Por que os piores chegam ao poder: vantagem comparativa

2
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Para qualquer pessoa familiarizada com o famoso livro de F. A. Hayek de 1944, O caminho da servidão, a atual campanha eleitoral presidencial não pode deixar de lembrar o capítulo de Hayek, “Por que os piores chegam ao poder“. Do jeito que as coisas estão agora, os candidatos mais prováveis ​​serão, pelos democratas, Hillary Clinton, talvez a mulher mais odiada do mundo; e para os republicanos, seja Donald Trump, um ignorante polemista e vulgar cujo conhecimento dos princípios econômicos básicos parece estagnado na faixa negativa, ou Ted Cruz, um político tão universalmente odiado em um nível pessoal que, dizem, até mesmo os membros da sua própria família o desprezam. Se concordam ou não com as avaliações anteriores, ninguém pode negar que cada um desses indivíduos provoca grande repulsa em dezenas de milhões de eleitores. Este estado de coisas é uma peculiaridade desta temporada eleitoral ou é o tipo de situação que se poderia esperar surgir nas circunstâncias geralmente prevalecentes da vida política?

Minha opinião é que a segunda opção é a correta. A ascensão de indivíduos desprezíveis ao topo da política é exatamente o que qualquer pessoa com uma visão realista da história e um pouco de educação na teoria da escolha pública esperaria.

Considere primeiro que a política é um esforço competitivo. Nesse reino, os candidatos a cargos e promotores de programas se esforçam para alcançar seus objetivos, cada um às custas de outros que se esforçam de forma semelhante para se promover, seus programas e seus outros objetivos governamentais. Que tipo de pessoa tem mais probabilidade de ter sucesso nesta competição?

Quando os boxeadores profissionais competem, eles primeiro aprendem como evitar, repelir ou suavizar os golpes do oponente enquanto acertam a maioria e os golpes mais fortes. Esta forma de competição não é para os fracos ou tímidos. Além de serem naturalmente destemidos e possuírem treinamento para o combate corpo à corpo no ringue, o lutador profissional deve possuir capacidade de agredir violentamente e provocar lesões corporais em outro ser humano. Bater em um homem até que ele fique sem sentidos é a realização em um dia de trabalho de sucesso. Aqueles incapazes ou avessos a tal conduta não podem ter sucesso neste ramo de trabalho.

Da mesma forma, dadas as realidades institucionais, psicológicas, ideológicas e econômicas do atual sistema eleitoral nos Estados Unidos (e em muitos outros países), ninguém pode ter sucesso se for muito receoso em violar uma série de restrições morais e legais. Imagine um aspirante à presidência que insistisse em sempre dizer a verdade, falando claramente, sem evasão ou distorção das questões; em propor apenas políticas viáveis ​​e racionais para promover o interesse geral do público, ao invés de planos egoístas de poderosos interesses especiais; e evitando envolvimento desnecessário nos assuntos de outros países ou engajamento em disputas no exterior que não coloquem em risco a segurança dos americanos em seu próprio território. Imaginar tal candidato é imaginar praticamente o oposto dos candidatos presentes. Essas pessoas fétidas estão tão longe de ser moralmente corretas, honestas e francas – para não falar de serem simplesmente decentes pelos padrões comuns – que alegar que são basicamente boas pessoas parece apenas demonstrar o quão fora de contato com a realidade alguém está.

Por que, então, as virtudes e decências que geralmente esperamos que as pessoas tenham em sua vida privada estão tão manifestamente ausentes nas pessoas que têm mais sucesso na política e no governo? A resposta está na própria natureza do governo – pelo menos, o governo como o conhecemos atualmente em todo o mundo, um sistema de regra de monopólio imposto e involuntário, pelo qual os chefões do sistema usam o poder militar e policial junto com o encantamento ideológico para saquear e intimidar pessoas inocentes – e continuar fazendo isso ano após ano. Assim como apenas pessoas fisicamente fortes, destemidas e agressivas obtêm sucesso como lutadores, apenas pessoas desonestas, espertas, evasivas, sedentas de poder, inescrupulosas e cruéis têm o que é preciso para ter sucesso em um sistema cujas próprias bases – violência, agressão, extorsão e deturpação – estão em total desacordo com os padrões privados de conduta justa e virtuosa.

Se alguém como eu – idoso, pequeno, fraco, tímido e destreinado – fosse colocado no ringue para lutar pelo campeonato de boxe peso-pesado, você não esperaria que eu sobrevivesse mais do que alguns segundos. Da mesma forma, se alguém como eu – alguém que respeita os direitos naturais de outras pessoas à vida, liberdade e propriedade e que abomina a desonestidade, extorsão, agressão e violência desnecessária – fosse lançado na arena política ou governamental, eu dificilmente duraria muito mais tempo. Há uma razão pela qual os principais ativistas de hoje são indivíduos moralmente repulsivos: eles têm uma vantagem comparativa em realizar os tipos de ações que devem ser tomadas para alcançar o auge do poder governamental.

 

Artigo original aqui.

2 COMENTÁRIOS

  1. Os piores chegam ao poder pois o estado é uma estrutura fraudulenta, nada mais que um esquema de pirâmide e fraude contábil/administrativa, cujos incentivos de existência estão fundamentados na coação e usurpação cotidiana da propriedade. Seu único argumento efetivo é o medo e a força, só atrairá os indivíduos mais perversos e que anseiam poder a todo custo.

  2. O mais sujos e violentos psicopatas chegam aos principais cargos no estado leviatã, mas isso não se resume à vitrine, ou seja, ao circo eleitoral democrático. Em vários cargos de burocratas não eleitos o princípio não muda muito. Um juiz de vara de família antes de virar presidente de um tribunal, disputou com seus colegas quem mandava mais inocentes para as masmorras do governo, como sonegadores de impostos, por exemplo.

    Mas tem uma coisa na contabilidade que não fecha. Porque esses criminosos violentos tem tanto medo da liberdade de pensamento? não deveriam, já que tem todas as armas na suas mãos. Ou seja, uma mente articulada é superior a todos os ladrões em larga escala da máfia estatal. E obviamente que somente libertários e anarquistas de propriedade privada tem essa capacidade de intimidar o estado leviatã. O resto da humanidade também é perseguida em sua liberdade de pensamento, mas de maneira tática. Os libertários o são de maneira estratégica.