Perspectiva hoppeana do Transgenerismo: Como parar a degeneração positivista

5
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

A figura de Hans-Hermann Hoppe tem a peculiaridade de não deixar espaço para interpretações dúbias. Ele tem a vantagem de não permitir distorções e falsas interpretações por parte dos “libertários” de esquerda. Qualquer um que possa se definir como amante da ordem natural, ou – como alguns sugeriram – ordonaturalista, sabe que é impossível para os chamados “libertários” de esquerda distorcerem o pensamento de Hoppe, como frequentemente acontece com Murray N. Rothbard e Ludwig Von Mises. Por isso, uma fatia dos que se encontram no chamado “movimento pela liberdade” tenta constantemente isolar e marginalizar o pensamento hoppeano como alheio à comunidade libertária. Uma tentativa de redefinir a realidade para separar o movimento libertário de seus valores tradicionais.

O economista e filósofo alemão Hans-Hermann Hoppe, ao delinear perspectivas e planos de ação para atingir os objetivos do libertarianismo, não deixa espaço para mal-entendidos. Hoppe apresenta com clareza cirúrgica uma interpretação de quanto o declínio moral é estranho às raízes libertárias.

“Nos E.U.A.; menos de um século de democracia plena resultou no aumento constante da degeneração moral, da desintegração familiar e social e da decadência cultural na forma de taxas continuamente crescentes de divórcio, ilegitimidade, aborto e crime.”, escreveu Hoppe no famoso livro Democracia: o deus que falhou.

Hoppe, na mesma obra, continua afirmando “Da mesma forma, em uma aliança fundada com o propósito de proteger a família e os clãs, não pode haver tolerância para com aqueles que habitualmente promovem estilos de vida incompatíveis com esse objetivo. Eles – os defensores de estilos de vida alternativos, não familiares e centrados no parentesco, como, por exemplo, hedonismo, parasitismo, culto ao ambiente natural, homossexualidade ou comunismo – terão que ser fisicamente removidos da sociedade para manter uma ordem libertária.”. As palavras do economista alemão parecem não deixar espaço para interpretações alternativas.

Este artigo não pretende ser apenas uma consideração sobre como a esquerda pressiona os governos a se imporem ao indivíduo por meio da degeneração do positivismo jurídico, mas também oferece insights sobre como a ordem natural pode dar respostas claras e precisas, livres de contradições e de inferências absurdas sobre questões que parecem novas.

O objetivo desta breve análise é tentar oferecer algumas ideias para uma narrativa da realidade do fenômeno transgênero do ponto de vista hoppeano e culturalmente próximo à história e às raízes do velho continente.

Para realizar esta análise, é necessário fazer um retrato da realidade atual que nos rodeia hoje.

No ano passado, segundo pesquisa divulgada pela Gallup, nos Estados Unidos o número de adultos que se identificam como “LGBT” subiu para 5,6%. De acordo com a pesquisa Gallup, essa é uma tendência de alta em comparação aos anos anteriores. Em 2012 o percentual era de 3,5%, e na pesquisa anterior à atual (2017) o número de adultos identificados como “LGBT” era de 4,5%. A tendência é ainda mais pronunciada entre os jovens. De acordo com a última pesquisa divulgada pela Gallup, as pessoas que se identificam como “transgêneros” nos Estados Unidos são 0,6%. Eles seriam pouco menos de 2 milhões de pessoas.

Isso também está relacionado com o surgimento de personalidades que se identificam como “transgêneros”, mesmo fora do caminho do marxismo cultural e do legado da esquerda radical. Um exemplo dos últimos meses é Caitlyn Jenner, ex-campeão olímpico dos Estados Unidos, recentemente concorrendo à governador da Califórnia como republicana.

Além disso, se por um lado o progresso tecnológico e científico permitiria que cada vez mais pessoas definidas como “LGBT” tivessem filhos e, assim, diminuíssem sua preferência temporal, e, consequentemente, fossem mais relevantes para fins de crescimento econômico de longo prazo que leva ao aumento do bem-estar agregado, o fato de que uma pessoa transexual medicalizada identificada como mulher possa ser o pai biológico de uma criança ao mesmo tempo, ou que uma pessoa transgênero medicalizada identificada como homem possa engravidar, criaria um clima de inquietação social.

Hoje, a mudança legal de sexo é permitida na maioria dos países do mundo ocidental. Em algumas jurisdições (apenas um pequeno número de países) determinar a mudança legal de sexo é a condição psicológica do indivíduo, ou a chamada “auto-identificação”, sem prever processos de medicalização. Em outros países, tanto uma condição psicológica quanto um certificado de tratamento com estrogênio são necessários. Mesmo países sabidamente mais conservadores permitem que uma pessoa mude legalmente de sexo, nestes últimos é imprescindível atestar uma condição psicológica, hormonal, mas também anatômica. No Texas, como na Rússia, é possível mudar legalmente de sexo após passar por uma cirurgia de redesignação de sexo e, em muitos casos, a esterilização é explicitamente necessária. É claro que, em qualquer caso, a condição cromossômica nunca pode ser mudada. É óbvio que não existe tecnologia capaz de mudar a genética. Um sujeito com cromossomos sexuais XY continuará a ser XY mesmo após intervenção médica, e o mesmo é verdadeiro para indivíduos XX. Depois, há uma minoria de países ocidentais que não prevê a mudança legal de sexo em seu sistema jurídico. A maioria dos países do mundo que proíbem a mudança legal de sexo está localizada no continente africano.

O fato de tantos países ocidentais permitirem a possibilidade de mudar legalmente o sexo não é tão surpreendente quando pensamos nas antigas origens pagãs do velho continente. As antigas origens pagãs, apesar de pertencerem a uma sociedade que já não existe, ficaram gravadas na história e na cultura dos países do velho continente europeu. Na história do velho continente, as figuras do hermafrodita e do transexual estão profundamente enraizadas na mitologia pagã helênica, posteriormente adotada pelos antigos romanos que dominaram grande parte do continente europeu e além, por muitos séculos. Basta pensar no conhecido conto mitológico grego do adivinho Tirésias, que conta uma experiência transexual de mudança de sexo, narrada pelo poeta romano Ovídio em As Metamorfoses.

Sabemos que mesmo cidades-estado como Esparta, considerada uma das sociedades mais conservadoras e moralmente rígidas de todos os tempos, definida por alguns como um modelo de perfeito equilíbrio entre instituições e estabilidade política, faziam parte da cultura mitológica da mundo pagão helênico. Em Esparta, entre outras coisas, o travestismo costumava se manifestar como uma prática ritual.

A questão “LGBT” e em particular “transgênero” na era contemporânea levanta questões para o movimento libertário em sua totalidade. As respostas que surgem são muitas, às vezes opostas, muitas vezes conflitantes.

Enquanto a propaganda “LGBT” é uma ideologia construtivista como tantas outras, desvinculada dos valores tradicionais, que hoje baseia suas raízes principalmente nas evidências empíricas e não no caminho praxeológico da investigação. Na verdade, não existe uma teoria a priori que nos permita explicar a questão transgênero de um ponto de vista oposto ao que surge do substrato marxista. Alguém argumenta, talvez erroneamente, que ela nunca pode existir. Até hoje sabemos que a narrativa proposta pela maioria dos movimentos e associações “LGBT” é uma ideologia que alguém pode precisar aceitar e fazer sua ou rejeitar, bem como aceitar ou rejeitar a ideia de que a terra é plana.

O pensamento de Hoppe pode ser um grande dissuasor para a atual situação de confusão mental.

Todos os libertários sabem que o estado é uma corporação inerentemente violenta que usa arbitrariamente a coerção contra o indivíduo e sua propriedade. É difícil negar que a discriminação mais relevante contra as pessoas sempre vem das leis do governo. Ao mesmo tempo, os governos não permitem que as pessoas que desejam ser capazes de se organizar em uma comunidade com sua própria jurisdição, em vez de implorar ao estado pela realização do positivismo jurídico para endossar seus objetivos, em vez de reivindicar o direito natural de ser livre da coerção do governo. Esse grande erro levou à abordagem atual de que as instituições devem abordar uma questão que não teria como existir exceto na dimensão positiva da jurisprudência: a expansão absurda do direito igualitário em todas as áreas da vida pessoal de cidadãos e empresas.

O paradoxo é que os governos querem impor aos indivíduos o princípio da não discriminação – quando a discriminação é uma prerrogativa essencial do direito privado e da liberdade de empresa – enquanto sempre exerceram prerrogativas discriminatórias por meio de regulamentações e leis positivistas. Este é apenas um dos muitos disparates que caracterizam os estados democráticos modernos. Todos os libertários sabem que as leis antidiscriminação com aplicabilidade erga omnes são, na verdade, incapazes de entrar na infinidade de relações microeconômicas estabelecidas entre os agentes econômicos.

Os movimentos “LGBT” seguiram assim o caminho do lobby na política. Influencie partidos a aprovar leis com exequibilidade erga omnes. Levando à consequência da expansão degenerada do direito positivo.

Aqueles que se definem como libertários, bem como ordonaturalistas, estão cientes de que um sistema judicial invasivo à esfera privada do indivíduo não é apenas inútil, mas também ilegítimo e prejudicial. A percepção da discriminação é totalmente subjetiva. Se aqueles que se sentem discriminados pudessem exercer o direito natural de autodeterminação, a criação de sua própria jurisdição em uma área específica sujeita ao exercício de direitos de propriedade definidos, o monopólio legislativo e coercitivo do governo teria deixado de existir. Um contexto de multiplicidade de diferentes jurisdições (ou comunidades) competindo entre si teria minado o princípio democrático da ditadura da maioria que ocorre pelo voto em partidos políticos, mas teria surgido uma forma alternativa de votação, a do voto com os pés. Ou seja, o voto expresso por meio do movimento físico de uma jurisdição para outra de acordo com as preferências e necessidades individuais de cada um. Permitir que aqueles que se consideram discriminados se separem da sociedade, removam-se fisicamente dela para ingressar voluntariamente em uma jurisdição diferente, bem como criar uma comunidade de proprietários que baseiam seus princípios em valores compartilhados, pode representar uma solução para a invasão da hiper-regulação imposta pelo superestado leviatã.

 

Artigo original aqui

5 COMENTÁRIOS

    • Não é fácil amar o estado, lamber as bolas de políticos, se ressentir do mercado, amar uma instituição que agride pessoas pacíficas e ver as pessoas falando mal dela!

      Dói na alma, né! Fere sua religião! Seu amor por canalhas desonestos! E seu rancôr e ressentimento por pessoas honestas!

      Você defende quem você se identifica e é natural!