Quarto mês de pânico: onde estão as evidências?

2
Tempo estimado de leitura: 12 minutos

“Reivindicações extraordinárias exigem evidências extraordinárias.” – Dr. Carl Sagan

O Dr. Carl Sagan foi um dos principais cientistas quando se tratava de tentar preencher a lacuna da ciência rígida com a compreensão do público em geral. No processo, seu entusiasmo pessoal pela maravilha da ciência tornou-se evidente para todos. Ele também entendeu que a ciência poderia ser invadida e que os mais altos padrões de evidência eram necessários quando reivindicações fantásticas estavam sendo feitas.

Em apenas alguns meses, o mundo passou de uma sociedade em funcionamento normal para uma de extremo pânico e caos (talvez a série Além da Imaginação não pudesse ter concebido algo neste nível). Vimos as próprias fundações da existência humana rachadas, alguns podem dizer desintegradas. Houve pânico e histeria induzidos, desintegração cultural e social, censura, uso político, dificuldades e colapso econômico, imposição de leis em sociedades livres incorridas além do processo usual de legislar e assemelhando-se a regimes totalitários. Em suma, a existência humana foi virada de cabeça para baixo. Felizmente, existem algumas zonas de sanidade ao redor do mundo, mas são poucas.

O pânico que foi induzido foi direcionado para tentar convencer o público de que o SARS-COV-2, ao qual me referirei simplesmente como coronavírus, é um vírus apocalíptico que condenará qualquer um que o pegue. Este esforço continua até hoje.

Evitar o vírus, ou fugir e se esconder, tem sido o principal tema do incentivo. Portanto, a mensagem é que todas essas medidas extremas são necessárias para salvar as pessoas dos horrores da doença. Esta é realmente uma afirmação extraordinária. Então, onde está a evidência extraordinária?

Primeiro, precisamos voltar no tempo ANTES do pânico, porque parece que a memória coletiva da sociedade se perdeu.

A. Início e propagação da pandemia

Recentemente, o CDC europeu publicou um longo relatório atualizando a ciência e o que sabemos sobre esse vírus e a doença. Eles relataram que os estudos sorológicos indicaram que essa pandemia poderia ter começado no início de outubro de 2019.

A relevância disso é incomensurável.

Embora se presuma que isso tenha começado em Wuhan, na China, ainda não está claro se esse foi o ponto de partida real ou o catalisador da pandemia. Wuhan é uma grande cidade metropolitana da China e é um centro de tecnologia avançada, comércio, artes, ciência e cultura. Tem uma população de cerca de 17 milhões de pessoas. No outono passado, Wuhan foi o local de muitos eventos internacionais nas áreas acima mencionadas. Por exemplo, Wuhan foi o local dos Jogos Mundiais Militares (uma espécie de Olimpíada para militares) que durou cerca de dez dias, de 18 a 27 de outubro, com mais de 9.000 competidores de mais de 80 países. Qual a melhor oportunidade para a propagação de um vírus?

Além disso, a Ásia sediou muitos eventos internacionais no outono passado, incluindo a Copa do Mundo de Rugby e o Campeonato Mundial de Handebol Feminino (ambos no Japão), o Campeonato Mundial de Atletismo em Dubai e até a PGA realizou um torneio na China. Inclua os inúmeros eventos tecnológicos, universitários, culturais e outros e conferências que foram realizados em Wuhan e você terá uma enorme oportunidade de exportar o vírus para o mundo.

Mas você nem precisa de tudo isso. Dado o grande número de voos da Ásia para todas as partes do mundo que ocorrem (ou ocorriam) diariamente, você tem pessoas de todas as partes do mundo como portadoras potenciais de um vírus.

Quando os pesquisadores médicos da China começaram a perceber, já era dezembro. Eles originalmente relataram um conjunto de casos de pneumonia de origem desconhecida e, eventualmente, o rastrearam como um coronavírus. Nessa época, a pandemia provavelmente já estava em andamento em muitos países, mas passava despercebida. Por quê? Os sintomas imitam as outras IRA (infecção respiratória aguda), principalmente gripe e resfriados, mas também infecções bacterianas como bronquite ou sinusite, e estavam sendo tratados como tal. Lembre-se, ainda estamos no Período AP (Antes do Pânico).

Quando terminamos 2019 e entramos em 2020, pessoas em todo o mundo estão enfrentando a doença. Até o CDC dos EUA disse recentemente que esse vírus já estava nos EUA no início de janeiro de 2020 (e provavelmente antes). As pessoas ainda estavam indo a shows e eventos esportivos; crianças estavam indo para a escola; pessoas socializando com outras pessoas sem medo; e sim, as pessoas estavam ficando doentes.

Provavelmente houve alguns casos graves, como gripe e resfriados, e sim, algumas pessoas estavam morrendo da doença. Lembre-se, naquela época ainda não havia teste para esse vírus. As pessoas que estavam doentes e que procuravam ajuda médica estavam sendo diagnosticadas com sintomas e provavelmente estavam sendo diagnosticadas para qualquer IRA, como gripe, resfriados, bronquite ou sinusite.

Onde estava a evidência extraordinária? Se essa fosse realmente uma doença apocalíptica, certamente já a teríamos visto naquela época.

Em meados de janeiro, o primeiro teste estava disponível. O primeiro teste foi limitado e, portanto, não foi aplicado à população em geral. Nos EUA, o foco era em viajantes da China e, muito rapidamente, o primeiro caso confirmado foi encontrado perto de Seattle em uma pessoa que viajou para a China a negócios e retornou. Este não foi o primeiro caso real nos EUA. Este foi apenas o primeiro caso confirmado por teste. De fato, logo após isso, no início de fevereiro, algumas casas de repouso começaram a relatar problemas; Como isso é possível? Mesmo assim, o pânico não entrou em erupção. A vida ainda continuava como normal, embora esse vírus estivesse circulando.

Em fevereiro, mais casos foram confirmados. As agências de saúde de todos os lugares, CDC da Europa, CDC dos EUA, autoridades sanitárias australianas e britânicas, Ministério da Saúde do Japão etc., estavam todas dando o mesmo conselho às pessoas. Se você ficar doente, fique em casa, beba bastante líquido, descanse e tome analgésicos conforme necessário. Essencialmente, trate-a como uma gripe. Já estava se entendendo quem eram os grupos de risco – o mesmo da gripe. O conselho era que, se os sintomas piorassem ou você começasse a ter problemas respiratórios, procure atendimento médico. Não houve chamadas para mascarar as pessoas, apenas para praticar etiqueta respiratória comum para bloquear sua tosse ou espirro. Não houve pedidos de distanciamento físico (e sim, o distanciamento físico é diferente do distanciamento social).

Em fevereiro, gradualmente se tornou claro que estávamos enfrentando uma pandemia, mas ainda não havia evidências extraordinárias de algo diferente de uma pandemia típica de IRA.

B. Início do pânico

Março de 2020 se tornou o ponto de virada de antes para depois do pânico. Por que induzir pânico? Entendemos muito sobre o vírus e a doença, COVID-19 (observe que o nome é Corona Virus Disease-19, ou seja, a partir de 2019, NÃO 2020), então por que agora? Havia algo diferente? A resposta é não.

É sabido que o pânico e a ansiedade alteram a química do cérebro. De fato, o pensamento racional diminui rapidamente em estado de pânico. Os governos sabem disso e o usam para coagir as populações a seguir o que elas normalmente consideram questionável ou política ruim.

Um exemplo recente nos EUA vem dos ataques de 11 de setembro. O governo usou esse evento horrível para tentar convencer as pessoas de que os EUA estariam sob ataque mais ou menos constante de terroristas. O Departamento de Segurança Interna foi estabelecido. Lembra dos códigos de cores de aviso emitidos diariamente? Eles nunca caíram abaixo de “alto” e “elevado”. Foi dito às pessoas que, se fossem a shopping centers, eventos esportivos etc., hordas de terroristas estavam prontas para aparecer e causar danos.

Será que isso soa familiar? Que tal agora, basta substituir o coronavírus por terrorista e você terá quase a repetição exata do medo (faça isso nas linhas abaixo). Lembre-se, no início de março, do seguinte mantra:

Estamos em GUERRA com esse vírus (Bobagem, você não pode travar uma guerra contra um vírus)

Devemos nos unir para DERROTAR esse vírus (Bobagem novamente, os humanos se adaptam a ele e vice-versa)

Todos devem SACRIFÍCIO para derrotar esse vírus (um presságio do que estava por vir)

Estamos nessa JUNTOS (Tentando estabelecer as bases para silenciar a opinião divergente?)

Então, primeiro de tudo, para implementar as horríveis políticas que estavam prestes a ser desencadeadas na sociedade, o governo teve que criar um estado de pânico. Mas, ao contrário do 11 de setembro, quando alguns meios de comunicação questionaram as premissas, desta vez a mídia mainstream engoliu totalmente a isca, e continuam fisgados. A razão disso eu não tenho certeza e é melhor deixar para os outros decifrarem.

Onde está a evidência extraordinária?

Bem, algumas pessoas apontam para o número de mortos. A atual taxa de mortalidade per capita (pc) para COVID-19 (cerca de 7 por 100.000 no mundo e cerca de 36 por 100.000 nos EUA) está muito abaixo da taxa de mortalidade das gripes Asiática e de Hong Kong nos anos 1950 e 1960, tanto para o mundo e os EUA (ambos cerca de 30 per capita para o mundo e 44 per capita para os EUA). Naquela época, a população mundial era cerca de metade dos dias de hoje, mas mais de 1 milhão de pessoas morreram. A população dos EUA era de cerca de 2/3 da população atual, mas mais de 100.000 pessoas morreram. Essas pandemias não provocaram quarentenas, lockdowns, distanciamento físico, máscaras etc. e a sociedade e a cultura continuaram.

Mas, o que sabemos sobre as mortes por essa doença? Em todo o mundo, cerca de 85-90% de todas as mortes ocorrem entre idosos acima de 70 anos de idade, e não apenas entre idosos, mas entre idosos com problemas como hipertensão, obesidade, doença renal, doença cardíaca, doença pulmonar, doença hepática, ou sistema imunológico enfraquecido. No entanto, nesta população idosa acima de 70, 70-90% que experimentam a doença ainda sobrevivem. Sim, as pessoas mais suscetíveis a doenças graves e morte realmente sobrevivem mais do que morrem. Esses são os números que também se encontram na maioria das pandemias de influenza. Além disso, em todo o mundo, cerca de 50% das mortes de idosos ocorrem em casas de cuidados prolongados.

Onde está a evidência extraordinária?

Quanto menor a idade de uma pessoa, o risco de doença grave diminui, mas ainda existe uma relação para os mesmos riscos à saúde listados acima. Mas agora você começa a adicionar novas informações demográficas ao quadro de doenças e mortes graves. Dois grupos se destacam em particular; primeiro, grupos de baixa renda em áreas populacionais de alta densidade (o Bronx, na cidade de Nova York, lidera os EUA em mortes per capita de qualquer município com uma população significativa) e, segundo, profissionais de saúde. Quando se olha para a Europa, as principais áreas de doenças graves são áreas urbanas densamente povoadas, com pobres indigentes ou refugiados (Espanha-Barcelona/Madri; França-Paris; Itália-Milão; Bélgica-Bruxelas, etc.) Por que isso ocorre? Há duas razões principais e são políticas de quarentena forçada e carga viral.

O que é carga viral?

Carga viral (um termo que todos deveriam começar a entender) e resposta imune são as chaves para como qualquer indivíduo lida com uma infecção respiratória viral (o mesmo vale para infecções bacterianas, podemos dizer “carga bacteriana?”). A carga viral é apenas uma maneira técnica de descrever a quantidade de vírus trabalhando no corpo. Para entender a carga viral, as pessoas precisam entender como o vírus funciona nos termos mais simples.

Fora do corpo, um vírus é uma proteína, uma molécula orgânica que faz pouco e pode se separar sob várias condições. Gripe, coronavírus e rinovírus são muito, muito pequenos no estado natural (cada um variando de 10 a 120 nanômetros); muito menor que uma célula bacteriana. Eles não podem ser vistos com um microscópio comum e requerem um microscópio eletrônico.

Certamente, os humanos não têm absolutamente nenhuma maneira de saber se um vírus está presente ou não, até que seja tarde demais. Você não pode vê-lo, cheirar, provar ou ter qualquer outra percepção sensorial à sua presença. Pode passar pela maioria das coisas (incluindo máscaras) não detectados. Pode ser disperso facilmente com sistemas de tratamento de ar e pode pousar em qualquer superfície. Em resumo, pode ser considerado uma toxina ambiental em escala nanométrica.

A estabilidade desses vírus no ambiente natural é geralmente limitada. Por exemplo, o coronavírus é instável com pH abaixo de 3 ou acima de 10 e se decompõe rapidamente; A radiação UV, o calor, os oxidantes químicos, como o alvejante, também o quebram rapidamente. No entanto, em algumas superfícies, ele pode sobreviver; por exemplo, tem meia-vida de quase 7 horas em plástico liso (então qual é o objetivo de todas as folhas de plástico?).

O que isso significa? Bem, digamos que o plástico esteja contaminado por 100 milhões de partículas de vírus. Sete horas depois, ainda haverá 50 milhões de partículas. Sete horas depois disso, haverá 25 milhões de partículas, e assim por diante, assumindo que não haja nova introdução do vírus. Como o vírus sobrevive melhor em algumas superfícies, em oposição a outras, pode ocorrer infecção por contato (fomitos).

Uma vez dentro do corpo, o vírus não é uma toxina ambiental, mas agora funciona como um parasita. Ele encontrará células nas quais pode penetrar (os IRAs visam as vias aéreas nasais, na garganta e nas vias aéreas superiores) e, uma vez dentro das células, usa essa célula para fabricar mais vírus, que por sua vez são liberados de volta ao corpo. À medida que mais vírus são produzidos, mais células são infectadas e mais vírus são produzidos, a carga viral aumenta, assim como quando uma fábrica aumenta sua produção, seu estoque de produtos também aumenta. O corpo humano se torna uma fábrica de produção de vírus. As bactérias, no entanto, são sua própria fábrica de produção – elas não precisam de células humanas para se reproduzir. É por isso que é mais fácil desenvolver antibióticos do que medicamentos antivirais.

Mas, um vírus funciona de maneira diferente das bactérias de outra maneira. As bactérias começam a se multiplicar imediatamente, dobrando seus números cada vez que há crescimento, geralmente em questão de minutos. Os vírus são mais sutis; eles parecem não fazer nada por um período de tempo e, de repente, decolam. Provavelmente, isso se deve ao tempo necessário para invadir a célula e começar a comandar o maquinário da célula para produção.

Seu corpo detecta quando um vírus começa a funcionar e geralmente começa a atacá-lo usando o sistema imunológico. Se seu corpo não possuir anticorpos específicos para o vírus, ele enviará seu conjunto geral de defesas do sistema imunológico atrás do vírus (como esse coronavírus é uma nova versão, é isso que ocorrerá).

O objetivo é controlar a carga viral por tempo suficiente para um sistema imunológico saudável desenvolver anticorpos específicos para combater o vírus diretamente. Em algum momento, esses anticorpos começam a assumir o controle. Em uma pessoa saudável, esse tempo pode variar de alguns a vários dias, mas geralmente é suficiente para diminuir o processo da doença e trazer uma recuperação normal.

A carga viral pode ser mais difícil de controlar nas seguintes circunstâncias:

  1. A infecção viral inicial ou carga viral inicial foi alta. Se você contrair uma boa explosão de vírus, a fábrica poderá entrar em modo de produção quando o sistema imunológico responder. Quanto mais você contrair, mais difícil de controlar.
  2. Seu sistema imunológico está enfraquecido devido à idade ou a outros processos de doenças. A capacidade de responder agora é reduzida para que a produção viral possa ultrapassar sua resposta imune.
  3. Você tem doenças pré-existentes em partes suscetíveis do seu corpo, como doenças pulmonares, etc. Torna-se mais fácil para o vírus penetrar e continuar a produção. Infelizmente, isso também significa maiores danos a uma parte já danificada do seu corpo.
  4. Você continua sendo exposto ao vírus enquanto combate a carga viral. Esta é o empilhamento de vírus quando você já está no chão. Ilegal no futebol americano, mas não na doença viral. Este é um ponto crítico em hospitais ou áreas lotadas.

Consequentemente, as pessoas saudáveis ​​podem sentir qualquer coisa, desde uma doença fraca e desconfortável a algo um pouco mais forte, mas, geralmente, elas se curam e seguem a vida. Pessoas que têm mais dificuldades em controlar a carga viral sofrerão mais. O CDC da Europa relatou que as cargas virais com coronavírus em casos graves são 50-60x que em casos leves. Controlar a carga viral com ajuda determina o curso da doença.

Então, qual papel um lockdown ou outras políticas similares desempenham na taxa de mortalidade? Os epidemiologistas entendem que você não pode forçar vírus e pessoas infectadas por vírus a espaços confinados. Quando você combina pessoas em espaços fechados, com pouca ventilação, falta de saneamento, itens de uso comum, etc., se alguém fica doente, é provável que todos fiquem doentes.

Mas vai além de apenas ficar doente; você também está definindo as condições adequadas para aumentar a carga viral. Agora você tem muitas fábricas de vírus juntas, produzindo a uma taxa impressionante. Enquanto a produção está ocorrendo, o corpo também está liberando vírus, chamado “derramamento”. Isso pode ocorrer na boca e no nariz, como tossir ou espirrar, mas também nas fezes. Pode ser fácil imaginar a rapidez com que os vírus se acumulam e se espalham sob essas condições, especialmente em instituições de assistência a idosos.

Em locais como lares de idosos ou instituições de longa permanência, prisões, centros de recuperação, enfermarias, campos de refugiados, residências urbanas e urbanizações, etc., essas condições existem e causarão os piores resultados . E é exatamente isso que foi visto.

O risco para o público em geral nunca subiu acima de um nível declarado de baixo a moderado de qualquer Autoridade de Saúde. Ele sempre permaneceu alto nos grupos de risco e, no entanto, as políticas de quarentena são as piores para esses grupos de alto risco. Acrescente a isso as políticas de realmente colocar indivíduos infectados em instalações de grupos de alto risco e agora você realmente tem uma crise de saúde.

Então, qual é a evidência extraordinária? Bem, agora as evidências parecem apontar para políticas de quarentena como exacerbando o processo da doença, não reduzindo-o.

Considere também os problemas de saúde que contribuem para o risco de doença grave, com este ou qualquer outro IRA. O CDC dos EUA publica relatórios anuais sobre os riscos à saúde nos EUA. Os resultados são os seguintes:

  1. Obesidade: os EUA têm a maior taxa de obesidade adulta e infantil do mundo.
  2. Hipertensão: os EUA também são o número um em hipertensão e doenças cardíacas.
  3. Os EUA estão no topo ou perto do topo também em diabetes, doença pulmonar, câncer, fígado e doença renal.

Em junho, o CDC dos EUA publicou um relatório sobre a mortalidade nos EUA por 4 meses, de 1º de fevereiro a final de maio. As mortes por pneumonia superaram as mortes por COVID-19 (e temos antibióticos para pneumonia). Combinados, eles totalizaram cerca de 15 a 20% do total de mortes nos EUA durante esse período. Uma doença apocalíptica não deve ser muito mais prevalente?

Recentemente, o CDC informou que, com base na sorologia, 10 a 20 vezes mais americanos sofreram a doença do que os casos confirmados (esse número pode aumentar). Bem, isso não é uma surpresa, pois sabemos que (1) a maioria das pessoas que contraem a doença apresenta uma doença leve e não procura ajuda médica e provavelmente não foi testada; e (2) a provável hora de início da pandemia foi muito mais cedo que acreditava-se, o que significa que a doença circulava pela população muito antes do pânico. Se usarmos o número conservador de 10x, a taxa de letalidade atual varia de cerca de 5% a 0,5%. Se usarmos um número 20x, agora é de cerca de 0,25%. Se esse fator aumentar mais, a taxa será reduzida ainda mais. A taxa de letalidade conhecida para a gripe é de 0,15-0,20%.

Onde está a evidência extraordinária?

Desde que foi iniciado o teste para o COVID-19, a Ásia mostrou números muito pequenos. Por que isso? Seria possível que essa doença tenha passado pela Ásia durante dezembro de 2019 e janeiro de 2020 antes do pânico? Voou sob o radar porque pode ser confundido com gripe, resfriado comum, bronquite ou outras infecções respiratórias? Possivelmente, esse é o caso, especialmente considerando todas as atividades na Ásia. A maioria dos casos relatados são aglomerados e, sim, cerca de 50% dos aglomerados estão em instituições de saúde.

Não importa como você o analise, esse vírus NÃO é apocalíptico.

Se não há evidências extraordinárias, por que existem tais alegações e reações extraordinárias? Por que a ordem médica, social e econômica mundial foi dividida por uma pandemia que se parece muito com uma pandemia de gripe normal? Essas são as perguntas para as quais buscaremos respostas nos próximos anos.

 

Artigo original aqui.

Artigo anteriorPor que não irei usar
Próximo artigoPrefácio de Llewellyn H. Rockwell, Jr.
possui doutorado em Filosofia (Química) pela Universidade da Califórnia, Riverside, além de mestrado e bacharelado pela Western Washington University. Ele trabalhou na indústria farmacêutica e de biotecnologia há mais de 25 anos. Antes de se aposentar em 2017, ele passou 12 anos como consultor focado em garantia/controle de qualidade e questões relacionadas à conformidade regulamentar. Ele é autor e co-autor de vários artigos nas áreas de tecnologia farmacêutica e química.

2 COMENTÁRIOS

  1. A ameaça do vírus pode até ser real; porém, todo esse pandemônio é uma imensa distração para o real problema: A bolha de crédito impagável. No canal da Amazing Polly há o vídeo com o título ‘Event 201 Pandemic Marketing’ onde mostra essa mais uma suposta teoria da conspiração ter virado um fato.