Prefácio à Primeira Edição

0
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

O colapso do socialismo no Leste Europeu – manifesto dramaticamente pelos eventos do inesquecível dia 9 de novembro de 1989, quando os alemães-ocidentais e orientais se reuniram e celebraram no topo do Muro de Berlim – agregou maior apoio e urgência para a tese central deste volume do que eu poderia imaginar.

Os seguintes estudos abordam temas econômicos como emprego, juros, moeda, atividade bancária, ciclos econômicos, taxação, bens públicos e crescimento; problemas filosóficos como os fundamentos do conhecimento, e em particular da economia e ética; bem como uma reconstrução e explicação teórica de fenômenos históricos e sociológicos tais quais a exploração, a ascensão e queda de civilizações, política internacional, guerra, imperialismo, o papel das ideias e movimentos ideológicos no decorrer da evolução social. Cada um desses estudos contribui para que se chegue em uma única conclusão: o direito a propriedade privada é um princípio ético indisputavelmente válido e absoluto e a base do contínuo progresso econômico. Para se erguer das ruínas do socialismo e superar a estagnação do estado de bem-estar social ocidental, nada vai servir se não a intransigente privatização de toda propriedade socializada, ou seja, estatal, e o estabelecimento de uma sociedade contratual baseada no reconhecimento do caráter absoluto da propriedade privada.

Para escrever os estudos que seguem, recebi ajuda de muitas partes. Agradeço especialmente minha esposa Margaret, que mais uma vez se ocupou de degermanizar o meu inglês; a Llewellyn H. Rockwell, Jr., presidente do Ludwig von Mises Institute, e Burton S. Blumert, presidente do Center for Libertarian Studies, pelo contínuo apoio ao meu trabalho; e ao meu amigo David Gordon, por suas inúmeras e inestimáveis sugestões e comentários.

Minha maior dívida é para com Ludwig von Mises e Murray N. Rothbard, os maiores – ainda que negligenciados – economistas e filósofos sociais do século 20. Embora nunca tenha conhecido Ludwig von Mises, e na realidade nem havia ouvido seu nome antes de sua morte, tenho a felicidade de ter estado estreitamente ligado a Murray Rothbard pelos últimos seis anos, primeiro em Nova Iorque, e desde 1986 como colegas na Universidade de Nevada, em Las Vegas. Além da dívida intelectual que tenho com ele, palavras não podem expressar minha gratidão pessoal. Sua sabedoria, perspicácia, gentileza, entusiasmo e incansável encorajamento tem sido de contínua inspiração para mim. É, portanto, a ele que esse volume é dedicado.

Hans-Hermann Hoppe

Las Vegas, Nevada, 1993