Vacinas obrigatórias e o Grande Reinício

0
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

A pressão sobre os não vacinados cresce. Enquanto os vacinados em alguns países estão recuperando algumas de suas liberdades roubadas pelas intervenções Covid, os não vacinados não estão indo nada bem. Eles estão sendo alvo de discriminação. O acesso aos espaços públicos e as viagens estão sendo dificultados para eles. Em alguns países, há até vacinação obrigatória para algumas profissões.

Mas por que a campanha de vacinação é tão importante para os governos que estão aumentando tanto a pressão? E quem tem interesse na campanha global de vacinação?

Para responder a essas perguntas, é necessário analisar a narrativa da vacinação prevalente e perguntar quem se beneficia dela. Ao fazer isso, a aliança de interesses entre o Estado, a mídia, a indústria farmacêutica e as instituições supranacionais deve ser abordada.

Comecemos com a indústria farmacêutica. Ela possui um evidente interesse econômico na campanha de vacinação. Ela obtém lucros enormes com a vacinação generalizada.

E quanto ao estado? Na crise covid-19, os políticos aumentaram sistematicamente o medo e a histeria. Não foi por acaso e não é surpreendente, pois o estado constrói sua raison d’être com o argumento de que protege a população de perigos internos e externos. O estado é construído sobre o medo. A narrativa é que, sem a ajuda do Estado, o cidadão estaria indefeso contra a fome, a pobreza, os acidentes, a guerra, o terrorismo, as doenças, os desastres naturais e as pandemias. É, portanto, do interesse do Estado instilar o medo de possíveis perigos, que então pretende resolver, ampliando seu poder no processo. Um exemplo relativamente recente é a restrição das liberdades civis nos Estados Unidos em resposta à ameaça de terrorismo após os ataques de 11 de setembro e a segunda guerra do Iraque. Da mesma forma, era do interesse dos governos intencionalmente instilar medo e retratar o covid-19 como um vírus assassino único, a fim de expandir o poder do Estado a uma extensão desconhecida em tempos de paz, às custas dos direitos fundamentais dos cidadãos.

Quando a crise Corona começou e não se sabia muito sobre o perigo potencial do vírus, os políticos se depararam com uma recompensa assimétrica. Se os políticos subestimam um perigo e não reagem, são responsabilizados pela subestimação. Eles perdem eleições e poder. Especialmente se eles puderem ser responsabilizados pelas mortes. Desconsiderando as fotos de enterros em massa, as consequências de subestimar o perigo e deixar de agir são politicamente fatais. Em contraste, superestimar o perigo e tomar medidas decisivas são politicamente muito mais atraentes.

Se realmente é uma ameaça sem precedentes, os políticos são celebrados por suas medidas duras, como lockdowns. E os políticos sempre podem argumentar que, sem sua ação decisiva, realmente teria ocorrido um desastre. Se as medidas acabaram se revelando exageradas porque o perigo não era tão grande, as possíveis consequências negativas das medidas não estão tão diretamente associadas aos políticos quanto as fotos de enterros em massa, porque essas consequências são mais indiretas e de longo prazo. Os custos indiretos e de longo prazo dos lockdowns com saúde incluem suicídios, depressão, alcoolismo, doenças relacionadas ao estresse, mortes anteriores por cancelamentos de cirurgias e exames e um padrão de vida geralmente mais baixo. No entanto, esses custos não estão diretamente associados às intervenções drásticas e são atribuídos à política. Muitas dessas consequências ocorrerão após as próximas eleições ou mesmo mais tarde e não são visíveis. Por exemplo, não podemos observar até que ponto um padrão de vida mais elevado teria aumentado a expectativa de vida. E se alguém morrer daqui a seis anos de alcoolismo ou depressão desenvolvida como consequência dos lockdowns, a maioria das pessoas provavelmente não responsabilizará os políticos do lockdown e, se o fizerem, esses políticos possivelmente já estarão fora do cargo. Portanto, é do interesse dos políticos superestimar uma ameaça e reagir de forma exagerada.

Para justificar e defender as duras medidas como o lockdown, que tanto atrai os políticos, é preciso despertar o medo. Quando os políticos alimentaram o medo e a histeria durante a crise covid-19, implementando medidas altamente restritivas, como lockdowns, o dano à economia e ao tecido social foi imenso. No entanto, uma sociedade não pode ser fechada para sempre, pois os custos continuam aumentando. Em algum ponto, ela deve sair do lockdown e retornar a alguma normalidade. No entanto, como alguém pode ao mesmo tempo despertar o medo da ameaça de um vírus assassino e voltar à normalidade?

A saída é a vacinação. Com a campanha de vacinação o estado pode se colocar como o salvador do grande perigo. O estado organiza a vacinação para seus cidadãos e dá a vacinação para os cidadãos “gratuitamente”. Sem este “resgate da vacinação” e em um lockdown permanente, as consequências econômicas e sociais negativas das restrições aos direitos civis seriam tão grandes que o ressentimento entre a população iria continuar a crescer e, em última análise, a agitação será ameaçadora. Portanto, mais cedo ou mais tarde, o lockdown deve ser encerrado. Se, no entanto, as autoridades estatais desistissem dos lockdowns e restrições sem maiores explicações e sugerissem que o perigo não era tão grande afinal e que as restrições eram um exagero e um erro, eles perderiam muito apoio e confiança entre a população. Consequentemente, do ponto de vista governamental, é necessário um “cenário de saída” das restrições mais severas que seja bom e que mantenha as aparências, e a campanha de vacinação fornece isso.

Por meio da vacinação fornecida pelo estado, o estado pode continuar a se agarrar à narrativa da grande ameaça e ainda sair do confinamento. Ao mesmo tempo, pode se passar por um salvador que está possibilitando uma volta à normalidade por meio da vacinação. Para isso, é necessário que a maior proporção possível da população também seja vacinada, porque se apenas uma fração da população for vacinada, a campanha de vacinação não pode ser vendida como um passo necessário para a abertura. Assim, é do interesse do estado vacinar grande parte da população.

Se essa estratégia funcionar, o estado terá estabelecido um precedente, expandido seu poder e também tornado os cidadãos mais dependentes. Os cidadãos acreditarão que o estado os salvou de uma situação mortal e que eles precisarão de sua ajuda no futuro. Em troca, eles estarão dispostos a desistir de algumas de suas liberdades permanentemente. O anúncio de que é necessário um reforço vacinal anual organizado pelo estado vai perpetuar a dependência dos cidadãos.

Os meios de comunicação de massa se alinharam e apoiam ativamente a narrativa da vacinação. O estado e a mídia de massa estão intimamente ligados. Grandes armações da mídia direcionadas à população têm uma longa tradição. Já em 1928, Edward Bernays defendia a manipulação inteligente das massas em seu livro clássico, Propaganda. Nos estados modernos, os meios de comunicação de massa ajudam a construir a aprovação popular para medidas políticas, como no caso de covid-19.

O apoio da mídia de massa ao estado deve-se a várias razões. Alguns meios de comunicação são propriedade direta do estado, outros são altamente regulamentados ou exigem licenças estatais. Além disso, os meios de comunicação são formados por graduados de instituições de ensino estatais. Além disso, principalmente em tempos de crise, uma boa conexão com o governo oferece vantagens e acesso privilegiado às informações. A disposição de levar a narrativa do medo do estado também vem do fato de que notícias negativas e o exagero de perigos chamam a atenção.

Na crise Corona, a cobertura unilateral da mídia que proliferou nas redes sociais e vozes críticas abafadas contribuíram para o medo e o pânico e criaram grande estresse psicológico entre a população. No entanto, não são apenas as notícias negativas que atraem a mídia; a narrativa do estado salvando a população de uma grande crise também vende bem. Assim, a narrativa da vacinação favorece a mídia de massa.

Além dos Estados-nação, da mídia e das empresas farmacêuticas, as organizações supranacionais também têm interesse em garantir que a população mundial seja vacinada. As organizações supranacionais estão buscando ativamente uma agenda na qual as campanhas globais de vacinação desempenhem um papel importante. Essas organizações incluem o Fórum Econômico Mundial (WEF), as Nações Unidas (ONU), a UE, o Fundo Monetário Internacional (FMI) e a Organização Mundial da Saúde (OMS), que estão intimamente interligados.

Algumas dessas organizações estabeleceram como meta um grande reinício ou uma grande transformação. Nas áreas de pandemia e proteção climática, gênero, migração e sistema financeiro, essas organizações desejam encontrar respostas coordenadas para o benefício de todas as pessoas em todo o mundo. Eles enfatizam a responsabilidade compartilhada e a solidariedade global. O controle central da vacinação, das mudanças climáticas e dos fluxos financeiros e migratórios trazem as marcas de uma nova ordem mundial. Por exemplo, o tema da reunião anual de 2019 do WEF foi “Globalização 4.0: Moldando uma Nova Arquitetura Global na Era da Quarta Revolução Industrial.” Outro exemplo de planejamento supranacional é o “Global Compact for Migration” da ONU. Em nível nacional, essas ideias radicais são apoiadas, conforme mostrado pelo documento político Welt im Wandel – Gesellschaftsvertrag für eine Große Transformation do Conselho Consultivo Alemão sobre Mudança Global (World in Transformation: Contrato Social para uma Grande Transformação).

Raymond Unger (2021, pp. 84-89) vê esse impulso para o planejamento supranacional como parte de uma guerra cultural imaginada por Antonio Gramsci e Herbert Marcuse. Uma gestão global de opinião e indignação é combinada com cenas de medo e horror, especialmente nos campos da mudança climática e do corona, para estabelecer uma nova ordem socialista mundial. Na verdade, a OMS, o FMI e a ONU são liderados por ex-comunistas. O WEF é financiado por empresas globais, incluindo a indústria farmacêutica e as grandes empresas de tecnologia. O WEF, por sua vez, financia significativamente a Agenda 2030 da ONU. A OMS também é significativamente financiada por empresas farmacêuticas e pela Fundação Bill e Melinda Gates, que lidera as campanhas globais de vacinação. Durante a crise covid-19, a indústria farmacêutica também exerceu sua influência na OMS. E o FMI só ajudava os estados-nação se cumprissem as recomendações da OMS.

Essas organizações supranacionais interconectadas veem a crise covid-19 como uma oportunidade de avançar suas agendas. O documento de política da ONU Responsabilidade Compartilhada, Solidariedade Global: Respondendo aos Impactos Socioeconômicos do COVID-19 vê o covid-19 como um ponto de inflexão para a sociedade moderna. A intenção é aproveitar a oportunidade e agir de forma coordenada globalmente. As principais empresas de tecnologia apoiam essas agendas. Elas também são membros do WEF e censuraram informações desagradáveis ​​relacionadas ao covid-19 em suas plataformas (Twitter, YouTube e Facebook), assim como a mídia de massa. Vídeos críticos sobre vacinação são excluídos rapidamente no YouTube.

O título de um discurso da diretora do FMI Kristalina Georgieva, “Do Grande Lockdown à Grande Transformação“, também ressalta a ideia de que as organizações supranacionais querem usar a crise Corona em suas agendas. Klaus Schwab, fundador do WEF, argumenta que a crise covid-19 representa uma “rara oportunidade” de “lançar novas bases para nossos sistemas econômicos e sociais“. Em COVID-19: The Great Reset, em coautoria com Thierry Malleret, Schwab fala de um momento decisivo e afirma que um novo mundo emergirá. De acordo com Schwab, é hora de uma reforma fundamental do capitalismo.

Assim, o programa de vacinação coordenado globalmente pode ser interpretado como um alicerce em uma estratégia supranacional de um grande reinício. Estruturas de vacinação global estão sendo estabelecidas e podem ser usadas para subsequentes campanhas de vacinação global. Da perspectiva dos defensores de um grande reinício, a vacinação contra covid-19 coordenada globalmente ressalta a necessidade de estruturas e organizações globais que possam ser usadas para outros fins globais, como o combate eficaz às “mudanças climáticas” e a promoção de um grande reinício. Em suma, o estado, a mídia, a indústria farmacêutica e as organizações supranacionais estão intimamente ligados e têm um interesse comum na narrativa da vacinação. Desse ponto de vista, a pressão crescente sobre os não vacinados não é surpreendente.

 

Artigo original aqui