Um libertário pode receber dinheiro do governo?

2
Tempo estimado de leitura: 8 minutos

Prof. Block,

Em primeiro lugar, quero dizer que sou um grande fã e seguidor do seu trabalho. De todos os contribuidores do LRC e do LvM Institute, seus artigos são os meus preferidos e Defendendo o Indefensável é uma obra verdadeiramente divertida e perspicaz.

Tenho uma pergunta que espero que você encontre tempo para responder. No próximo outono, começarei como Professor Assistente na Universidade de A no Departamento de B. Entendo que, embora possivelmente menos que o ideal, o acadêmico anarco-libertário pode justificar o emprego em uma universidade estatal porque a academia é uma profissão que foi monopolizado pelo Estado e, portanto, nos contentamos com nossas circunstâncias, assim como quando usamos estradas governamentais. Como disse Murray Rothbard, não é necessário que nos tornemos mártires. Minha pergunta, como um jovem membro do corpo docente em um estágio em uma universidade de pesquisa, qual é a posição anarco-libertária sobre bolsas de pesquisa estatais? Obviamente, não podemos pressionar o estado para aumentar o financiamento delas, mas já que elas existem de qualquer maneira, podemos busca-las e ainda permanecer libertários consistentes? (Estou assumindo que qualquer tecnologia desenvolvida não seria usada diretamente para perpetrar agressão, mas para ciência e tecnologias básicas que poderiam levar a maior produção, segurança e melhores padrões de vida para todos.) Meu plano é buscar todas as oportunidades possíveis de trabalhar com a indústria privada e, idealmente, não receber um centavo do Estado, mas essa pode não ser uma estratégia bem-sucedida.

Gostaria muito de ouvir a sua opinião sobre este assunto e desde já agradeço o seu tempo para responder.

Atenciosamente, Professor C.

Prezado Professor C:

Obrigado por me permitir falar com você (anonimamente, por motivos óbvios) neste ambiente público. Eu queria fazê-lo, em vez de responder apenas a você, já que recebo muitas, muitas cartas de pessoas sobre essa mesma questão ou questões intimamente relacionadas. E, para cada carta desse tipo que recebo, provavelmente há dezenas de outras que ou não aceitam empregos que gostariam, ou o fazem, e se sentem culpadas por isso, pois acham que estão violando os princípios libertários. Esta carta, então, embora endereçada a você, se aplica a todas essas outras também. Espero que pelo menos alguns deles encontrem consolo no que estou prestes a dizer.

1- É apenas um libertário, e pensativo, como você, que pensaria em fazer uma pergunta como essa. Esta questão nunca em um milhão de anos surgiria à esquerda, ou mesmo à direita. Ambos acreditam no estatismo. Em contraste, nós, libertários, apoiamos o princípio da não agressão (PNA) e, portanto, somos bastante desconfiados de ter algo a ver com o governo (o principal violador do PNA) e, certamente, tirar dinheiro do estado é se envolver com isso. Então, esta pergunta por si só é um ponto positivo para você.

2- Esta pergunta é mais frequentemente articulada por acadêmicos como você. Eles, nós, somos mais brilhantes que muitos e, como libertários, não queremos contradizer nossos princípios. (Em contraste, os igualitários de esquerda são uns belos hipócritas; eles pregam a igualdade, e ainda mantêm seus dois olhos, quando poderiam ter doado um deles a um cego; e assim são os grandes direitistas, que com os EUA invadindo todos os países do planeta, e, talvez, alguns em Marte também, ainda assim não vão se voluntariar para as forças armadas.) Em certo sentido, o libertarianismo é simples: apenas mantenha suas mãos longe das coisas dos outros, não roube, estupre, assassine, etc. Mas ser fiel ao PNA é difícil quando o estado tem seus tentáculos em praticamente todos os aspectos da vida. O Estado viola os direitos a torto e a direito, e é difícil levar uma vida normal sem ser enredado em sua teia.

3- Minha opinião sobre isso é que é uma virtude positiva aliviar o governo de seus ganhos ilícitos. Suponha que Z roube uma maçã de Y e então X chegue e leve essa fruta de Z. X fez algo errado? Ele agiu de forma incompatível com o PNA? X não é mais um libertário? Claro que não. Muito pelo contrário, X fez algo totalmente compatível com a nossa filosofia. Certamente, todas as teorias libertárias de direitos de propriedade privada, de punição, concordariam que, de todas as pessoas do mundo, Z é a que menos merece esse alimento. Agora, pode ser bom, pode ser virtuoso, para X devolver a maçã a Y. De fato, essa foi precisamente a relação entre Ragnar Danneskjold (X) e Hank Rearden (Y) no magnífico e monumental romance de Ayn Rand, A revolta de Atlas. O governo (Z) roubou de Rearden (e, claro, de outros) e Ragnar estava apenas devolvendo esses bens roubados a Hank, a vítima. Mas, o comportamento de Ragnar constituiu um ato duplo ou de dois estágios. Primeiro, ele pegou ouro do governo; então, e só então, ele o devolveu a Hank. Mas, se um ato duplo deve ser lícito, então cada parte dele também deve ser. Dois erros não podem fazer um certo, e nem um certo e outro errado. Assim, deduzo, era inteiramente apropriado que Danneskjold aliviasse o governo perverso retratado no Atlas de sua propriedade roubada, mesmo que não desse um centavo a Rearden. Tirar dinheiro de um ladrão é uma boa ação não adulterada. Devolvê-lo às vítimas também é virtuoso, mas é supererrogatório: não é necessário converter a primeira parte desse ato de duplo estágio em retidão; a primeira parte é boa em si!

4- Se você recebe dinheiro do Estado, e eu, pessoalmente, recebo, (veja mais sobre isso abaixo) suponha que outra pessoa peça que você lhe entregue este dinheiro, alegando que o governo roubou o dinheiro dele, e você deve devolver a ele o que tirou deles. Bem, em primeiro lugar, você não deve tudo a ele; você poderia manter uma parte considerável dele como pagamento de resgate (o direito privado dos juízes do mar na época medieval costumava conceder ao salvador de um barco no mar um terço do valor do navio). Quanto ao resto, a pessoa que pede dinheiro a você deve vir com as mãos limpas. Ele não pode ser nada além de um libertário; se não for, ele é um defensor desse roubo em primeiro lugar. Ele está, portanto, em conluio com essa gangue criminosa. E, se ele for um libertário, ele perceberá plenamente que você é o primeiro apropriador original dessa riqueza e, portanto, seu próprio proprietário. Se ele também quiser o dinheiro, como é seu direito, ele deve ir ao mesmo lugar que você, e tomá-lo dos mesmos bandidos.

5- De meu lado, eu fui “culpado” de aceitar subsídios do Estado. Eu compro comida em supermercados e como ainda mais em restaurantes. Portanto, indiretamente me aproveito de subsídios agrícolas (sei perfeitamente que os produtos agrícolas seriam mais baratos em uma sociedade totalmente livre, mas, ainda assim, dada nossa falta de liberdade econômica, pode haver um subsídio para mim em cada jantar). Eu tenho moeda fiduciária de reserva fracionária dos EUA na minha carteira e a uso também, embora como libertário eu seja a favor do dinheiro do livre mercado (por exemplo, ouro ou prata). Eu uso ruas, calçadas, estradas e rodovias, providas a mim por cortesia de nossa instituição menos favorita. Frequentei escolas públicas como estudante e ensinei em algumas delas como membro do corpo docente. Tive uma bolsa de estudos para regentes do estado de Nova York e não vou devolver um centavo ao governo. Uso bibliotecas públicas, galerias de arte e museus, descaradamente. Aproveito os serviços dos parques estatais: Central Park em Nova York, Stanley Park em Vancouver, Canadá, Audubon Park quando estou em Nova Orleans, e outros. E quando faço isso, dou um sorrisinho de satisfação por um trabalho bem feito. Escrevi sobre essas minhas transgressões e outros aspectos desse desafio aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui. Por favor, como a mãe judia do movimento libertário, eu absolvo todos vocês mais gentis sobre a culpa que podem ter por aceitar esses e outros subsídios. Vá lá e, com orgulho, obtenha tudo o que puder do governo. Mantenha a cabeça erguida; você está cumprindo uma mitsvá!

6- Quais organizações podem aceitar adequadamente os subsídios governamentais? A típica universidade privada pode fazê-lo? Minha resposta é não: embora possa haver alguns professores livre mercadistas na docência, geralmente no departamento de economia, praticamente todo o resto está de mãos dadas com o estado, apoiando suas depredações. Por exemplo, é realmente muito raro que haja um professor orientado para a liberdade no ensino superior americano em departamentos como sociologia, antropologia, filosofia, direito, ciência política, história, religião, literatura, para não falar de departamentos multiculturais como feministas, estudos negros e queer. Na minha experiência, a maioria dos professores, mesmo nas faculdades de administração, são críticos do sistema de livre mercdo, não apoiadores.

7- Agora, finalmente, deixe-me responder aos pontos específicos que você faz. Eu não acho que o “acadêmico anarco-libertário possa justificar o emprego em uma universidade estatal porque a academia é uma profissão que foi monopolizada pelo estado”. Em primeiro lugar, o governo não monopolizou totalmente a educação. Afinal, existem inúmeras instituições de ensino totalmente privadas. Mesmo no nível universitário, há Grove City College e Hillsdale. Existem muitas, muitas universidades ostensivamente privadas que são apenas parcialmente subsidiadas pelo governo. Além disso, o governo não monopolizou totalmente os fluxos de informação: há muitas alternativas aos Correios. No entanto, é inteiramente justificado para os libertários se valerem do correio tradicional. Você está certo: Murray Rothbard realmente disse que não é necessário que nos tornemos mártires. O libertarianismo não exige nada disso.

Não tenho nenhuma objeção ao seu plano de buscar “todas as oportunidades possíveis de trabalhar com a indústria privada”. Mas, perceba que se você fizer isso, você não receberá nenhuma condecoração libertária por ajudar a aliviar o governo de sua pilhagem. Por favor, entenda-me: eu certamente não me oponho à indústria privada (sob os atuais arranjos institucionais, há muito pouco disso por aí, exceto por algumas operações familiares). Não deveria ser um “ideal… não tirar um centavo do Estado”, pelo menos não para o libertário. Não, não, não, mil vezes não; é uma virtude tirar dinheiro dessa organização ilícita, e muito mais que um centavo também.

8- Mas espere! Se você cooperar com o governo dessa maneira, não pode ser devidamente acusado de “ajudar e ser cúmplice” de uma instituição maligna? Bem, sim, mais ou menos. Se você recebe dinheiro do Estado, está de fato dando a ele seu imprimatur, ou “sanção”, como diriam os randianos. E, de fato, você está ajudando o governo no sentido ex ante, no sentido de que ambas as partes sempre, e necessariamente, se beneficiam de qualquer troca voluntária, e, aqui, vocês dois concordam: você aceita os fundos, eles dá-los a você.

No entanto, você não está promovendo o estatismo nem um pouco a mais ao pegar o dinheiro deles do que andando com o dinheiro deles na carteira, usando suas bibliotecas ou ruas, etc. E, também, embora você os esteja beneficiando no sentido ex ante, certamente não o está fazendo no sentido ex post. Ou seja, eles estão lhe dando o dinheiro na esperança de que, ao fazê-lo, possam promover melhor o estatismo do que usá-lo de qualquer outra forma. Mas você, por suas ações reais, não fará tal coisa. Agora, eu não tenho nenhum conhecimento sobre sua própria especialidade, B. Então, não posso dizer como isso vai se desenrolar em seu campo. Então, deixe-me falar sobre o meu. Já lecionei economia em várias faculdades e universidades públicas. O que os poderosos gostariam que eu ensinasse era o neoclassicismo moderado; a doutrina da falha de mercado, segundo a qual, embora a livre iniciativa funcione bem sob as condições de concorrência perfeita, no mundo real essas condições muitas vezes não são atendidas e, portanto, há um papel importante para o governo se envolver em ações antitruste, políticas de bem-estar social, para promulgar legislação pró-sindical, barreiras tarifárias, etc.), também apontei falhas graves, ou melhor, fatais nesse quadro analítico. Então, quando os julgamentos libertários Nuremberg começarem para mim, e estarei de fato no banco dos réus por me aliar ao inimigo dessa maneira, espero totalmente que eu seja exonerado, e totalmente. Mas e o professor marxista, socialista, de economia mista ou intervencionista? Ele também será considerado inocente pelo júri libertário? De jeito nenhum. Ao contrário de mim, ele realmente “ajudou e encorajou” o estado maligno, promovendo suas doutrinas, inculcando-as entre os jovens.

E a sua área, B? Vamos postular que é impossível para você promover a liberdade nela. Se você fizer o seu trabalho (se não, você será demitido rapidamente, então sua pergunta é quase discutível), você não pode promover a liberdade, já que seu chamado é muito ortogonal à liberdade para esse propósito. Aqui está uma sugestão para você. Se você ainda se sente culpado por ter se enredado nas finanças estatistas (que sentimentos eu recomendo fortemente que você reprima) e não tem como promover a liberdade (como eu faço na economia), então que tal o seguinte. Pegue uma boa parte do seu salário (líquido, não bruto), digamos 5% ou até 10%, e doe para uma organização que promova a liberdade de maneira espetacular. Dica: não consigo pensar em nenhum grupo melhor do que o Mises Institute, e/ou, pelo menos a curto prazo, uma contribuição para Ron Paul.

9- Para concluir. Chega de teoria pura. Passemos agora à realidade prática. É totalmente legal sob as leis atuais você solicitar e receber riqueza do governo do tipo que você descreve, então toda essa conversa de “roubo” é irrelevante do ponto de vista pragmático. Exorto-vos a candidatar-se a todas as bolsas que puder. Murray Rothbard disse que a contribuição de um homem para a sociedade é proporcional aos lucros que ele obtém. Digo na mesma linha, tudo o mais constante, quanto mais dinheiro você tira dos cofres do estado, melhor libertário você é.

 

 

Artigo original aqui

2 COMENTÁRIOS

  1. Só esqueceu que o fruto dessa troca voluntário com o estado é o roubo e a partir do momento que você entra para o setor estatal (seja um pouco ou muito) você se tornou parte dele para a criação da sua narrativa seja de menos ou mais estado você se vai te que criar uma narrativa que preserva-lo.

    • Você é burro ou simplesmente não leu o artigo e veio defecar pelos dedos? O que legitimiza o estado é o pagamento do tributo(imposto), que a gente só paga porque é obrigado. Se ele não fosse cobrado sob a mira de uma arma, ninguém pagaria, o que comprova que a instituição é ilegítima. Libertário pegar dinheiro do estado é reapropriação de posse.