Socialismo é escravidão (e pior)

3
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

O socialismo é a propriedade governamental dos meios de produção. Uma vez que todo trabalho requer o uso de meios de produção, no socialismo o governo é um empregador monopolista universal. Todos são forçados a trabalhar para o governo. Todo mundo é escravo do governo.

Sem a competição dos empregadores por trabalho, o nível natural de salários sob o socialismo é a subsistência mínima. Mesmo que tivesse os meios, um estado socialista sempre tem algo mais importante para atender do que o padrão de vida de seus cidadãos.

O ideal moral do socialismo é “de cada um de acordo com sua capacidade, a cada um de acordo com sua necessidade”. Como a capacidade é limitada enquanto a necessidade é ilimitada, o socialismo proclama seu mundo ideal como um mundo de carências ilimitadas, em que quem obtém o que é determinado pela força bruta arbitrária.

Isso inclui a determinação de quem trabalha em quê, onde e em que medida. No socialismo, todo mundo é uma ferramenta passiva do governo, esperando que lhe digam o que fazer, como fazer e onde fazer.

A natureza do socialismo é revelada em sua adesão à proposição de que o indivíduo é o meio para os fins da sociedade.

Uma vez que a “sociedade” não tem existência real separada dos indivíduos que a compõem, o que isso significa é que o indivíduo é o meio para os fins da sociedade COMO PROFETIZADO PELOS GOVERNANTES DA SOCIEDADE.

E o que isso significa é que o indivíduo é o meio para os fins dos governantes.

A escravidão no socialismo é a pior forma de escravidão. Um escravo é propriedade do estado, não de qualquer indivíduo privado, que sofreria o ferimento ou a morte do escravo como seu prejuízo. No socialismo, a vida e o bem-estar do escravo não têm valor. Então, milhões são massacrados.

Assim, o socialismo vai da escravidão ao assassinato em massa.

Quando você ouvir um socialista ou falar com um socialista, saiba que está lidando com alguém que busca escravizá-lo e que é cúmplice de um possível assassinato em massa.

 

Artigo original aqui.

3 COMENTÁRIOS

  1. Na verdade, a frase “de cada um de acordo com sua capacidade, a cada um de acordo com sua necessidade” não quer dizer socialismo. Em uma sociedade libertária e sem o estado com sua violência agressiva roubando os indivíduos, ela também é válida. Os mais aptos e dispostos para o trabalho (capacidade) irão naturalmente terem bons meios de vida, porque Mises afirmou que em uma economia realmente livre, onde os indivíduos aceitassem os salários que o mercado pode pagar, não haveria desemprego. Os perdedores involuntários – e aleatórios, do sistema, seriam cobertos pela caridade, algo que ressurgiria após a máfia estatal ser liquidada. Assim, como o jusnaturalismo é válido, o próprio mercado regularia o que seria a necessidade destas pessoas fora do sistema, de modo que isso não se tornasse um abuso ou dependência crônica.