McDonald’s fecha seus 850 restaurantes na Rússia por causa da pressão dos russófobos

6
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

A McDonald’s Corporation anunciou que deixará permanentemente a Rússia, fechando 850 restaurantes. O executivo-chefe da empresa, Chris Kempczinski, explicou que a medida foi motivada pela “crise humanitária causada pela guerra na Ucrânia” e que a situação atual não oferece “a mesma esperança e promessa que nos levou a entrar no mercado russo há 32 anos”. O comunicado de imprensa do McDonald’s também afirmou que uma presença contínua na Rússia não é “consistente com os valores do McDonald’s“.

Isso é bem surpreendente para uma corporação que aparenta ter poucos escrúpulos ao manter restaurantes abertos em lugares como a Arábia Saudita, onde crimes de guerra e violações de direitos humanos são procedimentos operacionais padrão. De fato, o McDonalds tem um longo histórico de operação em países com regimes pouco amigáveis e gentis.

Então, por que o McDonald’s está fechando os restaurantes na Rússia agora? É difícil saber exatamente o que a liderança corporativa de empresas como o McDonald’s está pensando, mas a mudança ideológica em direção à retirada de mercados estrangeiros politicamente impopulares sinaliza uma mudança real em relação às ideias anteriores sobre investimento corporativo global.

Antigamente, a presença de empresas americanas em nações estrangeiras era vista como um sinal de superioridade americana sobre o regime local e um instrumento de “soft power” americano. Para muitos regimes comunistas, por exemplo, as empresas e marcas americanas eram consideradas oficialmente como uma forma de imperialismo “burguês” ocidental e eram ativamente excluídas dos mercados locais. Os regimes estrangeiros há muito entendem que as marcas americanas trazem consigo a influência cultural americana.

Hoje, no entanto, o ímpeto para excluir as marcas americanas dos mercados estrangeiros vem dos próprios americanos. As corporações americanas estão se retirando dos mercados estrangeiros em parte em resposta aos pedidos de boicote de políticos americanos e usuários de mídia social americanos. O McDonald’s não está sozinho. A Starbucks também está se retirando do mercado russo e a Coca-Cola está pausando suas operações lá. Esse novo paradigma ideológico – que abraça o isolacionismo econômico e a mentalidade da Guerra Fria – redefine a disseminação do capital e da cultura americanas como uma forma de colaboração com regimes estrangeiros. A resposta da turba no Twitter, neste caso, é isolar o capital americano e os produtos americanos dos mercados estrangeiros e cortar os laços internacionais entre os americanos e as pessoas que vivem em outros lugares. De muitas maneiras, essa atitude é ainda pior do que prevaleceu durante a Guerra Fria, quando empresas e diplomatas americanos buscaram abrir os mercados da URSS aos produtos americanos. A virulenta russofobia de hoje é extrema mesmo para os padrões da época em que a União Soviética invadiu o Afeganistão e os políticos americanos chamavam a URSS de “Império do Mal”.

A antiga visão predominante da expansão das empresas americanas: “imperialismo” cultural

Até recentemente, expandir o alcance global das marcas corporativas americanas era visto como uma “vitória” sobre regimes estrangeiros que eram antiamericanos ou antiocidentais. Podemos encontrar muitos exemplos disso no contexto da Guerra Fria.

Na Alemanha Oriental, a Coca-Cola após a Segunda Guerra Mundial rapidamente se tornou um símbolo da “decadência” capitalista ocidental. O regime da Alemanha Oriental na década de 1950 procurou produzir sua própria marca de cola, mantendo as marcas americanas fora do mercado. Os anticapitalistas tinham certeza de que poderiam fazer produtos pelo menos tão bons quanto os do Ocidente. A versão de cola da Alemanha Oriental, é claro, provou ser inferior em todos os sentidos, desde o sabor até as tampas das garrafas. Para comunistas obstinados, no entanto, até mesmo tentar recriar uma “bebida semelhante à Coca-Cola” cheirava a capitulação aos ideais ocidentais. Conforme observado por Milena Veenis, do ponto de vista antiocidental, qualquer coisa que lembrasse um refrigerante americano era “um emblema da horrível ‘civilização’ americana – criticada como tal no poema de 1952 do poeta polonês Adam Wasik ‘Piosenka o Coca Cola’ (canção da Coca-Cola).”

Por décadas depois, a Coca-Cola continuou a ser um símbolo da odiada ocidentalização e americanização. As forças da globalização econômica eram difíceis de controlar, no entanto, e a Pepsi em 1974 conseguiu se tornar a primeira marca capitalista produzida na União Soviética. Como ninguém queria dinheiro soviético nos Estados Unidos, a Pepsi acertou contas com os soviéticos por meio de um sistema de troca. Os soviéticos trocaram vodka pelo que precisavam para produzir Pepsi na URSS. A Pepsi vendeu a vodka nos mercados ocidentais.

Por tudo isso, deve-se ter em mente que não havia nada no regime soviético que pudesse ser descrito como liberal, aberto ou promotor dos direitos humanos. O regime ainda operava campos de prisioneiros para presos políticos e dissidentes brutalmente reprimidos. Não havia eleições reais, e certamente nenhuma imprensa livre ou liberdade de expressão ou religião livre. Pessoas razoáveis, no entanto, reconheceram que vender cola na URSS não significava apoiar os gulags. Apenas os anticomunistas mais fanáticos ao estilo de John Birch pensavam assim.

Quando a União Soviética invadiu o Afeganistão em 1979, no entanto, as vendas da vodca russa da PepsiCo caíram, e o patrocínio de longa data da Coca-Cola aos Jogos Olímpicos foi ameaçado pelo boicote do regime dos EUA às Olimpíadas de Moscou em 1980. Talvez porque não havia uma turba no Twitter em 1980, no entanto, a Coca-Cola ignorou o boicote e simplesmente insistiu que vender refrigerantes é algo que transcende a política. Embora tanto a Coca quanto a Pepsi estivessem engarrafando seus produtos na URSS, nenhum frenesi de sentimento anti-soviético levou a exigências de que as empresas americanas encerrassem suas operações. Ambas as empresas continuaram suas operações durante a Guerra Soviético-Afegã.

McDonald’s, Globalização e o Bloco Comunista

Enquanto isso, o McDonald’s estava fazendo incursões em outras partes do mundo comunista. O McDonald’s abriu restaurantes na Iugoslávia e na Hungria em 1988. Mas a entrada do McDonald’s na União Soviética em janeiro de 1990 foi um negócio muito maior. A chegada do McDonald’s na URSS atingiu o coração do mundo comunista e, como escreve Julietta Bisharyan:

Por mais trivial que possa parecer, a introdução do fast food na URSS foi sem dúvida revolucionária, pois representou a luta da Rússia entre o conservadorismo e as ideologias capitalistas ocidentais. Ficou como um símbolo da eficiência, engenhosidade e velocidade dos EUA. … “Este restaurante [McDonald’s] foi a janela para o mundo…”

Apesar dos ideólogos antiocidentais, os russos adoraram a experiência do McDonald’s. Eles esperaram horas no frio para entrar onde trabalhadores bem treinados e educados vendiam o que era – pelos padrões soviéticos – comida deliciosa e de alta qualidade.

Observe, é claro, que a “troca” cultural não fluiu nos dois sentidos. Os americanos não faziam fila para comer em franquias de restaurantes de origem soviética. Os americanos não compravam refrigerantes soviéticos. O mundo queria Coca-Cola e McDonald’s. O cheiro de um hambúrguer do McDonald’s em Moscou era o cheiro de derrota para o regime soviético em breve extinto.

Regime Russo? Não, obrigado! Ditadores sauditas? Sim por favor!

Mas agora o McDonald’s diz que quer sair. De alguma forma, a presença do McDonalds na Rússia – por razões nunca explicadas – agora sinaliza a aprovação ao regime. Enquanto isso, aqueles que pressionam a retirada da Rússia ignoram convenientemente que o McDonald’s mantém lojas em muitos lugares onde o regime local é famoso por violar os direitos humanos e cometer crimes de guerra.

O McDonald’s tem lojas no Egito e na Arábia Saudita, por exemplo. O Egito é uma ditadura militar repressiva conhecida por empregar tortura e prisão ilegal de dissidentes. Os homossexuais são presos e condenados a longas penas de prisão com base na preferência sexual. A Arábia Saudita comete abusos de direitos humanos tanto internamente quanto nas nações visadas pelo regime de Riad. A guerra saudita no Iêmen é notável por sua brutalidade. O regime de Riad executa pessoas pelo “crime” de atividade sexual entre pessoas do mesmo sexo.

O McDonald’s divulgou um comunicado à imprensa sobre como fechará seus restaurantes no Egito e na Arábia Saudita? O CEO do McDonald’s declarou que esses lugares estão em conflito com os “valores” do McDonald’s. Não.

Claro, o McDonald’s nunca expressou oposição ao regime dos EUA quando estava bombardeando cidades iraquianas deixando-as em escombros e travando uma guerra agressiva que resultou na morte de centenas de milhares de iraquianos. Aparentemente, o McDonald’s aceita invasões militares ilegais, desde que sejam realizadas por americanos.

Comércio livre com todos

Não aponto essa hipocrisia para afirmar que o McDonald’s deveria fechar seus restaurantes na Arábia Saudita e Egito ou em outros locais onde o McDonald’s funciona sob regimes inescrupulosos ​​– como Jordânia, Venezuela, Vietnã, Iraque e Bielorrússia.

Em vez disso, meu ponto de vista é que a velha visão das multinacionais americanas é a melhor visão: vender uma Coca-Cola em um país estrangeiro não é um ato de apoio ao regime. Se representa alguma coisa, isso mina o regime, coisa que os comunistas de antigamente entendiam. Além disso, a disseminação do capital americano e das marcas americanas é uma indicação da resiliência, eficiência e superioridade do capitalismo ocidental. Erigir os arcos dourados em cidades estrangeiras serve apenas como um lembrete de como o capitalismo e a cultura ocidentais tornam o mundo um lugar melhor. Os justiceiros sociais de hoje que estão obcecados em odiar os russos deveriam, portanto, querer mais McDonald’s, não menos.

 

 

Artigo original aqui

6 COMENTÁRIOS

  1. Imaginar que o McDonald’s fechou incríveis 850 lojas porque a direção não tinha nada melhor para fazer é ignorar os vários casos onde esta empresa mudou sua política comercial por conta da reclamação dos usuários – que por tabela, acabam atraindo também a máfia estatal -, como recentemente o caso do McPicanha . Além disso o título se refere a russofobia, o que evidentemente inclui muita gente poderosa capaz de fazer pressão e a gente nem ficar sabendo

    Eu gosto do McDonald’s, mas vão se fuder

  2. Sim, eu li o artigo. E li novamente para me certificar. Não tem indicação de causalidade direta no artigo, porque não significa que os usuários do Twitter que fizeram os protestos, meses atrás, padecem de uma doença mental que cause aversão aos russos. Também leve em consideração a empresa declarou os motivos da ação, e nessa declaração não cita sequer sociedade ou clientes, onde podemos incluir a declaração oficial do próprio site da empresa.

    Não estou fazendo uma crítica ao artigo. Está bom o artigo. No entanto, o título parece uma jogada de marketing para ganhar a atenção das pessoas, colocando a ideia de um pensamento coletivo que não existiu.