderança no combate ao comércio internacional de escravos. A Marinha Real estava na vanguarda desta batalha. Em 1833, o Parlamento britânico proibiu a escravidão nas colônias – mas ainda não na Índia, onde a escravidão se tornou tão arraigada na sociedade ao longo dos séculos que a abolição se mostrou impossível por muito tempo. (Veja Jim Powell, Greatest Emancipations: How the West Abolished Slavery).

Sem dúvida, fatores econômicos também desempenharam um papel na abolição da escravatura. A complexa sociedade industrial que surgiu no Ocidente não precisava de escravos, mas de trabalhadores independentes.

  1. A prosperidade ocidental não se deve à escravidão e ao colonialismo

Parece óbvio que os países ficam mais ricos com a escravidão e o colonialismo. No final do século XIX, os países europeus lutaram entre si em sua busca pelo poder colonial. Mas eles ganharam economicamente? Ou foi uma luta política?

Thomas Sowell, em Conquests and Cultures, conclui que a escravidão não trouxe prosperidade econômica. O norte dos Estados Unidos, onde não havia escravidão, era mais rico que o sul. Um país que provavelmente absorveu o maior número de escravos da história é o Brasil, mas quando o Brasil aboliu a escravidão em 1888, ainda era um atraso. O mundo árabe estava cheio de escravidão, mas só ficou rico quando o petróleo foi descoberto – por empresas ocidentais.

A prosperidade ocidental também não se baseava na pilhagem de matérias-primas de países pobres. Ao longo dos séculos, de longe, a maior parte do comércio no Ocidente foi entre os países ocidentais. A África não era um destino importante para investimentos ou exportações europeias’, escreve Sowell. A África era um pouco mais importante como fonte de importações, mas estas vinham de um número limitado de lugares, como as minas de ouro e diamantes da África do Sul e as regiões de cacau e óleo de palma. No total, a Grã-Bretanha obteve 7% de suas importações da África.’

O historiador Paul Bairoch escreve em Economics and World History: Myths and Paradoxes (1995) que no período 1800-1938 apenas 17% das exportações ocidentais foram para o ‘Terceiro Mundo’ e apenas metade para as colônias. E as exportações representaram apenas 8-9% do produto interno bruto dos países ocidentais. Bairoch observa ainda que países como Suécia, Suíça, Bélgica e Alemanha tiveram taxas de crescimento econômico mais altas do que potências coloniais como França, Inglaterra, Portugal, Espanha e Holanda, embora não tivessem colônias (ou apenas tardiamente, como no caso da Bélgica e da Alemanha).

A Europa também não dependia de matérias-primas de outras partes do mundo, como muitas vezes se pensa. Desenvolvimentos pioneiros em energia (carvão, máquina a vapor) e metalurgia (altos-fornos a coque) foram em grande parte independentes do comércio triangular atlântico”, escreve o historiador David Landes. Até o final da década de 1930, os países ocidentais produziam mais energia do que consumiam, escreve Bairoch.

Uma das possíveis razões pelas quais ocorreu uma revolução industrial na Europa foi justamente a ausência de escravidão e a formação de uma classe média independente, que, aliás, começou já na Idade Média. Em contraste, no Império Romano, escreve o historiador Louis Rougier, ‘a escravidão impediu o crescimento de uma classe média produtiva’.

  1. Os países pobres não são pobres por causa da escravidão ou do colonialismo, mas por causa da ditadura, corrupção e socialismo

Outra sabedoria que você aprende na escola: ao traçar fronteiras arbitrariamente, as potências coloniais criaram estados artificiais que levaram a guerras civis e opressão de minorias no ‘Terceiro Mundo’. Embora haja certamente verdade nisso, está longe de ser toda a história.

Neste artigo, não discutiremos a situação desses países antes de serem colonizados por estados ocidentais, mas não há razão para supor que fossem paraísos terrestres na época. O economista de desenvolvimento Peter Bauer também aponta que alguns dos países mais pobres do mundo nunca foram colônias, por exemplo Afeganistão, Tibete, Nepal, Libéria e Etiópia (que foi uma colônia italiana por apenas seis anos em sua longa história).

Mais importante, é implausível continuar atribuindo os problemas que existem nos países pobres hoje à era colonial, que já se foi há muito tempo. Se os países e os povos não-ocidentais são realmente tão pacíficos e honestos, por que eles não conseguem arrumar sua própria casa depois de 60 anos?

O grande problema dos países pobres não é a exploração no passado, mas a governança notoriamente corrupta no presente. Outra causa da pobreza na África é que, na era pós-colonial, cerca de 35 estados africanos se converteram ao socialismo. Países como Moçambique, Tanzânia, Zimbábue, Gana e Guiné foram economicamente destruídos por intervenções socialistas e nacionalizações. Em muitos outros países, foram ditadores brutais – Idi Amin, Kenneth Kaunda, Bokassa, Mobutu – que impossibilitaram o progresso econômico. Enquanto os países africanos não saírem de sua espiral de corrupção e terror de Estado, continuarão pobres.

A ajuda internacional não ajuda. Pelo contrário, fornece às elites corruptas os meios para manter seu poder. No final da Guerra Fria, os países ocidentais já haviam transferido 2.000 bilhões de dólares em ajuda internacional, escreve Tom Bethell. Esse dinheiro desapareceu em um poço sem fundo. Muito recentemente, The Plunder Route to Panama (2017) descreveu como os chefes de estado africanos saqueiam seus países e desviam dezenas de bilhões para paraísos fiscais em outras partes do mundo. Os países africanos, aliás, são geralmente ricos em matérias-primas e terras agrícolas. Seca, ‘mudança climática’ e outros fatores climáticos não são as verdadeiras razões da pobreza na África.

  1. O colonialismo não foi apenas negativo

É claro que os países ocidentais muitas vezes são culpados de atrocidades e assassinatos em massa nos países em desenvolvimento. Pense no Congo Belga, para citar um exemplo notório, mas os holandeses também têm muitos crimes em sua consciência na Indonésia e em outras colônias.

No entanto, o legado do colonialismo não é totalmente negativo. Os economistas americanos William Easterly e Ross Levine, do National Bureau of Economic Research, concluíram em um estudo de 2012 que a colonização europeia teve um efeito ‘líquido’ positivo sobre o desenvolvimento econômico dos países. Outros pesquisadores afirmam que a colonização teve, em muitos casos, efeitos positivos na educação, governança e direitos civis.

Claro, isso pode ser questionado de várias maneiras e certamente não é justificativa para a opressão e colonização dos países. A questão é que os problemas nos países em desenvolvimento não podem ser simplesmente atribuídos à influência perniciosa dos países ocidentais.

As lições

O Terceiro Mundo não é pobre por causa do Ocidente e o Ocidente não é rico à custa do Terceiro Mundo. A prosperidade não é um jogo de soma zero com tamanho fixo, onde alguns sempre têm que ceder em detrimento de outros.

A prosperidade no Ocidente se deve principalmente ao avanço dos direitos individuais, como o direito à propriedade privada, e à formação de uma sociedade civil para acompanhá-lo. Isso possibilitou aos cidadãos comuns florescer e trocar livremente ideias e bens para benefício mútuo.

Esta é também a única forma de alcançar um futuro melhor para todos. Mas ainda temos consciência disso no Ocidente? Esse é o assunto da quarta e última parte desta série.

Artigo anteriorAlguns pensamentos sobre o comboio de caminhoneiros canadense
Próximo artigoTudo por culpa da OTAN
Frank Karsten & Karel Beckman escreveram uma nova e fulminante análise libertária sobre a democracia. No livro Além da Democracia, eles mostram, em termos simples e por meio de 13 mitos, o que há de errado com o sistema democrático e por que a democracia é fundamentalmente oposta à liberdade. O livro mostra também uma alternativa: uma sociedade baseada totalmente na liberdade individual e em relações sociais voluntárias. rank Karsten é fundador do Mises Instituut Nederland. Ele aparece regularmente em público para falar sobre a crescente interferência do estado na vida dos cidadãos. www.mises.nl.Karel Beckman é escritor e jornalista. Ele é o editor chefe do website European Energy Review. Antes de assumir este cargo, ele trabalhou como jornalista no jornal financeiro holandês Financieele Dagblad. O seu website pessoal é www.charlieville.nl.

1 COMENTÁRIO

  1. “Etiópia (que foi uma colônia italiana por apenas seis anos em sua longa história)”

    A arquitetura e legado italianos estão presentes até hoje na Etiópia, que não ficou mais pobre devido ao colonialismo. O que está de acordo com a teoria austro-libertária do saque estatal: houve na realidade uma transferência líquida de capital roubado do cidadão italiano para o etíope. É na verdade o empobrecimento da metrópole. E isso é confirmado no próprio texto:

    “a colonização europeia teve um efeito ‘líquido’ positivo sobre o desenvolvimento econômico dos países”

    Tudo o que foi realizado pelos pelo período pós-colonial trouxe apenas desastre, como por exemplo o notório caso da expulsão dos indianos em 1972 de Uganda que, por estarem a gerações neste país, estavam plenamente integrados e constituindo importante força econômica. A economia entrou em colapso por uma canetada do estado, não por fatores orgânicos ou desastre natural.

    Qualquer indivíduo com um único neurônio é capaz de entender que 99% de todo o mal sob a terra, de uma maneira bastante ampliada, é culpa única e exclusivamente do estado. Mas o indivíduo tem que acreditar nisso, ao invés de sustentar uma paixão religiosa pelos políticos, seus amigos monopolistas do setor privado ou qualquer lixo estatal.