Ambientalismo sem governo

0
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

Um sistema político e econômico de livre mercado, capitalista, de troca, é muito mais ambientalmente amigável do que qualquer sistema estatista, incluindo o estado de bem-estar social, o socialismo (seja democrático ou planejado centralmente) ou o fascismo. Para demonstrar isso, gostaria de usar uma história conjectural, ou seja, imaginar como o mundo poderia ser diferente se o governo nunca tivesse intervindo para proteger o meio ambiente, mas tivesse deixado todos os assuntos para os proprietários resolverem.

Quando examinamos a história, parte disso envolve imaginar cuidadosamente como as coisas poderiam ter acontecido de outra forma. É bastante claro, por exemplo, que sem a Revolução Americana, sem escravidão, sem a Revolução Russa, sem o Holocausto de Hitler e assim por diante, o mundo seria melhor ou pior do que é.

Em nossas histórias pessoais, também, podemos imaginar, com alguma disciplina e compreensão de nós mesmos, da psicologia humana e da ética, como nossas vidas e a daqueles em cujas vidas tivemos um impacto seriam melhores ou piores se tivéssemos feito escolhas diferentes, tomado ações diferentes daquelas que realmente tomamos.

De fato, o estudo da história tem como um de seus propósitos aprender como em circunstâncias semelhantes podemos se sair melhor. E, às vezes, se sair melhor significa garantir que leis e políticas públicas diferentes daquelas que realmente fizeram parte da nossa história teriam que ser escolhidas.

Esse fato precisa ser lembrado quando consideramos problemas atuais como os que envolvem o que comumente se denomina meio ambiente. O que poderia ter evitado parte da poluição lamentável que agora experimentamos? Não, nem tudo era evitável. Alguns aspectos ambientais são inerentes à ecologia do globo – por exemplo, a bacia de Los Angeles esteve sujeita a inversões atmosféricas ao longo do passado, o que a deixou cheia do que hoje chamamos de smog, mas foi a combinação de problemas de neblina, poeira, fumaça de incêndios, e assim por diante.

Outros chamados problemas ambientais, como a extinção da vida selvagem, também ocorreram não por ação humana, mas por causa de eventos naturais. Somente quando a agência humana está envolvida – para que possamos considerar as diferentes escolhas que as pessoas poderiam ter feito – podemos cogitar a possibilidade de ter feito as coisas melhor. De fato, um ponto raramente observado nos dias de hoje, a própria ideia de avaliar criticamente políticas e condutas passadas envolve a suposição de que os seres humanos podem fazer escolhas básicas e podem ter feito escolhas diferentes daquelas que realmente fizeram.

Reconsiderando abordagens aos problemas ambientais

Considere a proposta que os atuais defensores do ambientalismo de livre mercado costumam fazer, uma proposta que os defensores da politização dos problemas ambientais se opõem quase automaticamente.

Esta proposta resume-se ao princípio muito geral, a saber, que é melhor que a terra e outras propriedades sejam de propriedade privada do que pública. A propriedade comum ou pública resulta, em outras palavras, no que foi apelidado de tragédia dos comuns. Isso ocorre quando todos em uma determinada sociedade estão convencidos de que algumas áreas pertencem a todos nós, de modo que todos temos o direito de fazer uso delas para nossos propósitos. Isso leva ao esgotamento dos recursos.

Os defensores da solução via ambientalismo politizado sustentam que o racionamento governamental ou o uso de recursos públicos ou comuns não funcionará. Os ambientalistas podem obter vantagens temporárias dos governos, mas logo outros interesses assumem o controle.

Imagine como teria sido se a ideia de livre mercado tivesse sido incluída na lei básica: todas as terras seriam de propriedade de indivíduos e qualquer uso feito da terra exigiria a anuência dos proprietários. Isso tornaria quase impossível implementar projetos tecnológicos maciços, como a construção de ferrovias, rodovias, aeroportos, arenas esportivas e de shows, a menos que o consentimento total tivesse sido dado pelos proprietários em cuja propriedade esses projetos teriam que ser construídos.

A Quinta Emenda da Constituição dos EUA sugere essa abordagem, afirmando que uma propriedade privada pode ser tomada somente para uso público. As políticas públicas devem proteger os direitos individuais. Assim, muito pouco do que há para ser possuído pode pertencer ao público. O restante deve permanecer à disposição dos proprietários privados.

Uma abordagem tão geral da propriedade da terra, por exemplo, não teria possibilitado a implementação de grandes projetos em nome do público e, portanto, teria diversificado o uso dos recursos em todo o país. A construção de ferrovias, rodovias e muitos outros projetos pseudo-públicos não teriam ocorrido com a agressividade que ocorreram na história deste país.

Conhecimento contrafactual

Claro, pode não ser possível saber exatamente o que poderia ter acontecido em vez do que de fato aconteceu. Mas assim como é possível saber que libertar os escravizados é melhor do que mantê-los escravizados, que não perpetrar o Holocausto é melhor do que perpetrá-lo, também em questões menos dramáticas, é possível saber que certas políticas são superiores a outras. É a alegação daqueles que defendem uma sociedade livre que a implementação dos princípios do direito à propriedade privada no escopo mais amplo possível teria funcionado melhor no que diz respeito aos nossos problemas ambientais.

E como com aqueles males mais draconianos, também com este, é melhor tarde do que nunca! Assim, a melhor abordagem para as questões ambientais é a privatização – é assim que a gestão ambiental responsável é incentivada (embora nunca garantida, como certamente também não é quando o governo assume a tarefa).

Os méritos da infraestrutura liberal clássica

Sociedades onde o princípio da liberdade de associação é mantido e onde a propriedade privada permite que se goze de uma medida significativa de soberania, são certamente melhores do que aquelas com níveis crescentes de servidão involuntária, mesmo para os objetivos mais elevados ou mais nobres que se possa imaginar, incluindo a retidão ambiental. Isso é verdade, sem sobra de dúvida.

No entanto, infelizmente, a maioria propõe soluções políticas para os problemas com o meio ambiente e apoia a arregimentação estatal como a solução padrão para qualquer problema que percebam.

O falecido Michael Kelly, um excelente escritor-pensador em muitas frentes, ofereceu uma linha de crítica à tese radical do livre mercado que vale a pena citar e examinar detalhadamente. Kelly argumenta que se você pensa que são os particulares, trabalhando em cooperação voluntária, que fazem as coisas boas acontecerem, pense novamente:

Isso é principalmente um mito. Se olharmos para os grandes momentos da inovação, os desenvolvimentos que mudaram tudo, quase sempre descobrimos que os gênios privados fizeram sua parte, mas a grande mão pesada e desajeitada do governo é frequentemente o que transformou essa parte em um novo modo de vida.

Ford nos deu o carro barato, mas Eisenhower nos deu a rodovia interestadual. Edison deu-nos a lâmpada, mas a TVA levou a fiação elétrica para toda parte. A maioria dos grandes avanços em voo, e todos os avanços em voo espacial, têm suas origens na ação governamental – especificamente militar. O mesmo acontece com a Internet, que surgiu do sistema ARPANET do governo. Foi o governo que ligou as costas da América por ferrovia, o governo que construiu o Canal do Panamá, o governo que construiu todas as coisas realmente grandes. A revolução em voo… surgiu não apenas por causa do trabalho de gênios privados, mas também porque um bando de burocratas da NASA a impulsionou, e porque esses burocratas tiveram a sorte de ter como chefe desde 1992 um engenheiro chamado Daniel Goldin…

Agora considere algumas dúvidas sobre as observações desafiadoras de Kelly. Comecemos com o argumento de Frederick Bastiat, no qual o economista político francês mostra que, embora o que os governos fazem muitas vezes ocupe o centro do cenário histórico e jornalístico, é tolice esquecer que tais ações anulam muito mais que poderia ter acontecido se o governo não tivesse usado seu tamanho único para todos os julgamentos e ações coercitivas ao invés de indivíduos que agem por meio de uma grande variedade de esforços cooperativos voluntários. Este argumento é especialmente relevante para a lista de Kelly.

Reconsiderando os triunfos do governo

Para começar, considere Eisenhower e a interestadual. Ninguém pode contestar razoavelmente que essa política federal deu um impulso muito sério ao automóvel e, no processo, suprimiu, muito provavelmente, o desenvolvimento de modos de transporte alternativos, provavelmente muito mais ecológicos. Ou considere a TVA, que não foi de forma alguma uma dádiva de Deus para todos, como alguns sustentam. A maioria das pessoas na região já tinha eletricidade, mas a TVA simplesmente arrebatou muitas das empresas de energia existentes.

Com a TVA, todas as melhores terras agrícolas do Vale do Tennessee foram submersas. Os agricultores foram expulsos de suas terras, forçados a vender abaixo dos preços de mercado e muitos morreram prematuramente como resultado do estresse. O fiasco da Barragem de Tellico ficou famoso por causa do snail darter, mas foi um projeto horrível, mesmo sem a intervenção da ESA. Nesse caso, os proprietários de terras foram expulsos de suas terras, mesmo que não iriam estar debaixo d’água. Em vez disso, a TVA vendeu o terreno para desenvolvedores e calculou os lucros potenciais como parte da análise de custo-benefício.

Claro, o impacto ambiental da TVA agora é estimado como devastador.

O sistema ARPANET deu origem à Internet, mas, como muitos historiadores argumentam, isso teve um significado mínimo. A ARPANET inicial era desajeitada e somente após uma demanda pelo serviço desenvolvido ela se tornou eficiente e útil. Kelly estava certo – assim como o ex-vice-presidente dos EUA Al Gore – que as ideias iniciais que produziram a Internet vieram dos esforços do Departamento de Defesa para melhorar a defesa do país. No entanto, essas ideias poderiam ter se desenvolvido de forma independente e, uma vez divorciadas dos assuntos do Estado, tornar-se-iam muito mais produtivas do que antes.

Quanto as ferrovias que o governo tornou possível de um extremo ao outro do continente, isso produziu monopólios maciços que mais tarde foram usados ​​para justificar a legislação antitruste e que atropelaram a agricultura privada em todo o país. No caso da Ferrovia Transcontinental, foi um fiasco subsidiado. Uma das consequências dessa monstruosidade foi a tentativa precoce de exterminar os índios. A ferrovia certamente acelerou seu fim, especialmente porque veio logo após a Guerra Civil, quando pessoas como Sherman e Sheridan ainda estavam no comando e tinham em mente eliminar completamente os índios. Eu preciso dizer pouco sobre o fiasco que o Canal do Panamá foi, sem dúvida, politicamente e até economicamente, dado o que poderia ter sido feito em vez disso. A história é a mesma em todos os aspectos, incluindo a indústria de voos, onde os aeroportos governamentais têm sido fonte de muita consternação tanto para ambientalistas quanto para aqueles com visões diferentes sobre como essa indústria poderia e deveria ter se desenvolvido.

Onde a força está fora de ordem

A conclusão final, porém, é esta: os governos usam a força para atingir seus objetivos. A força, a menos que seja usada na defesa – como os militares devem usá-la – causa estragos em seu caminho, mesmo onde os resultados ostensivos parecem ser grandiosos.

Quando a lei e a política pública favorecem o sistema de domínio eminente e o uso de terras e águas públicas para o que quer que seja de demanda democrática, o resultado é semelhante a um jogo de soma zero: a política ou lei favorecida vence e a desfavorecida perde. Já no mercado livre existem muitas demandas que são atendidas em maior ou menor grau.

Meu ponto principal, então, é claro: se houvesse um sistema consistente e firmemente implementado de direitos de propriedade privada, não haveria má gestão ambiental maciça. Mas é melhor tarde do que nunca.

 

 

 

Artigo original aqui