Um mundo de palhaços

0
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Um ano e meio depois e o mundo ainda não dá a mínima para a ciência ou a lógica. O debate e o pensamento equilibrado são tão raros que te tornam uma pessoa do contra ao engajar-se neles. Agir de acordo com a estratificação de risco calculada e seguir conselhos de revistas científicas tornou-se rebeldia. Repetições contínuas de medo obsceno nos transformaram em cachorrinhos de estimação subservientes dos poderosos. Fomos bombardeados por informações relativas às mudanças de regras e variantes matadoras, e nos foram negadas informações sobre os impactos negativos associados à abordagem de dedo no gatilho para esse problema sistêmico.

Continuamos a ser liderados por manipuladores e despreparados e mantidos sob controle pelos medrosos e avessos ao risco entre nós. Mas não existe “aversão ao risco”. A vida é inerentemente arriscada e as consequências negativas sempre se revelam mais cedo ou mais tarde. O preocupante é que, quando pontos de vista opostos ao consenso geral são sugeridos, eles são repelidos indiferentemente e refutados com ad hominems. Não há conversas, apenas discussões . A polarização está aumentando.

Nunca foi tão fácil chamar alguém de teórico da conspiração e nunca foi tão fácil acreditar nessa pessoa também. A ciência foi sequestrada pela política e tornou-se uma piada. Nós permitimos e não questionamos o lento gotejamento de ideias lunáticas se infiltrar na sociedade. Por que é obrigatório usar máscara ao caminhar por um restaurante, mas não há problema em removê-la enquanto estiver sentado? Por que consigo me exercitar sem máscara em uma academia cheia, mas preciso manter uma distância segura em uma fila ao ar livre? Eu posso ver que as pessoas estão cada vez mais vendo através dessa fachada também. Ainda assim, estampamos sorrisos gigantes em nossos rostos como palhaços antes de interagir com o mundo real.

40 milhões de pessoas no Reino Unido receberam pelo menos uma dose de uma vacina contra o coronavírus. O que é bom e depende da ‘escolha’ de cada indivíduo. Mas a pressão externa constante para vacinar a todos não é científica, indo contra a teoria da imunidade natural. Além disso, por que mulheres grávidas, crianças e pessoas saudáveis ​​com menos de 60 anos são encorajadas a vacinar quando a idade média das pessoas que morreram com COVID-19 é de 80,3 anos? Por que não houve um esforço para investigar a imunidade das células T? Por que não mudamos as políticas nacionais para reduzir os fatores de risco modificáveis ​​para essa condição? Por que não estamos falando sobre as implicações mais amplas dos lockdowns?

Eu questiono essas coisas porque a ciência morre quando paramos de questionar.

E se a ciência não pode ser questionada, torna-se propaganda.

 

Artigo original aqui