Papa Francisco culpa o capitalismo pela fome mundial, de novo

4
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

No mês passado, no “Dia Mundial da Alimentação”, o Papa Francisco mais uma vez nos agraciou com alguns “sábios” comentários econômicos em três tweets, efetivamente culpando a livre empresa e o capitalismo pela existência contínua da fome no mundo:

É uma pena que Francisco, que deveria realmente tentar ater-se à teologia, não compreenda a oferta e a demanda básicas, ou os efeitos perniciosos da inflação causados ​​pelos bancos centrais. A repetição de caricaturas esquerdistas comuns do mercado livre tem sido um tema recorrente de seu pontificado.[1] Antes de criticar o capitalismo, porém, Francisco deve notar que o movimento em direção a mercados mais livres, especialmente na Índia e na China, resultou na enorme redução da pobreza extrema que temos testemunhado nas últimas décadas.

Gráficos 1 e 2: Redução da pobreza extrema global desde 1990

Quase 80% de todas as pessoas viviam em pobreza extrema durante o início do século XX, em comparação com 10% hoje.

Gráficos 3 e 4: Redução da pobreza extrema global desde 1820

O que Francisco falha em compreender é que, como Henry Hazlitt colocou, “o verdadeiro problema da pobreza não é um problema de ‘distribuição’, mas de produção. Os pobres são pobres não porque algo está sendo negado a eles, mas porque, por qualquer razão que seja, eles não estão produzindo o suficiente. A única maneira permanente de curar sua pobreza é aumentar seu poder aquisitivo”, ou seja, torná-los mais produtivos.

Existem dois componentes para reduzir a pobreza:

  • Acumulação de capital, que é alcançada por meio de poupança, investimento e empreendedorismo. Isso só pode ocorrer em um ambiente com respeito suficiente pela propriedade privada e liberdade de contrato e troca. Foi isso que permitiu que ocorresse a Revolução Industrial, antes da qual a extrema pobreza em massa era a norma para todos ao longo da história.
  • Especialização e participação/integração na divisão do trabalho.

Gráfico 5: Antes da Revolução Industrial, a pobreza em massa era a norma

Fonte: Hans-Hermann Hoppe, Uma breve história do homem: progresso e declínio

O que as nações ricas devem fazer para ajudar as nações pobres a se tornarem mais ricas? Elas devem começar eliminando imediata e unilateralmente as barreiras comerciais, como tarifas, cotas e regulamentos, que protegem as indústrias domésticas ineficientes da concorrência estrangeira e que impedem as nações pobres de se beneficiarem das vantagens da especialização e da participação na divisão global do trabalho (fazendo isso também reduzirá o custo de vida e promoverá a paz internacional). As nações ricas também devem interromper toda a “ajuda internacional”, que serve apenas para manter governos corruptos e socialistas no poder nas nações pobres recebedoras, financiando amigos e programas de grandes gastos desnecessários.

Conclusão

Duvido muito que o Papa Francisco saiba muito sobre economia. Isso não é crime. Mas, para citar Rothbard, “é totalmente irresponsável ter uma opinião ruidosa e vociferante sobre assuntos econômicos enquanto permanece neste estado de ignorância”. Na verdade, é precisamente a falta de compreensão da economia e da função dos mercados no alívio da pobreza entre os tecnocratas e elites governantes de muitas nações que faz eles pensarem que poderiam simplesmente colocar a economia em pausa por mais de um ano, sem consequências significativas. Bem, infelizmente, a pobreza extrema global aumentou em 2020 pela primeira vez em mais de vinte anos. As ideias têm consequências.

 

 

Artigo original aqui

_______________________________

Notas

[1] Ver Nicolás Cachanosky, “O papa Francisco, a desigualdade de renda, a pobreza e o capitalismo,” Mises Wire, 11 de dezembro de 2013; Tom Woods, “Papa Francisco sobre o Capitalismo“, The Tom Woods Show, podcast, ep. 54, áudio MP3; Ryan McMaken, “Pope Francis’s Relentless Pessimism Fuels His Faith in Politics“, Mises Daily, 19 de junho de 2015; Llewellyn H. Rockwell Jr., “O Papa Deve Ouvir Tom Woods,” Mises Daily, 24 de junho de 2015; Ryan McMaken, “The Pope’s Favorite Straw Man: ‘Individualism’“, Mises Wire, 1 de maio de 2017; David Gordon, “The Many Ways the Pope Is Wrong about Capitalism“, Mises Wire, 31 de março de 2018; e David Gordon, “Consumerism: Don’t Blame the Market for Delivering What People Want“, Mises Wire, 28 de agosto de 2018.

4 COMENTÁRIOS

  1. Sempre, sempre, sempre… Ao você ver uma pessoa dizendo coisas obviamente erradas sobre o mercado e a economia.

    Faça as seguintes perguntas:

    – De onde vem o dinheiro desse cidadão?
    – Em qual posição hierarquica ele está dentro da organização que faz parte?

    Quanto mais dinheiro vier e mais alto na hierarquia maior a probabilidade de ignorância não ser o termo correto e sim um eufemismo generoso.

  2. Eu acredito e vejo muita ignorância econômica por ai…

    Mas o que foi a igreja na pandemia?

    Em muitos casos, um ícone da resistência ao establishment. Pequenas igrejas próximas as pessoas foram absolutamente perfeitas na defesa da liberdade. Mostrando a importância de uma comunidade alinhada em valores morais. E que isso é uma luz no final do tunel contra o dia a dia da mídia mainstream batendo de frente na moral e na liberdade.

    Porém estruturas hierarquicas e baseadas em poder sempre corrompe o homem, e nem a igreja está a salvo das leis da economia. O papa não é na minha opinião um caso de ignorância econômica. É o produto do que o sistema político leva ao topo do poder: demagogia, oportunismo, alinhamento com governos e establishment. Porque muito provavelmente sem o apoio dessa turma não estaria onde está. Hora de retribuir o favor pelo twitter, dando a opinião pública exatamente o que o establishment quer ouvir.