Palestra 3 – Dinheiro e integração monetária: o crescimento das cidades e a globalização do comércio

0
Tempo estimado de leitura: 22 minutos

Quero continuar a história de ontem sobre a divisão do trabalho. Até agora, apresentei mais ou menos um conto histórico, e agora quero adicionar algumas considerações teóricas sobre por que há divisão do trabalho e, a partir daí, continuar com o desenvolvimento do dinheiro, o que intensifica a divisão do trabalho ainda mais. Também discutiremos o papel das cidades e do crescimento da cidade, e isso terá continuidade na palestra desta tarde sobre capital e acumulação de capital.

Já mencionei ontem que o fato de os humanos falarem uns com os outros, discutirem entre si, usando a linguagem, indica sua natureza social. Algo mais deve ser mencionado a este respeito, e é que, no início da humanidade, é difícil imaginar que apenas dois adultos se deparassem com a pergunta: “Devemos cooperar ou não?,” tendo em mente também que existem diferentes gerações de pessoas vivas, o que automaticamente torna mais fácil entender por que existe cooperação. Obviamente, a geração mais velha pressiona a mais jovem a adotar certos padrões e encontra algumas vantagens na divisão do trabalho, mas seja como for, quero agora desenvolver o argumento da divisão do trabalho como Ludwig von Mises o apresenta, ou seja, supondo que existam adultos crescidos e que inicialmente não existisse nenhuma linguagem.

Podemos ainda, de alguma forma, explicar por que as pessoas não permanecem em isolamento autossuficiente, mas começam a dividir seu trabalho e se engajar em trocas baseadas na divisão do trabalho? Para entender isso, vamos primeiro supor que todos os indivíduos são perfeitamente idênticos uns aos outros, clones perfeitos uns dos outros, e que também a terra, isto é, aquelas coisas que encontramos diante de nós como recursos dados pela natureza, são perfeitamente idênticos para cada indivíduo. O que aconteceria então? Essa é uma previsão relativamente fácil que podemos fazer. Se assumirmos que todas as pessoas têm os mesmos desejos, o mesmo conhecimento e o mesmo equipamento externo, então o resultado seria que cada pessoa produzirá o mesmo tipo de coisas nas mesmas quantidades e nas mesmas qualidades – e em tal situação, é óbvio que simplesmente não há espaço para qualquer tipo de troca. O que eu deveria trocar se todo mundo tem exatamente as mesmas coisas e as usa exatamente do mesmo modo que todo mundo faz, o que simplesmente segue das suposições que fizemos, de igualdade perfeita de trabalho e terra. O primeiro reconhecimento, então, é que se não fosse pelo fato das diferenças em relação à terra e/ou trabalho, nem mesmo a ideia de divisão do trabalho (e, com base na divisão do trabalho, troca) jamais passaria pela cabeça de qualquer pessoa.

Mesmo que haja diferenças entre o trabalho, e entre nós mesmos como homens, não é necessário que as pessoas dividam seu trabalho e troquem com base na divisão do trabalho. Elas ainda podem decidir que “Vou produzir tudo sozinho e permanecer autossuficiente enquanto estiver isolado”. Mises afirma que psicólogos e sociólogos frequentemente explicam o surgimento da divisão do trabalho assumindo algum tipo de instinto de barganhar e negociar. Você encontrará isso, por exemplo, em Adam Smith. Ele explica isso por um instinto: os humanos são instintivamente atraídos uns pelos outros e fazem trocas entre si. Mises, no entanto, aponta algo muito interessante, ou seja, não precisamos fazer essa suposição. Podemos supor que, na verdade, cada pessoa odeia todas as outras e ainda assim explicar como pode surgir uma divisão de trabalho. E, obviamente, as explicações que exigem menos em termos de suposições são melhores do que as explicações que exigem que façamos todos os tipos de suposições para chegar a nossa conclusão.

Vamos supor que todos se odeiem. Mesmo assim, por que as pessoas se envolveriam na divisão do trabalho? Mises simplesmente aponta que a divisão do trabalho surgirá enquanto cada pessoa preferir mais bens a menos bens, desde que cada pessoa seja perfeitamente egoísta e queira ter mais em vez de menos. Isso é totalmente suficiente para explicar por que eles não permanecem em isolamento autossuficiente. Como você deve ter ouvido nas aulas de microeconomia, existem duas razões para isso.

A primeira é chamada de vantagem absoluta da divisão de trabalho, que se refere a uma situação em que uma pessoa é particularmente boa em fazer uma coisa e outra pessoa é particularmente boa em fazer outra. A razão para isso pode ser interna, que ela pessoalmente tem talentos que outra pessoa não tem e outra pessoa tem talentos que a outra pessoa não tem, ou pode ser devido ao fato de que uma pessoa vive na encosta da montanha e tem certas oportunidades que quem mora à beira-mar não tem, ou pode ser uma combinação desses dois fatores, ou seja, diferenças de terra e de trabalho. E dado o fato que o tempo é escasso, fica imediatamente claro que haveria uma vantagem se cada pessoa se especializasse naquilo em que é particularmente boa, porque então a quantidade total de bens que serão produzidos será maior do que seria se ambos os indivíduos fossem decidir produzir todos os bens, ambos os bens, por conta própria e não se envolver na divisão do trabalho.

O segundo motivo foi discutido pela primeira vez por David Ricardo. Ricardo, no entanto, aplicou esse argumento a diferentes nações, e a vantagem da apresentação de Mises desse argumento é mostrar que ele se aplica, estritamente falando, também ao nível individual. Essa é a chamada vantagem comparativa da divisão do trabalho, que se refere ao cenário concebivelmente pior, em que uma pessoa é totalmente superior. Em todos os processos de produção, ela é mais eficiente do que a outra pessoa, e a outra pessoa é totalmente inferior no que diz respeito às suas capacidades produtivas. E a questão então é: “Faz sentido para esses tipos de indivíduos, um totalmente superior, um totalmente inferior, se engajar em uma divisão de trabalho?” E sem entrar em grandes detalhes e nem tentar provar esse tipo de coisa, basta apenas fazer um argumento intuitivo para a resposta: sim, mesmo nessas circunstâncias, a divisão do trabalho é benéfica, desde que esses dois indivíduos dividam seu trabalho da seguinte maneira. A pessoa que é totalmente superior escolhe se especializar nas coisas em que tem uma vantagem particularmente grande, e a pessoa que é totalmente inferior se especializa na área em que sua desvantagem é comparativamente pequena. Vejamos um exemplo: um cirurgião e um jardineiro. Entre os dois, o cirurgião é um cirurgião melhor e também um jardineiro melhor – e como o seu tempo é escasso, é vantajoso para ele especializar-se naquela atividade em que a sua vantagem é particularmente grande, nomeadamente na área da cirurgia, deixando a atividade de jardinagem para a outra pessoa, apesar do fato de que o cirurgião também seria um jardineiro melhor do que o jardineiro. Mas dado o fato de que sua vantagem é maior em uma área do que na outra e que o tempo gasto em uma atividade não pode mais ser gasto em outra atividade, dividindo seu trabalho desta forma e então, a partir dessa divisão de trabalho, engajando-se em trocas, o padrão de vida de ambos os indivíduos será mais elevado.

Deixe-me citar Mises com esse propósito, ou seja, explicando por que não encontramos pessoas que permanecem em isolamento autossuficiente. Pode haver algumas pessoas que tentam, mas mesmo elas não o fazem completamente. Nos velhos tempos do movimento hippie, havia, é claro, algumas pessoas que tentavam viver da terra, como você deve se lembrar, mas mesmo elas não viviam diretamente da terra. Elas dirigiram seus trailers montanha acima e levaram uma vida primitiva lá, mas assim que ficavam sem gasolina, eles não perfuraram o topo da montanha em busca de petróleo, mas desceram até a próxima estação da Shell e reabasteceram. Se eles não tivessem feito isso, nunca teríamos sabido mais nada dessas pessoas. Então, Mises diz,

Se e na medida que o trabalho sob a divisão do trabalho é mais produtivo do que o trabalho isolado, e se e na medida que o homem é capaz de perceber esse fato, a própria ação humana tende para a cooperação e a associação; o homem se torna um ser social, não ao sacrificar suas próprias preocupações em prol de um mítico Moloch, a sociedade, mas ao buscar uma melhoria em seu próprio bem-estar. A experiência ensina que essa condição – maior produtividade alcançada com a divisão do trabalho – está presente porque sua causa – a desigualdade inata dos homens e a desigualdade na distribuição geográfica das forças naturais de produção – é real. Assim, estamos em posição de compreender o curso da evolução social.[1]

E agora, para um insight muito importante que Mises deriva disso – novamente, lembre-se, eu apontei que ao contrário de pessoas como Adam Smith, por exemplo, que estipulou alguma simpatia inata entre a humanidade como a causa fundamental da divisão do trabalho, Mises reverte esse argumento e diz: “É precisamente a maior produtividade da divisão do trabalho que nos torna dependentes uns dos outros, com base em nosso reconhecimento de que todos nós nos beneficiamos dessa dependência de outros que, então, desenvolvemos sentimentos de simpatia pelos outros.” Portanto, não é a simpatia que explica a divisão do trabalho; é a motivação egoísta para iniciar a divisão do trabalho, que então, como resultado da divisão do trabalho, permite que os sentimentos de simpatia entre a humanidade se desenvolvam. Portanto, a simpatia resulta da divisão do trabalho, mas não é a causa dela. E, novamente, uma citação muito interessante para esse efeito. Mises disse,

Nela pode surgir entre os membros da sociedade sentimentos de simpatia e amizade e um sentimento de pertença. Esses sentimentos são a fonte das experiências mais deliciosas e sublimes do homem. Eles são o adorno mais precioso da vida; eles elevam a espécie animal homem a patamares de uma existência realmente humana. No entanto, não são, como alguns afirmam, os agentes promotores das relações sociais. Eles são os frutos da cooperação social, eles prosperam apenas dentro de sua estrutura; eles não precederam o estabelecimento de relações sociais e não são a semente da qual brotam.[2]

E então ele elabora um pouco mais sobre isso. Ele diz,

A atração sexual mútua de macho e fêmea é inerente à natureza animal do homem e independente de qualquer pensamento e teorização. É permitido chamá-la de original, vegetativa, instintiva ou misteriosa … No entanto, nem a coabitação, nem o que a precede e o que se segue, gera cooperação social e modos de vida em sociedade. Os animais também se unem para acasalar, mas não desenvolveram relações sociais. A vida familiar não é apenas um produto da relação sexual. Não é de forma alguma natural e necessário que pais e filhos vivam juntos da maneira que vivem na família. A relação de acasalamento não precisa resultar em organização familiar. A família humana é o resultado do pensamento, do planejamento e da ação. É este mesmo fato que o distingue radicalmente daqueles grupos de animais que chamamos de famílias de animais per analogiam.[3]

Portanto, novamente, é o reconhecimento das vantagens da divisão do trabalho que torna as relações familiares estáveis, em vez de as pessoas se separarem e seguirem seu próprio caminho.

Agora, a divisão do trabalho então, por ser mais produtiva, permite também, como já indiquei ontem na minha palestra, um crescimento populacional que de outra forma não seria possível. A maneira mais fácil de nos convencermos disso é nos engajarmos em um exercício intelectual, o que aconteceria com a população mundial se decidíssemos a partir de agora nos retirar de toda interação social e nos tornarmos produtores autossuficientes. Como já sugeri com aquele exemplo hippie, pode-se ver facilmente que se fizéssemos algo assim, a maior parte da humanidade seria erradicada em poucos dias, porque não seríamos capazes de prover todas as comodidades que nos acostumamos a ter. Assim que nosso caminhão se desgastar, não seremos capazes de consertá-lo; assim que nosso leite acabar, bem, no meu caso, o mais importante, assim que minha cerveja acabar, eu ficaria em apuros.

Observe que a divisão do trabalho também permite que os chamados inaptos sobrevivam. Mas são precisamente essas pessoas, que em condições muito primitivas, devido a algumas deficiências de suas funções corporais ou sensoriais, estariam condenadas a passar fome e morrer, que podem sobreviver e levar vidas produtivas e até mesmo se tornarem indivíduos ricos e abastados como resultado da divisão do trabalho. Como resultado de tudo isso, como expliquei, primeiro temos sociedades agrícolas em desenvolvimento. Essas sociedades agrícolas têm uma quantidade mínima de divisão de trabalho; elas ainda são, em grande medida, autossuficientes. Mas então, como Mises descreveu na citação que lhes trouxe ontem, surgem problemas se a população aumentar: as parcelas tornam-se cada vez menores; a terra se torna cada vez mais valiosa e temos que encontrar uma solução para essa massa crescente de população. E a solução é o aprofundamento e intensificação da divisão do trabalho, o que leva à formação, a partir de pequenas aldeias, de cidades, onde temos o desenvolvimento de profissões especializadas que fornecem ao campo ferramentas especializadas e recebem do campo os alimentos necessários para levar sua vida na cidade.

Com a vida na cidade também vem pela primeira vez (devido ao fato de que a vida na cidade já indica uma maior quantidade de acumulação de capital, e leva a uma situação em que as pessoas alcançam um certo nível de riqueza, têm um certo tempo de lazer) o desenvolvimento da ciência ou as primeiras tentativas em direção à ciência, o que requer tempo de lazer para refletir sobre as leis naturais, e assim por diante, e também muito importante, o desenvolvimento de uma linguagem escrita, que mais uma vez constitui um grande avanço no desenvolvimento humano acima e além do desenvolvimento de uma linguagem em si – porque, desta forma, não somos mais dependentes da tradição oral, uma geração dizendo à geração seguinte o que fazer, o que aprenderam e assim por diante, mas agora temos a capacidade de apenas parar e fazer experiências permanentes que foram coletadas por gerações anteriores. Também se torna muito mais fácil transportar essas informações para lugares longínquos e distantes, muito mais fácil do que seria possível se tivéssemos que confiar nas tradições orais. As linguagens escritas foram desenvolvidas pela primeira vez há cerca de 5.000 anos, e sabemos que algumas regiões do globo nunca chegaram a este estágio de desenvolvimento de ter uma linguagem escrita. Alguns lugares só receberam línguas escritas depois de redescobertos pelos europeus. Não existia nenhuma língua escrita no continente africano, e apenas diminutas tentativas de línguas escritas em algumas pequenas regiões do continente americano.

Mencionei Carroll Quigley ontem em conexão com sua afirmação de que uma das marcas das civilizações é que, civilizações não vivem mais a vida parasitária, mas são sociedades que acrescentam algo aos recursos existentes. Quigley dá, além disso, algumas outras características que ele considera constitutivas da civilização, e essas são sociedades que têm cidades que progrediram além do nível de aldeia e que possuem uma linguagem escrita. A primeira civilização ou primeira sociedade que preenche este requisito de uma civilização, no sentido de Quigley, seriam aquelas sociedades que se desenvolveram no Crescente Fértil, hoje o Iraque e a Síria.

Deixe-me apenas dar alguns números aproximados sobre o tamanho das cidades que surgiram durante este período de 4.000 a 6.000 anos atrás. A maior cidade em muitos séculos foi Uruk, cujos restos estão no Iraque. Por volta de 3.700 aC, Uruk como a primeira cidade tinha uma população de cerca de 14.000 pessoas. Portanto, pelos nossos padrões, era apenas uma grande aldeia, mas na época, obviamente, um grande avanço em comparação com o tamanho das aldeias. E esta cidade, Uruk, nos próximos 1.000 anos ou mais, em 2.800 aC, cresceu para uma população de 80.000 pessoas. Esse já é um tamanho significativo, no qual se pode imaginar que uma cidade desse tamanho deve apresentar uma quantidade bastante significativa de divisão de trabalho dentro do campo não agrícola. Então, isso era 80.000 pessoas em 2.800 aC. Depois disso, a cidade de Uruk entra em declínio. Outras cidades assumem seu lugar como cidade dominante.

A próxima é Akkad, que também fica na mesma região, que chega a ter 60 mil habitantes. Em seguida, as maiores cidades aparecem no Egito: Memphis e Tebas e Avaris. O maior tamanho de cidade durante este período das civilizações babilônica e egípcia era de cerca de 100.000. Se formos para tempos mais recentes, há um período, digamos, durante o Império Romano, em que encontramos cidades já de um tamanho significativamente maior. A própria Roma, em seu auge, tinha uma população de cerca de um milhão de pessoas, e veremos mais tarde que também há desintegração econômica: uma cidade que teve um milhão de habitantes em uma época encolhe, algumas centenas de anos depois, a um tamanho de 20.000.

Existem períodos – e voltarei a isso com mais detalhes – em que você pode ver que há um crescimento populacional mais rápido, uma divisão mais intensiva do trabalho, um maior crescimento populacional, uma especialização mais ampla e assim por diante, mas também há períodos em que esse tipo de coisa é destruída e as populações diminuem, a divisão do trabalho diminui, o tamanho da população nas cidades diminui e assim por diante. Atenas, no auge de seu desenvolvimento, tinha cerca de 250.000 habitantes, e um dos principais portos e centros comerciais da época, Alexandria, tinha uma população de cerca de 400.000 habitantes.

Agora, com as cidades também vêm os comerciantes e o dinheiro. Eu gostaria de acrescentar isso à definição de Quigley de civilizações desenvolvidas, como lugares que têm cidades e linguagem escrita, como um critério adicional de civilizações desenvolvidas, para apontar que elas devem ter uma classe mercante especializada, pessoas que estão engajadas em comércio de pequenas distâncias e, em particular, também o comércio de longa distância e, é claro, com o comércio de longa distância vem o desenvolvimento do dinheiro.

Vou interromper minhas considerações históricas e dar uma breve explicação do desenvolvimento do dinheiro. Assim como podemos reconstruir racionalmente por que as pessoas se envolvem na divisão do trabalho e por que há uma tendência para a divisão do trabalho se tornar mais extensa e mais intensiva, também podemos fornecer uma reconstrução racional do desenvolvimento do dinheiro como uma solução para um problema que surge do comércio em uma economia premonetária. Se tivermos uma economia de troca, na qual as pessoas trocam bens de consumo por outros bens de consumo ou bens de consumo por bens de produção, e a produção ocorre para fins de troca, ou pelo menos parcialmente para fins de troca, em vez de para suprimentos autossuficientes, então automaticamente surge o problema de que às vezes eu poderia ter produzido algo com o propósito de trocar com outra, porém a pessoa que tem o que eu quero não está interessada em meus produtos, mas quer outra coisa.

O comércio, nessa situação, só é possível se tivermos o que se chama de dupla coincidência de desejos, ou seja, devo ter o que você quer e você deve ter o que desejo. Se apenas um desses acidentes ocorrer, eu tenho o que você quer, mas você não tem o que eu quero, então, claramente, a negociação fica paralisada e, em tal situação, as pessoas estão obviamente procurando algum tipo de solução para esta suspensão do comércio, dado o fato de produzirem para efeitos de troca, e não com o propósito de usar as próprias coisas. E, novamente, Mises, baseando-se nos escritos de Carl Menger, tem uma bela explicação de como é a solução para esse problema. Se você não pode negociar diretamente, o que vai acontecer é – e não temos que supor que isso aconteça instantaneamente ou que cada grupo de pessoas faça a mesma descoberta ao mesmo tempo – só temos que presumir que haja algumas pessoas mais brilhantes em sociedade que façam a simples dedução de que nem todos os bens que são negociados em troca são igualmente comercializáveis. Ou seja, nem todos os bens negociados em troca são usados ​​com a mesma frequência pelas pessoas. Alguns bens são usados ​​por mais pessoas em mais ocasiões e outros bens são usados ​​por menos pessoas em menos ocasiões.

E em tal situação, onde eu não posso receber pelos meus bens o que eu quero diretamente, eu ainda posso obter uma vantagem, me tornar melhor, seguindo apenas instintos egoístas, se eu conseguir trocar meus bens por algo que é mais negociável do que os meus próprios bens. Se eu receber algo que é mais comercializável, mesmo que não tenha interesse em usá-lo como um bem de consumo ou de produção, a vantagem que obtenho é a vantagem de que um bem mais comercializável pode, é claro, ser revendido com mais facilidade por aquelas coisas que eu realmente quero. Ou seja, tenho em minhas mãos um bem mais comerciável que não tem utilidade direta para mim como consumidor ou produtor, mas o demandei como o que se chama um meio de troca, como um facilitador de troca. Isso facilita a troca porque há mais pessoas, em mais ocasiões, dispostas a aceitar esses produtos do que os produtos que eu inicialmente ofereci para venda.

Então, o grau de comercialização desse bem em particular aumenta ainda mais porque agora existem pessoas que exigem esse bem porque querem tê-lo como um bem de consumo e um bem de produção como antes e, além disso, há uma pessoa que demanda este bem por um motivo diferente, para usá-lo como um meio de troca, como um facilitador de troca. E então se torna mais fácil para a próxima pessoa brilhante na sociedade fazer a mesma descoberta: sempre que ela entra em dificuldades para negociar seu bem diretamente com as coisas que deseja, ela faz o mesmo. Só preciso encontrar um produto que seja mais vendável do que o meu e a probabilidade de ele escolher o mesmo já aumentou, devido ao fato de que já havia um cara mais brilhante antes dele.

E então temos, muito rapidamente, uma convergência para um meio de troca que é usado na sociedade em todo o lugar, e chamamos isso de meio comum de troca ou dinheiro. Duas vantagens que surgem assim que temos um meio de troca comum existente é que agora, com um meio de troca comum existente, podemos vender e comprar instantaneamente, sem ter que esperar pela existência de coincidências duplas de desejos.

A segunda vantagem que surge com a existência de um meio de troca comum é que agora podemos nos dedicar à contabilidade de custos. Afinal, lembre-se que produzimos para venda no mercado; não produzimos para nosso próprio uso. Se produzimos para o mercado, queremos ter certeza de que as coisas usadas na produção de certos produtos sejam menos valiosas do que aquelas que produzimos com nossos insumos. Ou, em outras palavras, queremos ter certeza de que nosso produto é mais valioso do que nossos insumos. Mas, em uma economia de escambo, os produtos e os insumos estão em unidades diferentes – eles são incomensuráveis. No entanto, assim que todos os nossos insumos e produtos são vendidos por um meio de troca comum, temos um denominador comum; podemos agora comparar, ou somar, todas os insumos em termos de dinheiro e podemos expressar nossa produção em termos de dinheiro, e agora podemos determinar se obtivemos lucros ou prejuízos – lucros indicando que de fato transformamos recursos menos valiosos em recursos mais valiosos, que é, afinal, o propósito da produção – ou, se tivemos prejuízos, isso nos diz que desperdiçamos recursos valiosos para transformá-los em algo que era menos valioso do que aquelas coisas que foram usadas para produzir o nosso produto, o que nos daria um sinal de que devemos descontinuar este tipo de processo de produção.

Agora, ao imaginarmos que a divisão do trabalho se expande e, finalmente, atinge e abrange todo o globo, à medida que diferentes regiões começam a negociar entre si, podemos ver que haverá no mercado também uma tendência para um tipo de dinheiro regional competir com outros tipos regionais de dinheiro, com o resultado final esperado sendo que restará apenas um ou, no máximo, dois tipos de dinheiro, que são usados ​​universalmente. Quer dizer, esse dinheiro, um dinheiro que é mais amplamente usado, mais amplamente aceito, é obviamente vantajoso em relação a um dinheiro que só é usado em certas pequenas regiões. Se temos dinheiro diferente sendo usado em certas pequenas regiões, então estamos, estritamente falando, ainda em um sistema de troca parcial. Se eu quiser negociar com uma região diferente, primeiro tenho que encontrar alguém que queira meu dinheiro e esteja disposto a me dar seu dinheiro, e só então poderei fazer minhas compras. Se você tem, no entanto, apenas um dinheiro usado em escala mundial, então é obviamente possível que, sem qualquer necessidade de duplas coincidências de desejos, uma negociação imediata possa ocorrer. Essas duas tendências, a expansão da divisão do trabalho e a tendência do dinheiro de se tornar um dinheiro universalmente usado, obviamente reforçam-se mutuamente e aprofundam e intensificam a divisão do trabalho.

Neste ponto, para enfatizar essa tendência de globalização do comércio facilitada pela universalidade de um dinheiro ter vencido os diferentes tipos iniciais de dinheiro – deixe-me apresentar uma citação importante de Mises, à qual voltarei mais tarde. Mises disse,

Uma teoria social fundada no darwinismo chegaria ao ponto de declarar que a guerra de todos contra todos era a forma natural e necessária das relações humanas, negando assim que quaisquer laços sociais fossem possíveis; ou, por outro lado, teria que mostrar por que a paz reina e deve reinar dentro de certos grupos e, ainda, por outro, provar que o princípio da união pacífica que leva à formação dessas associações é ineficaz fora do círculo do grupo, de modo que os grupos entre si devem lutar.[4]

Você percebe que o argumento aqui é que a maioria das pessoas tem muito pouca dificuldade em aceitar a tese de que sim, há relações pacíficas entre os habitantes da aldeia A e da aldeia B, ou da tribo A e da tribo B, porque todo mundo vê isso, é claro, tomando lugar. Se você aceitar a explicação darwiniana, isso já é difícil de explicar, mas a próxima luta, o próximo problema, o mais decisivo, é que as pessoas que aceitam essas interpretações darwinianas têm que explicar por que deveria haver divisão de trabalho e relações pacíficas dentro um grupo, mas não entre grupos diferentes. Afinal, os mesmos princípios parecem estar em ação. Mises então diz o seguinte: “a união pacífica, que leva à formação dessas associações, é ineficaz fora do círculo do grupo, de modo que os grupos entre si devem lutar”. E Mises então diz,

Esta é precisamente a rocha sobre a qual todas as teorias sociais não liberais se fundam. Se alguém reconhece um princípio que resulta na união de todos os alemães, de todos os dolicocéfalos ou de todos os proletários e forma uma nação, raça ou classe especial a partir desses indivíduos, então esse princípio não pode ser provado ser eficaz apenas dentro dos grupos coletivos. As teorias sociais antiliberais evitam o problema, limitando-se ao pressuposto de que a solidariedade de interesses dentro dos grupos é tão evidente, a ponto de ser aceita sem discussão adicional, e tomando cuidado apenas para provar a existência do conflito de interesses entre grupos e a necessidade do conflito como a única força dinâmica do desenvolvimento histórico. Mas se a guerra deve ser o pai de todas as coisas, a fonte fecunda do progresso histórico, é difícil ver por que sua atividade fecunda deveria ser restringida dentro de estados, nações, raças e classes. Se a natureza precisa da guerra, por que não a guerra de todos contra todos, por que apenas a guerra de todos os grupos contra todos os grupos?[5]

Esta é uma descrição ou explicação muito poderosa de por que os mesmos princípios que levam os grupos a cooperar pacificamente também operam quando se trata de cooperação entre grupos diferentes. As mesmas razões se aplicam lá como se aplicam a cada grupo. A divisão do trabalho é benéfica porque beneficia todos os grupos que dela participam, da mesma forma que beneficia todos os indivíduos de um grupo. E um desenvolvimento do dinheiro em direção a um meio de troca universal é benéfico da mesma forma que o desenvolvimento do dinheiro regional é benéfico para os habitantes de apenas uma pequena região.

Agora, voltando a alguns comentários históricos, ilustrando essa tendência de globalizar a divisão do trabalho e o desenvolvimento de uma moeda universal integrando todas as regiões, todas as classes, todas as sociedades. Desde muito cedo, após o desenvolvimento das cidades e uma classe mercantil e dinheiros regionais, temos o desenvolvimento do comércio de longa distância. Já temos algo que se chama Rota da Seda, ligando a Ásia à Europa via Oriente Médio, que ainda é uma espécie de centro da civilização, naquela época, cerca de 4.000 anos atrás. Ou seja, há 4.000 anos já existiam rotas comerciais de milhares de quilômetros ligando a Europa à Ásia, rotas comerciais que são protegidas pelos próprios mercadores ou pelas pessoas que moram nas proximidades e têm interesse que o comércio ocorra através de suas áreas. Existe, durante o Império Romano – que pelo menos na história antiga fornece exemplos da mais profunda e ampla integração econômica – contato permanente por volta de 200 aC entre Roma e Han, China, onde caravanas de pessoas se movem continuamente e trocam vários bens de um lado para outro. Desde muito cedo também fazemos viagens marítimas regulares; os chineses regularmente enviavam navios para lugares como a Índia, por exemplo. E da parte oeste, existem rotas comerciais marítimas regulares do Golfo Pérsico para a Índia também, especialmente após a descoberta dos ventos das monções. Ou seja, os ventos das monções, esqueci exatamente em que direção, são tais que durante meio ano sopram para o leste e na outra metade do ano para o oeste. S o, uma vez que as pessoas descobrissem esse padrão regular, operações de transporte marítimo em relativamente grande escala poderiam ser conduzidas do Golfo Pérsico para a Índia e vice-versa.

Novamente, esse tipo de coisa, simplesmente descobrir como o vento sopra, demorou um bom tempo; em alguns casos, era comparativamente fácil, como com os ventos das monções, em que há longos períodos soprando para um lado e longos períodos soprando para o outro. Era muito mais difícil, por exemplo, encontrar as rotas marítimas adequadas através do Atlântico, indo em uma direção e depois voltando na outra, já que normalmente não é possível seguir as mesmas rotas. E foi ainda mais difícil para o Pacífico, onde as rotas são muito diferentes para ir para um lado e para o outro. Novamente, centenas de anos de experiência foram necessários para desenvolver conhecimento detalhado sobre as rotas mais apropriadas a serem seguidas, e isso só se tornou um problema com o desenvolvimento de navios a vapor, o que é, claro, um desenvolvimento comparativamente recente.

Esse intenso comércio de longa distância se reflete no fato de que podemos encontrar moedas romanas em lugares como o sul da Índia, mas as moedas romanas não eram as moedas mais populares, porque as moedas romanas sofriam com as operações frequentes de corte de moedas por vários governantes. Assim, por cerca de 800 anos ou mais, de cerca de 300 DC ao século XII, o dinheiro mais popular foi produzido por Constantinopla e o nome dele era solidus ou bezant, (obviamente nomeado após Bezant, ou Bizâncio), e eles ganharam um reputação de serem as moedas mais confiáveis ​​e honestas, sujeitas a praticamente nenhum corte de moeda ou adição de metais menos valiosos a ela. Os mercados de negociação, é claro, preferem dinheiro bom a dinheiro ruim.

Você pode ter ouvido falar da chamada lei de Gresham, que afirma que o dinheiro ruim expulsa o dinheiro bom, mas essa lei só se aplica se houver controles de preços em vigor, apenas se as relações de troca de diferentes quantias forem fixas e não refletirem mais o forças de mercado. É verdade que o dinheiro ruim tira o dinheiro bom em circunstâncias normais, sem qualquer interferência? Não, pois o dinheiro obedece exatamente à mesma lei que vale para todos os outros bens. Os bens bons expulsam os bens ruins. O dinheiro bom expulsa o dinheiro ruim, então esse bezant foi por cerca de 800 anos considerado o melhor dinheiro disponível e foi preferido pelos mercadores da Índia a Roma e o Mar Báltico. Em todas essas regiões, você pode encontrar este tipo de moeda sendo usado, e escavações produziram evidências do uso dessas moedas nesses lugares distantes.

Para continuar a história, temos a descoberta da América ocorrendo. Essas áreas eram completamente desconhecidas do mundo eurasiano ocidental antes – na verdade, leva até cerca de 1850 para as explorações finais no interior da África acontecerem, e podemos dizer aproximadamente que em meados do século XIX todo o mundo se tornou conhecido para a humanidade. E não é por acaso, então, que nessa época o que surge é, pela primeira vez, uma tendência nítida de um ou dois dinheiros de commodities superarem todo o resto. Ou seja, no final do século XIX, temos um padrão-ouro internacional em desenvolvimento. Por um tempo, houve competição entre ouro e prata. Havia certas áreas que preferiam prata. Por exemplo, antes de 1908, a China e a Pérsia e alguns países da América do Sul ainda usavam prata, mas em 1900, o resto do mundo estava no padrão ouro. Isso é precisamente o que se poderia prever com base na teoria econômica, uma tendência para a existência de um dinheiro-mercadoria mundial. Claro, sempre há algum tipo de interferência e bagunça dos governos nesse processo, e ainda não falamos sobre isso. Até agora, toda a reconstrução que apresento é uma reconstrução do que aconteceria sem qualquer interferência do governo. Esse problema de interferência do governo nos ocupará apenas em palestras posteriores.

E então podemos dizer que a partir de 1914, embora provavelmente tenhamos alcançado a integração econômica mais completa da história humana, a integração econômica mais abrangente, a divisão mais intensa do trabalho, incluindo todo o globo; de 1914 em diante, a desintegração se instalou novamente. Mais visivelmente, é claro, documentado pelo fato de que atualmente não temos mais uma mercadoria-moeda internacional; temos, em vez disso, uma grande variedade de moedas de papel nacionais que flutuam livremente, o que é uma regressão a uma situação que poderíamos considerar novamente uma troca parcial. Isso é algo que já havíamos superado na história, e voltamos a uma situação que já havíamos resolvido com sucesso. E você vê, é claro, atualmente, sob um regime de papel-moeda, que requer, é claro, a existência de governos – eu tenho que pular aqui por um momento, pelo menos. Sob um regime de papel-moeda, você pode ver, no entanto, a mesma tendência em ação que você via como uma tendência natural com o dinheiro mercadoria, ou seja, tentar criar um papel-moeda usado em todo o mundo, para trazer tal coisa à existência e vemos as tentativas de integração monetária na Europa, por exemplo, de modo que atualmente temos apenas três grandes blocos monetários: o euro por um lado, o dólar por outro, e o iene como o terceiro. Todos os outros não contam muito, porque muito pouco comércio é realizado em outras moedas além dessas. Isso pode mudar um dia, é claro, com a China se abrindo completamente, mas como você certamente ouviu, existem organizações internacionais poderosas que promovem a ideia de um banco central mundial, emitindo uma moeda de papel mundial. O argumento que eles usam para isso, o cerne da verdade em seu argumento, é, com certeza, exatamente o mesmo que expliquei aqui. É simplesmente vantajoso ter um único dinheiro, porque negociar se torna mais fácil com apenas um dinheiro em vez de uma infinidade de moedas flutuantes. A desvantagem na situação atual é, obviamente, que esse papel-moeda mundial será um dinheiro que será produzido e administrado por uma instituição monopolista, como um banco mundial, e pode ser inflado à vontade. E provavelmente veríamos uma quantidade maior de inflação com essa instituição em funcionamento do que jamais vimos na história do mundo antes.

Permita-me esta pequena observação lateral. Se você tem papel-moeda, então é na verdade uma vantagem ter papel-moeda concorrentes, porque os desejos inflacionários de cada banco central individual são restringidos pela não cooperação de outros governos. Se o país A inflar seu papel-moeda mais do que o país B, sua moeda cairá no mercado de câmbio e as pessoas tenderão a largar esse tipo de dinheiro e adotar dinheiro mais estável. Se você tem papel-moeda, que é, na verdade, como eu disse, meio disfuncional para o propósito do dinheiro em primeiro lugar, e representa uma regressão no desenvolvimento humano – se você tem papel-moeda, então papel-moeda concorrentes flutuando uns contra os outros é uma vantagem sobre um papel-moeda produzido em todo o mundo. Mas você também pode ter um dinheiro mundial, fornecido de forma totalmente independente dos governos, e era exatamente isso que tínhamos no final do século XIX, ou seja, um padrão ouro internacional, que poderia muito bem ser um padrão prata. (A teoria econômica não prevê se será ouro ou prata; a teoria econômica apenas prevê que haverá uma tendência de um tipo de dinheiro ser usado em escala mundial porque é uma função do dinheiro ser um facilitador da troca, e, é claro, podemos reconhecer que um dinheiro que é usado em todos os lugares facilita a troca mais do que qualquer outro dinheiro possível que só existe em várias regiões menores.)

 

__________________________

Notas

[1] Ludwig von Mises, Ação Humana: Um Tratado de Economia, ed. (1949; Auburn, Ala.: Ludwig von Mises Institute, 1998), p. 160

[2] Ibidem, p. 144

[3] Ibidem, p. 167

[4] Ludwig von Mises, Socialism: An Economic and Sociological Analysis, trad. J. Kahane (1951; Auburn, Ala.: Ludwig von Mises Institute, 2009), p. 318.

[5] Ibid.