Soljenítsin sobre a OTAN, Ucrânia e Putin

7
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

“Os homens não aceitarão a verdade nas mãos de seus inimigos, e a verdade raramente é oferecida a eles por seus amigos: por isso mesmo a falei.” – Alexis de Tocqueville, Democracia na América

Alexander Soljenítsin é o crítico mais famoso do comunismo – que realmente viveu para contar sobre ele! Em 1970, ele ganhou o Prêmio Nobel por seu memorável Arquipélago Gulag, que desde então vendeu milhões de cópias (tanto ou mais quanto o número real de vítimas). Se algum homem durante a Guerra Fria mereceu o título de “Consciência Moral do Ocidente” foi Soljenítsin.

Enquanto lutava contra os nazistas durante a Segunda Guerra Mundial, ele foi preso em 1945 pela Polícia Secreta Soviética. O crime de Soljenítsin? Ele havia escrito cartas para um amigo que criticava Stalin (codinome “o Chefe”). Condenado a oito anos em campos de trabalhos forçados na Sibéria, sua experiência assustadora é detalhada em seu conto, Um dia na vida de Ivan Denisovich. Libertado durante o período de desestalinização de Nikita Khrushchev, Soljenítsin foi inicialmente autorizado a publicar suas denúncias surpreendentes dos horrores soviéticos, mas em 1974 ele perdeu sua cidadania e foi exilado na Alemanha Ocidental. Em 1976, mudou-se com a família para os Estados Unidos, onde continuou a escrever e fazer discursos, incluindo o agora profético “Discurso de Formatura de Harvard de 1978”. Em 1994, dois anos após a queda da União Soviética, Soljenítsin retornou à Rússia e continuou escrevendo até sua morte em 2008.

O que o sábio russo tinha a dizer em entrevista ao Moscow News em 28 de abril de 2006, sobre a OTAN e a Ucrânia, é tão profético hoje quanto politicamente incorreto:

   Os Estados Unidos estão colocando suas tropas de ocupação em um país após o outro. Esta é a situação de facto na Bósnia por 9 anos, no Kosovo e no Afeganistão por 5 anos cada, no Iraque por 3 anos até agora, mas permanecerá por muito tempo lá. Há pouca diferença entre as ações da OTAN e as ações individuais dos EUA. Vendo claramente que a Rússia de hoje não representa nenhuma ameaça para eles, a OTAN está desenvolvendo metodicamente e persistentemente seu aparato militar – para o leste da Europa e para o alcance continental da Rússia pelo sul. Há apoio material e ideológico aberto para revoluções “coloridas” e a introdução paradoxal de interesses do Atlântico Norte – na Ásia Central. Tudo isso não deixa dúvidas de que está sendo preparado um cerco completo da Rússia e, em seguida, a perda de sua soberania. Não, a adesão da Rússia a tal aliança euro-atlântica, que faz propaganda e a introdução violenta em várias partes do planeta da ideologia e das formas da atual democracia ocidental – levaria não à expansão, mas ao declínio da civilização cristã.

O que está acontecendo na Ucrânia, mesmo a partir da formulação falsamente construída para o referendo de 1991 (já escrevi e falei sobre isso antes), me causa constante amargura e sofrimento. A supressão e perseguição fanática da língua russa (que em pesquisas anteriores foi reconhecida como sua língua principal por mais de 60% da população da Ucrânia) é simplesmente uma medida atroz, e também dirigida contra a perspectiva cultural da própria Ucrânia. Enormes extensões de terra que nunca pertenceram à Ucrânia histórica, como Novorossia, Crimeia e toda a região sudeste, foram inseridas à força no atual estado ucraniano e em sua política de adesão gananciosa à OTAN. Em todo o mandato de Yeltsin, nenhuma reunião com presidentes ucranianos foi sem capitulações e concessões de sua parte. A expulsão da Frota do Mar Negro de Sebastopol (nunca cedida à RSS ucraniana mesmo sob Khrushchev) é uma profanação básica e cruel de toda a história russa dos séculos XIX e XX.

Sob todas essas condições, a Rússia não ousa, de forma alguma, trair indiferentemente os muitos milhões da população russa na Ucrânia, negando nossa unidade com eles.

Soljenítsin raramente dava entrevistas, mas em um artigo recente, seu biógrafo católico Joseph Pearce, nos dá pepitas adicionais de sabedoria de 23 de junho de 2007, com a revista semanal alemã Der Spiegel. O que ele diz sobre Putin, pode surpreender a maioria das pessoas:

    Vladimir Putin – sim, ele era um oficial dos serviços de inteligência, mas não era um investigador da KGB, nem era o chefe de um campo no gulag. Quanto ao serviço de inteligência estrangeira, isso não é negativo em nenhum país – às vezes até rende elogios. George Bush pai não foi muito criticado por ser o ex-chefe da CIA, por exemplo.

Em 2014, depois que a Rússia sofreu sanções por suas ações na Crimeia, Putin foi questionado se as relações com os Estados Unidos haviam azedado devido à Crimeia ou à Síria. “Você está enganado”, disse Putin ao jornalista. “Pense na Iugoslávia. Foi quando começou.”

Isso é confirmado por Soljenítsin no artigo já citado:

   Os cruéis bombardeios da OTAN na Sérvia… É justo dizer que todas as camadas da sociedade russa ficaram profunda e indelevelmente chocadas por esses bombardeios… Assim, a percepção do Ocidente como principalmente um ‘cavaleiro da democracia’ foi substituída pela crença decepcionada de que o pragmatismo, muitas vezes cínico e egoísta, está no centro das políticas ocidentais. Para muitos russos foi uma grave desilusão, uma destruição de ideais.

Em janeiro de 1999, na aldeia iugoslava de Racak, forças sérvias (cristãos ortodoxos) mataram 45 albaneses de Kosovo (muçulmanos sunitas), a maioria mulheres e crianças. Sem a aprovação das Nações Unidas, na primavera de 1999, as forças norte-americanas lideradas pela OTAN lançaram uma campanha de bombardeio contra a Iugoslávia que durou 78 dias. A Operação Allied Force resultou na morte de mais de 500 civis. Quando as forças russas ajudaram a proteger certos locais sérvios, a guerra aberta entre a Rússia e a OTAN quase eclodiu.

A mesma coisa pode estar prestes a acontecer agora, já que a OTAN escalou uma situação já tensa na Europa Oriental devido ao aumento da preparação militar, como mostra Mearsheimer.

Como católicos, faríamos bem em respeitar os pontos de vista de Soljenítsin e compartilhá-los com o maior número possível antes de vivermos para nos arrepender de não ter feito isso. Nossa Senhora do Rosário de Fátima, rogai por nós!

 

 

Artigo original aqui

7 COMENTÁRIOS

  1. Isso é o que? Um artigo pró Putin? País não pensa, não fala, não tem direitos. a Ucrânia surgiu como país independente com todos os territórios mencionados. O máximo que poderíamos defender é cada território escolher seu destino, ou seja sua população. Soljenítsin estava certo sobre o comunismo, mas fora o que falou sobre o comunismo, todo o resto é lixo. O homem via no Putin um futuro, e considerava-o um líder capaz. Só isso já jogaria todo o passado dele fora, pois um erro crasso desses é capaz de manchar qualquer reputação, exatamente pela hipocrisia. Mas o ser humano é assim mesmo, sem coesão. Todos somos.
    A OTAN como força militar, é um agente de força do Ocidente, é normal que cresça. Mas a desculpa de Putin em nada condiz com a realidade. No mundo de hoje ter ou não o controle da Ucrânia não impediria o país de ser invadido por uma potência superior, como os EUA.
    Soljenítsin fala que a OTAN, levando “democracia” a outras partes do mundo levaria um declínio da civilização cristã. Como se o cristianismo na Europa já não está em crise há pelo menos 2 séculos, pelo menos desde o fim do século XVIII. Deus está morto no ocidente, hoje deus é quase um suvenir, e também está morto na Europa Oriental.
    Vivi para ver conservadores cristãos, católicos, defenderem o próprio diabo. Estão agindo igual a Arthur Neville Chamberlain, achando que podem fazer concessões ao demônio. Putin não é diferente do bigodinho, a muito ele vem aprontando, mas só houve apaziguamento, agora é hora de enfrentar o monstro

    • Negociar a rendição da Ucrânia, que agora terá que ceder um bom pedaço de terra aos russos, pois estes não aceitarão sair de mãos vazias desse conflito, após perda de soldados, maquinaria de guerra, etc…

      De pensar que nada disso seria necessário, bastava a Ucrânia ter mandado uma banana para a Otan lá em 2014.

      A outra opção é lutar até o último ucrâniano e depois meter as tropas da Otan no conflito, aí será a terceira guerra mudial declarada. (Acho que os EUA e sua “putinha”, o Zelensky, estão bem inclinados a essa opção)

      O Fórum Econômico Mundial também deve estar inclinado à segunda opção, pois se a fraudemia falhou em criar a situação ideal para o “Grande Reset”, não custa nada tentar um conflito global. (demônios como o Klauss Schwab, George Soros, etc… estarão todos covardemente trancafiados dentro de “bunkers” enquanto o povo morre na guerra)

  2. ” incluindo o agora profético ‘Discurso de Formatura de Harvard de 1978″

    Um negócio que eu nunca entendi é como este discurso do Soljenítsin, apenas dois dias após ser proferido, já era amplamente lido pelos dissidentes anti-comunistas da antiga Tchecoslováquia. E daí partiu para a URSS. Mas e a tal cortina de ferro? Após a minha adesão ao anarquismo de propriedade privada graças a Mises/Rothbard, eu percebi que a humanidade vive mergulhada em mundo de propaganda e lavagem cerebral do império americano. De fato, fui enganado por esta raça de protestantes e puritanos por muito tempo.