Por que Rand Paul atrasou a doação de US$40 bilhões ‘para a Ucrânia’?

0
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Mesmo para os padrões americanos, o pedido recente do governo Biden de US$33 bilhões para ajuda militar à Ucrânia foi chocante. Certamente uma coalizão de progressistas antiguerra e republicanos antidéficit do orçamento se oporia ao perigoso e caro envolvimento dos EUA no conflito Rússia/Ucrânia? Por incrível que pareça, não! Não só o Congresso não se opôs: eles adicionaram quase sete bilhões de dólares a mais ao pacote!

No final, nenhum democrata da Câmara votou contra o envolvimento dos EUA na guerra, e apenas 57 republicanos disseram “não” ao financiamento de mais uma guerra não declarada.

No Senado, o líder da maioria Chuck Schumer (Democrata-NY) e o líder da minoria Mitch McConnell (Republicano-KY) exigiram a aprovação imediata da enorme doação para a Ucrânia. Esse é o bipartidarismo de Washington para você ver.

Então o senador novato do Kentucky veio ao Plenário do Senado e fez o impensável em Washington: ele atrasou a votação.

“Meu juramento de posse é para a segurança nacional dos Estados Unidos da América”, disse o senador Rand Paul. “Não podemos salvar a Ucrânia condenando a economia dos EUA.” Ele continuou apontando que os EUA gastaram quase tanto com as forças armadas da Ucrânia quanto todo o orçamento militar da Rússia e que o governo dos EUA enviou mais dinheiro militar para a Ucrânia do que gastou em todo o primeiro ano da guerra dos EUA no Afeganistão.

O senador Paul colocou o pacote em perspectiva: esta doação maciça para a Ucrânia equivale a quase todo o orçamento anual do Departamento de Estado dos EUA e é maior do que o orçamento do Departamento de Segurança Interna!

Schumer ficou furioso com Paul, acusando-o de “impedir a rápida aprovação da ajuda à Ucrânia porque ele quer adicionar no último minuto suas próprias mudanças diretamente no projeto de lei”.

O que ele estava tentando adicionar ao projeto? Em suas próprias palavras, “Tudo o que pedi é uma emenda para ser incluída no projeto de lei final que permita ao Inspetor-Geral supervisionar como os fundos são gastos”.

Ele queria pelo menos um pouco de supervisão sobre os quase US$50 bilhões no total que Washington enviou para o que a Transparência Internacional considera um dos países mais corruptos do mundo. Será que isso é realmente pedir muito?

Para Washington, a resposta é “sim”. O Inspetor Geral Especial para a Reconstrução do Afeganistão (SIGAR) foi um problema sem fim para Washington, porque ele realmente fez seu trabalho e relatou os bilhões de dólares que foram roubados no Afeganistão.

Em seu relatório final sobre os 20 anos da guerra no Afeganistão, o SIGAR revisou aproximadamente US$63 bilhões do total de US$134 bilhões destinados ao Afeganistão e descobriu que quase US$19 bilhões do valor foram perdidos em desperdício, fraude e abuso. Quase um terço dos fundos que eles analisaram foram totalmente desperdiçados ou roubados por funcionários afegãos corruptos. Alguém acha que seria diferente na Ucrânia?

Talvez seja por isso que eles ficaram tão furiosos que o senador Paul propôs que talvez pudéssemos manter registros esses US$40 bilhões para garantir que não fossem desperdiçados: Washington não quer saber. E, mais importante, Washington não quer que saibamos.

A pausa temporária é importante. Dá aos americanos um pouco de tempo para que seus senadores saibam que eles não apoiam essa doação ridícula e inútil para a Ucrânia. A inflação está despedaçando o país. Os preços dos combustíveis  dispararam. Nossa infraestrutura está desmoronando. O dólar está oscilando. E vamos dar dinheiro?

A votação está marcada para quarta-feira. Hora dos eleitores americanos deixarem seus senadores saberem o que eles pensam sobre isso!

 

 

Artigo original aqui