Vergonha da profissão: Carta à Associação Econômica Americana

0
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Antes da convenção anual da AEA, Associação Econômica Americana, em janeiro próximo em Nova Orleans, vocês informam a todos os membros da AEA o seguinte:

Todos os inscritos deverão estar vacinados contra o COVID-19 e ter recebido pelo menos uma dose de reforço. Máscaras de alta qualidade (ou seja, KN-95 ou superior) serão necessárias em todos os espaços internos da conferência. Esses requisitos são planejados para o bem-estar de todos os participantes. Os participantes também são incentivados a realizar um teste de COVID-19 antes de viajar para a reunião.

Seu comunicado garante que eu não irei participar das reuniões sob restrições tão absurdas. Além disso, isso me faz lamentar pela minha profissão, pois é uma forte evidência de que os líderes de hoje da mais prestigiada organização de economistas profissionais do mundo desconhecem fatos básicos sobre a covid e, pior, ignoram princípios básicos de economia.

Comece com esta realidade: se vacinar contra a covid pode prevenir doenças graves nos vacinados, ela não impede a propagação do vírus. Portanto, não há externalidade negativa que é evitada exigindo que todos os participantes sejam vacinados e reforçados. Cada participante pode escapar pessoalmente do perigo sendo vacinado sem exigir que outros participantes sejam vacinados – ou, de fato, que outros participantes usem máscaras.

Mesmo se você negar a realidade de que a vacinação não impede a propagação do vírus, a eficácia da vacina em reduzir substancialmente o risco de sofrimento grave de covid deve ser suficiente para tornar inúteis seus requisitos draconianos. Ou, pelo menos, essa é a conclusão a que chegaria qualquer economista competente.

Em seguida, vamos reconhecer a sabedoria dos cálculos de custo-benefício e a realidade da margem (lembra desses conceitos?!). Porque (1) muitos membros da AEA são jovens e, portanto, com muito pouco risco natural de covid, e (2) a essa altura a maioria dos membros, independentemente da idade, provavelmente já teve covid e, portanto, (como até o CDC agora admite) gozam de imunidade natural, é razoável que qualquer membro conclua que, para ele, os custos, embora talvez pequenos, de se vacinar superam os benefícios.

No entanto, ao emitir suas exigências draconianas, você ignora três realidades que nós, economistas, (deveríamos) ensinar aos nossos alunos de graduação: primeiro, todo benefício tem um custo; segundo, em algum momento, um incremento adicional do benefício não vale o que esse benefício incremental custa; e terceiro, porque as preferências de cada adulto – incluindo os de risco – são subjetivas e diferem das de outros adultos, não existe um nível objetivamente “melhor” de redução de risco que se aplique a qualquer grupo de pessoas, cada qual podendo escolher seu nível preferido de redução de risco.

Você também ignora a margem com sua exigência de máscara. A maioria dos participantes voará para Nova Orleans em aviões nos quais a maioria dos passageiros estará sem máscara (e muitos, aliás, também não estarão vacinados). Todos os participantes jantarão em restaurantes, a maioria dos quais ninguém estará de máscara (e muitos não estarão vacinados). Muitos participantes, quando não estão em sessão, bebem em bares, fazem compras em lojas, visitam museus e andam de elevador lado a lado com clientes, compradores e turistas sem máscara (e não vacinados).

O próprio Hilton Riverside – o principal hotel da convenção – não tem exigência de vacinação ou máscara! Portanto, é irreal supor que o benefício marginal de exigir o uso de máscaras KN-95 ao apresentar – ou ouvir – a apresentação de trabalhos, ou durante a entrevista de emprego, exceda os custos que vêm na forma do desconforto de obstrução respiração e a dificuldade de comunicação abafada.

Espero sinceramente que vocês abandonem esses requisitos extremos – requisitos que não são apenas inúteis e desrespeitam a agência ética de membros individuais da AEA, mas também representam um risco para a saúde física de alguns indivíduos e reduzem os benefícios do envolvimento profissional para todos.

Sinceramente,

Donald J. Boudreaux

 

 

 

 

Artigo original aqui

Artigo anteriorA Traição da Direita Americana
Próximo artigoA redução do desemprego por meio dos gastos do governo impulsiona a economia?
é membro sênior do American Institute for Economic Research e do F.A. Hayek Program for Advanced Study in Philosophy, Politics and Economics no Mercatus Center da George Mason University; é Membro do Conselho do Mercatus Center; e um professor de economia e ex-chefe do departamento de economia da George Mason University. Ele é o autor dos livros The Essential Hayek, Globalization, Hypocrites and Half-Wits, e seus artigos aparecem em publicações como o Wall Street Journal, New York Times, US News & World Report, bem como numerosos jornais acadêmicos. Ele escreve um blog chamado Café Hayek e uma coluna regular sobre economia para o Pittsburgh Tribune-Review. Boudreaux é PhD em economia pela Auburn University e bacharel em direito pela University of Virginia.