UFC: um santuário protegido da pressão da vacina contra o coronavírus no esporte profissional

1
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Enquanto outras organizações esportivas profissionais estão impondo muita pressão sobre os competidores para que tomem vacinas experimentais contra o coronavírus, o presidente do Ultimate Fighting Championship (UFC), Dana White, está adotando uma abordagem refrescantemente diferente e pró-liberdade sobre o assunto. Ele está declarando que cuidará da própria vida, dizendo que a decisão sobre tomar ou não tomar a vacina é uma decisão pessoal.

Entrevistado recentemente por Aaron Bronsteter na TSN, White declarou:

Eu nunca diria a outro ser humano o que fazer com seu corpo. Se você quer se vacinar, é você quem decide. Essa é sua escolha. Você nunca vai me ouvir dizer ‘Vou forçar as pessoas a se vacinarem’. Nunca vai acontecer.

White afirmou ainda:

Algumas pessoas serão demitidas se não forem vacinadas. Sim, isso não vai acontecer aqui. Você quer se vacinar? Seja vacinado. Se você não fizer isso, é sua decisão, seu corpo.

Leia mais sobre a posição de White pela liberdade que está diferenciando o UFC de outras organizações esportivas profissionais em um artigo de quinta-feira da Breitbart por Dylan Gwinn.

Assista à entrevista de White aqui, na qual ele também discute como o UFC irá, se necessário, dispensar a realização de eventos em lugares como Inglaterra e Nova York em favor de lugares como Flórida, Texas, Arizona e Las Vegas para garantir que os eventos possam ser realizados de maneira normal – sem as restrições do pânico por coronavírus, incluindo a necessidade de “distanciamento social” e uso de máscara.

Embora o UFC pareça respeitar a livre escolha dos lutadores de tomar ou não vacinas experimentais contra o coronavírus, algumas das quais nem mesmo são vacinas no significado normal do termo, ele submeteu os lutadores a outros requisitos relacionados ao coronavírus antes de certos eventos. Antes de um evento de maio em Las Vegas, por exemplo, um artigo da ESPN escrito por Ariel Helwani observou que os lutadores eram obrigados a fazer testes de coronavírus e se isolar em um hotel.

Lembrete, para jovens atletas profissionais, o risco de morte ou doença grave por coronavírus parece ser incrivelmente baixo. Organizações esportivas profissionais provavelmente fariam mais bem aos atletas tentando protegê-los de raios do que mandando neles em um suposto esforço para protegê-los do coronavírus.

 

Artigo original aqui.

1 COMENTÁRIO