Os antropólogos refutaram Menger?

2
Tempo estimado de leitura: 10 minutos

Na semana passada, o popular blog “capitalismo nu” publicou uma entrevista com David Graeber, um “antropólogo econômico” cujo novo livro supostamente destrói o relato padrão da origem do dinheiro. Se corretas, as opiniões de Graeber seriam embaraçosas para a Escola Austríaca, porque foi ninguém menos que Carl Menger quem desenvolveu a primeira explicação sistemática de como as pessoas passaram do escambo para uma economia monetária plena.

Como veremos, a crítica de Graeber à visão padrão (mengeriana) é muito mais fraca do que ele pensa, enquanto sua própria explicação não faz sentido. Além disso, temos estudos de caso reais do desenvolvimento de um novo dinheiro, que se encaixam na história de Menger. Em suma, não vejo nada na entrevista de Graeber que me faça questionar a abordagem ortodoxa de Menger.

Menger sobre a origem do dinheiro

Em um artigo anterior, expus sistematicamente a posição mengeriana, bem como as extensões que Ludwig von Mises forneceu, na área da teoria monetária. Mas para entender o desafio de Graeber, aqui devemos rever brevemente o básico.

De acordo com Menger, o dinheiro surgiu espontaneamente através das ações auto-interessadas dos indivíduos. Nenhuma pessoa parou pra pensar e concebeu um meio universal de troca, e nenhuma compulsão do governo foi necessária para efetuar a transição de uma condição de escambo para uma economia monetária.

Menger apontou que, mesmo em estado de escambo, os bens teriam diferentes graus de comercialização ou de quanto seriam vendáveis. (Termos intimamente relacionados seriam negociáveis ou quididade.) Quanto mais vendável um bem, mais facilmente seu proprietário poderia trocá-lo por outros bens a um “preço econômico”. Por exemplo, alguém que vendia trigo estava em uma posição muito melhor do que alguém que vendia instrumentos astronômicos. A primeira mercadoria era mais vendável do que a segunda.

Observe que Menger não está afirmando que o proprietário de um telescópio não poderia vendê-lo. Se o vendedor estabelecesse o preço pedido (em termos de outros bens) suficientemente baixo, alguém o compraria. A questão é que o vendedor de um telescópio (em estado de escambo) só poderia receber seu verdadeiro “preço econômico” se dedicasse muito tempo à procura de compradores. O vendedor de trigo, em contraste, não teria que procurar muito para encontrar o melhor negócio que poderia obter por suas mercadorias.

Menger argumentou que esse fato bastante óbvio de diferentes graus de venda colocaria em movimento eventos que eventualmente gerariam o primeiro dinheiro. No início, os proprietários de bens relativamente menos vendáveis ​​trocavam seus produtos não apenas pelos bens que desejavam consumir diretamente, mas também por bens que não valorizavam diretamente, desde que os bens recebidos fossem mais vendáveis ​​do que os bens oferecidos. Em suma, os comerciantes astutos começaram a se envolver em trocas indiretas. Por exemplo, o dono de um telescópio que desejava peixes não precisava encontrar um pescador que quisesse ver as estrelas. Em vez disso, o proprietário do telescópio poderia vendê-lo a qualquer pessoa que quisesse observar as estrelas, desde que os bens oferecidos por ele fossem mais propensos a seduzir os pescadores do que o telescópio.

Com o tempo, argumentou Menger, os bens mais vendáveis ​​foram desejados por mais e mais comerciantes por causa dessa vantagem. Mas quanto mais pessoas aceitavam esses bens em troca, mais vendáveis ​​eles se tornavam. Eventualmente, certos bens superaram todos os outros a esse respeito, e tornaram-se universalmente aceitos em troca pelos vendedores de todos os outros bens. Neste ponto, o dinheiro tinha surgido no mercado.

Graeber não aceita isso

Citaremos extensivamente a entrevista para entender o problema de Graeber com a abordagem convencional (mengeriana) e o que ele oferece em seu lugar:

    Philip Pilkington: Vamos começar. A maioria dos economistas afirma que o dinheiro foi inventado para substituir o sistema de troca. Mas você encontrou algo bem diferente, estou correto?

David Graeber: Sim, há uma história padrão que todos aprendemos, um “era uma vez” – é um conto de fadas.

Realmente não merece outra introdução: de acordo com essa teoria, todas as transações eram por escambo. “Quer saber, eu lhe darei vinte galinhas por aquela vaca.” Ou três pontas de flecha para aquela pele de castor ou sei lá. Isso criou inconvenientes, porque talvez seu vizinho não precise de galinhas agora, então você tem que inventar dinheiro.

A história remonta pelo menos a Adam Smith e, à sua maneira, é o mito fundador da economia. Agora, eu sou um antropólogo e nós, antropólogos, sabemos há muito tempo que isso é um mito simplesmente porque se houvesse lugares onde as transações cotidianas tomassem a forma de: “Eu lhe darei vinte galinhas por essa vaca”, teríamos encontrado uma ou duas agora. Afinal, as pessoas procuram desde 1776, quando A Riqueza das Nações foi publicada. Mas se você pensar sobre isso por apenas um segundo, não é de surpreender que não tenhamos encontrado nada.

Pense no que eles estão dizendo aqui – basicamente: que um bando de fazendeiros neolíticos em uma vila em algum lugar, ou nativos americanos ou o que quer que seja, estará se envolvendo em transações apenas através do comércio à vista. Então, se o seu vizinho não tem o que você quer agora, não tem problema. Obviamente, o que realmente aconteceria, e isso é o que os antropólogos observam quando os vizinhos se envolvem em algo como trocar uns com os outros, se você quiser a vaca do seu vizinho, você diria, “uau, bela vaca” e ele diria “você gosta dela? Fique com ela!” — e agora você deve uma a ele. Muitas vezes as pessoas nem sequer se envolvem em trocas – se fossem iroqueses de verdade ou outros nativos americanos, por exemplo, todas essas coisas provavelmente seriam alocadas por conselhos de mulheres.

Portanto, a verdadeira questão não é como o escambo gera algum tipo de meio de troca que então se torna dinheiro, mas sim, como esse sentido amplo de “eu te devo uma” se transforma em um sistema preciso de medição – isto é: dinheiro como uma unidade de conta?

No momento em que a cortina é levantada no registro histórico na antiga Mesopotâmia, por volta de 3200 aC, isto já aconteceu. Há um sistema elaborado de dinheiro de conta e sistemas de crédito complexos. (O dinheiro como meio de troca ou como unidades circulantes padronizadas de ouro, prata, bronze ou o que quer que seja, só vem muito mais tarde.)

Então, realmente, em vez da história padrão – primeiro há troca, depois dinheiro, então finalmente o crédito surge disso – podemos dizer que é precisamente o contrário. O crédito e a dívida vêm primeiro, então a cunhagem surge milhares de anos depois e então, quando você encontra sistemas de troca do tipo “Eu te dou vinte galinhas por aquela vaca”, geralmente é quando costumava haver mercados à vista, mas por alguma razão – como na Rússia, por exemplo, em 1998 – a moeda entra em colapso ou desaparece.

Esta é uma perspectiva fascinante; nunca me ocorreu que alguém pudesse afirmar que o dinheiro existia antes do escambo. Mesmo assim, a posição de Graeber parece insustentável, como tentarei apontar a seguir.

Nenhum registro de transações de escambo?

Graeber acha que deu um golpe mortal na explicação mengeriana ao dizer: “se houvesse lugares onde as transações cotidianas tomassem a forma de: ‘Eu lhe darei vinte galinhas por essa vaca’, teríamos encontrado uma ou duas agora.”

No entanto, isso não procede de forma alguma. Pelo menos na exposição misesiana, o estado original de troca pura e direta – onde as pessoas apenas trocavam para obter bens que valorizavam diretamente – duraria muito pouco tempo. As vantagens da troca indireta, onde as pessoas adquiriam alguns bens com a intenção de negociá-los novamente no futuro, eram tão óbvias e grandes que a prática teria começado quase imediatamente.

Agora, a transição de uma economia caracterizada por trocas indiretas frequentes, para uma economia que usa dinheiro, envolveria o efeito bola de neve que discutimos no início deste artigo. Especificamente, como as pessoas procuram adquirir bens que seriam mais comercializáveis ​​do que aqueles com os quais começaram a fazer trocas, os bens mais comercializáveis ​​veriam sua superioridade ampliada. Não me lembro de Menger ou Mises terem dado uma estimativa de quanto tempo essa transição levaria, mas não é fatal para a teoria deles se os antropólogos só tiverem evidências de mercados baseados em dinheiro (em oposição a mercados baseados em troca direta, ou o que o leigo quer dizer por “escambo”).

Em primeiro lugar, vamos ser mais específicos sobre o que Graeber acha que precisaria encontrar. Uma das desvantagens básicas do escambo é que ele exige muito mais preços do que um sistema que usa um único meio de troca (ou seja, dinheiro). Por exemplo, se houver apenas 20 bens na economia, então um quadro mostrando todas as relações de preços relevantes em um sistema de troca direta precisaria de (20 x 19) / 2 = 190 preços únicos. Em contraste, se uma economia com 20 bens estivesse usando dinheiro, então um quadro no mercado precisaria mostrar apenas 20 preços únicos. Então, Graeber está realmente surpreso por não encontrar evidências de comerciantes lidando com 190 preços para uma pequena economia, em vez de descobrir as vantagens do dinheiro e depois postar preços em dinheiro?

Isso leva a um ponto relacionado: Mises acreditava que o cálculo econômico (para o qual os preços monetários são necessários) era um pilar da racionalidade econômica e da própria civilização. Então, novamente, não é surpreendente que Graeber e seus colegas não tenham encontrado evidências de civilizações com mercados movimentados e registros escritos que ainda dependiam de preços de troca.

Finalmente, temos estudos de caso reais de comunidades desenvolvendo preços monetários a partir do zero: ou seja, prisioneiros que acabam usando cigarros como meio de troca comum. O trabalho clássico aqui é o artigo de Radford de 1945, “The Economic Organization of a P.O.W. Camp“. Não há nada no relato de Radford que entre em conflito com a história padrão dos economistas sobre a origem do dinheiro. Os prisioneiros certamente não estavam dando uns aos outros coisas de seus kits da Cruz Vermelha como presentes ou empréstimos. Não, eles primeiro estavam negociando (em um estado de troca direta) e os cigarros rapidamente se tornaram o dinheiro na sua comunidade por todas as razões que os economistas normalmente citam.

E para reforçar o ponto que fizemos anteriormente, Radford explica que os preços (citados em cigarros) de vários itens foram afixados em um quadro. Se Graeber e seus colegas tropeçassem nas ruínas deste campo de prisioneiros de guerra, eles presumivelmente concluiriam que nunca houve um estado preexistente de escambo, porque eles só encontraram placas listando preços cotados em termos de cigarros. Não havia quadros listando as milhares de permutações em pares de relações de troca direta, então obviamente a história de Menger devia estar errada – assim como estaria o raciocínio errôneo de Graeber.

Para ver os méritos da explicação mengeriana – e para entender o quão rápido as economias podem evoluir de escambo para o uso do dinheiro – o leitor deve olhar para o curioso relato de Jeff Tucker de crianças trocando doces de Halloween em sua sala de jantar. (Dica: nem Tucker nem sua esposa apareceram para fornecer uma unidade de conta para as crianças.)

A própria história de Graeber é absurda

Acima argumentei que a crítica de Graeber a explicação mengeriana não representa nenhuma ameaça a ela. Agora quero ir mais longe e mostrar que a explicação rival de Graeber simplesmente não faz sentido à primeira vista.

Lembre-se de que Graeber diz que antes de as pessoas comercializarem mercadorias diretamente, desenvolveu-se primeiro um sistema de dinheiro como unidade de conta. Era assim que as pessoas supostamente acompanhavam suas complexas relações de dívida, com base nos empréstimos feitos de vários bens (e presumivelmente serviços).

Mas espere um segundo. Sem ter uma rede de preços de escambo anteriores, como esses povos primitivos saberiam quantas unidades do dinheiro atribuir a cada tipo de bem e serviço?

Por exemplo, vamos estipular para fins de argumentação que antes que as pessoas pensassem em trocar mercadorias umas com as outras, elas primeiro concederiam empréstimos desses bens. Assim, o vizinho A tem uma colheita ruim e toma emprestado 10 alqueires de milho do vizinho B, entendendo que ele deve isso ao vizinho B e deve compensar isso no futuro.

Ao mesmo tempo, o camelo do vizinho B morre, então ele pergunta ao vizinho C se ele pode pegar emprestado um de seus sobressalentes. O vizinho C concorda. Finalmente, o vizinho C precisa de um porco, que ele pega emprestado do vizinho A.

Assim, o vizinho A deve 10 alqueires de milho ao vizinho B, mas ele por sua vez deve um camelo ao vizinho C, que por sua vez deve um porco ao vizinho A. Se eu entendo a posição de Graeber, ele está argumentando que esses tipos de dívidas foram sistematizadas e reduzidas a um denominador comum pelas autoridades. Por exemplo, talvez as autoridades simplifiquem as relações acima dizendo que, na rede, o Vizinho B deve apenas um certo número de Unidades do Templo ao Vizinho A e um número maior ao Vizinho C.

No entanto, a única maneira de calcular os números exatos seria ter os preços “em dinheiro” (citados em Unidades do Templo) para alqueires de milho, camelos e porcos. Graeber está sugerindo que as autoridades criaram os preços relativos para todos os bens em suas economias, sem ter uma única instância de pessoas negociando os bens umas contra as outras para ver quais eram realmente seus valores de mercado?

É verdade, não eliminei logicamente a possibilidade da interpretação de Graeber. Em vez disso, acho que ele não sabe o suficiente sobre a análise econômica da troca para caracterizar corretamente sua evidência antropológica. Por exemplo, mais tarde na entrevista, ele diz:

    [Na Mesopotâmia] primeiro havia templos burocráticos gigantes, depois também complexos de palácios, mas não eram exatamente governos e não extraíam impostos diretos – estes eram considerados apropriados apenas para populações conquistadas. Em vez disso, eram enormes complexos industriais com suas próprias terras, rebanhos e fábricas. É aqui que o dinheiro começa como uma unidade de conta; é usado para alocar recursos dentro desses complexos.

Os empréstimos com juros, por sua vez, provavelmente se originaram em negócios entre os administradores e comerciantes que carregavam, digamos, os artigos de lã produzidos nas fábricas do templo (que no período mais antigo eram pelo menos parcialmente empresas de caridade, casas para órfãos, refugiados ou deficientes, por exemplo) e os trocou em terras distantes por metal, madeira ou lápis-lazúli. Os primeiros mercados se formam nas margens desses complexos e parecem operar em grande parte a crédito, usando as unidades de conta dos templos.

Uma coisa é sugerir que a civilização começou como uma economia centralmente planejada, onde as autoridades do templo criavam os preços de todos os bens e serviços (citados em termos de dinheiro que inventaram do zero) antes que alguém se envolvesse em escambo.

No entanto, é incomparavelmente mais implausível sugerir que esses comerciantes – usando os preços monetários inventados pelos planejadores centrais, e ainda sem nunca terem testemunhado um único ato de troca – foram para “terras distantes” e conseguiram trocar produtos de lã por metal, madeira e lápis-lazúli. Será que Graeber realmente espera que acreditemos que esses comerciantes se engajaram em empréstimos de longa distância? Ou ele concebe que pelo menos aqui havia comércios à vista ocorrendo, e a preços ditados pela oferta e demanda, não pelas autoridades do templo em casa?

Conclusão

É verdade que o relato de Carl Menger sobre a origem do dinheiro é em grande parte uma forma de raciocínio de poltrona. A esse respeito, antropólogos com formação econômica têm muito a oferecer ao preencher a história com detalhes históricos reais.

Infelizmente, a rejeição do relato padrão por David Graeber me leva a acreditar que ele realmente não entende as afirmações feitas por pessoas como Menger e Mises. Além disso, sua própria explicação contraria não apenas a lógica econômica básica, mas também exemplos bem documentados do surgimento de um novo dinheiro.

 

 

Artigo original aqui

2 COMENTÁRIOS

  1. Excelente artigo sobre teoria do dinheiro.
    Eu li a entrevista do Graeber citada. O sujeito é um tanto triunfalista a respeito da validade da criação do dinheiro como dívidas assumidas. Ainda que eu concorde com ele que a civilização moderna é escravizada pelo vício em dívidas, graças evidentemente à falsificação em larga escala de dinheiro pela máfia estatal, essa teoria não tem o menor sentido par explicar o surgimento do dinheiro. Eu acredito que as dívidas seguem um caminho diferente do próprio dinheiro, criando um mercado específico de valor – graças aos juros. Ainda assim, as dívidas são denominadas em dinheiro, que como afirma Mr Murphy – e Menger, o dinheiro surgiu de forma espontânea. Mas seria pedir muito para o antropólogo que coloca o carro na frente dos bois, ao afirmar que o dinheiro surgiu antes do escambo.

    “ou seja, prisioneiros que acabam usando cigarros como meio de troca comum”

    O que sempre me pareceu implausível neste caso – que eu estudei em macroeconomia mainstream na PUCRS, para explicar o surgimento espontâneo do dinheiro foi a vantagem comparativa dos prisioneiros que não fumavam. Eu entendia que nesse caso estava criado um ambiente artificial. Só depois de estudar ecooia correta austro-libertária é que eu entendi que um agente econômico não necessita consumir o seu próprio produto, ou seja, como explicado aqui no texto, o agente pode se engajar em trocas indiretas. E nada impede que um prisioneiro não-fumante fosse viciado em chocolate, o que no mercado acabaria anulando a sua vantagem comparativa.

    “Se eu entendo a posição de Graeber, ele está argumentando que esses tipos de dívidas foram sistematizadas e reduzidas a um denominador comum pelas autoridades”

    É isso mesmo que ele está argumentando. Mas eu imagino as autoridades do neolítico com palnilhas de excel reduzindo todas as complexas relações de troca que os indivíduos se envolvem – mesmo em uma economia primitiva, se envolvem diariamente, nos mais diversos cantos do mundo, lugares por exemplo onde os mafiosos do estado nunca colocaram os pés…

    “onde as autoridades do templo criavam os preços de todos os bens e serviços

    No final das contas o comunismo de Graeber fica bem claro, depois de dar voltas e voltas, até pela genalogia da moral do camarada Nietzsche. É a velha ladainha que esses autores vem tentando para refutar o gênio austríaco Mises e a impossibilidade do cálculo econômico do o socialismo. Se os burocratas foram capazes de inventar o dinheiro do nada, apenas com o poder da mente – na opinião do antropólogo, porque uma classe de burocratas especializada – em marxismo, é claro -, não poderia fazer o mesmo? é preciso ficar vigilante com esses estatistas. São sujeito espertos e sem ídole. Na entrevista original o sujeito consegue até meter a palavra amrgi – liberdade, para apoiar a sua teoria das dívidas. Logo este símbolo que eu considero ser extremamente poderoso para o libertarianismo. Eu uso como capa do Twitter desde 2009 quando fiz a minha conta. É símbolo também de uma coleção impressionate de livros publicados aqui no Brazil e que eu tenho todos: liberty Fund, da Topbooks.

    Mas eu não sou tão otimista quanto o Mr. Murphy que escrveu: “antropólogos com formação econômica têm muito a oferecer ao preencher a história com detalhes históricos reais”. No geral, eles só fazem isso para justicar as suas prórprias teorias, que por sua vez são o mesmo marxismo ruminante. Se os austro-libertários podem se utilizar de suas teorias é pura conicidência.