Por que a mídia não foi fechada devido ao coronavírus?

3
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

“Na verdade, vocês estão sentados muito perto”, observou o presidente Trump em uma coletiva de imprensa. “Acho que provavelmente deveríamos nos livrar de 75, 80% de vocês.”

Trump estava apenas parcialmente brincando.

A Associação de Correspondentes da Casa Branca pediu a seus membros que se sentassem um assento separados em coletivas de imprensa, mas em um momento em que a maioria das empresas foi fechada, mesmo quando oferece muito mais espaço para clientes e funcionários, a visão de coletivas de imprensa lotadas ainda é inacreditavelmente hipócrita.

O governador Jared Polis realizou sua coletiva de imprensa sobre o distanciamento social, cercado por um grupo de outras autoridades do Colorado, incluindo um tradutor de linguagem de sinais, e repórteres bem apinhados à sua frente. Isso não é incomum. Governadores e prefeitos anunciaram o fechamento de inúmeras empresas em prol do distanciamento social, no mesmo formato que é o oposto do distanciamento social.

A isenção para a mídia das regras do coronavírus se estende além dessas cenas estranhas.

Quando o governador Andrew Cuomo emitiu uma ordem de efetivamente fechar a maioria das empresas não essenciais de Nova York, a lista de organizações essenciais isentas da ordem incluía hospitais, usinas de energia, farmácias, fazendas, bancos, supermercados e a mídia. Um desses itens não é como os outros.

As empresas essenciais fornecem serviços necessários que permitem que as pessoas vivam. Isto não se encaixa na mídia.

A questão do que é um “negócio essencial” é a diferença entre emprego ou desemprego, permanecer no negócio ou ir à falência, para milhões de pessoas. É uma questão financeira e moral de peso que a mídia evitou completamente ao se alinhar e confiar em seu privilégio.

Uma geração atrás, poderia ter sido argumentado que a mídia fornece atualizações importantes, mas na era do Twitter e do acesso portátil a qualquer site, a ideia de que o público depende da mídia para se manter informado sobre as informações de saúde e segurança do coronavírus ou qualquer outro problema de emergência, é bobo.

Se as autoridades realmente precisam alertar a porcentagem da população que usa rádio e televisão, mas não a Internet, sempre existe o Sistema de Radiodifusão de Emergência.

Esqueça as entrevistas coletivas: elas já são ruins o suficiente e deveriam ser extintas. Mas muito do que a mídia faz é provocar pânico a partir de seus estúdios ou enviar repórteres para entrevistar pessoas. Nada disso está de acordo com os requisitos do distanciamento social.

Se as produções de cinema e televisão foram paralisadas por serem um ambiente inseguro, por que aglomerar cabeças falantes atrás de uma mesa e uma multidão de membros da equipe em um estúdio é aceitável?

Por que enviar repórteres para colocar microfones na frente de idosos em uma lotérica ou na sala de emergência de um hospital é considerado saudável ou seguro, e não um risco à saúde pública?

A mídia deve ser classificada adequadamente como entretenimento e considerada não essencial. Além da cobertura exploratória do coronavírus, muito do que a mídia faz é divertir, embora mal, com fofocas de celebridades, escândalos, vergonha, dicas de culinária, vídeos virais, palavras cruzadas e tudo o que a mantém à tona.

Nada disso é essencial.

No entanto, a Colorado Press Association enviou uma carta ao governador Polis exigindo “garantias de que as operações de reportagem continuarão sendo uma parte essencial do pessoal de emergência”.

Bombeiros, policiais, paramédicos e repórteres. Escolha um que não pertença a essa categoria.

Ninguém que sofre um acidente de carro e capota olha para cima na esperança de ver uma câmera e um microfone, em vez de um macacão vermelho ou um uniforme azul com um distintivo prateado. Se você não está salvando vidas, não é pessoal de emergência. Manchar seus oponentes políticos não é uma emergência.

A Florida Press Association escreveu ao governador DeSantis pedindo a ele que isentasse a mídia de “fechamento de negócios ou quarentenas na Flórida” porque a mídia é “‘essencial’ para a saúde pública e o bem-estar”.

Uma academia faz muito mais pela saúde pública do que todos os meios de comunicação juntos. E eles estão fechando as academias.

A FPA afirmou que “as organizações de mídia são empresas essenciais para permanecerem abertas durante a crise do COVID-19, a fim de continuar a informar o público sobre sua saúde, segurança e bem-estar e transmitir informações precisas, confiáveis ​​e críticas em um momento de grande necessidade”.

A mídia é muitas coisas: uma fonte de informações precisas e confiáveis ​​não é uma delas.

Qualquer empresa que simplesmente publica avisos do CDC em suas instalações pode fazê-lo melhor. Cada plataforma já está incorporando os mesmos avisos de coronavírus sobre distanciamento social e lavagem de mãos.

Mas, principalmente, a mídia conseguiu o que queria.

O governador Tom Wolf, da Pensilvânia, afirmou que estava fechando todos os negócios que “não sustentam a vida” e designou a mídia como um negócio que “sustentava a vida”.

De quem é a vida que a mídia sustenta, exceto, vampiricamente, a sua?

O decreto do município de Los Angeles trata “jornais, revistas, televisão, rádio, podcasts” como comparáveis ​​a caminhoneiros, dentistas e policiais. Assim como São Francisco, embora além da mídia, também teve o cuidado de designar oficinas de reparos de bicicletas e lojas de cannabis como negócios essenciais. Este tem sido o modelo em toda a Califórnia.

Mas quem decidiu que a mídia é um negócio essencial e por quê?

Não é um problema de direitos fundamentais. Não quando as igrejas e sinagogas foram fechadas. San Jose ordenou o fechamento de uma loja de armas de fogo, considerando-a um negócio não essencial. Um lojista de armas de fogo está no negócio de habilitar os direitos de auto defesa das pessoas em uma escala muito mais ampla do que um jornal está no negócio de habilitar os direitos fundamentais de qualquer pessoa, exceto seus funcionários.

A definição de essencial de San Jose, que abrange maconha e mídia, mas não armas, mostra que a questão não é objetiva de necessidade, mas de valores. E os valores são baseados em sentimentos tribais.

O CDC alertou que fumar e usar maconha aumenta os riscos de coronavírus para as pessoas mais jovens. Os conselhos de saúde alertaram os usuários de drogas contra o compartilhamento de apetrechos para uso de drogas, porque podem espalhar o coronavírus. Mas San Jose optou por proteger as lojas de maconha porque gosta de maconha e odeia armas.

Os governos da Califórnia e de Nova York realmente gostam da mídia, mesmo que ela represente um risco à saúde.

À medida que as paralisações continuam, o debate final sobre os privilégios da mídia pode ser pesado pelo governo federal. E a campanha de lobby está em andamento.

A Câmara de Comércio listou a mídia em sua lista de serviços essenciais em sua carta ao presidente Trump. A carta pede que ele inclua a mídia na lista de isenções federais.

Tais decisões geralmente acabam sendo tomadas por assessores e burocratas. Esta não deve ser um deles.

A mídia não deve se beneficiar de uma isenção que não merece. Em vez de cumprir uma função construtiva, provocou pânico, espalhou medo e dúvida, procurou bodes expiatórios e se comportou de maneira irresponsável a todo momento, porque serviu suas agendas financeiras e ideológicas. A última coisa que o país precisa é que as pessoas trabalhadoras sejam forçadas a deixar o emprego enquanto a mídia recebe um passe livre.

É injusto e desleal que as pequenas empresas tenham que fechar suas portas, enquanto a Globo e a CNN continuam com os negócios como de costume. É errado dizer ao cidadão comum que ele não é essencial, mas Vera Magalhães é.

O presidente Trump deve recusar os pedidos da mídia por isenção das regras de paralisação. E as pessoas devem começar a fazer perguntas sobre o porquê de ficarem sem emprego, enquanto a mídia lota entrevistas coletivas, coloca microfones na fuça de profissionais de saúde e crianças e não é responsabilizada.

 

Artigo original aqui.

Veja também:

Serviços não essenciais

3 COMENTÁRIOS

  1. O grande problema de uma situação absurda é que ela gera outras. Por exemplo, um articulista usar as mesmas ferramentas de um Estado coercitivo. Primeiro, atacando (ou defendendo) coletivos: a “mídia” é absolutamente homogênea e malévola? Segundo, fazendo sua própria lista do que é “essencial”.
    Bastaria que não houvesse a surreal possibilidade que uma entidade pudesse decretar lockdowns: conforme a própria avaliação de riscos, pessoas ficariam quarentenados e pessoas trabalhariam (inclusive profissionais da mídia)… simples assim.
    Este é o absurdo que deve ser combatido.