Por dentro da Igreja do Clima

0
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

Em um evento ambientalista, Julian Simon uma vez perguntou: “Quantas pessoas aqui acreditam que a Terra está cada vez mais poluída e que nossos recursos naturais estão se esgotando?”

Depois que uma sala toda levantou as mãos, Simon perguntou: “Existe alguma evidência que poderia dissuadi-lo?” Tendo um silêncio absoluto como resposta, ele continuou: “Há alguma evidência que eu poderia dar a você – qualquer coisa – que o levaria a reconsiderar essas suposições?”

Depois de mais silêncio, Simon respondeu: “Bem, com licença. Vou me retirar pois não estou vestido apropriadamente para uma igreja.”

A Igreja do Clima de hoje possui três crenças resolutas:

  1. A influência humana no clima é acentuada e determinante
  2. Essa influência não pode ser positiva ou benigna, apenas catastrófica
  3. A governança global pode e deve resolver este problema

Compare isso com as estatísticas impressionantes, até mesmo espantosas, do aprimoramento humano desde a Revolução Industrial, especialmente nos últimos 75 anos. Alguém poderia pensar que esses paroquianos deveriam estar aliviados, até mesmo felizes. Mas a filosofia deles é anti-humanista, não para ser debatida, mas adorada. É um credo que vê a natureza como ótima, que não deve ser violada pela humanidade. Extremamente pessimista, é a visão de mundo da ecologia extrema.

Natureza Ótima

A natureza ideal se esconde por trás do atual debate sobre o clima. Como o economista climático de Yale Robert Mendelsohn observou em The Greening of Global Warming (1999: p. 12):

    Existe um mito não declarado na ecologia de que as condições naturais devem ser ótimas. Ou seja, devemos estar no topo da colina agora.

Na década de 1970, temia-se uma nova Era do Gelo devido às emissões de dióxido de enxofre das usinas de carvão, o que causou o medo do resfriamento global. Mesmo as forças compensatórias foram rejeitadas por Paul Ehrlich, Anne Ehrlich e John Holdren (Ecoscience: 1977, p. 686):

    Pode haver pouco consolo na ideia de que uma tendência de aquecimento causado pelo homem pode cancelar uma tendência de resfriamento natural. Uma vez que os diferentes fatores que produzem as duas tendências influenciam diferentes partes da complicada maquinaria climática da Terra, é muito improvável que os efeitos associados nos padrões de circulação se cancelem mutuamente.

Para os membros da Igreja do Clima, o planeta “foi entregue em perfeitas condições de funcionamento e não pode ser trocado por um novo”. Uma edição da revista World Watch, “Brincando de Deus com o clima“, repreendeu o homem por interferir com a condição padrão da Terra.

Ecologia Extrema

Uma ala radical do movimento ambientalista moderno rejeita uma visão antropocêntrica (centrada no homem) do mundo em favor de uma visão ecocêntrica.

Em contraste com a ecologia superficial, preocupada com a poluição e o esgotamento de recursos no mundo desenvolvido, a ecologia extrema defende “o direito igual” dos animais e plantas inferiores de “viver e florescer”. A ecologia extrema rejeita o que vê como uma relação mestre-escravo entre a vida humana e a não-humana. States Arne Næss (em Peter List, Radical Environmentalism: Philosophy and Tactics, 1993: p. 19):

    A ecologia extrema enfatiza a inter-relação de todos os sistemas de vida na Terra, rebaixando o centramento humano. O homem deve respeitar a natureza como um fim em si mesmo, não tratá-la como uma ferramenta do homem. O ego humano e a preocupação com a família e outros entes queridos devem ser unidos por um apego emocional semelhante aos animais, árvores, plantas e o resto da ecosfera.

Ferir o planeta, então, é o mesmo que infligir danos físicos a si mesmo. “No sentido mais amplo”, afirmam Bill Devall e George Sessions (Deep Ecology, 1985, p. Ix), “precisamos aceitar o convite para a dança – a dança da unidade de humanos, plantas, animais, a Terra”. Para chegar a este ponto, precisamos “nos enganar para o reencantamento” (p. 10) com a natureza.

A plataforma da Foundation for Deep Ecology (“uma voz para a natureza selvagem”), formulada por Arne Næss e George Sessions, condena a interação atual do homem e da natureza e apela para a diminuição da população e padrões de vida mais baixos. Em suas palavras:

  1. O bem-estar e o florescimento da vida humana e não humana na Terra têm valor em si … independente da utilidade do mundo não humano para os propósitos humanos.
  2. A riqueza e a diversidade das formas de vida contribuem para a realização desses valores e também são valores em si mesmas.
  3. Os humanos não têm o direito de reduzir essa riqueza e diversidade, exceto para satisfazer necessidades vitais.
  4. A interferência humana atual com o mundo não humano é excessiva e a situação está piorando rapidamente.
  5. O florescimento da vida humana e das culturas é compatível com uma diminuição substancial da população humana. O florescimento da vida não humana requer tal diminuição.
  6. As políticas devem, portanto, ser alteradas. As mudanças nas políticas afetam as estruturas econômicas, tecnológicas e ideológicas básicas … essas serão profundamente diferentes das atuais.

A plataforma prossegue afirmando que é necessária uma mudança radical, “valorizando a qualidade de vida… em vez de aderir a um padrão de vida cada vez mais elevado”.

De Al Gore …

A angústia de Al Gore sobre a “civilização disfuncional” se transforma na metafísica da ecologia extrema. “Nossa civilização é, de fato, viciada no consumo da própria terra”, afirmou Gore em Earth in the Balance (1992):

    Esse relacionamento viciante nos distrai da dor do que perdemos: uma experiência direta de nossa conexão com a energia, vibração e vivacidade do resto do mundo natural. A espuma e o frenesi da civilização industrial mascaram nossa profunda solidão por aquela comunhão com o mundo que pode elevar nossos espíritos e preencher nossos sentidos com a riqueza e o imediatismo da própria vida.

Evitando o incrementalismo, Gore pediu uma ação global “ousada e inequívoca”, onde “o resgate do meio ambiente” é “o princípio organizador central para a civilização”.

Esse “princípio de organização central” é o que Ludwig von Mises e FA Hayek não poderiam nem ter imaginado: um planejamento central global onde cada economia de 196 soberanias deve ser coordenada por meio de impostos, tarifas (“ajustes de fronteira) e mandatos de eficiência para reduzir, e até mesmo reverter, as emissões do gás de efeito estufa em particular, dióxido de carbono (CO2).

… a Bill McKibben

The End of Nature, de Bill McKibben (1989: p. 216), apontou o “pecado terminal” da alteração da natureza pelo homem e reclamou que “o efeito estufa é o primeiro problema ambiental do qual não podemos escapar mudando-nos para a floresta.” Ele lamentou de como “a mão de obra barata fornecida pelo petróleo” torna o “modelo de ecologia extrema” difícil de entender, e mais ainda de implementar”(p. 200).

McKibben, em uma coluna recente do New Yorker, colocou mais cartas do clima na mesa: “Se alguém quisesse uma regra básica para lidar com a crise climática, seria: pare de queimar coisas”. A era da combustão deve chegar a “um fim rápido”, quer se trate de petróleo para transporte, gás natural ou carvão para eletricidade, lenha em casa ou grelhados ao ar livre. Não acenda um fósforo também.

Alternativa Humanística

Colocando os humanos de volta em cena, o filósofo Alex Epstein lembra a todos que a natureza indomada não é apenas benéfica, mas também perigosa. “Se o bem e o mal são medidos pelo padrão de bem-estar e progresso humanos”, afirma ele, “devemos concluir que a indústria de combustíveis fósseis não é um mal necessário a ser restringido, mas um bem superior a ser liberado”. Nesse sentido, “Não precisamos de energia verde – precisamos de energia humanitária”.

Epstein então inverte a narrativa do clima:

    A natureza não nos dá um clima estável e seguro que tornamos perigoso. Ela nos dá um clima perigoso e em constante mudança que precisamos tornar seguro. E o fator por trás de abrigos robustos, aquecimento e ar-condicionado acessíveis, alívio à seca e tudo o mais que nos mantém protegidos do clima é energia barata, abundante e confiável, principalmente proveniente de combustíveis fósseis.

Em O futuro e seus inimigos, Virginia Postrel alerta contra a mentalidade de êxtase – a crença de que “um bom futuro deve ser estático; ou o produto de projetos tecnocráticos detalhados ou o retorno a um passado idealizado e estável” (1998: xii) — versus de dinamismo, que abrange “um mundo de constante criação, descoberta e competição” (xiv).

A filosofia, não apenas a economia e a economia política, são importantes no debate sobre aquecimento global/mudanças climáticas. Comece verificando suas premissas – e as de seus adversários intelectuais.

 

Artigo original aqui

Artigo anteriorRedefinindo a liberdade
Próximo artigoUm mundo de palhaços
Senior Fellow no AIER , é o fundador e CEO do Institute for Energy Research. Ele é autor de oito livros sobre história da energia e políticas públicas e blogs na MasterResource. Bradley recebeu um B.A. em economia pela Rollins College, um M.A. em economia pela University of Houston e um Ph.D. em economia política pelo International College. Ele foi Schultz Fellow para Pesquisa Econômica e Liberty Fund Fellow para Pesquisa Econômica e, em 2002, recebeu o Julian L. Simon Memorial Award por seu trabalho em energia e desenvolvimento sustentável.