O que mais é preciso para os americanos considerarem a secessão?

1
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Uma coisa é a democracia de massa produzir maus resultados, na forma de políticos eleitos ou políticas aprovadas. Outra é quando o próprio processo democrático falha porque ninguém confia no voto ou nas pessoas que o contam. Mas isso é exatamente o que estamos passando.

No momento em que estou escrevendo isto, a eleição presidencial de ontem à noite continua indecisa e a coisa está feia. Pelo menos seis estados ainda não foram decididos, e tanto o lado de Trump quanto o de Biden têm suas equipes jurídicas reivindicando a vitória. Podemos ficar dias, semanas ou até meses em conflitos legais, os quais só podem aumentar nosso colapso político (ou mais precisamente cultural).

Hoje, talvez 140 milhões de eleitores americanos estejam no purgatório, imaginando com medo o que acontecerá com eles se o outro cara vencer. Isso é nada menos que uma psicose nacional, absurda, mas mortalmente real. E fica pior a cada quatro anos, apesar da diminuição de quaisquer diferenças de “política” entre os dois partidos nas últimas décadas. Na verdade, os votos presidenciais são predominantemente sobre afiliações tribais sobre nosso tipo de pessoa, não sobre ideologia substantiva.

Sim, isso não é saudável. E sim, a psicose se manifesta porque as apostas são muito altas. Isso se manifesta porque o governo é muito grande e voraz; legislação e jurisprudência muito centralizadas em Washington; a presidência executiva unitária muito poderosa; e a sociedade muito politizada. Mas esses são truísmos inúteis. Muitos americanos apoiam abjetamente mais governo, mais poder político centralizado, um presidente e Suprema Corte onipotentes e a politização aguda de todas as facetas da vida.

Em Nation, State, and Economy, Mises fala sobre um “nacionalismo liberal” e explica o que uma nação confiante requer:

Uma nação que acredita em si mesma e no seu futuro, uma nação que pretende enfatizar o sentimento seguro de que seus membros estão ligados uns aos outros não apenas por acidente de nascimento, mas também pela posse comum de uma cultura que é valiosa acima de tudo para cada um deles.

Qual é, então, a cultura comum que os americanos possuem? O que nos une como um princípio unificador? É o idioma? Religião? Constitucionalismo? Amor pelo país? (Qual país?) Mercados? Certamente não é óbvio, e poucos de nós se sentem otimistas sobre o futuro dos EUA. Pior ainda, quarentenas do covid atenuaram as esferas aparentemente apolíticas da vida – da família e do trabalho a esportes, jantares, cinemas e viagens. Quando nos olhamos no espelho o dia todo e lemos os pensamentos mais íntimos de todos nas redes sociais, descobrimos que a familiaridade gera desprezo.

Independentemente de como as eleições acabem, é óbvio que os Estados Unidos não são mais um país, muito menos uma nação. Quanto mais cedo aceitarmos isso, mais cedo poderemos começar a trabalhar afirmando os princípios do federalismo, subsidiariedade, nulificação e até secessão. Nenhum dos atritos atuais vai melhorar com o tempo, mas podem ficar muito piores – e nossa tarefa mais importante deve ser evitar qualquer movimento em direção a uma guerra civil total.

Existem pequenos passos viáveis ​​que podemos dar nessa direção. O professor de direito Frank Buckley escreve sobre “secessão leve” em seu livro sóbrio e fundamentado sobre o assunto de uma separação nacional. Buckley vê uma abordagem de terceira via entre nossa disfunção atual e uma separação total em novas entidades políticas, principalmente por meio do federalismo agressivo e da nulificação estadual. Isso ecoa os sentimentos do professor Angelo Codevilla, que também argumenta que os agentes federais simplesmente não possuem gente suficiente para fazer cumprir as leis federais e os decretos em estados recalcitrantes. Assim como os estados democratas (azuis) declararam as cidades-santuário como refúgios das políticas de imigração de Trump, os estados republicanos (vermelhos) poderiam restringir todos os tipos de ditames federais (aborto e controle de armas vêm à mente) enquanto simplesmente desafiam os agentes federais a interferir. No final das contas, Codevilla nos lembra, existem apenas alguns milhões deles e muitos milhões de nós. E os progressistas também compartilham desse sentimento; mesmo se Biden prevalecer, eles permanecerão abalados pelo grau de apoio de Trump. Na verdade, a eleição de 2016 viu a New Republic defender nada menos que o sacrifício dos odiados estados vermelhos.

As coisas não precisam ser assim. Os americanos são pessoas adoráveis ​​– generosas, simpáticas. Mas a política os divide das piores e mais desnecessárias maneiras. É hora de separar, e milhões de nós sentimos isso instintivamente. Então, o que está nos impedindo?

Por um lado, a secessão permanece relacionada à Guerra Civil e à escravidão confederada na psique americana, distantes no tempo como estão. A doutrina do Destino manifesto e a expansão para o oeste resultaram em um bom número redondo de cinquenta estados, um bom e grande número americano. Acrescente algumas decisões enganosas da Suprema Corte, como Texas v. White, e não é surpresa que muitos americanos ainda tenham um entendimento confuso sobre o assunto.

Mas Trump pode ter mudado tudo isso. E se você quer que a liberdade política mantenha uma posição firme nos Estados Unidos, se você quer que o liberalismo continue respirando no Ocidente, você deve torcer por isso.

Os americanos em geral são pessoas adoráveis – simpáticos, generosos, amigáveis e perdoam fácil. Um ambiente hiperpolitizado, onde tudo é existêncial e baseado na raça, sexo e sexualidade, está profundamente em conflito com nosso caráter e bem-estar. Merecemos viver pacificamente como vizinhos, mesmo que isso signifique nos separar e criar novas entidades políticas. Abordar a realidade de nossa disfunção não causa divisão; a divisão já existe. Nossa tarefa é apreender isso e acabar com a farsa de uma nação.

 

Artigo original aqui.

1 COMENTÁRIO