Posfácio

0
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

Eu pretendia terminar este livro discutindo o impacto da blockchain na violência física, nos crimes de violência. Eu não posso. Não acho que haja impacto. Não sei como a blockchain poderia impedir estupros em becos, por exemplo. Eu poderia falar sobre colocar o trabalho sexual em um registro financeiro aberto, mas isso seria um chá fraco, e pareceria uma evasão. Este é um livro de teoria original, que explora o que nunca foi dito antes sobre criptomoedas. Nem sempre sei para onde as ideias estão me levando, mas o impacto na violência física não é um desses destinos.

E é por isso que estou, agora mesmo, escrevendo o posfácio do meu livro.

Minha jornada pelas criptomoedas começou em uma cozinha no Chile. Fui a palestrante de destaque em uma conferência, que também apresentou um painel de três outros especialistas em Bitcoin. Meu marido e eu decidimos alugar uma casa pelo AirBnb porque queríamos estender aqueles dois dias em duas semanas de saltos pelo país, o que foi mágico. A casa em que acabamos, no entanto, foi equipada para casamentos. Tradução: Havia cerca de trinta camas amontoadas em aproximadamente vinte quartos, que eram ligados por pisos feitos de compensado rachado, abaixo dos quais havia um desnível de dois andares. Não era uma casa; era uma aventura … com um banheiro funcionando. Eu prefiro chamá-la de exótica.

A conferência abrigou os palestrantes e atendentes em um complexo remoto, que rapidamente se encheu. Os organizadores nos pediram para receber os especialistas em Bitcoin. Nós concordamos com prazer. Eram sujeitos agradáveis e apresentáveis – embora homens que falavam de assuntos que não faziam sentido para mim. Felizmente, meu marido desenvolve hardware e software para sistemas embarcados, então estou acostumada a nem sempre entender as coisas.

E então houve a manhã depois que eles chegaram. Um sujeito dormiu até tarde. Um insistiu em preparar o café da manhã; não pretendo caluniá-lo, porque ele era muito agradável e tentava ser um bom hóspede. Mas as pessoas não cozinham perto de mim. Eu cozinho; você come; nos damos bem. Ele cozinhou…

Então, eu estava de mau humor quando olhei do outro lado da mesa do café da manhã para os olhos negros como carvão de Michael Goldstein, que mais tarde descobri ser fundador do Instituto Satoshi. Um jovem notável. Michael é apelidado de Bitstein por quem tem carinho por ele… e, sendo sincera, tudo que você precisa fazer é conhecê-lo para que isso aconteça. Quando olhei em seus olhos, tive uma sensação familiar, porque tenho espelhos no meu próprio banheiro. “Ele é um fanático”, concluí. Acontece que gosto de fanáticos, dependendo do tópico em discussão, é claro. E eu não tinha nada contra as criptomoedas, que começaram a me interessar porque as pessoas que eu admirava as levavam muito a sério.

Com um olhar inabalável, Bitstein me disse que a blockchain era um registro financeiro aberto que daria luz à anarquia. Ok. Eu imediatamente entendi o poder da cripto para contornar o sistema bancário central… se fosse amplamente adotado; se não fosse proibido, se, Mas por que anarquia?

Todas as minhas ressalvas eram políticas e totalmente diferentes das de meu marido, que se juntou a nós depois de cerca de quinze minutos. Brad esperou até que Michael respirasse fundo e então disse uma palavra: “escalabilidade”. Foi a primeira vez que Michael tropeçou. Ele disse: “estamos trabalhando nisso”. Eu vi Brad perder algum interesse.

Mas eu não. Eu não sabia o que escalabilidade significava nesse contexto, exceto no senso comum. Mas eu não me importei porque a palavra “anarquia” tinha sido pronunciada, e isso eu sabia. Michael parecia mais do que feliz em abandonar a escalabilidade para a política, e eu investiguei por que ele achava que o alvorecer da liberdade havia chegado como uma cavalaria em um algoritmo.

Michael respondeu, e não me convenceu, mas me instigou a ler. Assim como meu velho amigo Jeff Tucker. Assim como o incrível Stephan Kinsella. Outras pessoas tentaram aumentar minha consciência também. Mihai Alisie, da Bitcoin Magazine, me pediu para escrever para ele sobre o anarquismo, por exemplo. Acho que não agradeci adequadamente a ele por ter tanta confiança em mim. E naquele ponto, sua confiança provavelmente era infundada. Enviei um artigo para a Bitcoin Magazine, que estava longe de ser o meu melhor trabalho. Isso atraiu uma resposta melhor do que eu merecia: eles estavam dispostos a “trabalhar comigo”. Agradeci ao editor e recuei com a desculpa absolutamente genuína de que não sabia se tinha algo original para contribuir para a discussão. Eu não tinha nada de novo para dizer. Eu ainda não tinha entendido as arestas duras e frias da teoria cripto e não entendia seu poder. O que significava que eu ainda não tinha demarcado a única área onde eu poderia e posso contribuir com algo original: a integração do criptoanarquismo com a rica história da teoria anarquista-libertária que se estende por séculos.

À medida que lia mais, fiquei envergonhada de mim mesma. Criptoanarquismo: o desenvolvimento político mais importante da minha vida ocorreu sem que eu percebesse, o que é imperdoável. Eu havia gastado meu tempo com o libertarianismo “oficial” – institutos orientados por doações e definidos por doações, universidades financiadas por impostos, revistas acadêmicas. Quando foi que a liberdade chegou embalada em dólares de impostos, prêmios e homenagens entregues em jantares beneficentes? A liberdade é uma luta de rua. O criptoanarquismo tomou as ruas sem que eu percebesse. Mas agora eu o vejo.

Roger Ver. Nosso primeiro contato foi um e-mail que ele enviou do nada. O e-mail de Roger me conquistou de primeira, porque ele usou a palavra “voluntarismo”. Em 1982, fui uma das três pessoas que criaram o movimento voluntarista moderno durante uma conversa fiada, em um apartamento de dois quartos com aluguel recente em Hollywood, Califórnia. Lembro-me de meus dedos literalmente zumbindo com a excitação das ideias e planos que estávamos forjando na época: Carl Watner, George H. Smith e eu. Mas, principalmente, Carl. Era e é quase inacreditável para mim que, décadas e décadas depois, um visionário voluntarista chamado Roger estivesse batendo à minha porta (por assim dizer). Ele me pediu para escrever para seu site.

Roger teve um bom timing. Em linguagem de ficção científica, eu finalmente grokkei (entendi) o bitcoin; Além disso, tiro meu chapéu para Robert A. Heinlein por inventar essa palavra. E tiro meu chapéu para Roger e toda a equipe do bitcoin.com por nunca – e quero dizer, nem uma vez, de qualquer maneira – terem tentado influenciar minhas ideias enquanto eu as desenvolvia nas minhas tentativas (às vezes desajeitadas) de integrar o criptoanarquismo nas tradições mais amplas do liberalismo clássico, da economia austríaca e do anarquismo individualista.

A montagem do livro se transformou em uma reescrita maciça, seguida por um período de edição feroz. O livro diante de você agora é baseado nas colunas que eu serializei no bitcoin.com, mas pelo menos metade do material é novo – especialmente a seção sobre justiça.

Antes de encerrar, devo abordar outro aspecto do criptoanarquismo. Eu não esperava esse efeito colateral benéfico, mas aí está ele; a vida é muitas vezes inesperada. O mundo cripto me fez jovem novamente.

Tive a imensa sorte de fazer amizade e passar muitos anos com pessoas que ajudaram a fundar o movimento libertário. Murray Rothbard costumava brincar, nas conferências de 1980, dizendo que o libertarianismo poderia ser eliminado por uma bomba bem colocada. Ele estava certo, mas agora o movimento é imenso. Vão precisar de uma bomba maior.

Ainda assim, há uma desvantagem para toda essa minha sorte: as pessoas com quem cresci na intelectualidade adulta agora me fazem sentir velha, principalmente porque muitas delas estão mortas; eu geralmente era a mais nova na sala. Sentir-se velho é sentir-se cansado, sem nada à vista que faça seus olhos brilharem.

Lembro-me de Murray e de sua paixão– lembro-me tão vividamente …, Mas, ao longo dos anos, algo deu errado com sua paixão. Veio da raiva, eu acho, e se expressou atacando outras pessoas. Lembro-me de um jantar pós-conferência em que um colega teve a infelicidade de dizer algo positivo sobre Keynes. E então – Deus nos ajude! – ele elaborou. Murray finalmente explodiu em um discurso retórico com sua voz chiada broklinesca, e o sujeito começou a recuar. Acho que ele teria empurrado sua cadeira para fora do restaurante, se essa fosse uma possibilidade. O colega admitiu que Keynes podia estar errado sobre “esta” questão, e sobre “aquela” questão. E que, provavelmente, Keynes poderia ser considerado “fraco” no contexto histórico. Murray desceu a mão aberta sobre a mesa e disse em voz alta: “E Hitler foi ‘fraco’ com os judeus!”. Todos rimos, embora sabendo que aquilo havia sido um ataque… e um aviso.

A cripto brilha como uma coisa girando ao sol; e o brilho é limpo, porque não vem da raiva ou de humilhação de alguém ou qualquer coisa parecida. A paixão que vem dela é positiva. Uma porta se abriu, e não sei onde o caminho que ela mostra me levará, porque nunca poderia ter previsto até onde cheguei. Que os tijolos amarelos sejam gentis comigo.

Uma coisa eu sei: estou em boa companhia; a crew do bitcoin.com não foi nada menos que decente e sorridente para essa mulher que ousou se intrometer em seu mundo. Isso significa muito para mim. Não sei onde vou parar em seguida, mas sei que a tecnologia – e não apenas as criptos – vai nos dar uma aventura selvagem pelo resto de nossas vidas. Minhas mãos estarão sobre o teclado, dedicadas a colocar as mudanças corriqueiras em perspectiva histórica, mesmo enquanto elas estiverem acontecendo.

Eu tenho uma chance de fazer isso … porque eu sou jovem novamente; estou esperançosa. E nada, nada é impossível. Foi isso que este livro significou para mim. Faço uma pausa nesta jornada, neste exato momento, para te agradecer por fazer parte dela:

Seja bem-vindo à Revolução Satoshi.