Quais crimes Covid as vítimas não perdoarão?

1
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

A história alterou seu curso. Os lockdowns viram uma elite neofeudal menosprezar populações inteiras, enquanto essa elite, com frequência surpreendente, foi fortemente defendida por essas mesmas populações menosprezadas. Autocracias monoculturais aliadas a poderosos barões corporativos surgiram agora dentro das instituições governamentais ocidentais, produzindo um sistema que se aproxima do conceito de fascismo de Benito Mussolini.

A luta contra essa escuridão certamente levará muitos anos. Quem e o que manterá viva essa luta? Que dor alimentará a luta, mantendo as chamas do ressentimento acesa, e que dor – por mais real que tenha sido – desaparecerá com o tempo e, portanto, será apenas um fraco aliado dos soldados da resistência?

A ciência social tem respostas razoáveis ​​para essas perguntas, que são, em essência, perguntas sobre com o que as pessoas se acostumam e com o que não.

A literatura de décadas de bem-estar tem perguntado se e em que escala de tempo as pessoas se ajustam aos grandes choques da vida. Os pesquisadores acompanham, ano após ano, quão satisfeitas as pessoas estão com a vida e como sua satisfação com a vida muda quando são atingidas por grandes choques na vida, como divórcio, desemprego, perdas financeiras, crimes violentos, morte de outras pessoas importantes, doenças graves, despejo e assim por diante.

Nós mesmos contribuímos para essa literatura, que hoje conta com centenas de artigos. Algumas das regras básicas extraídas dessa pesquisa são surpreendentes, e muitas permanecem desconhecidas fora da comunidade do bem-estar. Baseamo-nos nesses insights de alto nível abaixo, reconhecendo naturalmente que há exceções para todas as regras.

Primeiro, as pessoas se recuperam da morte de entes queridos. Demora cerca de dois anos, mas depois que esse tempo passa, as pessoas estão tão satisfeitas com a vida quanto antes do luto. Elas simplesmente seguem em frente com a vida. Na verdade, acontece que as pessoas superam quase qualquer choque em suas vidas sociais encontrando novos relacionamentos sociais em cerca de dois anos. Isso significa que superamos principalmente a solidão temporária, o desemprego, as disputas pessoais e as mudanças de carreira.

Da mesma forma, as pessoas não sofrem permanentemente com limitações em sua liberdade política, interrupções de viagens, sinalização constante de virtude ou a propagação de histórias improváveis, pela simples razão de que o bem-estar mal está ligado a essas coisas em primeiro lugar.

O bem-estar humano está muito mais embutido em aspectos da vida como saúde mental, status social e relações sociais calorosas. A liberdade e outros “bens” sociais intangíveis afetam esses três principais impulsionadores do bem-estar, mas para a maioria das pessoas não muito e por razões que elas não entendem completamente.

Isso significa que falar sobre perdas de liberdade – por mais ruins que sejam para o desenvolvimento de longo prazo das sociedades humanas – não é a melhor abordagem se você quiser despertar apoio em massa contra as elites feudais que agora comandam o show. A tração nessa área simplesmente desaparece rapidamente. Se os políticos ainda conseguem distrair o público depois de dois anos causando todo tipo de dano à sua liberdade e vida social, então odiamos admitir, mas eles se safaram.

Com o que as pessoas não se acostumam? Elas não se recuperam de reduções de status social. As pessoas só superam o desemprego, por exemplo, se encontrarem outro emprego ou se mudarem para uma função diferente que seja igualmente valorizada socialmente (como “dona de casa” ou “aposentado”).

Com base nisso, prevemos que alguém que desempenhou um papel importante nos negócios, mas cuja empresa foi destruída pelas restrições Covid, terá um ressentimento ardente e duradouro contra essa perda até e a menos que encontre um papel alternativo de status aproximadamente igual, porque ela continua a querer o retorno de seu status social perdido.

Esse ressentimento arderá ainda mais se houver um grupo com alto status que ela possa culpar por sua perda e cujo status ela possa esperar conquistar para si mesma. O dano permanente ao status aliado à ideia de restituição é poderoso. Ele fornece uma motivação que continua ardendo.

Maquiavel fez uma observação semelhante sobre a natureza humana há 500 anos, ao aconselhar um governante sobre o que não fazer, ele observou: “Acima de tudo, ele deve abster-se de se apoderar dos bens alheios, porque um homem é mais rápido em esquecer a morte de seu pai do que a perda de seu patrimônio.”

A percepção de que a perda de status leva ao ressentimento permanente também vale para a perda de saúde e oportunidades perdidas se essas perdas puderem ser vinculadas a um grupo atual de culpados de quem algo pode ser tirado. A ideia de que algo importante foi roubado e que, se de alguma forma devolvido, melhoraria significativamente a vida aqui e agora é extremamente poderosa. A ideia de que as vacinas causaram danos permanentes à saúde, ou que as pessoas foram roubadas de seus melhores anos, juntamente com a culpa plausível em ambos os casos de uma elite sórdida, se encaixaria nesse projeto.

Seguindo esta linha lógica, esperamos ver o surgimento gradual e o sucesso final de um enredo de resistência em que as massas “foram deliberadamente prejudicadas por uma elite rica”. Os danos da vacina em particular, reais ou imaginários, são extremamente poderosos do ponto de vista narrativo moderno, porque se ligam à obsessão consigo mesmo que caracteriza as mídias sociais e sustenta a covardia moderna.

Mais e mais pessoas começarão a se preocupar com o fato de terem sido injetadas com veneno que as danificou permanentemente, principalmente se as empresas que vendem o veneno puderem ser forçadas a compensá-las pelos danos. A obsessão sobre como a saúde de alguém foi prejudicada devido a vacinas infligidas por outras pessoas se encaixa na cultura de reclamações de hoje como uma luva: é pessoal, convida à sinalização da virtude, nomeia um grupo culpado, permite ações draconianas, exige redistribuição para si mesmo e é simples de entender.

O Time Lockdown, que posteriormente se transformou em Time Vacina, achará extremamente difícil evitar a culpa pelos danos da vacina, principalmente porque o Time Lockdown /Vacina desrespeitou tão descaradamente os princípios de saúde pública e os padrões científicos em ensaios clínicos. Que o projeto da vacina Covid incluiu a exposição deliberada de crianças a riscos conhecidos sem nenhum ganho significativo razoavelmente esperado será muito difícil de esconder da população a longo prazo.

Não importa quais distrações possam ser fabricadas, a suspeita de danos permanentes a si mesmo e aos próprios filhos continuará voltando, principalmente porque a grande maioria na maioria dos estados ocidentais foi persuadida, por bem ou por mal, a aceitar essas vacinas.

Evidências de corações aumentados, coágulos sanguíneos, danos nos tecidos a longo prazo, alteração genética, direcionamento incorreto do sistema imunológico e assim por diante lembrarão as pessoas repetidamente da perda contínua de saúde infligida a elas. Danos à sua saúde vão invadir as mentes das massas, particularmente quando problemas de saúde caros lhes ocorrerem no futuro. Verdade ou não, elas vão suspeitar que não teriam esses problemas se não tivessem tomado as vacinas.

Essas suspeitas são capazes de capturar a imaginação do público. Isso pode aumentar o desejo de vingança e compensação. Uma série de livros populares, sem dúvida, surgirão sobre o assunto, usados ​​por todos em batalhas políticas. A resposta à Covid pode e, sem dúvida, será retratada nos próximos anos como produto de negligência criminosa.

Uma coisa dessas pode ficar feia. Uma vez que uma população está realmente convencida de que foi traída por uma elite que tem dinheiro e status (leia-se: coisas a perder), será um salve-se quem puder. Estamos então em circunstâncias históricas semelhantes àquelas em que a Alemanha se encontrava na década de 1920, onde se espalhou uma crença na ideia de que a Alemanha havia perdido a Grande Guerra devido à traição de socialistas e judeus. Essa crença foi apelidada de ‘Dolchstoßlegende’ (a ‘lenda da adaga’), e se tornou um enredo usado de forma muito eficaz por você-sabe-quem. Muitos que foram apontados como traidores não sobreviveram.

Para melhor ou para pior, uma história de traição nesse sentido parece inevitável neste momento. Uma nova lenda da adaga está chegando, desta vez em parte porque é verdade e em parte porque se encaixa tanto nas necessidades da resistência quanto nas normas do zeitgeist moderno.

O quão poderosa essa história se tornará é difícil de prever, mas o que podemos prever é com quem podemos contar para defendê-la com mais veemência: os empresários que perderam irremediavelmente suas posições devido aos lockdowns Covid e outras restrições, os jovens e solteiros que por motivos semelhantes perderam os melhores anos de suas vidas, e aqueles que acreditam que as vacinas causaram danos permanentes a eles e seus filhos. Essa aliança – forjada no fogo do dano duradouro ao bem-estar humano – poderia produzir um adversário formidável contra as elites culpadas do Covid.

 

 

Artigo original aqui

1 COMENTÁRIO

  1. Infelizmente não haverá um tribunal de crimes de guerra para julgar esses genocidas. O sistema planejou um pouso suave da sua fracassada – por ora, ditadura nazi-covidiana. O vírus vai sumindo da mídia corporativa. Eventualmente eles tentem algo em larga escala novamente mas, com os controles e poderes extraordinários adquiridos, o sistema pode oprimir a população de maneira ordinária, ou seja, eles não precisam mais de comoção e pânico, basta informar o “problema” e propor a solução. Aos covidiotas tradicionais – esquerdistas e estatistas – se juntou um amplo público que naturalmente diz amém ao político de plantão ou ao burocrata de baixo escalão. As massas foram transformadas para sempre…