A redução do desemprego por meio dos gastos do governo impulsiona a economia?

0
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

Alguns especialistas afirmam que a chave para o crescimento econômico é fortalecer o mercado de trabalho, que se baseia na visão de que, devido à redução do número de trabalhadores desempregados, mais indivíduos podem se dar ao luxo de aumentar os gastos. Como resultado, o crescimento econômico se segue.

A expansão do conjunto de poupanças — não a diminuição do desemprego — é a chave para o crescimento econômico

No entanto, o principal impulsionador do crescimento económico é um conjunto de poupanças em expansão, não o estado do mercado de trabalho. Corrigir o desemprego sem abordar a questão da poupança não aumentará o crescimento econômico.

O pool de poupança financia o aprimoramento e a expansão da infraestrutura. Uma infraestrutura aprimorada e ampliada permite o aumento da produção dos bens e serviços finais necessários para manter e promover a vida e o bem-estar dos indivíduos.

Se um declínio no desemprego fosse o principal fator impulsionador do crescimento econômico, então faria sentido eliminar o desemprego gerando programas de emprego. Por exemplo, os formuladores de políticas podem seguir o conselho de John Maynard Keynes e empregar indivíduos para cavar valas ou várias outras atividades patrocinadas pelo governo, com o objetivo de empregar o maior número possível de pessoas.

Como o governo não gera riqueza, teria que desviar a poupança dos geradores de riqueza para vários indivíduos empregados nesses programas para financiar programas de emprego. Este desvio de riqueza é financiado por impostos e taxas ou por criação monetária.

Uma política de desvio de riqueza esgota o conjunto de poupanças. Isso, por sua vez, enfraquece o processo de geração de riqueza e mina as perspectivas de crescimento econômico real.

Mercado de trabalho desobstruído e desemprego

O desemprego pode ser resolvido com relativa facilidade se o mercado de trabalho estiver livre de adulterações governamentais. Em um mercado de trabalho desobstruído, qualquer indivíduo que queira trabalhar pode encontrar um emprego com um salário compatível com suas habilidades.

Se alguém exige um salário não correspondente ao mercado e não está preparado para se mudar para outros locais, não há garantia de que ele encontrará um emprego. Por exemplo, se o salário de mercado para João, o padeiro, for de $80.000 por ano, mas ele insistir em um salário de $500.000, ele provavelmente ficará desempregado.

Com o tempo, um mercado de trabalho livre garante que cada trabalhador ganhe de acordo com o valor do produto que o indivíduo gerou. Qualquer desvio do valor de sua contribuição aciona forças competitivas corretivas.

Em última análise, o que importa para o bem-estar dos indivíduos não é o fato de estarem empregados, mas sim seu poder de compra em termos de bens e serviços que ganham. O poder de ganho dos indivíduos, tudo o mais constante, está condicionado à infraestrutura que eles operam. Quanto melhor a infraestrutura, mais produção um indivíduo pode gerar, e uma produção mais alta significa que um trabalhador pode agora receber salários mais altos.

A injeção monetária do banco central, que supostamente visa ajudar os trabalhadores a melhorar seus padrões de vida, resulta exatamente no oposto, pois a política monetária frouxa prejudica o conjunto de poupanças. Isso, por sua vez, enfraquece a capacidade dos geradores de riqueza de aprimorar e melhorar a infraestrutura. Como resultado, a produtividade dos trabalhadores fica sob pressão e sua capacidade de comandar salários mais altos enfraquece. Além disso, a política monetária frouxa após um intervalo de tempo eleva os preços de bens e serviços, corroendo ainda mais o poder de compra dos trabalhadores.

Acabar com o desemprego não tem custos?

Quando uma economia entra em recessão e a taxa de desemprego aumenta, a maioria dos comentaristas econômicos acredita que é dever do governo e do banco central intervir para combater o aumento do desemprego. Alguns economistas acreditam que a redução do desemprego não terá custos, já que os desempregados estão ociosos. Em uma entrevista à CNBC em 31 de agosto de 2010, Paul Krugman disse:

      Se você colocar 100.000 americanos para trabalhar agora cavando valas, não é como se você estivesse tirando esses 100.000 trabalhadores de outras coisas úteis que eles poderiam estar fazendo. Você os está colocando para trabalhar quando eles não estariam fazendo nada.

No entanto, como é financiada a redução do desemprego? Quem paga por isso? Parece que Krugman e outros comentaristas acreditam que o financiamento pode ser facilmente gerado pelo banco central por meio de impressoras.

Novamente, ao contrário de Krugman e outros, o financiamento não é sobre dinheiro como tal, mas sobre poupança, que é a quantidade de bens de consumo produzidos menos o consumo desses bens pelos proprietários desses bens.

Para manter a vida e o bem-estar, as pessoas precisam de bens e serviços de consumo final, não de dinheiro como tal, que é apenas um meio de troca. O dinheiro apenas ajuda a facilitar o comércio entre os produtores – ele não gera diretamente nenhum bem real.

Contrariando Krugman e outros, a geração artificial de empregos, como cavar valas, não é sem custos. Vários indivíduos empregados em projetos não geradores de riqueza devem ser pagos. Como o governo não produz riqueza, obviamente, ele não pode economizar e, portanto, não pode financiar nenhuma atividade.

Portanto, para que o governo se engaje em várias atividades, ele deve desviar recursos – ou seja, economias de geradores de riqueza. Isso, no entanto, enfraquece o processo de geração de riqueza.

A falácia da demanda insuficiente

Sempre que a economia mostra sinais de fraqueza, a maioria dos especialistas acredita que é necessário aumentar a demanda geral por bens e serviços para evitar que a economia entre em recessão. Se o setor privado não conseguir aumentar sua demanda, então o governo deve fazê-lo.

Seguindo Keynes, a maioria dos especialistas associa o crescimento econômico ao aumento da demanda por bens e serviços. No entanto, nunca existe uma demanda insuficiente. A demanda de um indivíduo é restringida por sua capacidade de produzir bens, e quanto mais bens um indivíduo puder produzir, ele poderá exigir mais coisas.

Quanto mais bens um indivíduo produz, mais outros bens ele pode assegurar para si mesmo. A demanda de um indivíduo, portanto, é limitada por sua própria capacidade de produzir algo.

Observe que a demanda não pode se sustentar sozinha e ser independente – ela é limitada pela produção. Portanto, a produção de bens e serviços impulsiona a economia, não a definição keynesiana de demanda. Assim, os produtores, e não os consumidores, são o motor do crescimento econômico e, se alguém deseja ter sucesso, um produtor deve produzir bens e serviços de acordo com o que outros produtores exigem.

Se uma população de cinco indivíduos produz dez batatas e cinco tomates, isso é tudo o que eles podem demandar e consumir. Nenhum truque do governo e do banco central pode tornar possível aumentar sua demanda efetiva. A única maneira de aumentar a capacidade de consumir mais é produzir mais.

A dependência da demanda da produção de bens não pode ser eliminada por meio de injeção monetária e gastos governamentais. Ao contrário, políticas fiscais e monetárias frouxas apenas empobrecerão os geradores de riqueza e enfraquecerão sua capacidade de produzir bens e serviços, enfraquecendo a demanda efetiva.

Portanto, recuperar a economia requer o fechamento de todas as brechas para criar dinheiro do “nada” e conter os gastos do governo. Isso permitirá que os geradores de riqueza revivam a economia, permitindo que produzam mais bens. Podemos concluir que ao fortalecer a capacidade da economia de produzir bens e serviços, estamos também fortalecendo a chamada demanda agregada e promovendo o crescimento econômico real.

Conclusão

A redução do desemprego não é o fator chave para o crescimento econômico. O cerne do crescimento econômico é o pool de poupança em expansão, que é fundamental para a expansão e o aprimoramento da estrutura produtiva. Com uma estrutura de produção ampliada e aprimorada, pode-se garantir um crescimento econômico mais forte.

 

 

 

Artigo original aqui