Por que tudo o que você sabe sobre a Segunda Guerra Mundial pode estar errado

7
Tempo estimado de leitura: 36 minutos

Entrevista de Mike Whitney com Ron Unz

“Grande parte da atual legitimidade política do atual governo americano e de seus vários estados vassalos europeus se baseia em uma história narrativa particular da Segunda Guerra Mundial, e desafiar esse relato pode ter consequências políticas terríveis.” — Ron Unz

Questão 1: Hitler

Comecemos por Hitler. No Ocidente é universalmente aceito que:

  1. Hitler começou a 2ª Guerra Mundial
  2. A invasão da Polônia por Hitler foi o primeiro passo de uma campanha mais ampla voltada para a dominação mundial

Essa interpretação da Segunda Guerra Mundial é verdadeira ou falsa? E, se for falsa, então – na sua opinião – o que Hitler estava tentando alcançar na Polônia e a Segunda Guerra Mundial poderia ter sido evitada?

 

Ron Unz — Até doze anos atrás, minhas opiniões sobre eventos históricos sempre foram bastante convencionais, formadas a partir das aulas que tive na faculdade e da narrativa uniforme da mídia que absorvi ao longo das décadas. Isso incluía minha compreensão da Segunda Guerra Mundial, o maior conflito militar da história da humanidade, cujo resultado moldou nosso mundo moderno.

Mas nos anos após os ataques de 11 de setembro e a Guerra do Iraque, fiquei cada vez mais desconfiado sobre a honestidade de nossa grande mídia e comecei a reconhecer que os livros de história geralmente representam apenas uma versão congelada de tais distorções da mídia do passado. O crescimento da Internet desencadeou uma vasta quantidade de ideias não ortodoxas de todos os tipos possíveis e desde 2000 venho trabalhando em um projeto para digitalizar os arquivos de nossas principais publicações dos últimos 150 anos, o que me deu acesso conveniente a informações não facilmente disponíveis para qualquer outra pessoa. Então, como eu escrevi mais tarde:

Além da evidência de nossos próprios sentidos, quase tudo o que sabemos sobre o passado ou as notícias de hoje vem de pedaços de tinta no papel ou pixels coloridos na tela e, felizmente, nas últimas duas décadas, o crescimento da Internet aumentou consideravelmente a gama de informações disponíveis para nós nessa última categoria. Mesmo que a esmagadora maioria das alegações não ortodoxas fornecidas por tais fontes não tradicionais baseadas na web esteja incorreta, pelo menos agora existe a possibilidade de extrair pepitas vitais de verdade de vastas montanhas de falsidade. Certamente os eventos dos últimos doze anos me forçaram a recalibrar completamente meu próprio aparelho de detecção de realidade.

Como consequência de todos esses desenvolvimentos, publiquei meu artigo original no Pravda americano há uma década, que continha essa passagem. Nesse artigo, enfatizei que o que nossos livros de história e mídia nos contaram sobre o mundo e seu passado pode ser tão desonesto e distorcido quanto o notório Pravda da extinta URSS.

A princípio, meu foco estava nos eventos históricos mais recentes, mas logo comecei a fazer muitas leituras e investigações sobre a história da Segunda Guerra Mundial também, gradualmente percebendo que uma grande fração de tudo que sempre aceitei sobre essa guerra estava completamente incorreta.

Talvez eu não devesse ter ficado muito surpreso ao descobrir isso. Afinal, se nossa mídia pode mentir tão descaradamente sobre eventos aqui e agora, por que deveríamos confiar nela em assuntos que aconteceram há muito tempo e muito longe?

Acabei concluindo que a verdadeira história da Segunda Guerra Mundial não apenas era muito diferente do que a maioria de nós sempre acreditou, mas também foi amplamente invertida. Nossos principais livros de história contavam a história de cabeça para baixo e ao contrário.

No que diz respeito a Hitler e a eclosão da guerra, acho que um excelente ponto de partida seria Origins of the Second World War, uma obra clássica publicada em 1961 pelo renomado historiador de Oxford AJP Taylor. Como descrevi suas conclusões em 2019:

A exigência final de Hitler, de que Danzig, que era 95% alemão, fosse devolvida à Alemanha, exatamente como seus habitantes desejavam, era absolutamente razoável, e apenas um terrível erro diplomático dos britânicos levou os poloneses a recusar o pedido, provocando assim a guerra. A ampla alegação posterior de que Hitler pretendia conquistar o mundo era totalmente absurda, e o líder alemão realmente fez todos os esforços para evitar a guerra com a Grã-Bretanha ou a França. Na verdade, ele geralmente era bastante amigável com os poloneses e esperava alistar a Polônia como aliada da Alemanha contra a ameaça da União Soviética de Stalin.

O recente 70º aniversário da eclosão do conflito que consumiu tantas dezenas de milhões de vidas naturalmente provocou numerosos artigos históricos, e a discussão resultante me levou a desenterrar minha cópia antiga do pequeno volume de Taylor, que reli pela primeira vez em quase quarenta anos. Achei-o tão magistral e persuasivo quanto nos meus tempos de dormitório da faculdade, e as brilhantes capas sugeriam parte da aclamação imediata que o trabalho havia recebido. O Washington Post elogiou o autor como “o historiador vivo mais proeminente da Grã-Bretanha”, a World Politics chamou-o de “argumentado de forma poderosa, escrito de forma brilhante e sempre persuasivo”, The New Statesman, a principal revista de esquerda da Grã-Bretanha, descreveu-o como “uma obra-prima: lúcido, compassivo, lindamente escrito”, e o augusto Times Literary Supplement o caracterizou como “simples, devastador, superlativamente legível e profundamente perturbador”. Como um best-seller internacional, certamente se classifica como a obra mais famosa de Taylor, e posso entender facilmente por que ainda estava na lista de leitura obrigatória da minha faculdade quase duas décadas após sua publicação original.

No entanto, ao revisitar o estudo inovador de Taylor, fiz uma descoberta notável. Apesar de todas as vendas internacionais e aclamação da crítica, as descobertas do livro logo despertaram uma tremenda hostilidade em alguns setores. As palestras de Taylor em Oxford foram extremamente populares por um quarto de século, mas, como resultado direto da controvérsia, “o historiador vivo mais proeminente da Grã-Bretanha” foi sumariamente expurgado do corpo docente pouco tempo depois. No início de seu primeiro capítulo, Taylor havia notado como achava estranho que, mais de vinte anos após o início da guerra mais cataclísmica do mundo, nenhuma história séria tivesse sido produzida analisando cuidadosamente a eclosão. Talvez a retaliação que encontrou o tenha levado a entender melhor parte desse enigma.

Numerosos outros importantes estudiosos e jornalistas, tanto contemporâneos quanto mais recentes, chegaram a conclusões muito semelhantes, mas muitas vezes sofreram severas retaliações por suas avaliações históricas honestas. Durante décadas, William Henry Chamberlin foi um dos jornalistas de política externa mais respeitados dos EUA, mas depois de publicar o America’s Second Crusade em 1950, ele desapareceu da maioria das publicações convencionais. David Irving possivelmente se classifica como o historiador britânico de maior sucesso internacional dos últimos 100 anos, com seus livros seminais sobre a Segunda Guerra Mundial recebendo enormes elogios da crítica e vendendo milhões; mas ele foi levado à falência pessoal e por pouco evitou passar o resto de sua vida em uma prisão austríaca.

Hitler retorna em triunfo a Berlim após a reunificação com a Áustria

No final da década de 1930, Hitler ressuscitou a Alemanha, que havia se tornado próspera sob seu governo, e também conseguiu reuni-la com várias populações alemãs separadas. Como resultado, ele foi amplamente reconhecido como um dos líderes mais bem-sucedidos e populares do mundo e esperava finalmente resolver a disputa da fronteira polonesa, oferecendo concessões muito mais generosas do que qualquer um de seus predecessores eleitos democraticamente na Weimar jamais havia considerado. Mas a ditadura da Polônia, em vez disso, passou meses rejeitando suas tentativas de negociações e também começou a maltratar brutalmente sua minoria alemã, finalmente forçando Hitler a declarar guerra. E como discuti em 2019, provocar essa guerra pode ter sido o objetivo deliberado de certas figuras poderosas.

Talvez a mais óbvia delas seja a questão das verdadeiras origens da guerra, que devastou grande parte da Europa, matou talvez cinquenta ou sessenta milhões e deu origem à subsequente era da Guerra Fria, na qual os regimes comunistas controlavam metade de todo o continente eurasiano. Taylor, Irving e muitos outros desmascararam completamente a mitologia ridícula de que a causa estava no desejo louco de Hitler pela conquista do mundo, mas se o ditador alemão claramente carregava apenas uma responsabilidade menor, havia de fato algum verdadeiro culpado? Ou esta guerra mundial massivamente destrutiva surgiu de maneira um tanto semelhante à sua antecessora, que nossas histórias convencionais tratam principalmente devido a uma coleção de erros, mal-entendidos e escalações impensadas?

Durante a década de 1930, John T. Flynn foi um dos jornalistas progressistas mais influentes dos EUA e, embora tivesse começado como um forte apoiador de Roosevelt e seu New Deal, gradualmente se tornou um crítico ferrenho, concluindo que os vários esquemas governamentais de FDR falharam em reviver a economia americana. Então, em 1937, um novo colapso econômico elevou o desemprego de volta aos mesmos níveis de quando o presidente assumiu o cargo pela primeira vez, confirmando Flynn em seu veredicto severo. E como escrevi no ano passado:

De fato, Flynn alega que, no final de 1937, FDR havia se voltado para uma política externa agressiva destinada a envolver o país em uma grande guerra externa, principalmente porque acreditava que esta era a única saída de sua desesperada caixa política e econômica, um estratagema não desconhecido entre os líderes nacionais ao longo da história. Em sua coluna da New Republic de 5 de janeiro de 1938, ele alertou seus leitores incrédulos sobre a perspectiva iminente de uma grande escalada militar naval e guerra no horizonte, depois que um importante conselheiro de Roosevelt se gabou em particular para ele de que um grande surto de “keynesianismo militar ” e uma grande guerra resolveria os problemas econômicos aparentemente insuperáveis ​​do país. Naquela época, a guerra com o Japão, possivelmente por interesses latino-americanos, parecia o objetivo pretendido, mas os acontecimentos na Europa logo persuadiram FDR de que fomentar uma guerra geral contra a Alemanha era o melhor curso de ação. Memórias e outros documentos históricos obtidos por pesquisadores posteriores parecem geralmente apoiar as acusações de Flynn, indicando que Roosevelt ordenou que seus diplomatas exercessem enorme pressão sobre os governos britânico e polonês para evitar qualquer acordo negociado com a Alemanha, levando assim à eclosão da Segunda Guerra Mundial em 1939.

O último ponto é importante, uma vez que as opiniões confidenciais das pessoas mais próximas a eventos históricos importantes devem receber um peso probatório considerável. Em um artigo recente, John Wear reuniu as inúmeras avaliações contemporâneas que implicavam FDR como uma figura central na orquestração da guerra mundial por sua pressão constante sobre a liderança política britânica, uma política que ele até admitiu em particular que poderia significar seu impeachment se revelada. Entre outros depoimentos, temos as declarações dos embaixadores polonês e britânico em Washington e do embaixador americano em Londres, que também repassaram o parecer favorável do próprio primeiro-ministro Chamberlain. De fato, a captura e publicação alemã de documentos diplomáticos poloneses secretos em 1939 já havia revelado muitas dessas informações, e William Henry Chamberlin confirmou sua autenticidade em seu livro de 1950. Mas como a grande mídia nunca divulgou nenhuma dessas informações, esses fatos permanecem pouco conhecidos até hoje.

Discuti esses eventos históricos longamente em meu artigo de 2019: American Pravda: Entendendo a Segunda Guerra Mundial

Questão 2: A “Blitz” de Londres

A Alemanha lançou a “Blitz” na Inglaterra para aterrorizar o povo britânico até a submissão. Você concorda com isso ou houve outros fatores envolvidos que foram omitidos nos livros de história ocidentais? (Como o bombardeio de Berlim por Churchill?)

Ron Unz – Mais uma vez, este relato padrão da Segunda Guerra Mundial é em grande parte o oposto da verdade. Naquela época, o bombardeio aéreo de centros urbanos muito atrás das linhas militares era ilegal e considerado um crime de guerra, com Hitler não tendo absolutamente nenhuma intenção de atacar as cidades da Grã-Bretanha dessa forma.

De fato, o líder alemão sempre teve opiniões favoráveis ​​à Grã-Bretanha e também acreditava que a preservação do Império Britânico era do interesse estratégico da Alemanha, pois seu colapso criaria um vácuo geopolítico que poderia ser preenchido por uma potência rival.

Depois que a Alemanha atacou a Polônia, a Grã-Bretanha e a França declararam guerra. O exército polonês foi derrotado em apenas algumas semanas, e Hitler então se ofereceu para retirar suas forças dos territórios poloneses que haviam ocupado e declarar a paz, mas as duas potências ocidentais juraram continuar a guerra até que a Alemanha fosse esmagada. Poucos combates ocorreram até a primavera de 1940, quando os alemães finalmente atacaram e derrotaram o enorme exército francês, tomando Paris e tirando a França da guerra.

As forças britânicas foram evacuadas em Dunquerque e há muitas evidências de que Hitler deliberadamente permitiu que eles escapassem como um gesto digno, em vez de ordenar que fossem capturados. Ele seguiu sua vitória na França oferecendo termos extremamente generosos ao governo britânico, não fazendo exigências contra eles e, em vez disso, propondo uma aliança alemã, incluindo apoio militar para proteger a segurança de seu império mundial. Hitler naturalmente acreditava que eles aceitariam uma oferta tão atraente e acabariam com a guerra, que ele presumiu estar essencialmente encerrada.

Vários dos principais líderes britânicos pareciam ansiosos para declarar a paz nos termos generosos de Hitler e, de acordo com as evidências encontradas pelo renomado historiador britânico David Irving, o próprio primeiro-ministro Winston Churchill parecia disposto a fazê-lo antes de mudar de ideia e recuar. Churchill passou décadas tentando se tornar primeiro-ministro, e Irving argumenta plausivelmente que percebeu que perder uma guerra desastrosa semanas depois de finalmente alcançar essa posição o tornaria motivo de chacota nos livros de história.

Mas dada a derrota militar da Grã-Bretanha no continente e os termos muito generosos que Hitler estava oferecendo, Churchill enfrentou um enorme problema em persuadir seu país a continuar uma guerra que era amplamente considerada perdida. Portanto, ele começou a ordenar uma série de bombardeios contra a capital alemã, um crime de guerra ilegal, na esperança de provocar uma resposta alemã. Isso levou Hitler a alertar repetidamente que, se continuassem a bombardear suas cidades, ele seria forçado a retaliar na mesma moeda, e finalmente o fez. Como o público britânico não sabia que seu próprio governo havia iniciado a campanha de bombardeio urbano, eles consideraram esses ataques aéreos alemães de retaliação como crimes de guerra monstruosos e não provocados e, assim como Churchill esperava, eles se comprometeram totalmente a continuar a guerra contra a Alemanha.

Irving e outros explicam todos esses fatos importantes em seus livros, e uma fascinante palestra de Irving resumindo suas informações ainda está disponível no Bitchute depois de ter sido removido do Youtube.


Link do vídeo

Irving é uma fonte crucial para muitas informações importantes sobre a guerra e, em 2018, expliquei por que os resultados de um notório processo contra Deborah Lipstadt demonstraram que sua pesquisa histórica era extremamente confiável:

Esses zelosos ativistas étnicos iniciaram uma campanha coordenada para pressionar os prestigiosos editores de Irving a abandonar seus livros, ao mesmo tempo em que atrapalhavam suas frequentes turnês internacionais de palestras e até faziam lobby em países para impedi-lo de entrar. Eles mantiveram um ritmo de difamação da mídia, continuamente denegrindo seu nome e suas habilidades de pesquisa, chegando ao ponto de denunciá-lo como um “nazista” e um “amante de Hitler”, assim como havia sido feito da mesma forma no caso do Prof. Wilson.

Essa batalha legal foi certamente um caso de Davi e Golias, com ricos produtores de filmes e executivos corporativos judeus fornecendo um enorme baú de $ 13 milhões para o lado de Lipstadt, permitindo-lhe financiar um verdadeiro exército de 40 pesquisadores e especialistas jurídicos, capitaneados por um dos advogados de divórcio judeus mais bem-sucedidos da Grã-Bretanha. Em contraste, Irving, sendo um historiador pobre, foi forçado a se defender sem o auxílio de um advogado.

Na vida real, ao contrário da fábula, os Golias deste mundo são quase invariavelmente triunfantes, e este caso não foi exceção, com Irving sendo levado à falência pessoal, resultando na perda de sua bela casa no centro de Londres. Mas, visto de uma perspectiva mais longa da história, acho que a vitória de seus algozes foi notavelmente pírrica.

Embora o alvo de seu ódio desencadeado fosse a alegada “negação do Holocausto” de Irving, tanto quanto eu posso dizer, esse tópico em particular estava quase totalmente ausente de todas as dezenas de livros de Irving, e exatamente esse silêncio foi o que provocou seus comentários salpicados de saliva ultraje. Portanto, sem um alvo tão claro, seu corpo ricamente financiado de pesquisadores e verificadores de fatos passou um ano ou mais aparentemente realizando uma revisão linha por linha e nota de rodapé de tudo que Irving já havia publicado, procurando localizar cada erro histórico que poderia colocá-lo em uma má posição profissional. Com dinheiro e mão-de-obra quase ilimitados, eles até utilizaram o processo de descoberta legal para intimar e ler as milhares de páginas em seus diários pessoais encadernados e correspondência, esperando assim encontrar alguma evidência de seus “pensamentos perversos”. Denial, um filme de Hollywood de 2016 co-escrito por Lipstadt, pode fornecer um esboço razoável da sequência de eventos vista de sua perspectiva.

No entanto, apesar de tais enormes recursos financeiros e humanos, eles aparentemente ficaram quase totalmente vazios, pelo menos se o livro triunfalista de Lipstadt de 2005, History on Trial, puder ser creditado. Ao longo de quatro décadas de pesquisa e redação, que produziram inúmeras reivindicações históricas controversas de naturezas mais surpreendentes, eles conseguiram encontrar apenas algumas dezenas de supostos erros de fato ou interpretação, a maioria deles ambíguos ou contestados. E o pior que eles descobriram depois de ler cada página dos muitos metros lineares dos diários pessoais de Irving foi que ele uma vez compôs uma pequena cantiga “racialmente insensível” para sua filha pequena, um item trivial que eles naturalmente alardearam como prova de que ele era um “racista.” Assim, eles aparentemente admitiram que o enorme corpus de textos históricos de Irving era talvez 99,9% preciso.

Acho que esse silêncio do “cachorro que não latiu” ecoa em um volume trovejante. Não tenho conhecimento de nenhum outro estudioso acadêmico em toda a história do mundo que tenha tido todas as décadas de trabalho de uma vida inteira sujeitas a um escrutínio hostil tão minuciosamente exaustivo. E como Irving aparentemente passou no teste com louvor, acho que podemos considerar quase todas as afirmações surpreendentes em todos os seus livros – conforme recapitulado em seus vídeos – como absolutamente precisas.

Questão 3: O expurgo dos intelectuais antiguerra

Na década de 1940, houve um expurgo de intelectuais e especialistas antiguerra semelhante ao expurgo de críticos da política dos EUA nas mídias sociais hoje. Você pode explicar brevemente o que aconteceu, quem foi o alvo e se a primeira emenda deve ser aplicada em tempos de crise nacional?

Ron Unz — Por volta de 2000, iniciei um projeto para digitalizar os arquivos de muitas de nossas principais publicações dos últimos 150 anos e fiquei surpreso ao descobrir que algumas de nossas figuras mais influentes dos anos anteriores à Segunda Guerra Mundial haviam “desaparecido” tão completamente que eu nunca tinha ouvido falar delas. Isso desempenhou um papel importante em minhas crescentes suspeitas de que a narrativa padrão que sempre aceitei era falsa, e mais tarde descrevi a situação usando a analogia das notórias mentiras históricas da antiga União Soviética:

Às vezes, eu me imaginava um pouco como um jovem e sério pesquisador soviético da década de 1970 que começou a vasculhar os arquivos mofados dos arquivos há muito esquecidos do Kremlin e fez algumas descobertas impressionantes. Trotsky aparentemente não era o notório espião e traidor nazista retratado em todos os livros didáticos, mas, em vez disso, havia sido o braço direito do próprio santo Lênin durante os dias gloriosos da grande revolução bolchevique, e por alguns anos depois permaneceu no mais alto escalão das fileiras da elite do Partido. E quem eram essas outras figuras — Zinoviev, Kamenev, Bukharin, Rykov — que também passaram aqueles primeiros anos no topo da hierarquia comunista? Nos cursos de história, tiveram poucas menções, como pequenos agentes capitalistas que rapidamente foram desmascarados e pagaram a traição com a vida. Como pôde o grande Lênin, pai da Revolução, ser tão idiota a ponto de se cercar quase exclusivamente de traidores e espiões?

Mas, ao contrário de seus análogos stalinistas de alguns anos antes, as vítimas americanas que desapareceram por volta de 1940 não foram baleadas nem enviadas para gulags, mas apenas excluídas da grande mídia que define nossa realidade, sendo assim apagadas de nossa memória para que as gerações futuras gradualmente se esquecessem que eles já viveram.

Um exemplo importante de um americano “desaparecido” foi o jornalista John T. Flynn, provavelmente quase desconhecido hoje, mas cuja estatura já foi enorme. Como escrevi no ano passado:

Então, imagine minha surpresa ao descobrir que, ao longo da década de 1930, ele foi uma das vozes progressistas mais influentes da sociedade americana, um escritor de economia e política cujo status pode ter se aproximado mais ou menos do de Paul Krugman, embora com um forte tom de avarento.. Sua coluna semanal no The New Republic permitia que ele servisse como uma estrela guia para as elites progressistas dos Estados Unidos, enquanto suas aparições regulares no Colliers, uma publicação ilustrada de grande circulação semanal que alcançava muitos milhões de americanos, fornecia-lhe uma plataforma comparável à de uma grande personalidade da televisão no posterior apogeu das redes de TV.

Até certo ponto, a proeminência de Flynn pode ser quantificada objetivamente. Alguns anos atrás, mencionei o nome dele para uma progressista engajada e lida nascida na década de 1930, e ela, sem surpresa, ficou totalmente em branco, mas se perguntou se ele poderia ter sido um pouco como Walter Lippmann, o famoso colunista daquela época. Quando verifiquei, vi que entre as centenas de periódicos em meu sistema de arquivamento, havia apenas 23 artigos de Lippmann da década de 1930, mas 489 de Flynn.

Um paralelo americano ainda mais forte com Taylor foi o do historiador Harry Elmer Barnes, uma figura quase desconhecida para mim, mas em sua época um acadêmico de grande influência e estatura:

Imagine meu choque ao descobrir mais tarde que Barnes tinha sido na verdade um dos primeiros colaboradores mais frequentes para o Foreign Affairs, servindo como um crítico de livros para essa venerável publicação desde sua fundação em 1922, enquanto sua estatura como um dos principais acadêmicos progressistas dos EUA era indicada por suas dezenas de aparições em The Nation e The New Republic ao longo daquela década. De fato, ele é creditado por ter desempenhado um papel central na “revisão” da história da Primeira Guerra Mundial, de modo a remover a imagem caricatural da indizível maldade alemã deixada para trás como um legado da propaganda desonesta de guerra produzida pelos governos opositores britânicos e americanos. E sua estatura profissional foi demonstrada por seus trinta e cinco ou mais livros, muitos deles volumes acadêmicos influentes, junto com seus numerosos artigos no The American Historical Review, Political Science Quarterly e outros jornais importantes.

Alguns anos atrás, mencionei Barnes a um eminente acadêmico americano cujo foco geral em ciência política e política externa era bastante semelhante, mas o nome não significava nada para ele. No final da década de 1930, Barnes havia se tornado um dos principais críticos do envolvimento proposto pelos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial e, como consequência, foi permanentemente “desaparecido”, barrado de todos os meios de comunicação tradicionais, enquanto uma grande rede de jornais era fortemente pressionada a rescindir abruptamente sua longa coluna nacional sindicalizada em maio de 1940.

Muitos dos amigos e aliados de Barnes caíram no mesmo expurgo ideológico, que ele descreveu em seus próprios escritos e que continuou após o fim da guerra:

Mais de uma dúzia de anos após seu desaparecimento de nossa mídia nacional, Barnes conseguiu publicar Guerra Perpétua pela Paz Perpétua, uma longa coleção de ensaios de estudiosos e outros especialistas discutindo as circunstâncias que cercam a entrada dos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial, e o imprimiu e distribuiu por uma pequena gráfica em Idaho. Sua própria contribuição foi um ensaio de 30.000 palavras intitulado “Revisionismo e o apagão histórico” e discutiu os tremendos obstáculos enfrentados pelos pensadores dissidentes daquele período.

O próprio livro foi dedicado à memória de seu amigo, o historiador Charles A. Beard. Desde os primeiros anos do século XX, Beard foi classificado como uma figura intelectual da maior estatura e influência, co-fundador da The New School em Nova York e servindo como presidente da American Historical Association e da American Political Science Association.. Como um dos principais defensores das políticas econômicas do New Deal, ele foi extremamente elogiado por suas opiniões.

No entanto, uma vez que ele se voltou contra a política externa belicista de Roosevelt, os editores fecharam as portas para ele, e apenas sua amizade pessoal com o chefe da Yale University Press permitiu que seu volume crítico de 1948, President Roosevelt and the Coming of the War, 1941, aparecesse impresso.. A reputação estelar de Beard parece ter entrado em um rápido declínio daquele ponto em diante, de modo que em 1968 o historiador Richard Hofstadter pudesse escrever: “Hoje a reputação de Beard permanece como uma ruína imponente na paisagem da historiografia americana. O que antes era a casa mais grandiosa da província é agora uma perenidade devastada”. De fato, a outrora dominante “interpretação econômica da história” de Beard pode hoje em dia quase ser descartada como promotora de “perigosas teorias da conspiração”, e suspeito que poucos não-historiadores sequer ouviram falar dele.

Outro grande contribuidor para o volume de Barnes foi William Henry Chamberlin, que por décadas foi classificado entre os principais jornalistas de política externa dos Estados Unidos, com mais de 15 livros em seu crédito, a maioria deles com muitas críticas favoráveis. No entanto, America’s Second Crusade, sua análise crítica de 1950 sobre a entrada dos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial, não conseguiu encontrar uma editora convencional e, quando apareceu, foi amplamente ignorado pelos críticos. Antes de sua publicação, sua assinatura era publicada regularmente em nossas revistas nacionais mais influentes, como The Atlantic Monthly e Harpers. Mas depois disso, seus escritos foram quase inteiramente confinados a boletins e periódicos de pequena circulação, apelando para um público restrito de conservadores ou libertários.

Nessa época de Internet, qualquer pessoa pode facilmente criar um site para publicar suas opiniões, tornando-as imediatamente disponíveis para todos no mundo. Meios de comunicação social como Facebook e Twitter podem trazer material interessante ou controverso à atenção de milhões com apenas alguns cliques do mouse, ignorando completamente a necessidade do apoio de intermediários do establishment. É fácil para nós esquecer o quão extremamente desafiadora era a disseminação de ideias divergentes nos dias de impressão, papel e tinta, e reconhecer que um indivíduo expurgado de sua produção regular pode levar muitos anos para recuperar qualquer ponto de apoio significativo para o distribuição de sua obra.

Escrevi essas últimas palavras em junho de 2018 e, ironicamente, os expurgos de mídia social e o banimento (shadowban) logo engolfaram muitos dissidentes atuais, reduzindo bastante sua capacidade de distribuir suas ideias. Pravda americano: nosso grande expurgo da década de 1940

Questão 4: Alemanha pós-guerra

A maioria dos americanos acredita que o povo alemão foi tratado com humanidade após o fim das hostilidades e que o Plano Marshall ajudou a reconstruir a Europa. Esse é um relato preciso do que realmente aconteceu? (Freda Utley)

 

Ron Unz — Embora há muito esquecida hoje, Freda Utley foi uma jornalista de destaque na metade do século. Nascida inglesa, ela se casou com um comunista judeu e se mudou para a Rússia soviética, depois fugiu para os EUA depois que seu marido caiu em um dos expurgos de Stalin. Embora dificilmente simpatizasse com os nazistas derrotados, ela compartilhava fortemente a visão de Beaty sobre a monstruosa perversão da justiça em Nuremberg e seu relato em primeira mão dos meses passados ​​na Alemanha ocupada é revelador em sua descrição do terrível sofrimento imposto a população civil prostrada mesmo anos após o fim da guerra.

Em 1948, ela passou vários meses viajando pela Alemanha ocupada e, no ano seguinte, publicou suas experiências em The High Cost of Vengeance, que achei revelador. Ao contrário da grande maioria dos outros jornalistas americanos, que geralmente faziam visitas breves e fortemente acompanhadas, Utley na verdade falava alemão e estava bastante familiarizada com o país, tendo-o visitado com frequência durante a Era da Weimar. Considerando que a discussão de Grenfell foi altamente contida e quase acadêmica em seu tom, sua própria escrita foi consideravelmente mais estridente e emocional, o que não surpreende, dado seu encontro direto com um assunto extremamente angustiante. Seu depoimento de testemunha ocular parecia bastante confiável, e as informações factuais que ela forneceu, reforçadas por inúmeras entrevistas e observações anedóticas, foram emocionantes.

Mais de três anos após o fim das hostilidades, Utley se deparou com um terreno ainda quase totalmente arruinado, com grandes parcelas da população obrigadas a buscar abrigo em porões danificados ou dividir quartos minúsculos em prédios destruídos. A população considerava-se “sem direitos”, muitas vezes sujeita a tratamento arbitrário por tropas de ocupação ou outros elementos privilegiados, que se encontravam completamente fora da jurisdição legal da polícia regular local. Os alemães em grande número eram regularmente removidos de suas casas, que eram usadas para alojar as tropas americanas ou outros que os agradavam, uma situação que foi observada com certa indignação nos diários postumamente publicados do general George Patton. Mesmo neste ponto, um soldado estrangeiro ainda pode às vezes apreender qualquer coisa que queira de civis alemães, com consequências potencialmente perigosas se eles protestarem contra o roubo. Utley cita de forma reveladora um ex-soldado alemão que cumpriu funções de ocupação na França e observou que ele e seus camaradas operaram sob a mais rígida disciplina e nunca poderiam ter imaginado se comportar com os civis franceses da maneira que as tropas aliadas atuais tratavam os alemães.

Algumas das alegações citadas de Utley são bastante surpreendentes, mas parecem solidamente baseadas em fontes respeitáveis ​​e totalmente confirmadas em outros lugares. Ao longo dos primeiros três anos de paz, a ração diária de alimentos destinada a toda a população civil da Alemanha era de aproximadamente 1.550 calorias, aproximadamente a mesma fornecida aos prisioneiros dos campos de concentração alemães durante o fim da guerra, e às vezes caía para muito, muito menos. Durante o difícil inverno de 1946-47, toda a população do Ruhr, o coração industrial da Alemanha, recebeu apenas rações de fome de 700 a 800 calorias por dia, e níveis ainda mais baixos às vezes eram atingidos.

Influenciada pela propaganda oficial hostil, a atitude generalizada do pessoal aliado em relação aos alemães comuns foi certamente tão ruim quanto qualquer coisa enfrentada pelos nativos que viviam sob um regime colonial europeu. Vez após vez, Utley observa os notáveis ​​paralelos com o tratamento e a atitude que ela havia visto os ocidentais adotarem em relação aos chineses nativos durante a maior parte da década de 1930, ou que os britânicos expressaram a seus súditos coloniais indianos. Meninos alemães pequenos, descalços, destituídos e famintos, avidamente buscavam bolas em clubes esportivos americanos por uma ninharia. Hoje, às vezes, é questionado se as cidades americanas durante o final do século XIX realmente continham placas com os dizeres “Estamos contratando. Exceto Irlandeses”, mas Utley certamente viu placas com os dizeres “Não são permitidos cães ou alemães” do lado de fora de vários estabelecimentos frequentados por funcionários aliados.

Com base em meus livros didáticos de história padrão, sempre acreditei que existia uma diferença total cotidianamente no comportamento em relação aos civis locais entre as tropas alemãs que ocuparam a França de 1940-44 e as tropas aliadas que ocuparam a Alemanha de 1945 em diante. Depois de ler os relatos detalhados de Utley e outras fontes contemporâneas, acho que minha opinião estava absolutamente correta, mas invertida.

Utley acreditava que parte do motivo dessa situação totalmente desastrosa era a política deliberada do governo americano. Embora o Plano Morgenthau – destinado a eliminar cerca de metade da população da Alemanha – tivesse sido oficialmente abandonado e substituído pelo Plano Marshall, que promovia o renascimento alemão, ela descobriu que muitos aspectos do primeiro ainda prevaleciam na prática. Mesmo em 1948, grandes porções da base industrial alemã continuaram a ser desmanteladas e enviadas para outros países, enquanto restrições muito rígidas à produção e às exportações alemãs permaneciam em vigor. De fato, o nível de pobreza, miséria e opressão que ela viu em todos os lugares quase parecia deliberadamente calculado para colocar os alemães comuns contra os Estados Unidos e seus aliados ocidentais, talvez abrindo a porta para as simpatias comunistas. Tais suspeitas são certamente fortalecidas quando consideramos que esse sistema foi idealizado por Harry Dexter White, mais tarde revelado ser um agente soviético.

Ela foi especialmente contundente sobre a total perversão de quaisquer noções básicas de justiça humana durante o Tribunal de Nuremberg e vários outros julgamentos de crimes de guerra, um assunto ao qual ela dedicou dois capítulos completos. Esses processos judiciais exibiram o pior tipo de duplo padrão legal, com os principais juízes aliados declarando explicitamente que seus próprios países não estavam de forma alguma vinculados às mesmas convenções legais internacionais que alegavam estar aplicando contra os réus alemães. Ainda mais chocantes foram algumas das medidas utilizadas, com juristas e jornalistas americanos indignados revelando que torturas horríveis, ameaças, chantagens e outros meios totalmente ilegítimos eram regularmente empregados para obter confissões ou denúncias de outros, uma situação que fortemente sugeria que um número muito considerável dos condenados e enforcados eram totalmente inocentes.

Seu livro também deu cobertura substancial às expulsões organizadas de alemães étnicos da Silésia, Sudatenland, Prússia Oriental e várias outras partes da Europa Central e Oriental, onde viveram pacificamente por muitos séculos, com o número total de tais expulsos geralmente estimado em 13 a 15 milhões. As famílias às vezes recebiam apenas dez minutos para deixar as casas nas quais residiam há um século ou mais, depois eram forçadas a marchar a pé, às vezes por centenas de quilômetros, em direção a uma terra distante que nunca haviam visto, com suas únicas posses sendo o que eles poderiam carregar em suas próprias mãos. Em alguns casos, quaisquer homens sobreviventes foram separados e enviados para campos de trabalho escravo, produzindo assim um êxodo composto apenas por mulheres, crianças e idosos. Todas as estimativas eram de que pelo menos alguns milhões morreram ao longo do caminho, de fome, doença ou exposição ao tempo.

Hoje em dia, lemos infinitamente discussões dolorosas sobre a notória “Trilha das Lágrimas” sofrida pelos Cherokees no passado distante do início do século XIX, mas esse evento bastante semelhante do século XX foi quase mil vezes maior em tamanho. Apesar dessa enorme discrepância de magnitude e distância muito maior no tempo, eu diria que o primeiro evento pode comandar mil vezes a consciência pública entre os americanos comuns. Se assim for, isso demonstraria que o controle avassalador da mídia pode facilmente mudar a realidade percebida por um fator de um milhão ou mais.

O movimento populacional certamente parece ter representado a maior limpeza étnica da história do mundo, e se a Alemanha já fez algo remotamente semelhante durante seus anos de vitórias e conquistas europeias, as cenas visualmente emocionantes de uma inundação tão enorme de refugiados desesperados e arrastados certamente se tornaria uma peça central de vários filmes da Segunda Guerra Mundial dos últimos setenta anos. Mas como nada disso aconteceu, os roteiristas de Hollywood perderam uma tremenda oportunidade.

O retrato extremamente sombrio de Utley é fortemente corroborado por várias outras fontes. Em 1946, Victor Gollanz, um proeminente editor britânico de origem judaica socialista, fez uma longa visita à Alemanha e publicou In Darkest Germany no ano seguinte, relatando seu enorme horror pelas condições que descobriu lá. Suas alegações sobre a terrível desnutrição, doença e miséria total foram apoiadas por mais de cem fotografias arrepiantes, e a introdução à edição americana foi escrita pelo presidente da Universidade de Chicago, Robert M. Hutchins, um de nossos intelectuais públicos mais respeitáveis ​​da época. Mas seu pequeno volume parece ter atraído relativamente pouca atenção na grande mídia americana, embora seu livro um tanto semelhante, Our Threatened Values​​, publicado no ano anterior e baseado em informações de fontes oficiais, tenha recebido um pouco mais. Colheita horrível de Ralph Franklin Keeling, também publicado em 1947, reúne um grande número de declarações oficiais e relatórios dos principais meios de comunicação, que geralmente apoiam exatamente essa mesma imagem dos primeiros anos da Alemanha sob ocupação aliada.

Durante as décadas de 1970 e 1980, esse tema angustiante foi abordado por Alfred M. de Zayas, que se formou em Direito em Harvard e fez doutorado em história, e teve uma longa e ilustre carreira como um importante advogado internacional de direitos humanos por muito tempo afiliado às Nações Unidas. Seus livros, como Nemesis at Potsdam, A Terrible Revenge, e The Wehrmacht War Crimes Bureau, 1939-1945 focaram especialmente na limpeza étnica maciça das minorias alemãs, e foram baseados em grandes quantidades de pesquisa de arquivo. Eles receberam elogios acadêmicos consideráveis ​​e notícias em jornais acadêmicos importantes e venderam centenas de milhares de cópias na Alemanha e em outras partes da Europa, mas dificilmente parecem ter penetrado na consciência dos EUA ou do resto do mundo de língua inglesa.

No final da década de 1980, esse debate histórico latente tomou um novo rumo notável. Ao visitar a França em 1986 em preparação para um livro não relacionado, um escritor canadense chamado James Bacque tropeçou em pistas sugerindo que um dos segredos mais terríveis da Alemanha do pós-guerra havia permanecido completamente oculto, e ele logo embarcou em uma extensa pesquisa sobre o assunto, finalmente publicando Other Losses em 1989. Com base em evidências consideráveis, incluindo registros do governo, entrevistas pessoais e testemunhos oculares gravados, ele argumentou que após o fim da guerra, os americanos mataram de fome até um milhão de prisioneiros de guerra alemães, aparentemente como um ato deliberado de política, um crime de guerra que certamente estaria entre os maiores da história. (Leia aqui o livro The High Cost of Vengeance)

A discussão de Bacque sobre as novas evidências dos arquivos do Kremlin constitui uma parte relativamente pequena de sua sequência de 1997, Crimes and Mercies, que se centrou em uma análise ainda mais explosiva e também se tornou um best-seller internacional.

Conforme descrito acima, observadores em primeira mão da Alemanha do pós-guerra em 1947 e 1948, como Gollanz e Utley, relataram diretamente as condições horríveis que descobriram e afirmaram que, durante anos, as rações alimentares oficiais para toda a população foram comparáveis ​​às dos prisioneiros dos campos de concentração nazistas e às vezes muito mais baixas, levando à desnutrição e doenças generalizadas que testemunharam ao seu redor. Eles também observaram a destruição da maior parte do estoque de moradias da Alemanha antes da guerra e a severa superlotação produzida pelo influxo de tantos milhões de lamentáveis ​​refugiados étnicos alemães expulsos de outras partes da Europa Central e Oriental. Mas esses visitantes não tinham acesso a estatísticas populacionais sólidas e só podiam especular sobre o enorme número de mortes humanas que a fome e as doenças já haviam infligido e que certamente continuariam se as políticas não fossem mudadas rapidamente.

Anos de pesquisa de arquivo por Bacque tentam responder a essa pergunta, e a conclusão que ele fornece certamente não é agradável. Tanto o governo militar aliado quanto as autoridades civis alemãs posteriores parecem ter feito um esforço concentrado para esconder ou obscurecer a verdadeira escala da calamidade que atingiu os civis alemães durante os anos de 1945-1950, e as estatísticas oficiais de mortalidade encontradas nos relatórios do governo são simplesmente fantasiosos demais para serem corretos, embora tenham se tornado a base para as histórias subsequentes daquele período. Bacque observa que esses números sugerem que a taxa de mortalidade durante as terríveis condições de 1947, há muito lembradas como o “Ano da Fome” (Hungerjahr) e vividamente descrita no relato de Gollancz, era na verdade menor do que a da próspera Alemanha do final dos anos 1960. Além disso, relatórios privados de autoridades americanas, taxas de mortalidade de localidades individuais e outras fortes evidências demonstram que esses números agregados há muito aceitos eram essencialmente fictícios.

Em vez disso, Bacque tenta fornecer estimativas mais realistas com base no exame dos totais populacionais dos vários censos alemães, juntamente com o influxo registrado do grande número de refugiados alemães. Aplicando essa análise simples, ele apresenta um caso razoavelmente forte de que o excesso de mortes alemãs durante esse período totalizou pelo menos cerca de 10 milhões e possivelmente muitos milhões a mais. Além disso, ele fornece evidências substanciais de que a fome foi deliberada ou pelo menos enormemente agravada pela resistência do governo americano aos esforços de ajuda alimentar do exterior. Talvez esses números não devessem ser tão surpreendentes, dado que o Plano Morgenthau oficial previa a eliminação de cerca de 20 milhões de alemães e, como demonstra Bacque, os principais líderes americanos concordaram discretamente em continuar essa política na prática, mesmo que a renunciassem em teoria.

Supondo que esses números estejam remotamente corretos, as implicações são bastante notáveis. O número de vítimas da catástrofe humana experimentada na Alemanha do pós-guerra certamente estaria entre os maiores da história moderna em tempos de paz, excedendo em muito as mortes ocorridas durante a fome ucraniana do início dos anos 1930 e possivelmente até se aproximando das perdas totalmente involuntárias durante o Grande Salto Adiante de Mao de 1959-61. Além disso, as perdas alemãs do pós-guerra superariam amplamente qualquer um desses outros eventos infelizes em termos percentuais e isso permaneceria verdadeiro mesmo se as estimativas de Bacque fossem consideravelmente reduzidas. No entanto, duvido que mesmo uma pequena fração de um por cento dos americanos esteja hoje ciente dessa enorme calamidade humana. Presumivelmente, as memórias são muito mais fortes na própria Alemanha, mas, dada a crescente repressão legal a pontos de vista discordantes naquele infeliz país, suspeito que qualquer um que discuta o assunto muito energicamente corra o risco de prisão imediata.

Em grande medida, essa ignorância histórica foi fortemente fomentada por nossos governos, muitas vezes usando meios dissimulados ou mesmo nefastos. Assim como na antiga URSS decadente, grande parte da atual legitimidade política do governo americano de hoje e seus vários estados vassalos europeus é fundada em uma história narrativa particular da Segunda Guerra Mundial, e desafiar essa narrativa pode ter consequências políticas terríveis. Bacque relata com credibilidade alguns dos aparentes esforços para dissuadir qualquer grande jornal ou revista de publicar artigos discutindo as descobertas surpreendentes de seu primeiro livro, impondo assim um “apagão” destinado a minimizar absolutamente qualquer cobertura da mídia. Tais medidas parecem ter sido bastante eficazes, pois até oito ou nove anos atrás, não tenho certeza de ter ouvido uma palavra dessas ideias chocantes e certamente nunca as vi discutidas seriamente em nenhum dos numerosos jornais ou revistas que li cuidadosamente nas últimas três décadas.

Ao avaliar os fatores políticos que aparentemente produziram um número tão enorme e aparentemente deliberado de mortes entre os civis alemães muito depois do fim dos combates, um ponto importante deve ser feito. Os historiadores que procuram demonstrar a tremenda maldade de Hitler ou sugerir seu conhecimento de vários crimes cometidos durante a Segunda Guerra Mundial são regularmente forçados a vasculhar dezenas de milhares de suas palavras impressas em busca de uma frase sugestiva aqui e ali, e então interpretar essas vagas alusões como declarações declarativas absolutamente conclusivas. Aqueles que não conseguem esticar as palavras para caber nanarrativa, como o renomado historiador britânico David Irving , às vezes verão suas carreiras destruídas como consequência.

Mas já em 1940, um judeu americano chamado Theodore Kaufman ficou tão furioso com o que considerava os maus-tratos de Hitler aos judeus alemães que publicou um pequeno livro intitulado Germany Must Perish!, no qual propunha explicitamente o extermínio total do povo alemão. E esse livro aparentemente recebeu uma discussão favorável, se talvez não totalmente séria, em muitos de nossos meios de comunicação de maior prestígio, incluindo o New York Times, o Washington Post e a Time Magazine. Se tais sentimentos estivessem sendo expressos livremente em certos lugares mesmo antes da entrada real dos EUA no conflito militar, então talvez as políticas há muito escondidas que Bacque parece ter descoberto não devessem ser tão totalmente chocantes para nós.

Questão 5: O ataque a Pearl Harbor

O ataque do Japão a Pearl Harbor foi inesperado ou foi precedido por inúmeras provocações dos EUA que obrigaram o Japão a responder militarmente?

Ron Unz — Em 7 de dezembro de 1941, as forças militares do Japão lançaram um ataque surpresa contra nossa Frota do Pacífico baseada em Pearl Harbor, afundando muitos de nossos maiores navios de guerra e matando mais de 2.400 americanos. Como resultado, os EUA foi repentinamente lançado na Segunda Guerra Mundial e aquela data “viveu na infâmia” como uma das mais famosas de nossa história nacional.

Na época, quase todos os americanos comuns consideravam o ataque japonês como um choque inesperado e não provocado, e por mais de 80 anos, nossos livros de história convencionais e a cobertura da mídia reforçaram essa forte impressão. Mas, como expliquei em 2019, os fatos reais são totalmente diferentes:

De 1940 em diante, FDR vinha fazendo um grande esforço político para envolver diretamente os Estados Unidos na guerra contra a Alemanha, mas a opinião pública estava esmagadoramente contra, com pesquisas mostrando que até 80% da população se opunha. Tudo isso mudou imediatamente quando as bombas japonesas caíram no Havaí e, de repente, o país estava em guerra.

Dados esses fatos, havia suspeitas naturais de que Roosevelt havia deliberadamente provocado o ataque por suas decisões executivas de congelar os ativos japoneses, embargar todas as remessas de suprimentos vitais de óleo combustível e rejeitar os repetidos pedidos dos líderes de Tóquio para negociações. No volume de 1953 editado por Barnes, o notável historiador diplomático Charles Tansill resumiu seu caso muito forte de que FDR procurou usar um ataque japonês como sua melhor “porta dos fundos para a guerra” contra a Alemanha, um argumento que ele havia feito no ano anterior em um livro de mesmo nome. Ao longo das décadas, as informações contidas em diários privados e documentos do governo parecem ter estabelecido quase conclusivamente essa interpretação, com o secretário da Guerra Henry Stimson indicando que o plano era “manobrar [o Japão] para disparar o primeiro tiro”…

Em 1941, os Estados Unidos haviam quebrado todos os códigos diplomáticos japoneses e liam livremente suas comunicações secretas. Portanto, também existe há muito tempo a crença generalizada, embora contestada, de que o presidente estava bem ciente do ataque japonês planejado à nossa frota e deliberadamente deixou de alertar seus comandantes locais, garantindo assim que as pesadas perdas americanas resultantes produziriam uma nação vingativa unida por guerra. Tansill e um ex-pesquisador-chefe do comitê de investigação do Congresso defenderam esse caso no mesmo volume de Barnes de 1953 e, no ano seguinte, um ex-almirante dos Estados Unidos publicou The Final Secret of Pearl Harbor, fornecendo argumentos semelhantes em maior extensão. Este livro também incluiu uma introdução de um dos comandantes navais de mais alto escalão dos EUA na Segunda Guerra Mundial, que endossou totalmente a controversa teoria.

Em 2000, o jornalista Robert M. Stinnett publicou uma riqueza de provas adicionais de apoio, com base em seus oito anos de pesquisa de arquivo, que foi discutido em um artigo recente. Um ponto revelador feito por Stinnett é que se Washington tivesse avisado os comandantes de Pearl Harbor, seus preparativos defensivos resultantes teriam sido notados pelos espiões japoneses locais e retransmitidos para a força-tarefa que se aproximava; e com o elemento surpresa perdido, o ataque provavelmente teria sido abortado, frustrando assim todos os planos de longa data de FDR para entrar na guerra. Embora vários detalhes possam ser contestados, considero a evidência da presciência de Roosevelt bastante convincente.

No ano passado, estendi ainda mais esses argumentos:

Esta reconstrução histórica é fortemente apoiada por muito material adicional. Durante esse período, o professor Revilo P. Oliver ocupou um cargo sênior na Inteligência Militar e, quando publicou suas memórias quatro décadas depois, afirmou que FDR havia deliberadamente enganado os japoneses para que atacassem Pearl Harbor. Sabendo que o Japão havia quebrado os códigos diplomáticos de Portugal, FDR informou o embaixador deste último país de seus planos de esperar até que os japoneses se estendessem demais, para então ordenar que a Frota do Pacífico lançasse um devastador ataque surpresa contra suas ilhas natais. De acordo com Oliver, os telegramas diplomáticos subsequentes do Japão revelaram que eles foram convencidos com sucesso de que FDR planejava atacá-los repentinamente.

De fato, apenas alguns meses antes de Pearl Harbor, Argosy Weekly, uma das revistas mais populares dos EUA, publicou uma história de capa fictícia descrevendo exatamente um ataque surpresa devastador a Tóquio em retaliação a um incidente naval, com os poderosos bombardeiros de nossa Frota do Pacífico. infligindo enormes danos à capital japonesa despreparada. Eu me pergunto se o governo Roosevelt não ajudou a publicar essa história.

Já em maio de 1940, FDR ordenou que a Frota do Pacífico fosse realocada de seu porto de San Diego para Pearl Harbor, no Havaí, uma decisão fortemente contestada como desnecessariamente provocativa e perigosa por James Richardson, seu almirante comandante, que foi demitido como resultado. Além disso:

Houve também um incidente doméstico muito estranho que se seguiu imediatamente ao ataque a Pearl Harbor, que parece ter atraído muito pouco interesse. Naquela época, os filmes eram a mídia popular mais poderosa e, embora os gentios constituíssem 97% da população, eles controlavam apenas um dos principais estúdios; talvez por coincidência, Walt Disney também era a única figura de alto escalão de Hollywood situada diretamente no campo anti-guerra. E no dia seguinte ao ataque surpresa japonês, centenas de soldados americanos assumiram o controle dos estúdios Disney, supostamente para ajudar a defender a Califórnia das forças japonesas localizadas a milhares de quilômetros de distância, com a ocupação militar continuando pelos próximos oito meses. Considere o que mentes suspeitas poderiam ter pensado se, em 12 de setembro de 2001, o presidente Bush tivesse imediatamente ordenado a seus militares que tomassem os escritórios da rede CBS, alegando que tal medida era necessária para ajudar a proteger a cidade de Nova York contra novos ataques islâmicos.

Pearl Harbor foi bombardeado em um domingo e, a menos que FDR e seus principais assessores estivessem totalmente cientes do ataque japonês iminente, eles certamente estariam totalmente preocupados com as consequências do desastre. Parece altamente improvável que os militares dos EUA estivessem prontos para assumir o controle dos estúdios da Disney na manhã de segunda-feira após um ataque “surpresa” real.

Questão 6: Operação Pike

A Inglaterra e a França planejaram atacar a Rússia antes da invasão de Hitler naquele país?

Ron Unz – Por mais de oitenta anos, um dos pontos de virada mais cruciais da Segunda Guerra Mundial foi omitido de quase todas as histórias ocidentais escritas sobre esse conflito e, como resultado, praticamente nenhum americano educado está ciente disso.

É um fato inegável e documentado que apenas alguns meses após o início da guerra, os aliados ocidentais – Grã-Bretanha e França – decidiram atacar a neutra União Soviética, que eles consideravam militarmente fraca e um fornecedor crucial de recursos naturais para a máquina de guerra de Hitler. Com base em sua experiência na Primeira Guerra Mundial, a liderança aliada acreditava que havia poucas chances de qualquer avanço militar na frente ocidental, então eles sentiram que sua melhor chance de superar a Alemanha era derrotar o quase-aliado soviético da Alemanha.

No entanto, a realidade era totalmente diferente. A URSS era muito mais forte do que eles imaginavam na época e foi responsável pela destruição de 80% das formações militares da Alemanha, com os Estados Unidos e os outros Aliados respondendo apenas pelos 20% restantes. Portanto, um ataque dos Aliados em 1940 aos soviéticos os teria trazido diretamente para a guerra como aliados militares completos de Hitler, e a combinação da força industrial da Alemanha e dos recursos naturais da Rússia teria sido quase invencível, quase certamente revertendo o resultado da guerra.

Desde os primeiros dias da Revolução Bolchevique, os Aliados foram intensamente hostis à União Soviética e tornaram-se ainda mais hostis depois que Stalin atacou a Finlândia no final de 1939. Aquela Guerra de Inverno foi ruim, pois os finlandeses em desvantagem numérica resistiram com muita eficácia às forças soviéticas, levando à um plano aliado para enviar várias divisões para lutar ao lado dos finlandeses. De acordo com o livro inovador de 2021 de Sean McMeekin, Stalin’s War, o ditador soviético tomou conhecimento dessa perigosa ameaça militar e suas preocupações com a iminente intervenção dos Aliados o persuadiram a resolver rapidamente a guerra com a Finlândia em termos relativamente generosos.

Apesar disso, os planos dos Aliados para atacar a URSS continuaram, agora mudando para a Operação Pike, a ideia de usar seus esquadrões de bombardeiros baseados na Síria e no Iraque para destruir os campos petrolíferos de Baku no Cáucaso soviético, ao mesmo tempo em que tentavam alistar a Turquia e o Irã em seu ataque planejado contra Stalin. Nessa data, a agricultura soviética havia se tornado fortemente mecanizada e dependente do petróleo, e os estrategistas aliados acreditavam que a destruição bem-sucedida dos campos petrolíferos soviéticos eliminaria grande parte do suprimento de combustível daquele país, possivelmente produzindo uma fome que poderia derrubar o desagradável regime comunista.

No entanto, praticamente todas essas suposições dos Aliados estavam completamente incorretas. Apenas uma pequena fração do petróleo da Alemanha vinha dos soviéticos, portanto sua eliminação teria pouco impacto sobre o esforço de guerra alemão. Como os eventos subsequentes logo provaram, a URSS era extremamente forte em termos militares, em vez de fraca. Os Aliados acreditavam que apenas algumas semanas de ataques de dezenas de bombardeiros existentes devastariam totalmente os campos de petróleo, mas mais tarde na guerra ataques aéreos muito maiores tiveram apenas um impacto limitado sobre a produção de petróleo em outros lugares.

Bem-sucedido ou não, o planejado ataque dos Aliados contra a URSS teria representado a maior ofensiva de bombardeio estratégico da história mundial até aquela data, e havia sido agendado e reprogramado durante os primeiros meses de 1940, só finalmente abandonado depois que os exércitos alemães cruzaram a fronteira francesa, cercaram e derrotaram as forças terrestres aliadas e tiraram a França da guerra.

Os alemães vitoriosos tiveram a sorte de capturar todos os documentos secretos sobre a Operação Pike e conseguiram um grande golpe de propaganda ao publicá-los em fac-símile e tradução, de modo que todos os indivíduos informados logo soubessem que os Aliados estavam prestes a atacar os soviéticos. Esse fato ausente ajuda a explicar por que Stalin permaneceu tão desconfiado dos esforços diplomáticos de Churchill antes da Barbarossa, o ataque de Hitler a URSS, um ano depois.

No entanto, por mais de três gerações, a notável história de como os Aliados chegaram tão perto de perder a guerra atacando a URSS foi totalmente excluída de praticamente todas as histórias ocidentais. Portanto, quando descobri esses fatos nas memórias de 1952 de Sisley Huddleston, um importante jornalista anglo-francês, inicialmente presumi que ele devia estar delirando:

A noção de que os Aliados estavam se preparando para lançar uma grande ofensiva de bombardeio contra a União Soviética apenas alguns meses após a eclosão da Segunda Guerra Mundial era obviamente absurda, uma noção tão ridícula que nem um indício desse boato há muito desmascarado jamais havia entrado em cena nos textos de história padrão que li sobre o conflito europeu. Mas o fato de Huddleston ainda se apegar a tais crenças sem sentido, mesmo vários anos após o fim da guerra, levantou grandes questões sobre sua credulidade ou mesmo sua sanidade. Eu me perguntei se poderia confiar em uma única palavra que ele dissesse sobre qualquer outra coisa.

No entanto, não muito tempo depois, encontrei uma grande surpresa em um artigo de 2017 publicado no The National Interest, um periódico eminentemente respeitável. O pequeno artigo trazia a manchete descritiva “Nos primeiros dias da Segunda Guerra Mundial, a Grã-Bretanha e a França planejaram bombardear a Rússia”. O conteúdo me deixou absolutamente pasmo, e com a credibilidade de Huddleston agora totalmente estabelecida – e a credibilidade de meus livros de história padrão igualmente demolida – fui em frente e baseei-me substancialmente em seu relato para meu longo artigo Pravda americano: como Hitler salvou os aliados.

Se todos os nossos livros de história da Segunda Guerra Mundial podem excluir uma história totalmente documentada de enorme importância, eles obviamente não podem ser confiáveis ​​sobre qualquer outra coisa.

 

Questão 7: Nossa compreensão da guerra

Na página 202, você fez a seguinte declaração que ajuda a enfatizar a grande importância da precisão histórica:

“Também devemos reconhecer que muitas das ideias fundamentais que dominam nosso mundo atual foram baseadas em uma compreensão particular da história do tempo de guerra e, se parece haver boas razões para acreditar que a narrativa é substancialmente falsa, talvez devêssemos começar a questionar a estrutura. de crenças erguidas sobre ela”.

Esta é uma declaração instigante que me faz pensar se os últimos 80 anos de intervenções sangrentas dos EUA podem ser atribuídos ao nosso “entendimento particular” da Segunda Guerra Mundial. Parece-me que nossos líderes usaram esse mito idealizado da “Boa Guerra” na qual o “excepcional” povo americano luta contra o mal do fascismo”, para promover sua agenda incitadora de guerras e justificar sua busca incansável pela hegemonia global.

Na sua opinião, qual é o maior perigo de erigir uma “estrutura de crenças” sobre uma falsa compreensão da história?

Ron Unz A imagem construída por Hollywood de nosso grande triunfo global na heroica guerra contra Hitler e a Alemanha nazista inspirou um legado de colossal arrogância americana, levando-nos agora a um confronto enormemente imprudente com a Rússia sobre a Ucrânia e com a China sobre Taiwan, o tipo de arrogância geopolítica que muitas vezes leva ao nêmesis, talvez até mesmo nêmesis de forma extrema, dados os arsenais nucleares desses estados rivais. Como escrevi logo após a eclosão da Guerra da Ucrânia:

Durante anos, o eminente estudioso da Rússia, Stephen Cohen, classificou o presidente Vladimir Putin, da República Russa, como o líder mundial mais importante do início do século XXI. Ele elogiou o enorme sucesso do homem em reviver seu país após o caos e a miséria dos anos de Yeltsin e enfatizou seu desejo de relações amistosas com os EUA, mas temia cada vez mais que estivéssemos entrando em uma nova Guerra Fria, ainda mais perigosa que a anterior.

Já em 2017, o falecido Prof. Cohen argumentou que nenhum líder estrangeiro havia sido tão difamado na história americana recente quanto Putin, e a invasão russa da Ucrânia há duas semanas aumentou exponencialmente a intensidade de tais denúncias da mídia, quase igualando a histeria que nosso país vivenciou duas décadas atrás, após o ataque de 11 de setembro na cidade de Nova York. Larry Romanoff forneceu um catálogo útil de alguns exemplos.

Até recentemente, essa demonização extrema de Putin era amplamente confinada a democratas e centristas, cuja bizarra narrativa do Russiagate o acusava de instalar Donald Trump na Casa Branca. Mas a reação agora se tornou inteiramente bipartidária, com o entusiasta de Trump Sean Hannity recentemente usando seu programa no horário nobre da FoxNews para pedir a morte de Putin, um grito logo acompanhado pelo senador Lindsey Graham, o republicano no Comitê Judiciário do Senado. Essas são ameaças surpreendentes a serem feitas contra um homem cujo arsenal nuclear poderia aniquilar rapidamente a maior parte da população americana, e a retórica parece sem precedentes em nossa história do pós-guerra. Mesmo nos dias mais sombrios da Guerra Fria, não me lembro de tais sentimentos públicos terem sido direcionados à URSS ou à sua principal liderança comunista.

Em muitos aspectos, a reação ocidental ao ataque da Rússia esteve mais próxima de uma declaração de guerra do que meramente de um retorno ao confronto da Guerra Fria. As enormes reservas estrangeiras da Rússia mantidas no exterior foram apreendidas e congeladas, suas companhias aéreas civis excluídas dos céus ocidentais e seus principais bancos desconectados das redes financeiras globais. Cidadãos russos ricos tiveram suas propriedades confiscadas, a seleção nacional de futebol foi banida da Copa do Mundo e o maestro russo de longa data da Filarmônica de Munique foi demitido por se recusar a denunciar seu próprio país…

De fato, o paralelo mais próximo que vem à mente seria a hostilidade americana dirigida contra Adolf Hitler e a Alemanha nazista após a eclosão da Segunda Guerra Mundial, conforme indicado pelas comparações generalizadas entre a invasão da Ucrânia por Putin e o ataque de Hitler à Polônia em 1939. Uma simples pesquisa no Google por “Putin e Hitler” retorna dezenas de milhões de páginas da web, com os principais resultados variando da manchete de um artigo do Washington Post aos Tweets da estrela da música pop Stevie Nicks. Já em 2014, Andrew Anglin, do Daily Stormer, documentou o meme emergente “Putin é o novo Hitler”.

Continuei discutindo as implicações extremamente perigosas de nossa política histérica anti-Rússia.

E como escrevi em 2019, minha própria avaliação da história real é consideravelmente diferente:

Na esteira dos ataques de 11 de setembro, os neoconservadores judeus levaram os EUA à desastrosa Guerra do Iraque e à consequente destruição do Oriente Médio, com os comentaristas em nossos aparelhos de televisão afirmando incessantemente que “Saddam Hussein é outro Hitler”. Desde então, ouvimos regularmente o mesmo slogan repetido em várias versões modificadas, sendo dito que “Muammar Gaddafi é outro Hitler” ou “Mahmoud Ahmadinejad é outro Hitler” ou “Vladimir Putin é outro Hitler” ou mesmo “Hugo Chávez é outro Hitler”. Nos últimos dois anos, nossa mídia americana tem sido incansavelmente preenchida com a alegação de que “Donald Trump é outro Hitler”.

Durante o início dos anos 2000, obviamente reconheci que o governante do Iraque era um tirano severo, mas ri da absurda propaganda da mídia, sabendo perfeitamente bem que Saddam Hussein não era nenhum Adolf Hitler. Mas com o crescimento constante da Internet e a disponibilidade de milhões de páginas de periódicos fornecidas pelo meu projeto de digitalização, fiquei bastante surpreso ao descobrir gradualmente que Adolf Hitler não era Adolf Hitler.

Pode não ser totalmente correto afirmar que a história da Segunda Guerra Mundial foi que Franklin Roosevelt procurou escapar de suas dificuldades domésticas orquestrando uma grande guerra europeia contra a próspera e pacífica Alemanha nazista de Adolf Hitler. Mas acho que essa imagem provavelmente está um pouco mais próxima da realidade histórica real do que a imagem invertida mais comumente encontrada em nossos livros didáticos.

 

 

Artigo original aqui

Artigo anteriorFatos desconcertantes sobre a Segunda Guerra Mundial
Próximo artigoRebelião sim, retroceder jamais
Ron Unz
é um físico teórico por formação, com graduação e pós-graduação pela Harvard University, Cambridge University e Stanford University. No final dos anos 1980, entrou na indústria de software de serviços financeiros e logo fundou a Wall Street Analytics, Inc., uma empresa pequena, mas bem-sucedida nesse campo. Alguns anos depois, envolveu-se fortemente na política e na redação de políticas públicas e, posteriormente, oscilou entre atividades de software e políticas públicas. Também atuou como editor da The American Conservative , uma pequena revista de opinião, de 2006 a 2013.

7 COMENTÁRIOS

  1. Considerando que os burocratas do estado brasileiro são tão eficientes para nos proteger dos neonazistas, eu não ficaria surpreso que este artigo pudesse ser considerado uma provocação revisionista….

    A poucas quadras de onde eu moro era a sede de uma editora chamada “Revisão”, que publicava livros de história considerados racistas. É curioso que no início dos anos 90 essa editora vendia seus livros na praça pública, em uma famosa feira é a turma dos “fascistas não passarão” fazia protesto. Mas para comprovar que essa gente é um bando de sojado, bastava um único muçulmano carregando um cartaz de apoio a editora para botar essa turba de perfidos para correr…

    Mas somente esse ano eu descobri que toda a legislação anti-semita brasileira foi inspirada para punir essa editora, provavelmente o único caso no Brasil de uma legislação personalista…

  2. Na boa, esse texto nao sobre a segunda guerra mundial e sobre os supostos fatos ocultados pela midia, governo não vai levar a lugar nenhum. Fica cavoucando o passado sobre a segunda guerra mundial, não vai levar a nada. É fato que mídia manipula as pessoas, calando jornalistas que são contra o mainstream, mas a segunda guerra é pagina virada. Hilter e os nazistas teve oque mereceram, o povo alemão pararam o preço por ter apoiado um ditador, sim sofreram tbm com crimes de guerra dos ”aliados”…Enfim, debate sobre segunda guerra nao vai levar a lugar nenhum, eles ganharam essa narrativa, oque importa é o presente e não devemos eles ganharem a narrativa. Ficar preso ao passado nao vai trazer ngm para o lado de verdade e liberdade…. Poderiam ter resumido o texto…