Polícia austríaca patrulha ruas e comércios à caça de não-vacinados

0
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Depois que o governo colocou pessoas não vacinadas sob um lockdown exclusivo, um vídeo da Áustria mostra a polícia patrulhando lojas e rodovias verificando o status de vacinação das pessoas.

Em uma ação que foi confirmada no fim de semana, as autoridades agora impuseram um lockdown que afeta apenas os não vacinados, o que significa que eles só podem deixar suas casas por “motivos essenciais”, como comprar comida.

Essas medidas, que são as primeiras desse tipo no mundo, afetam cerca de 35% dos austríacos que não receberam as duas doses da vacina.

As novas regras foram introduzidas como resultado de um pico de COVID e aumento crescente de pacientes de UTI (porque a vacina funciona tão bem!).

Imagens da Áustria mostram policiais uniformizados patrulhando shoppings, verificando o status de vacinação das pessoas em um banco de dados do estado.

Outro clipe mostrava um policial parando um veículo em uma rodovia para verificar o estado de vacinação.

Aqueles que forem pegos fora de casa sem comprovação de vacinação enfrentam multas de até US$1.660.

Na semana passada, o chanceler da Áustria, Alexander Schallenberg, disse que o lockdown foi projetado para fazer os não vacinados “sofrerem” como todo mundo sofreu durante os lockdowns anteriores.

Se essas patrulhas draconianas continuarão, resta saber.

Depois que a França introduziu um sistema de passaporte de vacina, imagens de vídeo mostraram policiais patrulhando cafés e bares checando documentos médicos, embora essas patrulhas parecessem ser planejadas para intimidar mais do que se tornar rotina, porque em grande parte pararam logo depois.

Muitos funcionários não vacinados estão sendo mandados para casa na Áustria porque não há capacidade de teste suficiente para permitir que eles obtenham um resultado negativo.

O governo também está tendo que compensar as empresas que estão perdendo até 35% de sua receita de clientes não vacinados que não têm permissão para entrar em seus recintos.

 

Artigo original aqui