Palestra 9 – Estado, Guerra e Imperialismo

0
Tempo estimado de leitura: 26 minutos

Hoje quero falar sobre estado, guerra e imperialismo. Quero começar lembrando-lhes que a luta e a guerra, a conquista e o saque fazem parte da história humana, apesar das vantagens da divisão do trabalho, sobre a qual falei extensivamente. E se buscarmos as razões para esse comportamento divergente, encontraremos três fatores. Um é a falta de inteligência e, intimamente relacionado a isso, está uma preferência temporal muito alta. Alta preferência temporal e baixa inteligência são fenômenos intimamente relacionados, preocupando-se apenas com os efeitos imediatos, não sendo capaz de apreender as vantagens de longo prazo que resultam da divisão do trabalho, mas sendo tentado pelas vantagens imediatas que você pode obter roubando e saqueando e se envolvendo neste tipo de atividades. E o terceiro fator que contribui para isso são as ideologias violentas. Existem ideologias como o nacionalismo ardente e coisas dessa natureza que também contribuíram poderosamente para o fato da guerra. Basta pensar na atual Guerra do Iraque: a ideia de que alguns países são simplesmente superiores a outros, sabe-se lá porquê, obviamente contribui para esse tipo de guerra.

No entanto, quero enfatizar, antes de entrar no assunto da guerra na história, que também houve uma expansão pacífica da civilização. Basta lembrar o que falei bem no início de minhas palestras, a expansão lenta e gradual da vida agrícola do Crescente Fértil, progredindo daquela área cerca de um quilômetro por ano, durante vários milhares de anos, gradualmente substituindo as sociedades menos civilizadas de caçadores e coletores e pastores, e instituindo relações sociais mais pacíficas do que antes. Ou pense em exemplos de colonialismo, que é algo muito diferente do imperialismo. O colonialismo foi impulsionado pelo motivo da escassez de terras, e também impulsionado por várias ideologias missionárias, os cristãos querendo espalhar a fé cristã para outras áreas.

Só para citar alguns exemplos de aventuras coloniais relativamente pacíficas, como o colonialismo grego, sem as quais não teríamos cidades como Stagira, onde Aristóteles nasceu, ou Pestamo, ou Pérgamo, ou Éfeso, ou Agrigento, ou Siracusa, todas das quais são de origem grega e locais para os quais a cultura grega foi exportada. Da mesma forma, podemos dizer que, pelo menos parcialmente, a Roma primitiva também teve um efeito civilizador no resto da Itália, levando sua cultura superior para lugares menos desenvolvidos na Itália e também para lugares menos desenvolvidos em partes do Império Romano posterior. Sem o colonialismo dos bávaros, não haveria a Áustria, que estava, naquela época, na orla oriental da civilização, e os bávaros colonizaram essas regiões e as transformaram em lugares mais ou menos civilizados. Devemos citar os esforços de Frederico o Grande e Maria Theresia, que promoveram o assentamento de alemães nas regiões mais orientais da Europa com o objetivo de elevar a vida cultural nessas regiões. Ou, chegando aos tempos mais modernos, Nova França, Canadá: em 1754 havia 55.000 franceses que se estabeleceram no Canadá e criaram, por assim dizer, a civilização do nada. Depois de 1650, cerca de 80.000 pessoas se estabeleceram na Nova Inglaterra e mais de 100.000 se estabeleceram em Maryland e Virgínia. Ao todo, cerca de 2 milhões de pessoas deixaram a Grã-Bretanha durante os séculos XVII e XVIII para fins coloniais, em geral empreendimentos pacíficos. Cerca de 200.000 alemães partiram para a América antes de 1800.

Permita-me apresentar-lhes alguns números de países de onde as pessoas partiram e de países para onde as pessoas foram, desde meados do século XIX até cerca de 1930. Ao todo, 52 milhões de europeus deixaram a Europa durante esse período de tempo. Cinco milhões de austríacos deixaram seu país, 18 milhões de britânicos, menos de 5 milhões de alemães, 10 milhões de italianos, cerca de 5 milhões de espanhóis, cerca de 2 milhões de russos e pouco menos de 2 milhões de portugueses. E para onde eles foram? Seis milhões deles foram para a Argentina, mais de 4 milhões foram para o Brasil, mais de 5 milhões foram para o Canadá, 34 milhões foram para os Estados Unidos, pouco menos de 3 milhões foram para a Austrália, cerca de meio milhão foram para a Nova Zelândia, e pouco menos de meio milhão foi para a África do Sul. Também há um fato interessante de que cerca de 4 milhões de pessoas foram para a Sibéria durante o século XIX, ou seja, em uma área que basicamente não era nada antes. E, por último, mas não menos importante, por volta de 1930, cerca de 8 milhões de chineses deixaram seu país e foram para vários lugares do sudeste asiático para promover suas culturas. Novamente, não estou dizendo que todos esses movimentos coloniais foram inteiramente pacíficos, mas de forma esmagadora; podemos dizer que essas foram expansões pacíficas de cultura e civilização para lugares que antes eram menos civilizados e menos cultos.

Agora, ao tópico. Voltarei a falar do Ocidente como a civilização superior em última instância e quero começar primeiro com os conflitos pré-estatais, ou seja, os conflitos que existiam durante o período feudal, essencialmente antes de 1500. Para preparar o cenário, lembre-se que a Europa – e essa foi uma das razões para a singularidade e para o desenvolvimento da Europa – era um lugar altamente descentralizado nessa época, com dezenas de milhares de cidades menores ou senhores, príncipes e reis maiores. Existiam nesta época dezenas de milhares de pessoas que possuíam um castelo ou uma fortaleza e podiam dizer não a quem quisesse saqueá-los ou oprimi-los ou cobrar impostos ou o que fosse, porque por muito tempo os castelos foram de fato um meio muito eficaz de se proteger contra qualquer tipo de inimigo. E essa proteção que fortalezas e castelos constituíam apenas gradualmente desapareceu com o desenvolvimento da artilharia, que aparece pela primeira vez em 1325, mas só se torna um fator de guerra realmente relevante cerca de duzentos anos depois, ou seja, nos anos 1500. As forças de combate durante esta era feudal consistiam, em geral, de cavaleiros montados, que eram muito caros na época. Afinal, os cavalos competiam com os homens por comida e era caro ter um cavalo, uma armadura e armas, e tudo o mais usado para equipar um cavaleiro guerreiro. E, além disso, havia arqueiros usados ​​na guerra. E de 1300 em diante, até cerca de 1500, um papel importante também foi desempenhado pelos piqueiros. Essa foi uma estratégia – desenvolvida em particular pelos suíços – de reunir grandes grupos de pessoas (em alemão eram chamados de Spießer Gewalthaufen, “agrupamentos de violência de lança” seria a tradução), e esses grupos de piqueiros foram o primeiro desenvolvimento que poderia resistir até a cavaleiros montados. Antes disso, os cavaleiros montados eram o non plus ultra em termos de armamento, até que esses enormes grupos de piqueiros surgissem e pudessem dar conta dos cavaleiros montados. Esses grupos às vezes tinham três, quatro ou cinco mil pessoas e simplesmente eliminavam os cavalos. Os próprios lutadores eram vassalos dos senhores ou inquilinos dos senhores. Você se lembra que durante o tempo feudal existia algum tipo de relação contratual entre os senhores que eram donos das fortalezas e ofereciam proteção, e os vários inquilinos que eles tinham para assistência mútua em casos de conflito.

Um pouco mais tarde, surgiram grupos mercenários, ou seja, grupos que podiam ser contratados por quem precisasse deles para fins defensivos ou agressivos. As lutas eram bastante frequentes naquela época, mas eram, como você pode imaginar, em uma escala comparativamente pequena e normalmente eram algum tipo de disputa de herança. Quem é o dono deste lugar? Quem é o dono deste pedaço de terra? E assim por diante. Nenhum exército naquela época ultrapassava 20.000 pessoas, e a maioria dos exércitos era significativamente menor do que isso. Mas o que é importante é que existiam certas regras sobre como lutar. Apesar do fato de que essas lutas eram sangrentas, existia algo como a honra de cavaleiro, e a honra de cavaleiro prescrevia certas maneiras de proceder e proibia outras. Quero ler para vocês uma citação nesse sentido, de Stanislav Andreski, que mencionei algumas vezes antes. Ele escreve aqui que

No auge da civilização medieval, as guerras eram quase partidas esportivas: sangrentas, com certeza, mas igualmente restritas pelas convenções. Vejamos um dos muitos exemplos de tal espírito. No início do século XV, Jagiello, o rei da Polônia e da Lituânia, estava lutando contra a Ordem dos Cavaleiros Teutônicos. Em uma ocasião, ele encontrou o exército deles quando estava cruzando um rio e, embora muitos de seus guerreiros estivessem ansiosos para atacar o inimigo, ele os conteve porque pensou que era indigno de um cavaleiro atacar o inimigo que não estava pronto. Quando os dois exércitos finalmente se encontraram em um terreno justo, eles primeiro se engajaram em parlays, durante os quais os enviados dos cavaleiros teutônicos deram a Jagiello duas espadas, zombando assim do armamento inferior de suas tropas. Tendo dormido durante a noite, cada lado celebrou uma missa em seu acampamento. Quando os dois lados estavam prontos, eles sinalizaram um para o outro com trombetas e então correram para a batalha. Via de regra, os cavaleiros medievais consideravam indigno de sua honra atacar de surpresa ou perseguir o inimigo derrotado. Os cavaleiros que caíam de seus cavalos eram geralmente poupados e liberados para resgate.[1]

Quando os mercenários foram usados ​​como soldados, as guerras também foram em sua maioria batalhas sem derramamento de sangue. Os mercenários eram um bando de aventureiros, homens internacionais. Eles não estavam unidos por nenhum tipo de ideologia e sua atitude geral era que meu inimigo hoje pode ser meu empregador amanhã, então é melhor eu me preocupar em me proteger para não ser morto. Esperar até que essas pessoas que são meus inimigos vão à falência e tenham que desistir, mas em qualquer caso, evitar grandes quantidades de baixas. Novamente, para esse efeito, uma citação de J.F.C. Fuller, um historiador militar que escreve sobre a guerra mercenária na Itália do século XIV. Ele diz,

Em Florença e em Milão e em outros principados ducais, em suas disputas faccionais, seus tiranos dependiam de mercenários profissionais altamente treinados contratados pelos seus condottieri, ou capitães contratados. Esses soldados lutavam apenas pelo lucro; um ano eles podem vender seus serviços a um príncipe e a seu rival no próximo. Para eles, a guerra era um negócio e também uma arte, em que o resgate de prisioneiros era mais lucrativo do que matar os inimigos de seu empregador. Como a guerra era seu negócio, prolongar uma guerra em vez de encerrá-la era claramente vantajoso para eles.[2]

Assim, o historiador Guicciardini escreve:

Eles passariam todo o verão no cerco de um lugar fortificado, de modo que as guerras fossem intermináveis ​​e as campanhas terminassem com pouca ou nenhuma perda de vidas e, no final do século XV, soldados notáveis ​​como os condottieri Paolo Vitelli e Prospero Colonna declararam que “as guerras são vencidas mais pela indústria e astúcia do que pelo confronto de armas em si”.[3]

E sobre esses soldados, Sir Charles Oman escreve,

A consequência de deixar a condução da guerra nas mãos dos grandes capitães mercenários foi que muitas vezes ela passou a ser travada como um mero exercício tático ou um jogo de xadrez, com o objetivo de manobrar o inimigo para uma situação impossível e então capturá-lo, ao invés de esgotá-lo por uma série de batalhas custosas. Suspeitou-se até que os condottieri, como os pugilistas desonestos, às vezes decidiam de antemão que empatariam o jogo. As batalhas, quando ocorriam, costumavam ser ocorrências sem sangue … Maquiavel cita casos de ações gerais em que havia apenas dois ou três homens armados mortos, embora os prisioneiros devessem ser contados às centenas.[4]

Do século XVI ao século XVII, essencialmente até o final da Guerra dos Trinta Anos em 1648, vemos uma mudança na guerra. Podemos chamar esse período de período durante o qual não temos Estados lutando entre si, mas, em vez disso, as guerras são conduzidas para criar Estados. Lembrem-se, quando falei sobre a origem do estado, expliquei como os reis frequentemente tentavam criar a situação hobbesiana de guerra de todos contra todos, a fim de sair dessa guerra como um estado e não como um rei feudal que precisava contar com contribuições voluntárias de seus vários vassalos. Essas guerras dos séculos XVI ao XVII foram bastante brutais. E apenas para documentar a tese de que essas guerras foram guerras usadas como instrumentos para a formação de Estados, aqui está uma citação de um historiador alemão, que escreve:

Os anos entre 1500 e 1700, de acordo com um estudo recente sobre a incidência da guerra na Europa, foram “os mais belicosos em termos de proporção de anos de guerra em andamento (95%), a frequência da guerra (quase uma a cada três anos), e a duração média anual, extensão e magnitude da guerra.”[5]

Esta foi a Europa mais belicosa até aquele ponto; em 95% dos anos, houve alguma guerra; em média, a cada três anos uma nova guerra era iniciada, em que a duração e a extensão aumentavam com o tempo. Neste caso, até a Guerra dos Trinta Anos, essas guerras não foram guerras interestatais, mas foram guerras de formação de estado.

E essas guerras de formação de Estado acontecem bem no período da Revolução Protestante. Como expliquei, a Revolução Protestante foi precisamente o evento usado por vários príncipes para combinar o poder terreno e religioso e se estabelecerem como governantes de estado em vez de reis feudais. Nesse período, de 1500 a 1648, pela primeira vez as guerras adquirem conotação ideológica. O que mencionei antes é que os mercenários não tinham ideologia pela qual lutar. Os vários nobres feudais que lutavam entre si normalmente também não tinham propósitos ideológicos em mente por trás de suas lutas, mas suas razões para lutar eram mais ou menos disputas de herança, que tendem a ser resolvidas pela ocupação; depois de ocupar um determinado território, a guerra basicamente acabou. Mas essas guerras religiosas foram guerras com motivação ideológica, e guerras com motivação ideológica (voltarei a isso mais tarde quando falar sobre guerras democráticas) tendem a ser muito mais brutais do que guerras profissionais porque envolvem a participação das massas.

Além disso, pela primeira vez durante este período, os mosquetes foram usados. Estes tinham um alcance de cerca de 200 metros, pouco mais de 200 jardas, mas eram capazes de atirar apenas uma vez por minuto. E a artilharia foi usada agora, em maior extensão. Além disso, a partir do século XVII, uma combinação da estratégia de lanças com o mosquete de tiro foi introduzida com o uso de baionetas. A capacidade de usar artilharia e mosquetes tornou possível, pela primeira vez, derrotar grupos de piqueiros. Antes disso, era basicamente impossível separá-los. Agora, por meio do fogo de artilharia e do uso de mosquetes, você pode separar e espalhar esses grupos de piqueiros e, então, ser capaz de atacá-los. E também as fortificações que, por muito tempo, ofereceram sólida proteção, tornaram-se cada vez menos protetoras com o desenvolvimento da artilharia. Em resposta ao desenvolvimento da artilharia, novos tipos de fortificações foram desenvolvidos tanto no formato de triângulos ou em formato de estrelas e com algum tipo de fosso de água à sua frente, a fim de forçar a artilharia a ser colocada a distâncias maiores e tornar a artilharia menos eficaz na destruição das paredes das fortificações.

As revoltas religiosas, que foram inicialmente estimuladas por pessoas como Lutero e as várias reformas protestantes, e o caos social que delas resultou, como eu disse, foram usadas pelos vários príncipes como um trampolim para a formação do Estado e para forçar a nobreza menor a submissão e aceitação da regra e do poder de tributação dos senhores maiores. Além disso, essas guerras religiosas foram usadas pelos príncipes para se apropriar de quantidades substanciais de propriedades que a Igreja Católica possuía; em alguns países, até 30% das terras cultivadas pertenciam às igrejas. Os reis formaram novas alianças com as religiões nacionais, e a separação de estilo antigo entre igreja e estado cada vez mais se rompia e se tornava alianças mais diretas entre essas duas forças. No final da Guerra dos Trinta Anos em 1648, os territórios alemães, por exemplo, que tinham cerca de 20 milhões de pessoas no início, perderam 8 milhões de pessoas como resultado deste período de guerras de formação de estado permanente. O estado moderno surgiu na Europa no final da Guerra dos Trinta Anos.

Neste ponto, exércitos permanentes passaram a existir normalmente. Exércitos permanentes eram, é claro, muito mais caros do que contratar mercenários aqui e ali e depois dispensá-los novamente. Assim, a formação de exércitos permanentes requer, de pronto, uma certa centralização de poder e requer que exista poder tributário por parte dos senhores ou reis. Durante a Guerra dos Trinta Anos, por exemplo, ainda existiam cerca de 1.500 condottieri independentes, líderes do exército. Todos esses agora estavam consolidados em exércitos permanentes. Ou as companhias mercenárias independentes foram dissolvidas ou simplesmente assumidas como um exército estatal e então tiveram que ser pagas, é claro, tanto em tempos de paz quanto em tempos de guerra, o que as tornava muito caras. No entanto, mesmo nessa época, a Europa permaneceu altamente descentralizada. Para lhe dar uma indicação disso, mesmo depois da Guerra dos Trinta Anos, a Alemanha consistia de 234 países, 51 cidades livres e cerca de 1.000 grandes solares independentes de propriedade de pessoas nobres significativas.

Depois de 1648, começa o próximo período de guerra, que podemos chamar de período de guerra monárquica. E antes de caracterizar este período de guerra monárquica, deixe-me apresentar alguns argumentos teóricos que nos ajudam a entender o desenvolvimento que resulta agora, após a Guerra dos Trinta Anos. Em primeiro lugar, devemos reconhecer que instituições como os estados mostram uma agressividade natural. A explicação é muito simples. Se você mesmo tiver que financiar seus próprios empreendimentos agressivos, com seu próprio bolso, isso reduzirá um pouco sua inclinação natural para lutar contra outras pessoas, porque você mesmo terá de pagar por isso. Por outro lado, se você imaginar que se eu quero lutar com alguns de vocês e posso cobrá-los e pedir-lhes que me apoiem em meus esforços de luta, então, quaisquer que sejam meus impulsos agressivos iniciais, certamente são estimulados porque posso externalizar o custo da guerra para outras pessoas. Eu não tenho que arcar com o custo sozinho. Outras pessoas têm que arcar com os custos. Isso explica por que as instituições que têm o poder de tributar, e também as instituições que têm o poder de imprimir dinheiro, em épocas posteriores, têm capacidades financeiras que tornam mais provável elas irem a guerra do que você teria sem o poder de tributar ou o poder de imprimir dinheiro.

Também podemos ver que os estados, por competirem entre si pela população, não gostam de ver pessoas se mudando de um estado para outro. Afinal, cada pessoa que se muda de um lugar para outro significa que aqui há um pagador de impostos a menos e seu oponente ganha um pagador de impostos a mais. O alto grau de descentralização que existia na Europa andava de mãos dadas com um alto grau de mobilidade regional, pessoas se mudando de territórios que eram mais opressores para territórios menos opressores, e isso então causa rivalidades automáticas entre os diferentes estados e frequentemente leva a guerra. E podemos dizer que essa competição entre estados, ao contrário da competição da General Motors contra a Ford ou da Toyota contra a Honda ou o que seja, essa competição entre estados é uma competição eliminatória. É possível que Ford e Toyota e Honda e GM possam viver lado a lado, coexistir lado a lado até o fim da história. No entanto, só pode haver, em qualquer território, apenas uma instituição com o direito de tributar e aprovar leis. Não pode haver livre concorrência em um território em termos de poder tributário e poder legislativo. Se todos pudessem tributar a todos, não sobraria nada para ser tributado, e se todos pudessem fazer leis, o caos explodiria.

A competição entre os estados é eliminatória no sentido de que, em qualquer território, só pode existir uma autoridade tributária e um monopolista da legislação e devemos esperar que as guerras levem em geral a uma tendência à concentração. Ou seja, mais e mais desses pequenos estados são eliminados e os territórios dos estados tornam-se gradualmente maiores e maiores.

E também podemos abordar e resolver rapidamente a questão de quem está prestes a vencer e quem está prestes a perder nesse tipo de batalha. Se você assumir que os estados eram inicialmente de tamanho aproximadamente igual com populações aproximadamente iguais, então reconhecemos algum tipo de paradoxo, isto é, que aqueles estados que tratam suas populações melhor, estados mais liberais, por assim dizer, são os estados que têm uma sociedade civil mais próspera do que aqueles estados que maltratam suas populações, porque se você for liberal com sua população, menos opressor com sua população, ela tende a ser mais produtiva. E afinal, em uma guerra, para fazer uma guerra, principalmente uma guerra que dura um tempo, isso exige que você tenha uma população produtiva. As pessoas têm que continuar trabalhando, têm que continuar fabricando armas e alimentando os soldados, etc., e esses territórios, aqueles territórios estatais que oprimem sua população, tendem a ser também lugares pobres que têm menos recursos dos quais recorrer na condução da guerra. Seria de se esperar que, como tendência, os estados mais liberais irão, pelo menos no longo prazo, derrotar os estados menos liberais, eliminando-os e ampliando seu território às custas desses estados menos liberais.

Você pode ver, no entanto, que há uma limitação para essa tendência. Ou seja, quanto maiores se tornam os territórios, mais difícil se torna para as pessoas se deslocarem de um território para outro. No ponto final concebível do processo de concentração, temos um único estado mundial, a possibilidade de as pessoas votarem com os pés desaparece inteiramente. Aonde quer que você vá, a mesma estrutura tributária e regulatória se aplica. A implicação disso é que com territórios cada vez maiores, a razão inicial para os governantes estatais serem comparativamente moderados em sua política de tributação e regulação para sua própria população, a fim de serem bem-sucedidos nas guerras, esse motivo inicial desaparece cada vez mais, quanto maior os territórios se tornam, e mais difícil se torna a votação com os pés. Portanto, podemos reconhecer algum tipo de processo dialético. Inicialmente, você deseja ser relativamente liberal para expandir seu território. Quanto mais sucesso você alcança na expansão de seu território, menos importante se torna o motivo para ser liberal com nossa própria população, porque votar com os pés se torna cada vez mais difícil.

Saltando à frente por um momento, esse tipo de paradoxo, isto é, que os Estados liberais tendem a ser mais agressivos em sua política externa, é bem ilustrado, de certa forma, pela comparação dos Estados Unidos e da ex-União Soviética. Não há dúvida de que a ex-União Soviética era um estado extremamente opressor internamente, com o resultado de que eles tinham uma economia em frangalhos, e os Estados Unidos, por outro lado, sendo um país comparativamente menos opressor, era uma economia muito próspera. E se olharmos para a política externa desses dois países, encontramos o que algumas pessoas consideram um resultado curioso, mas que acho que pode ser facilmente explicado. Descobrimos que a União Soviética se envolveu em relativamente poucos empreendimentos imperialistas. E esses empreendimentos imperialistas em que se envolveram geralmente estavam em lugares de segunda, terceira e quarta classes, porque sabiam precisamente que sua economia era tão fraca que eles não poderiam enfrentar um país altamente desenvolvido, devido à falta de recursos necessários para a condução da guerra. Lembre-se de que os principais ganhos territoriais que a União Soviética alcançou foram os ganhos territoriais que lhe foram concedidos pelos Estados Unidos como resultado de vários acordos durante a Segunda Guerra Mundial. Toda a Europa Oriental foi dada à União Soviética pelos americanos; não teria sido possível para a União Soviética assumir o controle de todos esses lugares se eles tivessem que lutar contra os Estados Unidos até o fim. A liderança dos Estados Unidos na verdade ordenou que alguns dos generais, como o general Patton, se retirassem e o impediram de marchar mais para o leste, de assumir lugares como Praga e assim por diante, para evitar que o comunismo se espalhasse para o oeste. Portanto, os principais ganhos territoriais da União Soviética dificilmente podem ser descritos como o resultado de seus desejos imperialistas internos.

Mas se você comparar isso com a política externa dos Estados Unidos, verá que os Estados Unidos têm, de fato, a cada ano, se envolvido em vários tipos de empreendimentos imperialistas. E a explicação para isso é precisamente que os Estados Unidos fizeram isso porque sabiam que por causa de seus recursos internos, por causa de sua riqueza interna, provavelmente se tornariam vencedores, enquanto a União Soviética sabia muito bem que eles não seriam capazes de travar uma guerra bem-sucedida contra países altamente industrializados. Isso não foi o resultado da bondade dos corações de Gorbachev e Brezhnev e seus outros líderes. Muito pelo contrário, admito que eram pessoas más e que a União Soviética era, por assim dizer, o Império do Mal, e que tudo isso está perfeitamente correto. No entanto, há uma explicação racional para a relutância em seus desejos imperialistas e para os Estados Unidos, justamente por ser mais liberal internamente, ser mais agressivo no que diz respeito à sua política externa.

Agora, de volta às guerras monárquicas, diante do pano de fundo dessas considerações teóricas. Lembre-se de que reis, governantes principescos, consideram seu país como sua propriedade. Mesmo em guerras que são tipicamente motivadas por disputas de herança, isto é, que são guerras não ideologicamente motivadas, mesmo durante essas guerras, reis e príncipes têm incentivos para preservar os territórios que tentam tomar – porque, afinal, eles se consideram como o proprietário do estoque de capital representado por essas províncias e isso então leva a uma forma relativamente civilizada de guerra durante a era monárquica. E, novamente, algumas citações, nesse sentido, referindo-se às guerras monárquicas de estado e mostrando a moderação desses tipos de guerras não ideológicas, de motivação territorial. Primeiro, uma citação de um historiador militar, Arne Røksund. Ele diz,

No continente, o comércio, as viagens, as relações culturais e eruditas continuaram em tempo de guerra quase sem obstáculos. As guerras eram as guerras do rei; o papel do bom cidadão era pagar seus impostos, e uma economia política sólida ditava que ele deveria ser deixado em paz para ganhar o dinheiro para pagar esses impostos. Ele não era obrigado a participar das decisões das quais surgiam as guerras, nem a tomar parte nelas uma vez que estourassem, a menos que fosse motivado por um espírito de aventuras úteis. Esses assuntos eram assuntos puramente reais e da exclusiva responsabilidade do soberano.[6]

E um historiador suíço-italiano, Guglielmo Ferrero, escreve sobre as guerras durante o século XVIII:

A guerra tornou-se limitada e circunscrita por um sistema de regras precisas. Foi definitivamente considerada como uma espécie de combate único entre os dois exércitos, a população civil sendo apenas espectadores. A pilhagem, as confiscações e os atos de violência contra a população eram proibidos tanto no país de origem como no país inimigo. Cada exército estabeleceu armazéns em sua retaguarda em cidades cuidadosamente escolhidas, mudando-os à medida que se movia …. O recrutamento existia apenas na forma rudimentar e esporádica …. Soldados sendo escassos e difíceis de encontrar, tudo foi feito para garantir sua qualidade através de treinamento longo, paciente e meticuloso, mas como era caro, tornava-os muito valiosos e era necessário fazer com que o mínimo possível fosse morto. Tendo que economizar seus homens, os generais tentaram evitar travar batalhas. O objetivo da guerra era a execução de manobras hábeis e não a aniquilação do adversário; uma campanha sem batalhas e sem perda de vidas, uma vitória obtida por uma combinação inteligente de movimentos, foi considerada a conquista desta arte, o padrão ideal de perfeição … Foi a avareza e o cálculo que tornou a guerra mais humana… A guerra tornou-se uma espécie de jogo entre soberanos. Uma guerra era um jogo com suas regras e seus riscos – um território, uma herança, um trono, um tratado. O perdedor pagava, mas sempre se mantinha uma justa proporção entre o valor da aposta e os riscos a correr, e as partes estavam sempre atentas ao tipo de obstinação que faz um jogador perder a cabeça. Eles tentaram manter o jogo sob controle e saber quando parar.[7]

Voltamos, em uma escala um pouco maior, à forma de guerra que existia durante a era dos cavaleiros. A diferença aqui é essencialmente que os exércitos são, é claro, de tamanho muito maior do que naquela era anterior.

Agora vem a próxima transformação na condução da guerra, que é a transformação de guerras monárquicas em guerras democráticas, em guerras nacionais. Falei sobre essa transição da monarquia para a democracia anteriormente. Essa transição começa com a Revolução Francesa, é então interrompida, em certa medida, após a derrota de Napoleão em 1815, até 1914 com a eclosão da Primeira Guerra Mundial, e é retomada na Primeira Guerra Mundial e depois até os dias de hoje. Mas, a primeira experiência nova é de fato a Revolução Francesa.

A Revolução Francesa representa, de certa forma, um retorno a esses tipos religiosos de guerras que mencionei anteriormente. É um evento com motivação ideológica. Matam o rei e, no seu lugar, alguns ideais bombásticos se tornam proeminentes: liberdade, fraternidade e a glória da nação e coisas dessa natureza. O direito de voto é introduzido, e como as pessoas não podiam votar antes e sempre diziam: “Se o rei for para a guerra, não temos nada a ver com o estado, este é o estado do rei, não nos envolvemos nas guerras do rei”, agora o argumento se inverteu, dizendo: “Agora, de repente, damos a você uma participação no estado, você participa do estado, elege, tem o direito de eleger representantes, etc., e como consequência, você também tem que lutar nas guerras do estado.” A França revolucionária agora introduz pela primeira vez o que existia de forma rudimentar no passado, mas de forma muito rudimentar – os reis tentaram introduzir um esboço, mas normalmente não tiveram sucesso. Pela primeira vez foi visto agora, durante a Revolução Francesa, e em particular depois que Napoleão chega ao poder, o recrutamento militar obrigatório, um recrutamento em massa. Todas as pessoas da população francesa tornaram-se, de alguma forma, participantes da guerra. Não existe mais distinção nítida entre combatentes e não combatentes; os recursos de toda a nação são colocados à disposição dos exércitos em guerra.

Uma vez que não são mais as disputas de herança que motivam as guerras, mas as diferenças ideológicas (ou seja, o ódio contra os monarcas, o desejo de espalhar a liberdade, o que quer que isso signifique), torna-se extremamente difícil parar as guerras. Se você tiver guerras de motivação não ideológica com objetivos territoriais, então, depois de ter alcançado seu objetivo territorial, o motivo da guerra acabou. Uma vez que você tenha motivos ideológicos, quer tornar o mundo seguro para a liberdade, ou hoje em dia, para a democracia, você nunca tem certeza se realmente alcançou seu objetivo. Talvez essas pessoas apenas finjam que se tornaram democratas, católicos ou protestantes, e a única maneira de você ter certeza de que foi bem-sucedido em sua conversão é, naturalmente, matando o máximo possível. Então você sabe com certeza que eles não aderem mais às suas velhas crenças erradas.

E, claro, não há limites. Até onde você deve estender sua guerra? Se você libertar a Alemanha e torná-la um país livre, o que dizer da Polônia? Eles ainda não foram libertados e se você vencer a Polônia, o que dizer da Rússia? A Rússia também precisa ser libertada. Então você se volta para o Sul, o Egito precisa ser libertado e a Espanha precisa ser libertada. O mundo é vasto e todos eles anseiam por liberdade, é claro, então se torna impossível acabar com uma guerra. Então, a guerra se torna uma guerra total. E depois há o tamanho dos exércitos: os maiores exércitos antes de Napoleão eram cerca de 400.000 sob Luís XIV, que era considerado um exército enorme. Os exércitos sob o comando de Napoleão estavam bem acima de um milhão. Cito agora, Fuller e Howard, para ilustrar essa mudança na guerra que começou com a Revolução Francesa. Primeiro, Howard. Ele diz,

Uma vez que o estado deixou de ser considerado como “propriedade” dos príncipes dinásticos … e se tornou, em vez disso, o instrumento de forças poderosas dedicadas a conceitos abstratos como Liberdade, ou Nacionalidade ou Revolução, o que permitiu um grande número da população ver naquele estado a personificação de algum Bem absoluto, para o qual nenhum preço era alto demais, nenhum sacrifício grande demais para pagar; então, as disputas moderadas e hesitantes da era rococó pareciam anacronismos absurdos.[8]

E outra citação,

Na verdade, uma nova era havia começado, a era das guerras nacionais, das guerras que iriam assumir um ritmo enlouquecedor; pois essas guerras estavam destinadas a lançar na luta todos os recursos da nação; deviam ter como objetivo, não um interesse dinástico, nem a conquista ou posse de uma província, mas a defesa ou a propagação de ideias filosóficas em primeiro lugar, depois dos princípios de independência, de unidade, de vantagens imateriais de vários tipos. Por último, eles apostaram na questão dos interesses e da fortuna de cada indivíduo particular. Consequentemente, o surgimento de paixões, isto é, os elementos da força, até então em sua maioria não utilizados.[9]

E outro conjunto de citações, muito revelador, de J.F.C. Fuller:

A influência do espírito de nacionalidade, isto é, de democracia, na guerra, foi profunda … [Ele] emocionou a guerra e, consequentemente, a brutalizou. … No século XVIII, as guerras eram em grande parte ocupação de reis, cortesãos e cavalheiros. Os exércitos viviam em seus armazéns, interferiam o mínimo possível com o povo e, como os soldados eram pagos com a bolsa privada do rei, eram muito caros para serem descartados levianamente em ataques em massa. A mudança aconteceu com a Revolução Francesa, o sanscoulottismo substituiu a cortesia e, à medida que os exércitos se tornavam cada vez mais os instrumentos do povo, não apenas cresciam em tamanho, mas também em ferocidade. Os exércitos nacionais lutam contra as nações, os exércitos reais lutam com seus semelhantes, o primeiro obedece a uma multidão – sempre demente, o segundo um rei – geralmente são. … Tudo isso se desenvolveu a partir da Revolução Francesa, que também deu ao mundo o recrutamento militar obrigatório – guerra de rebanho e a união do rebanho com finanças e comércio gerou novos reinos de guerra. Pois quando uma vez que toda a nação lutar, todo o crédito nacional estará disponível para fins de guerra.[10]

E mais no mesmo assunto:

O recrutamento mudou a base da guerra. Até então, os soldados eram caros, agora eram baratos; batalhas haviam sido evitadas, agora eram procuradas, e por mais pesadas que fossem as perdas, elas poderiam ser rapidamente compensadas pelo recrutamento …. A partir de agosto (de 1793, quando o Parlamento da República Francesa decretou o compulso universal depois do serviço militar), não apenas a guerra se tornaria cada vez mais ilimitada, mas, finalmente, total. Na quarta década do século XX, a vida era tão barata que o massacre maciço de populações civis tornou-se um objetivo estratégico tão aceito quanto as batalhas em guerras anteriores. Em 150 anos, o recrutamento levou o mundo de volta à barbárie tribal.[11]

Neste ponto, houve, como eu disse, uma pequena pausa após a derrota de Napoleão. As guerras travadas na Europa durante o século XIX após a derrota de Napoleão, como a guerra, por exemplo, da Alemanha contra a França em 1870-71, foram novamente, uma guerra monárquica tradicional, quase inofensiva. Os oficiais alemães residiam em hotéis franceses e pagavam suas contas, enquanto os militares franceses pediam ao hotel para prorrogar a cobrança para datas posteriores. Praticamente não houve envolvimento da população civil. A única grande exceção no século XIX a esse retorno à guerra civilizada, se é que podemos chamá-la de civilizada, foi a Guerra da Independência do Sul dos Estados Unidos. E esta, novamente, foi uma guerra democrática típica; contrariando a tese de que as democracias não lutam entre si e que as democracias são de alguma forma mais adequadas para criar paz. A única guerra democrática no século XIX foi, novamente, a única guerra motivada ideologicamente e a Guerra Civil Americana foi, até este ponto, insuperável em termos de brutalidade. Foi pelo menos tão brutal quanto as guerras religiosas haviam sido muitos séculos antes e, como todos sabem, mais americanos foram mortos nessa guerra do que todos os americanos que morreram na Primeira Guerra Mundial e na Segunda Guerra Mundial.

Esta guerra, pela primeira vez, traz todos os armamentos modernos: metralhadoras e telégrafos e ferrovias e navios a vapor e rifles com precisão acurada de até 1.000 metros. E então, esse tipo de guerra, da qual a guerra americana foi um exemplo típico, e a francesa, as guerras napoleônicas antes, esse tipo de guerra continua com a Primeira Guerra Mundial, principalmente após a entrada dos Estados Unidos, que ocorreu muito antes da entrada oficial.

Os Estados Unidos estiveram, desde o início, devido à propaganda britânica, ao lado das forças ocidentais. A entrada dos Estados Unidos na guerra foi muito facilitada por duas de nossas mais queridas instituições, uma das quais foi a introdução do imposto de renda em 1913 e a outra é a fundação do Sistema de Banco Central no mesmo ano, ambas, é claro, facilitaram enormemente a possibilidade de um país como os Estados Unidos travar uma guerra longe de suas próprias costas. Só para se ter uma ideia aproximada, por exemplo, os requisitos de reserva para o banco central durante a guerra foram reduzidos de 20% antes da guerra para 10% durante a guerra, o que basicamente implica uma duplicação da oferta de dinheiro, o que, é claro , possibilita muito o financiamento de aventuras como essa. E, novamente, com a entrada dos Estados Unidos no início, o que começou como uma espécie de guerra monárquica europeia tradicional e poderia ter terminado facilmente em 1916 – havia várias iniciativas de paz em andamento, uma do papa e outra do imperador austríaco Karl – esta guerra então se tornou uma guerra ideológica, como vocês bem sabem, a guerra para “tornar o mundo seguro para a democracia”. Como observou meu amigo Kuehnelt-Leddihn, seria mais apropriado dizer: “Não devemos tornar o mundo seguro para a democracia. Devemos tornar o mundo seguro da democracia.”

E como resultado desta guerra motivada ideologicamente, a guerra terminou, é claro, não com um compromisso de paz mutuamente digno, mas terminou com uma exigência completamente ridícula de rendição total, completa e incondicional, e forçando os alemães e os austríacos a aceitar a culpa absolutamente exclusiva da guerra, apesar do fato de que, ainda hoje, são poucos os historiadores que sustentariam que a guerra foi causada exclusivamente pela Áustria ou pela Alemanha. No mínimo, as partes mais culpadas, a meu ver, foram os russos, ao encorajar os sérvios a não ceder às demandas relativamente moderadas dos austríacos – e os russos não teriam feito isso, se não tivessem algum tipo de aliança com os britânicos encorajando os russos a se comportarem da maneira que fizeram. Portanto, não sendo um historiador, mas apenas um historiador amador, culparia a Rússia e a Inglaterra mais do que a Áustria e a Alemanha pela guerra. Mas, em qualquer caso, esta guerra terminou com um tratado de paz desastroso, que já implicava as sementes para a Segunda Guerra Mundial. De muitas maneiras, a Segunda Guerra Mundial pode ser considerada apenas a continuação da primeira, com um breve interlúdio. Na verdade, um dos historiadores alemães mais conhecidos, Hans Nolte, escreveu um livro com o título de que esta foi outra Guerra dos Trinta Anos, ou seja, descrevendo a história como se a Primeira Guerra Mundial quase automaticamente conduzisse a Segunda Guerra Mundial.

E da Segunda Guerra Mundial, sabemos que aconteceu exatamente a mesma coisa. Foi uma guerra com motivação ideológica, com os Estados Unidos do lado de Stalin. Stalin, que era, de longe, um assassino maior do que Hitler, não respeitava mais de forma alguma a distinção entre combatentes e não-combatentes, exterminando enormes massas da população civil em momentos em que o resultado da guerra já estava decidido há muito tempo, apenas pelo simples propósito de incutir terror na população, e então receber toda a Europa Central e Oriental ao governo comunista.

Quero terminar com uma longa citação de Mises, que não trata diretamente com a questão de se as ordens naturais das sociedades podem se defender contra estados inimigos, mas que pode ser lida como uma declaração indireta sobre esta questão. As sociedades livres podem se defender contra hordas de bárbaros que tentam ocupá-las? E a conclusão desta citação mais longa é, sim; é precisamente a coerência interna, a integração econômica e monetária de sociedades altamente civilizadas que podem resistir ao ataque até mesmo das invasões mais bárbaras. Mises diz aqui o seguinte:

Devemos rejeitar a priori qualquer suposição de que a evolução histórica é munida de um objetivo por qualquer “intenção” ou “plano oculto” da Natureza, tal como Kant imaginou e Hegel e Marx tinham em mente; mas não podemos evitar a indagação se um princípio pode não ser encontrado para demonstrar que o crescimento social contínuo é inevitável. O primeiro princípio que se apresenta diante de nós é o princípio da seleção natural. As sociedades mais desenvolvidas alcançam maior riqueza material do que as menos desenvolvidas; portanto, elas têm mais perspectivas de preservar seus membros da miséria e da pobreza. Elas também estão mais bem equipadas para se defender do inimigo. Não se deve deixar-se enganar pela observação de que nações mais ricas e civilizadas foram frequentemente esmagadas na guerra por nações menos ricas e civilizadas. Nações em estágio avançado de evolução social sempre foram capazes de, pelo menos, resistir a uma força superior de nações menos desenvolvidas. São apenas as nações em decadência, civilizações desintegradas interiormente, que acabaram sendo vítimas das nações que estavam em ascensão. Onde uma sociedade mais organizada sucumbiu ao ataque de um povo menos desenvolvido, os vencedores acabaram submersos culturalmente, aceitando a ordem econômica e social e até mesmo a linguagem e a fé da raça conquistada.

A superioridade das sociedades mais desenvolvidas reside não apenas em seu bem-estar material, mas também quantitativamente no número de seus membros e qualitativamente na maior solidez de sua estrutura interna. Para isso, precisamente, está a chave para um maior desenvolvimento social: a ampliação do leque social, a inclusão na divisão do trabalho de mais seres humanos e seu maior controle sobre cada indivíduo. A sociedade mais desenvolvida difere da menos desenvolvida na união mais próxima de seus membros; isso impede a solução violenta de conflitos internos e forma externamente uma frente defensiva contra qualquer inimigo. Em sociedades menos desenvolvidas, onde o vínculo social ainda é fraco, e entre as partes separadas das quais existe uma confederação para fins de guerra, em vez de verdadeira solidariedade baseada no trabalho conjunto e na cooperação econômica – o desacordo irrompe mais facilmente e mais rapidamente do que em sociedades altamente desenvolvidas. Pois a confederação militar não tem controle firme e duradouro sobre seus membros. Por sua própria natureza, é apenas um vínculo temporário que é sustentado pela perspectiva de vantagem momentânea, mas se dissolve assim que o inimigo é derrotado e a luta pelo butim começa. Na luta contra as sociedades menos desenvolvidas, as mais desenvolvidas sempre descobriram que sua maior vantagem reside na falta de unidade nas fileiras do inimigo. Apenas temporariamente as nações em um estado de organização inferior conseguem cooperar para grandes empreendimentos militares. A desunião interna sempre dispersou seus exércitos rapidamente. Tomemos, por exemplo, os ataques mongóis à civilização centro-europeia do século XIII ou os esforços dos turcos para penetrar no Ocidente. A superioridade do tipo de sociedade industrial sobre o tipo militar, para usar a expressão de Herbert Spencer, consiste em grande parte no fato de que as associações meramente militares sempre se desintegram devido à desunião interna.[12]

 

__________________

Notas

[1] Stanislaw Andreski, The Uses of Comparative Sociology (Berkeley e Los Angeles: University of California Press, 1964), p. 111.

[2] J.F.C. Fuller, The Conduct of War 1789–1961: A Study of the Impact of the French, Industrial, and Russian Revolutions on War and Its Conduct (1961; London: Eyre and Spottiswoode, 2015), p. 1.

[3] Citado em ibid., P. 2.

[4] Citado em ibid., Pp. 2–3.

[5] Geoffrey Parker, The Military Revolution: Military Innovation and the Rise of the West, 1500-1800, 2d. ed. (Cambridge: Cambridge University Press, 1996), p. 1.

[6] Arne Røksund, “The Jeune École,” em Rolf Hobson and Tom Kristiansen, eds., Navies in Northern Waters (London: Routledge, 2004), p. 139.

[7] Guglielmo Ferrero, Peace and War (Freeport, NJ: Books for Libraries Press, 1969), pp. 5–7.

[8] Michael Howard, War in European History (1976; Cambridge: Cambridge University Press, 2009), cap. 5.

[9] Ferdinand Foch, The Principles of War (1903), citado em J.F.C. Fuller, The Conduct of War, 1789–1961, p. 34.

[10] J.F.C. Fuller, War and Western Civilization, 1832–1932 (Londres: Duckworth, 1932), p. 26.

[11] J.F.C. Fuller, The Conduct of War, 1789–1961, pp. 33, 35.

[12] Ludwig von Mises, Socialism: An Economic and Sociological Analysis (Auburn, AL: Ludwig von Mises Institute, 2009), pp. 306–07.