Rothbard expõe a elite que lucra com as guerras

0
Tempo estimado de leitura: 10 minutos

[Este artigo foi retirado da introdução do livro de Murray Rothbard Wall Street, bancos, e a política externa americana, publicado hoje pelo Instituto Rothbard]

A análise de Murray Rothbard de 1984 da história americana moderna como uma grande luta de poder entre elites econômicas, entre a Dinastia de Morgan e os interesses de Rockefeller, culmina na seguinte conclusão: “A elite que controla o poder financeiro pode dormir bem à noite, independentemente de quem vença em 1984.” Quando você chega a ela, a conclusão parece de fato subestimada, pois o que temos aqui é uma história abrangente e compactada da política do século XX do ponto de vista da elite dominante. Ela representa uma amostra pequena e altamente especializada do vasto conhecimento histórico de Rothbard, juntamente com uma vida dedicada ao individualismo metodológico nas ciências sociais. Ela apareceu pela primeira vez em 1984, no auge dos anos Reagan, em uma pequena publicação financeira chamada World Market Perspective. Foi impresso para um público maior pelo Centro de Estudos Libertários em 1995 e apareceu online pela primeira vez em 2005.

Os teóricos de esquerda e direita estão constantemente se referindo a “forças” abstratas quando examinam e tentam explicar padrões históricos. Aplicando o princípio do individualismo metodológico – que atribui toda ação humana a agentes individuais – e os princípios econômicos da Escola Austríaca, Rothbard formulou uma visão incisiva da elite americana e da história da era moderna.

A análise de Rothbard flui, primeiro, dos princípios básicos da economia austríaca, particularmente a análise misesiana do sistema bancário e a origem dos ciclos econômicos. Essa questão também é discutida e elaborada em um de seus últimos livros, Pelo Fim do banco Central (Editora Konkin, 2021). Aqui, o autor relata a história de como o Federal Reserve System veio a ser impingido ao povo americano desavisado por uma poderosa aliança de interesses bancários. A análise econômica de Rothbard é clara, concisa e abrangente, cobrindo a natureza do dinheiro, a gênese do papel-moeda do governo, a instabilidade inerente (e fraude essencial) do sistema bancário de reservas fracionárias e as verdadeiras causas dos ciclos econômicos.

Como Rothbard explica em seus escritos econômicos, a chave está em entender que a moeda é uma mercadoria, como qualquer outra, e, portanto, sujeita às leis do mercado. Um monopólio concedido pelo governo nisso, a força vital do sistema econômico, é uma receita para a inflação, uma moeda desvalorizada – e a criação de uma plutocracia permanente cujo poder é virtualmente ilimitado.

No presente ensaio, como em Pelo Fim do banco Central, é na seção sobre a história do movimento para estabelecer o Federal Reserve System que a análise rothbardiana completa e fascinante da elite dominante entra em jogo. O que chama a atenção nessa obra é a infinidade de detalhes. O argumento de Rothbard está tão repleto de fatos que detalham as conexões sociais, econômicas e familiares do florescente Poder do Dinheiro, que precisamos dar um passo atrás e olhar para ele à luz da teoria rothbardiana, especificamente a teoria da análise de classes de Rothbard.

Rothbard reivindicou avidamente o conceito de análise de classe dos marxistas, que o expropriaram dos teóricos franceses do laissez-faire. Marx foi o autor de uma versão plagiada, distorcida e vulgarizada da teoria baseada na teoria do valor-trabalho ricardiana. Dada essa premissa, ele apresentou uma análise de classe colocando trabalhadores contra proprietários.

Uma das muitas grandes contribuições de Rothbard para a causa da liberdade foi restaurar a teoria original, que opunha o povo contra o Estado. Na teoria rothbardiana da luta de classes, o governo, incluindo seus clientes e aplicadores da lei, explora e escraviza as classes produtivas por meio de impostos, regulamentação e guerra perpétua. O governo é um incubus, um parasita, incapaz de produzir qualquer coisa por si só, e em vez disso se alimenta das energias vitais e da capacidade produtiva dos produtores.

Este é o primeiro passo de uma análise de classe libertária totalmente desenvolvida. Infelizmente, é aqui que os processos de pensamento de muitos supostos libertários chegam a um impasse. Basta, para eles, saber que o Estado é o Inimigo, como se ele fosse um primário irredutível.

Como William Pitt disse em 1770: “Há algo por trás do trono maior do que o próprio rei”. Cegos para as forças reais em ação por causa de seu erro metodológico, os libertários de esquerda se contentam em viver em um mundo de ficção científica e esquemas utópicos, no qual eles não são uma ameaça para os poderes constituídos e, portanto, são tolerados e às vezes mesmo estimulados.

A falha dos libertários de esquerda em levar o processo analítico um passo adiante é, em muitos casos, uma falha de coragem. Pois é claro, dada a teoria libertária e os insights econômicos da Escola Austríaca, para onde leva o próximo passo. Nenhuma evidência empírica é necessária, neste momento (embora isso venha mais tarde, e em abundância); a verdade pode ser deduzida da teoria pura, especificamente a teoria austríaca da natureza do dinheiro e dos bancos, e a análise misesiana da origem dos ciclos econômicos.

Essa dedução foi feita de forma brilhante e empolgante na primeira edição do The Journal of Libertarian Studies (Inverno de 1977), por dois estudantes de Rothbard, Walter E. Grinder e John Hagel III, em “Toward a Theory of State Capitalism: Ultimate Decision-Making and Class Structure.”.

Enquanto um mercado livre puro necessariamente impediria o desenvolvimento de um monopólio bancário, “o sistema de mercado concentra a atividade empresarial e a tomada de decisões no mercado de capitais por causa dos benefícios consideráveis ​​que são proporcionados por um certo grau de especialização”.

Esse “mercado de capitais especializado, pela própria natureza de seu papel integrador dentro do sistema de mercado, emergirá como um locus estratégico de tomada de decisão final”. Dado que alguns indivíduos preferirão os meios políticos aos econômicos, algumas dessas grandes fortunas utilizarão seus tremendos recursos para cartelizar o mercado e se proteger contra o risco. A tentação dos banqueiros em particular de exercer o poder do Estado em seu benefício é muito grande porque permite que os bancos inflem sua base de ativos sistematicamente. A criação de ativos possibilitada por estas medidas liberta em grande medida as instituições bancárias dos constrangimentos impostos pela forma passiva de decisão final exercida pelos seus depositantes. Deste modo, reforça consideravelmente a autoridade decisória final dos bancos em relação aos seus depositantes. As tendências inflacionárias decorrentes da criação de ativos tendem a aumentar a relação entre financiamento externo e financiamento interno nas grandes corporações e, consequentemente, aumenta o poder de decisão final das instituições bancárias sobre as atividades das corporações industriais.

A visão austríaca concentra-se no papel fundamental desempenhado pelos bancos centrais na geração da distorção dos sinais do mercado que leva a expansões e recessões periódicas, os temidos ciclos econômicos que sempre são atribuídos às contradições inerentes ao capitalismo irrestrito.

Mas, na verdade, esse capitalismo é tudo menos irrestrito. (Tente abrir seu próprio banco privado!) A última coisa que os banqueiros americanos querem é um sistema bancário irrestrito. Rothbard não apenas traça a distorção original do mercado que dá origem aos ciclos econômicos, mas também identifica a fonte (e os principais beneficiários) dessa distorção. Foi Mises quem apontou que a intervenção do governo na economia invariavelmente leva a ainda mais intervenção para “consertar” o estrago causado – e há uma certa lógica no fato de que foram os culpados originais que decidiram “consertar” as distorções e rupturas causadas por suas políticas com novos ataques ao mecanismo de mercado. Como Grinder e Hagel colocaram:

Nos EUA, essa intervenção envolveu inicialmente medidas esporádicas, tanto em nível federal quanto estadual, que geraram distorção inflacionária na oferta monetária e rupturas cíclicas da atividade econômica. As rupturas que acompanharam os ciclos econômicos foram um fator importante na transformação da ideologia dominante nos EUA de uma adesão geral às doutrinas do laissez-faire para uma ideologia do capitalismo político que via o Estado como um instrumento necessário para a racionalização e estabilização de uma ordem econômica inerentemente instável.

Capitalistas como inimigos do capitalismo

Isso explica o estranho fato histórico, relatado longa e detalhadamente por Rothbard, de que os maiores capitalistas foram os inimigos mais mortais do verdadeiro capitalismo. Pois praticamente todas as supostas “reformas” sociais dos últimos cinquenta anos foram promovidas não apenas por esquerdistas “idealistas”, mas também pelas próprias combinações corporativas caricaturadas como os “monarcas econômicos” gordos e de cartola de Wall Street.

A direita neoconservadora retrata a batalha contra o Grande Governo como uma luta maniqueísta bilateral entre as forças da luz (isto é, do capitalismo) e os remanescentes das elites esquerdistas amplamente desqualificadas. Mas a análise histórica de Rothbard revela um padrão muito mais rico e complexo: em vez de ser bilateral, a luta pela liberdade coloca pelo menos três lados uns contra os outros. Pois os capitalistas, como apontaram John T. Flynn, Albert Jay Nock e Frank Chodorov, nunca foram a favor do capitalismo. Como Nock colocou:

É uma das poucas coisas divertidas em nosso mundo um tanto enfadonho que aqueles que hoje estão mais exaltados em relação ao coletivismo e à ameaça vermelha são os mesmos que bajularam, subornaram, lisonjearam e atormentaram o Estado para ele dar cada um dos passos sucessivos que levam direto ao coletivismo. [“Impostor Terms,”, Atlantic Monthly, fevereiro de 1936.]

A política econômica do New Deal foi, como Rothbard demonstrou, prefigurada por Herbert Hoover, defensor das grandes empresas, e prenunciada nas reformas da era progressista. Como os historiadores econômicos revisionistas, como Gabriel Kolko, mostraram, aqueles que regulavam as grandes indústrias em nome da “reforma” progressista foram recrutados dos próprios cartéis e trustes que foram criados para domar.

E é claro que os monopolistas não se importavam em serem domados, desde que seus concorrentes fossem domados (se não eliminados). Cada salto gigantesco de planejamento econômico e centralização – banco central, estado de bem-estar social, “direitos civis” e ação afirmativa – foi apoiado, se não iniciado, pelos maiores e mais poderosos interesses comerciais do país. A Dinastia Morgan, os Rockefellers e os Kuhn-Loebs devem ser colocados ao lado da Primeira, Segunda e Terceira Internacionais como inimigos históricos da liberdade.

As gigantescas corporações multinacionais e seus satélites econômicos, em aliança com governos e grandes bancos, estão em processo de estender sua influência em escala global: sonham com um banco central mundial, planejamento global e um estado de bem-estar internacional, com tropas policiando o mundo para garantir suas margens de lucro.

Após a longa batalha para criar um banco central nos EUA, os altos sacerdotes das grandes instituições financeiras finalmente conquistaram e consolidaram o controle da política econômica doméstica. Restava-lhes apenas estender seu domínio internacionalmente e, para isso, criaram o Conselho de Relações Exteriores e, mais tarde, a Comissão Trilateral.

Esses dois grupos foram apoderados pela nova direita populista como as personificações virtuais da Elite Dominante, e com razão. É somente lendo Rothbard, no entanto, que esse insight é colocado em sua perspectiva histórica adequada. Pois o fato é que, como mostra Rothbard, a rede CRE/Trilateralista é apenas a última personificação de uma tendência profundamente enraizada na história americana moderna. Muito antes da fundação do CRE ou da Comissão Trilateral, havia uma elite dominante neste país; essa elite provavelmente durará muito tempo depois que essas organizações desaparecerem ou se transformarem em outra coisa. O desmascaramento de Rothbard das raízes históricas e econômicas dessa tendência é vital para entender que não se trata de uma “conspiração” centrada na CRE e nos grupos Trilateralistas, enquanto tais, mas uma tendência ideológica tradicionalmente centrada no Nordeste, entre as classes altas, e profundamente enraizado na história americana.

Coloco a palavra “conspiração” entre aspas porque ela se tornou o palavrão favorito da Respeitável Direita e da Esquerda “extremista”. Se é conspiração acreditar que os seres humanos se envolvem em atividades propositais para alcançar seus objetivos econômicos, políticos e pessoais, então homens e mulheres racionais devem necessariamente se declarar culpados. A alternativa é afirmar que a ação humana é sem propósito, aleatória e inexplicável. A história, nessa visão, é uma série de acidentes descontínuos.

No entanto, seria impreciso chamar a visão de mundo rothbardiana de “teoria da conspiração”. Dizer que a Dinastia Morgan estava engajada em uma “conspiração” para arrastar os EUA para a Primeira Guerra Mundial, quando na verdade usou abertamente todos os estratagemas, todas as alavancas econômicas e políticas, para nos empurrar para “a guerra para acabar com todas as guerras,” parece lamentavelmente inadequado. Esta não foi uma reunião secreta da cabala em uma sala de reuniões corporativa à prova de som, mas uma “conspiração” de ideias expressas aberta e vociferantemente. (Neste ponto, observe e sublinhe a análise de Rothbard sobre a fundação da The New Republic como o carro-chefe literário da “crescente aliança para a guerra e o estatismo” entre os interesses de Morgan e os intelectuais progressistas – e não é engraçado como algumas coisas nunca mudança?)

Uma teoria da conspiração atribui praticamente todos os problemas sociais a uma única agência monolítica. O feminismo radical, que atribui todo o mal do mundo à existência dos homens, é uma teoria da conspiração clássica; as visões paranoicas dos ex-comunistas do movimento conservador, que estavam obcecados em destruir seus ex-companheiros, era outra.

Mas a complexidade e sutileza da análise rothbardiana, apoiada pela enorme massa de ricos detalhes históricos, coloca Rothbard em um plano totalmente diferente e superior. Aqui não há uma agência única, nenhum comitê central onipotente que emita diretrizes, mas uma multiplicidade de grupos de interesse e facções cujos objetivos são geralmente congruentes.

Nesse meio, há conexões familiares, sociais e econômicas, bem como cumplicidade ideológica, e ninguém é melhor do que Rothbard para bisbilhotar e desvendar esses detalhes biográficos. Tomadas em conjunto, as pequenas e estudadas pinceladas do autor pintam o retrato de uma classe dominante cuja crueldade é superada apenas por sua descarada deslealdade à nação.

É um retrato que permanece inalterado, em sua essência, até hoje. Wall Street, bancos, e a política externa americana foi escrito e publicado em 1984, durante os anos Reagan.

Reagan começou denunciando a elite dominante e especificamente o CRE e os Trilateralistas, mas acabou ficando com o epítome do establishment, o membro da sociedade Skull & Bones George Bush como seu vice-presidente e sucessor.

Bush é um diretor do CRE de longa data, e Trilateralista; a maioria de seus principais membros de gabinete, incluindo seu secretário de Estado, Colin Powell, eram membros do CRE. O governo Clinton está igualmente acometido, desde o Presidente (CRE/Trilateral) até Donna Shalala (CRE/Trilateral) e George Stephanopoulos (CRE), com o CRE infiltrado (como sempre) em todo o Departamento de Estado. Além do secretário de Estado Warren Christopher, outros membros do CRE no gabinete de Clinton incluem Laura Tyson, presidente do Conselho de Assessores Econômicos, o secretário do Tesouro Robert Rubin; o secretário do Interior Bruce Babbitt, o chefe do HUD Henry Cisneros; e Alice Rivlin, diretora da OMB.

O outro lado do corredor é igualmente cooptado no nível da liderança, como vividamente dramatizado pela retirada de Gingrich diante do poder e majestade de Henry Kissinger. Naturalmente, espera-se covardia dos políticos, mas a acusação também inclui o que se passa com os líderes intelectuais da “revolução” republicana de livre mercado.

Há uma certa mentalidade que, por mais convincentes que sejam as evidências, jamais consideraria o argumento apresentado em Wall Street, bancos, e a política externa americana. Essa atitude decorre de um tipo particular de covardia. É um medo, antes de tudo, de não ser ouvido, um medo de se entregar ao papel de Cassandra, a antiga profetisa grega que recebeu o poder de previsão dos deuses, com apenas uma única limitação: que ninguém nunca preste atenção aos seus avisos. É muito mais fácil e muito mais lucrativo desempenhar o papel de historiador da corte.

Este é um papel que o autor deste panfleto brilhante nunca poderia ter desempenhado, mesmo que tivesse tentado. Pois a verdade (ou, pelo menos, a busca por ela) é muito mais interessante do que as histórias oficiais e a sabedoria convencional do momento. O puro prazer que Rothbard teve em desenterrar a verdade, em cumprir sua vocação como um verdadeiro erudito, é evidente não apenas em cada página do presente trabalho, mas em seus 28 livros e milhares de artigos e discursos.

Rothbard não tinha medo de compartilhar o destino de Cassandra porque, em primeiro lugar, a verdade é um valor por si só, e deve ser defendida por si mesma. Em segundo lugar, eventualmente a verdade sempre aparece, apesar dos esforços mais árduos para suprimi-la.

Adquira este livro aqui