O orçamento equilibrado de Milei prejudica a economia

4

[Lee esto en español]

Imediatamente após tomar posse, o presidente da Argentina, Javier Milei, assinou um decreto e reduziu o número de ministérios de vinte e dois para nove. Embora dezenas de milhares de funcionários públicos tenham sido demitidos desde então, a célebre redução ainda é simbólica, pois apenas ordenou que alguns ministérios absorvessem outros e não reduziu significativamente o emprego público. Milei conseguiu cinco superávits orçamentários até agora. As obras públicas deixaram de ser financiadas em grau importante. Milei fechou algumas agências governamentais, cortou alguns subsídios e interrompeu quase completamente as transferências discricionárias de dinheiro para as províncias. No entanto, Milei expandiu o estado de bem-estar social – incluindo os pesos multiplicados (em termos reais) para vários programas de bem-estar social.

Da mesma forma, desde o início, e contra suas promessas, Milei aumentou os impostos sobre combustíveis, importações e compras de moeda estrangeira e, em maio de 2024, estendeu o escopo de um imposto para assinaturas de títulos especiais e compras de moeda estrangeira para a remessa de lucros e dividendos. Além disso, um pacote tributário a ser promulgado em breve restaura uma categoria de imposto de renda. É verdade que Milei reduziu algumas tarifas e reduziu os impostos sobre as concessionárias de automóveis, mas seus aumentos de impostos são muito mais significativos, não beneficiam a economia e não devem ser vistos como uma forma de escapar da crise.

Regulamentação e cartelização

Deve-se notar que as regulamentações podem ser tão destrutivas do produto produtivo quanto os impostos, de modo que uma política de tributação com menos regulação gera um retorno monetário maior do que a mesma com mais regulação. Por essa razão, qualquer Estado pode achar apropriado avançar na direção de uma economia mais pura tributada e desregulada para ter sucesso no cenário internacional. De fato, a desregulamentação parece ser a marca da presidência de Milei. Sua reforma trabalhista também servirá para facilitar a formalização perante o Estado e fazer com que mais pessoas entrem no mercado jurídico, o que ajudará a arrecadar mais impostos. Sem dúvida, diminuir o efeito contraproducente das regulamentações em relação ao dos impostos pode ajudar a alcançar todos os superávits que Milei deseja.

Com um decreto, Milei desregulamentou a economia até certo ponto, removendo ou modificando centenas de leis. A supressão de vários controles de preços teve alguns resultados positivos em alguns mercados, mas os benefícios globais de tais medidas (bem como a redução de alguns subsídios) ainda são limitados numa economia amplamente cartelizada. É o caso, por exemplo, da saúde privada, onde, após a retirada do controle de preços, as empresas foram obrigadas a baixar seus preços de acordo com critérios impostos após apenas quatro meses de aumentos em um contexto de inflação notável. Pelo contrário, a resposta laissez-faire às acusações de cartelização deveria ser a continuação do processo de desregulamentação em vez de impor barreiras à livre fixação de preços. A cartelização compulsória das indústrias significa conceder privilégios monopolistas, portanto, liberar preços nessa situação significa remover uma política que aborda intervenções anteriores na regulação das indústrias – que restringem a concorrência, desencorajam investimentos, privam os consumidores de uma melhor satisfação de suas necessidades e distorcem a livre alocação de recursos de mercado. O problema da regulação pode ser parcialmente resolvido uma vez promulgada a lei “Bases”. O projeto inclui privatizações, desregulamentações, fluidez do mercado de trabalho e consolidação de mais poder no Poder Executivo.

Superávits e orçamento

Os superávits são muito raros em nosso mundo estatista; eles acontecem quando mais dinheiro é arrecadado em impostos do que gasto pelo governo durante um período de tempo. Um superávit poderia ser acumulado pelo governo ou liquidado por meio de deflação. Se setenta pesos são retirados da indústria do leite e apenas quarenta são gastos no papel, a tributação é o maior fardo, pagando não apenas pelos gastos, mas também pelos pesos acumulados ou destruídos. A perda da indústria do leite deve ser considerada quando o governo impõe encargos no processo orçamentário. Quando as despesas e as receitas diferem, a carga fiscal sobre o setor privado pode ser medida aproximadamente como a maior das duas.

No entanto, o governo onera o público duas vezes: apropria-se dos recursos do setor privado primeiro inflando a oferta monetária e depois tributando de volta o dinheiro novo. Se os superávits são usados para pagar dívidas do governo, como Milei realmente pretende fazer, isso não apenas torna a situação pior, porque as dívidas também são impostas aos pagadores de impostos, mas o efeito deflacionário é impossível. E se forem usados para resgatar dívidas detidas pelos bancos, o efeito deflacionário não tomará a forma de uma contração do crédito e não corrigirá os desajustes provocados pela inflação anterior – na verdade, criará mais deslocamentos e distorções.

Em suma, tanto os superávits como as despesas devem ser deduzidos, porque ambos extraem recursos do setor privado. As despesas totais do governo ou as receitas totais do governo devem ser deduzidas do PNN, o que for maior. Isso mostrará o impacto aproximado dos assuntos fiscais na economia, uma estimativa mais precisa compararia as depredações totais com o produto privado bruto (uma medida desenvolvida por Murray Rothbard que significa produto nacional bruto menos a renda originária do governo e das empresas governamentais).

A resposta correta aos superávits deveria ser a redução dos impostos. Mas se Milei não cortou impostos em geral, devolveu qualquer dinheiro para onde veio ou queimou dinheiro para reduzir a oferta, os superávits continuam inflacionários. Para favorecer a economia, menos recursos devem ser desviados do setor produtivo para o público. Em fevereiro de 2024, Milei declarou que cortará impostos assim que estabilizarem a economia e houver recursos de sobra. De quantos recursos ele precisa? Então, em abril de 2024, Milei expressou a ideia de congelar os gastos públicos, para que, à medida que a economia comece a se recuperar e crescer, o tamanho dos gastos em termos de PIB diminua. Mas por que não cortar mais gastos? Ele disse ainda que a miríade de impostos passará para um sistema simplificado em que haverá cerca de quatro impostos que são “pagáveis” e “compreensíveis”, e o Estado ficará com 25% do PIB. Mas por que 25% e não menos?

Como Rothbard indicou, em nossa era de déficits governamentais, os conservadores – e parece que Milei também – preferem o equilíbrio orçamentário à redução de impostos e “se opõem a qualquer corte de impostos que não seja imediata e estritamente acompanhado por um corte equivalente ou maior nas despesas do governo”. Certamente, cortar impostos pode resultar em um aumento do déficit que exige mais dívida. Ora, sendo a tributação um ato ilegítimo de agressão, qualquer oposição ao corte de impostos é inadmissível e prejudica qualquer compromisso com a propriedade privada. Rothbard concluiu, então, que o momento de se opor às despesas e pedir cortes drásticos é quando o orçamento está sendo analisado ou votado.

Embora o equilíbrio do orçamento possa ser bom se for por meio de menos impostos e menos gastos, Milei está equilibrando-o com mais impostos em vez de com mais cortes nos gastos. E como o peso é uma moeda forçada para transações que na verdade é rejeitada pelo mercado, e seu valor continua a ser artificialmente aumentado em relação ao dólar, que é usado para poupança, a desaceleração da inflação de Milei e o equilíbrio do orçamento estão favorecendo comparativamente mais agentes do Estado e beneficiários do bem-estar social, e também detentores de títulos e o sistema bancário lucrando com sua luta contra a inflação. Por isso, suas políticas estão prejudicando a economia e as economias dos argentinos ao revitimizar o povo produtivo. Além disso, ao manter o controle de preços sobre as taxas de câmbio, suas ações se tornam ainda mais prejudiciais para essas mesmas pessoas.

Diante da revalorização forçada do peso e da estagnação da produtividade, muitas pessoas – especialmente a classe média e os aposentados – precisam recorrer às suas economias para lidar com a situação – o que também desestimula investimentos. Portanto, o desejo manifesto de Milei de atrair investimentos estrangeiros está em colisão direta com o fato de que suas ações são contraproducentes para os próprios investimentos argentinos.

Os superávits fazem parte da oferta monetária, e nenhum dinheiro desaparece da oferta monetária a menos que a unidade monetária deixe de existir ou o meio fiduciário usado como moeda desapareça em um sistema de reservas fracionárias. A resposta adequada é continuar a baixar as taxas de impostos, mas não foi isso que Milei fez. Seus superávits são recursos desviados do setor produtivo para planos que não envolvem gastos públicos, ou seja, para outras atividades do governo, como limpar os balanços do Banco Central e do Tesouro – e seu combate à inflação está prejudicando o povo produtivo que é obrigado a financiar uma luta por uma moeda indesejada já rejeitada pelo mercado há muitos anos.

Segundo Milei, “pela primeira vez na Argentina, os justos não pagam pelos pecadores”. Mas, como diz um provérbio iídiche, “uma meia-verdade é uma mentira inteira”. Em vez de aliviar os argentinos de impostos e uma moeda irritante, ele está fazendo o povo produtivo pegar a maior parte da conta.

 

Artigo original aqui.

4 COMENTÁRIOS

  1. O estado é uma armadilha de séculos e não se desarma tão facilmente. Evidentemente que o ideal seria que Milei não só cortasse mais despesas, como tributos e, preferencialmente, que abolisse o próprio estado argentino. Mas este é mais um caso de infinitas soluções teóricas para um exato problema prático. Não creio que, na prática, ele conseguisse fazer muito mais do que está fazendo. Acredito que ele aproveitará cada oportunidade de golpear o estado enquanto estiver no poder, mas para que ele se mantenha é preciso por exemplo manter o equilíbrio fiscal. É bom lembrar que estamos falando de um país onde possivelmente entre 30 e 40% dos habitantes são intoxicados de estatismo em cada célula do corpo. Eu acho preferível observar e torcer por Milei por 8 anos que esperar dele algum golpe estratégico tresloucado neste momento que possivelmente poderia comprometer o restante do mandato.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui