Que mundo louco

2
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

Vivemos na era do Império Americano. Este Império pode estar desmoronando, mas no futuro próximo ele durará, não apenas por causa de seu poderio militar, mas, mais importante, por causa de seu poder ideológico. Pois o Império Americano realizou algo verdadeiramente notável: suas crenças centrais são internalizadas nas mentes da maioria das pessoas como tabus intelectuais. Com certeza, todos os governos dependem da violência agressiva e o governo dos EUA não é exceção. Ele também não hesita em esmagar quem resiste aos seus caprichos legislativos. No entanto, o governo dos EUA precisa de surpreendentemente pouca violência real para obter submissão aos seus comandos, porque a esmagadora maioria da população e, em particular, dos intelectuais formadores de opinião adotou o sistema de valores e crenças que está por trás do Império Americano como seu próprio.

De acordo com o sistema de crenças oficial aprovado pelos EUA, somos todos pessoas inteligentes e razoáveis ​​confrontadas com a mesma dura realidade e comprometidas com os fatos e a verdade. É verdade que mesmo no centro do Império Americano, nos EUA, as pessoas não vivem no melhor dos mundos possíveis. Ainda existem muitos defeitos a serem corrigidos. No entanto, com o sistema americano de governo democrático, a humanidade definitivamente encontrou a estrutura institucional perfeita que permite o progresso contínuo rumo a um mundo cada vez mais perfeito; e se apenas o sistema americano de democracia for adotado em escala mundial, o caminho para a perfeição estará claro e aberto em todos os lugares.

A única forma verdadeiramente legítima de governo é a democracia. Qualquer outra forma de governo é inferior. Existem monarquias, ditaduras e teocracias, e existem senhores de terras feudais e senhores da guerra; e uma vez que qualquer governo deve ser preferido a nenhum governo, os governos democráticos devem, por necessidade, às vezes cooperar com outros governos não democráticos. Em última análise, porém, todos os governos devem ser mudados de acordo com o ideal americano, porque somente a democracia permite mudanças pacíficas e progresso contínuo.

Governos democráticos como os EUA e seus aliados europeus são inerentemente pacíficos e não guerreiam uns contra os outros. Se eles precisam travar uma guerra, suas guerras são guerras de defesa contra regimes não democráticos agressivos, ou seja, guerras justas. Assim, todos os países e territórios atualmente ocupados por tropas americanas ou de seus aliados europeus foram culpados de agressão, e sua ocupação por tropas estrangeiras é um ato de autodefesa e de libertação por parte do Ocidente democrático. A agressividade do mundo islâmico em particular é comprovada pelo próprio fato de que grandes partes dele estão sob ocupação americana-ocidental e mais áreas ainda estão provocando tal ocupação libertadora.

Os governos democráticos são do povo, pelo povo e para o povo. Nas democracias, ninguém governa ninguém, mas as pessoas governam a si mesmas e, portanto, são livres. Os impostos são contribuições e pagamentos por serviços prestados pelo governo; e os sonegadores são, portanto, ladrões, que usufruem sem pagar. Proteger ladrões fugitivos é, então, um ato de agressão às pessoas de quem eles tentam fugir.

A propriedade privada, os mercados e a obtenção de lucros são instituições boas e úteis, mas o governo democrático deve zelar, por meio de legislação adequada, para que a propriedade privada e os lucros sejam adquiridos e usados ​​de forma socialmente responsável e que os mercados funcionem com eficiência. Além disso, os mercados e as empresas com fins lucrativos não podem produzir bens públicos e, portanto, satisfazer as necessidades sociais, e não podem cuidar dos realmente necessitados. As necessidades sociais e os necessitados podem ser atendidos apenas pelo governo. Somente o governo, por meio do financiamento de bens públicos e do apoio dado aos necessitados, pode melhorar o bem-estar público e reduzir, se não eliminar, a carência e o número de necessitados.

Em particular, a política social do governo deve controlar o vício privado da ganância e do lucro. A ganância e a especulação também foram as raízes da atual crise econômica. Financistas imprudentes criaram uma exuberância irracional no público que acabou naufragando na realidade. O mercado falhou manifestamente, e apenas o governo estava pronto para salvar a situação; e somente o governo, por meio de regulamentação e supervisão adequadas do setor bancário e dos mercados financeiros, pode impedir que algo assim volte a acontecer. Bancos e empresas faliram. Mas os governos e seus bancos centrais se mantiveram firmes e protegeram o dinheiro dos poupadores e os empregos dos trabalhadores.

Aconselhados pelos melhores e mais bem pagos economistas do mundo, os governos descobriram a causa da crise e determinaram que, para sair da atual confusão econômica, as pessoas devem consumir mais e investir mais. Cada centavo acumulado sob o colchão é um centavo retido do consumo e investimento presentes e, portanto, diminui o consumo e o investimento futuros. Em uma recessão, em todas as circunstâncias e acima de tudo, os gastos devem ser aumentados; e se as pessoas não gastam o suficiente de seu dinheiro, então o governo deve fazer isso por elas com seu dinheiro. Sabiamente, os governos estão equipados para isso, porque seus bancos centrais podem produzir toda a liquidez necessária. Se bilhões de dólares ou euros não servirem, trilhões o farão; e se trilhões ainda não conseguirem realizar o truque, então quatrilhões certamente o farão. Somente os gastos maciços do governo podem impedir um colapso econômico inevitável. O desemprego, em particular, é o resultado do subconsumo: de as pessoas não terem dinheiro suficiente para comprar bens de consumo; e deve ser curado dando-lhes salários mais altos ou benefícios de desemprego mais altos.

Uma vez que a atual crise econômica tenha sido resolvida, os governos podem e devem novamente se voltar para o verdadeiramente urgente entre os problemas remanescentes que a humanidade enfrenta: a eliminação de toda discriminação injusta como o desideratum final do igualitarismo democrático, e o controle do meio ambiente global e em particular o clima mundial.

Essencialmente, todos os humanos são iguais. As diferenças são apenas aparentes, superficiais e insignificantes: algumas pessoas são brancas, outras pardas e outras pretas; alguns são altos e outros são baixos; alguns são masculinos e outros femininos; alguns falam inglês e outros polonês ou chinês; alguns têm câncer ou AIDS e outros não. Estas são características humanas acidentais. Acontece que algumas pessoas as possuem e outras não. No entanto, dessas diferenças acidentais decorrem apenas consequências triviais, de modo que os mais altos podem alcançar objetos localizados mais alto, que apenas as mulheres podem ter filhos ou que algumas pessoas morrerão mais cedo do que outras. Mas diferenças acidentais como essas não têm relação sistemática com os traços mentais, como energia motivacional, preferência temporal ou destreza intelectual e, como tal, não têm poder explicativo sobre o sucesso econômico e social: em particular, renda, status e posição profissional. Os traços mentais não têm base física, biológica ou étnica e são infinitamente maleáveis. Todos, exceto alguns casos patológicos, são como todos os outros neste aspecto, e todos os povos, ao longo da história, deram uma contribuição igual à civilização. As diferenças aparentemente visíveis são apenas o resultado de diferentes circunstâncias externas e oportunidades de treinamento. Se devidamente situados e treinados, todos são capazes das mesmas realizações. Todas as diferenças de rendimento e desempenho entre brancos, asiáticos e negros, mulheres e homens, latinos, anglos e tailandeses e hindus, protestantes e muçulmanos desapareceriam. Os brancos poderiam ser treinados para competir em igualdade com os negros pelos prêmios mais altos da NBA, no sprint de 100 metros e na corrida de longa distância, e os negros poderiam competir com brancos e asiáticos em matemática, xadrez e engenharia. Se, em vez disso, for verificado que a representação e distribuição de vários grupos acidentais em várias posições sociais de renda, riqueza ou status profissional é desigual, isso mostra uma discriminação injustificada; e tal discriminação deve ser retificada por programas apropriados de ação afirmativa, pelos quais os discriminadores devem compensar os injustamente discriminados.

Há apenas uma exceção possível a este princípio geral da igualdade humana e do mal da discriminação. Pois, além de qualquer dúvida razoável, houve um crime na história, cometido por uma pessoa em particular contra uma outra pessoa em particular, que é incomparável a qualquer outro crime. Não se pode descartar que essa disposição exclusivamente criminosa por parte de um povo tenha raízes genéticas; e na medida em que essa possibilidade não pode ser descartada, é justo que os culpados coletivamente devam continuar a indenizar as vítimas coletivas.

Junto com os esforços para erradicar o mal da discriminação, os governos democráticos devem enfrentar a tarefa fundamental de superar o excessivo particularismo humano – o individualismo, o localismo, o provincianismo, o regionalismo e o nacionalismo – ainda arraigados nas mentes da maioria das pessoas e promover em vez disso, o ideal do universalismo e do Homem Universal e os interesses da humanidade como tal. A necessidade dessa política é demonstrada de forma mais dramática pelos perigos da mudança climática global. Como resultado de incontáveis ​​atos egoístas, a produção desregulamentada e o consumo de várias fontes não renováveis ​​de energia, todo o mundo está ameaçado por catástrofes inimagináveis: ondas gigantes, aumento acentuado e repentino do nível do mar e o surgimento de desequilíbrios ecológicos e instabilidades históricas. Somente por meio de ação governamental concertada em todo o mundo e, em última instância, o estabelecimento de algum governo mundial supranacional e por meio de regulamentações comportamentais minuciosas, cientificamente validadas e administradas e aplicadas em todo o mundo, para todas as atividades de produção e consumo, esses perigos fatais podem ser evitados. Gemeinwohl (bem-estar público) gehtvor (precede) Eigenwohl (bem-estar privado) – isto, acima de tudo, é o que o problema da mudança climática demonstra, e cabe ao governo finalmente colocar este princípio em ação.

A Property and Freedom Society – e com certeza eu, pessoalmente – considera tudo isso simplesmente uma loucura: um absurdo total e um absurdo perigoso. No entanto, isso é essencialmente o que podemos ouvir e ler dia após dia na grande mídia e o que é proclamado por todos os especialistas e eminências respeitáveis. Poucas pessoas conseguem ver através de toda a charada e menos ainda têm a coragem de se manifestar contra ela. É o propósito da PFS e de suas reuniões reunir essas pessoas, atacar frontalmente toda a loucura e a classe dominante que está perpetrando isso contra nós – e se divertir fazendo isso, pelo menos enquanto ainda temos permissão para nos divertir.

 

* Originalmente proferido como discurso inaugural na reunião anual da Property and Freedom Society de 2009 em Bodrum, Turquia, em 21 de maio de 2009.

2 COMENTÁRIOS

  1. “A única forma verdadeiramente legítima de governo é a democracia”

    Mestre Hoppe sempre afiado.
    É curioso que o a vasta maioria dos indivíduos torce o nariz para os Estados Unidos – inclusive os próprios americanos, mas no entanto, aceitam a democracia com um deus supremo do qual o mundo deve girar ao redor ou acabar em barbárie. E esse modelo de governo foi criado nos EUA e tem servido justamente para ele poder enquadrar o mundo inteiro em sua agenda de poder. Exportar a democracia é o que eles dizem…

    Tudo fica mais fácil para os imperialistas quando formas de governo autóctones são eliminadas para adotar a ladaia democrática. Eu não tenho a menor dúvida que a forma de governo brasileira é o antigo Império, cujos milicos destruiram – e décadas antes de a canalha esquerdista começar a falar mal deles. Assim, boçalmente democráticos, não passamos de um quintal dos EUA. Não é a toa que o Império nos legou Machado de Assis, nosso maior escritos e a republiqueta os modernistas…

    A democracia se tornou a única maneira de estatistas e esquerdistas em geral impor a sua agenda parasitária. Ainda que eu seja adepto da ética libertária, não posso deixar de notar que uma ditadura tende a ser pouco flexível na média, contra o modo de vida esquerdista. As elites violentas que tomam o poder nestas circunstâncias não parecem, em um primeiro momento, muito interessadas com o modo de vida da esquerda. Neste caso a saída sempre foi ter um helicoptero a mão. E isso é belo e moral.