Os socialistas admitem que querem destruir a família

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Se alguém acredita que é histeria reacionária afirmar que a esquerda radical deseja destruir a família tradicional, então que o livro de Sophie Lewis de 2022, Abolish the Family, dissipa tais preocupações. Este “Manifesto pelo Cuidado e Libertação” explica porque as famílias tradicionais devem desaparecer e o como fazer isso.

Quanto ao porquê, não será surpresa que o objetivo seja destruir a produtividade e a riqueza que o capitalismo cria. Lewis cita outros, como Pat Parker, que afirmam definitivamente que a família deve acabar, pois é “a unidade básica do capitalismo e para que possamos avançar para a revolução ela tem que ser destruída”. Lewis observa ainda que a razão para abolir o casamento está profundamente entrelaçada com a abolição da propriedade privada, o que poria fim à troca voluntária.

É o “como” do niilismo familiar que Lewis apresenta que oferece desafios bizarros, mas chocantemente eficazes à vida familiar tradicional. Ela relata as várias – e completamente fracassadas – tentativas de utopias socialistas. Ela elogia os edifícios falangários de Joseph Fourier (vastos dormitórios que abrigam precisamente seiscentas pessoas designadas para viver lá), onde “festas sexuais regulares cuidadosamente selecionadas são presididas por ‘fadas’ especiais”. Ela continua: “O feminismo original, então, é inseparável da abolição familiar, do sexo queer e do utopismo socialista. Bom saber, né? Vive le phalanstère!”

Lewis dobra essa afirmação em uma seção intitulada “O Queer, o Indígena e o Quilombola: Século XIX”. Ela afirma que os nativos americanos exibiam maneiras superiores de ser e não praticavam “nenhuma forma de patriarcado; criar filhos coletivamente, honrar mais de dois gêneros, colocar apenas restrições sociais frouxas ao prazer sexual, contar parentes não humanos entre seus parentes e, às vezes, conceituar práticas maternas (como a amamentação) como inclusivas de gênero.”

Para Lewis, todas essas práticas devem ser louvadas como formas populares de resistência à família nuclear. A visão de que a normalização de tais práticas de fato contribui para a dissolução da família tradicional é certamente agradável a este autor. Não se deve acreditar que as práticas que Lewis elogia representam apenas um desejo bacchanaliano de expressão sexual bizarra por si só. Em vez disso, a autora apresenta essas práticas como uma metodologia deliberada por meio da qual a família tradicional pode ser aniquilada.

Outras tentativas de destruir a família que Lewis parece gostar incluem o “modelo cooperativo e baseado no casamento em grupo” de Robert Owen, um modelo que fracassou de forma espetacular. Outros arranjos de vida alternativos incluem as maquinações da camarada Alexandra Kollontai, que garantiu a seus seguidores que mulheres e crianças estariam em melhor situação porque “a sociedade comunista cuida de cada criança e garante a ela e a sua mãe apoio material e moral. A sociedade vai alimentar, ensinar e educar a criança”. De fato, a esse respeito, podemos concordar, pelo menos em parte, com Karl Marx e Friedrich Engels, cuja primeira nota de rodapé em A ideologia alemã afirmou inequivocamente: “É autoevidente que a abolição da economia individual é inseparável da abolição da família”.

Para não ser superado por esses companheiros e seus sonhos de eliminação da família, Lewis nos direciona para uma seção sobre “Libertação de gays e lésbicas – e crianças”. Cinquenta anos atrás, ativistas fizeram uma lista de exigências à Convenção Nacional Democrata em Miami, e a sexta parte de seu manifesto declarou: “Criar crianças deve ser a responsabilidade comum de toda a sua comunidade. Quaisquer direitos legais que os pais tenham sobre os “seus” filhos devem ser dissolvidos e cada criança deve ser livre para escolher seu próprio destino. Devem ser criadas creches gratuitas de vinte e quatro horas, onde bichas e lésbicas possam partilhar a responsabilidade da criação dos filhos.”

Para não serem superados pelos ativistas gays dos anos 1970, as companheiras de hoje contra o parentesco Michele Barrett e Mary McIntosh apresentam uma visão de niilismo completo. Elas corajosamente afirmam: “Esperamos que até agora esteja claro que não colocaremos nada no lugar da família”. A total ausência de estruturas familiares tradicionais na prática é algo que Lewis viu com seus próprios olhos – e comemorou. Ela relatou um acampamento de tendas induzido pela política de covid no centro da Filadélfia, onde os habitantes tinham as bênçãos socialistas de “uma ocupação, completa com uma cozinha, centro de distribuição, tenda médica, loja de suprimentos para uso de substâncias e até um chuveiro de pé – uma vila militante liderada por desabrigados da Filadélfia e rebeldes da classe trabalhadora”. Esta aparentemente era uma forma preferível de viver, pois era um “lar – em um novo, verdadeiro, senso comum da palavra… uma prática de revolução planetária”.

Em um florescimento retórico final, Lewis descreve o objetivo da demolição final da família. Ela insiste que

      “O Estado devolve os seres humanos especialmente dependentes aos braços dos poucos cuidadores que tende a reconhecer e a insistir em desprivatizar o cuidado, contestar os “direitos parentais” e imaginar um mundo em que todas as pessoas sejam cuidadas por muitos por padrão. O que estamos dizendo é que MANTER AS FAMÍLIAS UNIDAS e ACABAR COM A SEPARAÇÃO FAMILIAR são imperativos políticos.” (grifos no original)

Dito de outra forma, este é o fim dos pais que criam os seus próprios filhos e o fim da livre associação, substituída pelo Estado como progenitor e com arranjos de vida controlados centralmente.

À luz da decadência da família tradicional no Ocidente, pode-se pensar que essas mudanças são acidentais. Como o trabalho de Lewis explica, eles certamente não são. Ryan McMaken tem razão ao dizer que há múltiplas causas para a decadência e alienação familiar. Há catalisadores econômicos, políticos e morais. Mas não se engane, isso é tudo, menos acidental. Lewis e seus companheiros da esquerda radical declararam suas tentativas intencionais de destruir a família, e cabe às pessoas de boa vontade em todos os lugares levar essas ameaças de tomar posse de seus filhos e propriedades a sério, expondo o trabalho de pseudointelectuais antifamília.

 

 

Artigo original aqui