Putin é o novo coronavírus?

1
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

O discurso do Estado da União “sem máscara” do presidente Biden simbolizou o fim próximo da tirania COVID que vivemos nos últimos dois anos. Felizmente para o Congresso, o presidente e o Federal Reserve, o conflito Ucrânia-Rússia está substituindo o COVID como uma desculpa pronta para seus fracassos e uma justificativa para expandir seu poder.

Mesmo antes dos políticos começarem a declarar o fim da pandemia, pesquisas mostravam que o aumento dos preços era a principal preocupação das pessoas – principalmente o aumento dos preços da gasolina. Como a Rússia é um dos principais produtores de energia do mundo, as sanções impostas à Rússia, bem como a decisão da Alemanha (feita sob pressão dos EUA) de fechar o oleoduto Nord Stream 2, fornecem uma desculpa conveniente para o aumento dos preços do gás. É isto o que está acontecendo, embora os EUA, citando a “instabilidade” nos mercados mundiais de energia criada pelo conflito Rússia-Ucrânia, ainda não tenham proibido oficialmente as importações de petróleo russo.

O Federal Reserve tem planejado vários aumentos nas taxas de juros este ano, embora alguns temam que os aumentos das taxas possam diminuir o crescimento e aumentar o desemprego. A crise russa permite que o Fed adie os aumentos das taxas ou culpe a Rússia por qualquer desemprego que acompanhe os aumentos das taxas. De qualquer forma, o Fed pode usar a crise para desviar a atenção de sua responsabilidade por nossos problemas econômicos. A partir de agora, parece que o Fed passará pelo menos um aumento modesto da taxa neste mês, mas por causa da crise na Ucrânia, o aumento será menor do que o esperado anteriormente.

A crise na Ucrânia também fornece uma desculpa para o Congresso fazer o que o Congresso faz de melhor: aumentar os gastos federais. O presidente Biden pediu ao Congresso que forneça mais US$10 bilhões em ajuda militar de emergência à Ucrânia. O Congresso provavelmente aprovará rapidamente o pedido do presidente. Esta provavelmente não será a última vez que o Congresso enviará bilhões de dinheiro de “emergência” para a Ucrânia.

Também é certo que os lobistas do complexo industrial-militar já estão “explicando” a um público muito receptivo do Capitólio por que a crise da Ucrânia justifica o aumento do orçamento militar para “combater as ameaças” da Rússia, da China e de quem mais puder se encaixar como um bicho-papão conveniente. É improvável que haja muita resistência no Congresso a um novo aumento, embora os EUA já gastem mais do que os orçamentos de defesa combinados dos próximos nove maiores países gastadores.

Nos últimos dois anos, muitas empresas líderes de Internet fizeram o jogo do governo ao “desplataformar” qualquer pessoa que expressasse ceticismo em relação a vacinas ou promovesse tratamentos alternativos – mesmo quando apresentavam evidências para apoiar suas alegações. Essas empresas estão mais uma vez ajudando o governo ao desplataformar aqueles que questionam, ou são suspeitos de questionar, a narrativa oficial sobre a Ucrânia. No entanto, as preocupações dessas empresas com “notícias falsas” não as levaram a impedir as pessoas de compartilhar histórias amplamente desmascaradas que apoiam o governo ucraniano apoiado pelos EUA.

Os lockdowns e os decretos causaram mais danos do que o próprio coronavírus. Eles foram baseados em mentiras promovidas pelo governo e seus aliados no setor “privado”. No entanto, muitos americanos se recusam a questionar as alegações do governo dos EUA sobre a crise da Ucrânia ou questionar se a Rússia é realmente responsável por nossos problemas econômicos, em oposição a um Congresso perdulário, sucessivos presidentes perdulários e um Federal Reserve fora de controle. A única maneira de impedir que autoritários usem crises como essas para aumentar seu poder é fazer com que um número suficiente de pessoas entenda uma verdade simples: políticos autoritários sempre mentirão para o povo para proteger e aumentar seu próprio poder.

 

 

Artigo original aqui

Artigo anteriorA esquerda, os pobres e o estado
Próximo artigoAmbientalismo sem governo
é médico e ex-congressista republicano do Texas. Foi candidato à presidente dos Estados Unidos em 1988 pelo partido libertário e candidato à nomeação para as eleições presidenciais de 2008 e 2012 pelo partido republicano. É autor de diversos livros sobre a Escola Austríaca de economia e a filosofia política libertária como Mises e a Escola Austríaca: uma visão pessoal, Definindo a liberdade, O Fim do Fed – por que acabar com o Banco Central (2009), The Case for Gold (1982), The Revolution: A Manifesto (2008), Pillars of Prosperity (2008) e A Foreign Policy of Freedom (2007).O doutor Paul foi um dos fundadores do Ludwig von Mises Institute, em 1982, e no ano de 2013 fundou o Ron Paul Institute for Peace and Prosperity e o The Ron Paul Channel.

1 COMENTÁRIO