Os mitos da democracia condenarão a liberdade?

1
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

A Suprema Corte declarou em 1943: “Não há misticismo no conceito americano de Estado ou da natureza ou origem de sua autoridade.” Na realidade, as doutrinas cardeais da democracia contemporânea são camadas sobre camadas de verborragia mística. As frases que consagram a democracia estão tão profundamente penetradas nas mentes de muitos americanos quanto um lixo tóxico enterrado.

Se Joe Biden vencer a eleição presidencial, será dito aos eleitores que nosso sistema político está redimido: a “vontade do povo” agora está clara, Biden governará com “o consentimento dos governados” e os americanos são obrigados a novamente confiar e obedecer ao governo federal. Se Donald Trump for reeleito, grande parte da mesma mídia continuará reclamando de conspirações russas imaginárias. Mas essas noções continuam sendo ilusões perigosas, independentemente de quem é declarado o vencedor no dia da eleição.

A noção de que os resultados eleitorais representam a “vontade do povo” é um dos triunfos mais vergonhosos da propaganda democrática. Em vez de revelar a “vontade do povo”, os resultados das eleições costumam ser um retrato de um dia de delírios de massa passageiros. Votos que apenas revelam desprezo comparativo por políticos profissionais concorrentes são transformados em aprovações de projetos para refazer a humanidade à força.

As pessoas são encorajadas a acreditar que seu voto no dia da eleição de alguma forma garante milagrosamente que as dez mil ações subsequentes do presidente, do Congresso e de agências federais incorporam “a vontade do povo”. Na verdade, quanto mais editais um presidente emite, menos provável que seus decretos tenham qualquer conexão com as preferências populares. É ainda mais duvidoso que todas as provisões de pacotes legislativos robustos reflitam o apoio da maioria, considerando a manipulação, negociação e conivência antes da aprovação final. Ou talvez o Espírito Santo da Democracia paire sobre o Capitólio para garantir que os americanos comuns realmente desejem todas as disposições em cada página dos projetos de lei que a maioria dos deputados e senadores nem se dá ao trabalho de ler?

Um primo bastardo da tolice da “vontade do povo” é a noção de que os cidadãos e o governo são a mesma coisa. O presidente Franklin Roosevelt, após cinco anos da mais rápida possível expansão do poder federal, declarou em 1938: “Nunca nos esqueçamos de que o governo somos nós mesmos e não um poder estrangeiro sobre nós”. O presidente Johnson declarou em 1964: “O governo não é inimigo do povo. O governo é o próprio povo”, embora não tivesse sido as mentiras “do povo” que enviaram dezenas de milhares de recrutas americanos a mortes inúteis no Vietnã. O presidente Bill Clinton declarou em 1996: “O governo é apenas o povo, agindo em conjunto – apenas o povo agindo em conjunto”. Mas não foram “as pessoas agindo juntas” que bombardearam a Sérvia, invadiram o Haiti, bloquearam o Iraque ou enviaram os tanques para Waco.

O presidente Barack Obama abordou o tema em uma arrecadação de fundos democrata em 2015: “Nosso sistema só funciona quando percebemos que o governo não é uma coisa estranha; o governo não é uma conspiração ou complô; não é algo para oprimir você. O governo somos nós em uma democracia”. Mas não foram os cidadãos particulares que, durante o reinado de Obama, publicaram mais de meio milhão de páginas de novas regulamentações propostas e finais e avisos no Federal Register; fez mais de 10 milhões de decisões administrativas; tacitamente, assumiu o controle de mais de 500 milhões de acres, designando-os “monumentos nacionais”; e bombardeou sete nações estrangeiras. A doutrina “o governo é o povo” só faz sentido se assumirmos que os cidadãos são masoquistas que desejam secretamente ter suas vidas arruinadas.

Os presidentes ecoam perenemente o apelo da Declaração da Independência ao “consentimento dos governados”. Mas o consentimento político é medido de forma muito diferente do consentimento em outras áreas da vida. A principal prova de que os americanos não são oprimidos é que os cidadãos votaram mais em um dos candidatos que conseguiu seu nome na cédula. Um político pode dizer ou fazer quase qualquer coisa para obter votos; depois do dia da eleição, os cidadãos não podem fazer quase nada para conter os políticos vencedores.

Uma pesquisa de 2017 da Rasmussen Reports descobriu que apenas 23% dos americanos acreditam que o governo federal tem “o consentimento dos governados”. O consentimento político é definido hoje como o estupro foi definido uma ou duas gerações atrás: as pessoas consentem com qualquer coisa a que não resistem à força. Os eleitores não podem reclamar de serem enganados depois de serem atraídos para uma cabine de votação. Quem não tentou incendiar a prefeitura provavelmente consentiu com tudo o que o prefeito fez. Qualquer um que não pular a cerca da Casa Branca e tentar invadir o Salão Oval concorda com todas as ordens executivas. Qualquer pessoa que não taque uma bomba no prédio público mais próximo consente com os últimos decretos burocráticos emitidos pelo governo. E se as pessoas realmente atacam as instalações do governo, então são terroristas que podem ser mortos ou presos para sempre com razão.

No curto prazo, a ilusão democrática mais perigosa é que a realização de uma eleição torna o governo novamente confiável. Apenas 20% dos americanos confiam no governo para “fazer a coisa certa” na maioria das vezes, de acordo com uma pesquisa realizada no mês passado pelo Pew Research Center. Os americanos estão sendo encorajados a acreditar que apenas mudar o nome do ocupante da Casa Branca deve restaurar a fé no governo.

Se Biden for eleito, ouviremos o mesmo enredo de “redenção” que foi alardeado quando Obama substituiu (temporariamente) a desgraça do George W. Bush. A mesma mídia que ignorou a corrupção de Biden durante a campanha presidencial vai insistir que sua posse purifica o Tio Sam. Com Biden no comando, analistas e figurões jurarão que é seguro expandir o controle federal sobre saúde, educação, habitação, economia, meio ambiente e tudo o mais que se mova.

Mas a benevolência do governo raramente transcende a perfídia da política. Washington permanecerá tão venal como sempre, independentemente do coro de aleluia dos participantes da PBS NewsHour. Quando os escândalos explodirem, os cidadãos serão instruídos a confiar em soluções aprovadas politicamente para o sistema – embora a maioria das reformas de Washington seja sobre como combater o crime escondendo os cadáveres das vítimas.

É hora de desmistificar a democracia. O efeito mais claro da exaltação da democracia é deixar mais fácil para os políticos piorar a vida de todas as outras pessoas. Até que presidentes e membros do Congresso comecem a honrar seu juramento de apoiar e defender a Constituição, eles merecem toda a desconfiança e desdém que recebem. Os americanos precisam de menos fé na democracia e mais fé em sua própria liberdade.

 

Artigo original aqui.

1 COMENTÁRIO

  1. “A Suprema Corte declarou em 1943: “Não há misticismo no conceito americano de Estado ou da natureza ou origem de sua autoridade.” achei isso interessantíssimo. Alguém deste nobre instituto sabe porque a suprema corte teve que decidir isso? Na verdade, ela esta errada! o estado leviatã é sim puro misticismo e o conceito de autoridade é apenas uma fé religiosa dos estatistas – garantida pelo chumbo.

    É curioso que os conservadores americanos tem exatamente este conceito do estado, tanto que pra eles o estado em si não é fascismo, mas o governo.

    Minha briga com a máfia liberal, esses desmiolados e mal-intencionados, é justamente o fato deles defenderem esse conceito religioso de estado, enquanto arrotam que são ateus – principalmente os da seita randiana.