Finalmente os pais de universitários estão entendendo o que está por traz do marxismo cultural politicamente correto. Reclamações de “falta de sensibilidade” toda vez que um palestrante conservador ou libertário se apresenta em qualquer lugar próximo de um campus universitário; “salas seguras” equipadas com massinha, música ambiente e vídeos de gracinhas de cachorrinhos; a acusação sem fim de “racista/sexista/homofóbico feita contra todas os não-esquerdistas no campus; e episódios amplamente divulgados de “estudantes” vulgares, ignorantes e grossos berrando xingamentos para os palestrantes conservadores no campus revelaram o real propósito do politicamente correto: censura de toda e qualquer ideia não-marxista. Não é uma luta contra o racismo, o sexismo etc.; é uma censura das ideias de liberdade.

Os universitários de hoje foram – e estão sendo – treinados para serem capangas comunistas intolerantes e totalitários. Tudo por bolsas de estudos mesmo em instituições de “educação superior” medíocres.

Tudo isso começou depois do colapso mundial do socialismo no final dos anos 1980. Os socialistas nunca desistiram de seu sonho de comandar as outras pessoas, saqueá-las com impostos e se enriquecer durante o processo. Muito poucos ideólogos socialistas do século XX chegaram a admitir que estavam desastrosamente errados, ou se desculparam por terem apoiado e ajudado tipos como Stalin, Mao e Castro. Ao invés disso, eles e seus descendentes intelectuais trabalharam incansavelmente para criar uma realidade virtual socialista – ao menos na cabeça da juventude americana – enquanto censuram todas as opiniões dissidentes. Os segredos sórdidos do socialismo nunca podem ser revelados para a juventude americana, para que ela não se revolte contra a gigante máquina de mentiras conhecida com “educação superior”. (Existem algumas poucas exceções, claro, mas a maioria da academia é hoje dominada pelo totalitarismo cultural da Esquerda marxista.)

Quais são os segredos sórdidos do socialismo que não devem ser revelados para a juventude? Vamos examinar alguns deles:

1.O socialismo sempre e em todo lugar foi um desastre econômico, e todo acadêmico honesto sabe disso. Após 70 anos de socialismo, a economia soviética era praticamente 5% da economia americana, apesar das falsas afirmações de economistas a favor do socialismo como Paul Samuelson, que escreveu na edição de 1988 de seu famoso livro-texto que a economia soviética iria exceder a americana no ano 2000.

2. Não se pode consertar o socialismo com planejadores ou planos melhores. O socialismo não pode funcionar porque o cálculo econômico racional é impossível sem propriedade privada, preços de livre mercado, o mecanismo de feedback de lucros e prejuízos do mercado, e a liberdade econômica em geral.

3. O objetivo ostensivo do socialismo – o igualitarismo – se opõe diretamente a natureza humana porque cada ser humano é único em milhares de maneiras diferentes. O único tipo de “igualdade” que o socialismo já criou é igualdade de miséria e pobreza.

4. O socialismo gera muito mais desigualdade social do que a liberdade econômica. Em todas as sociedades socialistas a elite politicamente conectada vive no luxo enquanto praticamente todos os outros são igualmente empobrecidos. Hoje na socialista democrata Venezuela a economia foi arruinada pelo socialismo enquanto a filha do falecido Hugo Chavez, o pai do socialismo venezuelano, possui uma fortuna de 4,5 bilhões de dólares.

5. O pior tipo de gente – a mais imoral, corrupta, cínica, indiferente e violenta – chega ao poder sob o socialismo porque o socialismo consiste em forçar pessoas a desistir de seus próprios planos para obedecer os planos mandatórios do governo. Não é por acaso que o socialismo está associado a monstros violentos como Stalin, Hitler, Mussolini e Mao.

6. Fascismo foi só uma variação do socialismo. A palavra “Nazismo” foi um acrônimo para Nacional Socialismo. Os socialistas alemães se distinguiam dos socialistas russos chamando sua variação de socialismo de “nacional”, em oposição ao “internacional” dos russos.

7. É um mito que o socialismo escandinavo tem sido um sucesso. O capitalismo sueco foi um sucesso estrondoso no final do século XIX e início do século XX. Os suecos começaram a viver dos frutos da prosperidade capitalista adotando uma versão do socialismo democrático nos anos 1950. Como resultado, não houve um único emprego líquido criado de 1955 a 1995.

8. O socialismo do século XIX era “a propriedade estatal dos meios de produção”, mas hoje se inclui os impostos progressivos do estado de bem estar social e o estrangulamento do capitalismo com regulamentações e impostos. O estado de bem estar social destruiu a ética trabalhista de milhões; destruiu milhões de famílias; ocasionou um aumento de 400% de nascimentos fora do matrimônio nos EUA desde 1960; e transformou milhões em mendigos e dependentes permanentes do estado.

9. Sistemas de saúde pública – saúde socialista – são como qualquer outra iniciativa do governo que opera com toda a eficiência dos Correios ou do Detran e com toda compaixão da Receita Federal. Qualquer coisa tão importante quanto a saúde jamais deve ser colocada nas mãos de políticos e burocratas.

10. Os piores problemas de poluição do planeta nos últimos 100 anos ou mais ocorreram nos países socialistas, como foi documentado em livros como Ecocide in the USSR. Após o colapso do socialismo o mundo aprendeu que, além de ser um caso perdido econômico, os países socialistas também eram esgotos ecológicos.

Estas são somente algumas das muito bem documentadas verdades sobre o socialismo que raramente, ou sequer, são mencionadas nos campi. Elas estão entre as principais razões de o marxismo cultural ter erigido tantos instrumentos blindados de censura nos campi universitários. Por causa deles que instituições como o Mises Institute – e todos os estudiosos associados a ele – são tão vilipendiadas ali, pois elas fornecem aos estudantes – e pra qualquer pessoa – uma fonte alternativa de educação econômica, uma educação baseada na sólida ciência econômica e baseada na realidade. Mises escreveu no Ação Humana sobre como os socialistas de seu tempo se opunham a ciência econômica, pois o senso comum econômico ameaçava seus planos totalitários. Os socialistas de hoje esperam nunca ter que responder aos sólidos argumentos econômicos e fatos ao simplesmente censurando-os em toda parte.

 

Artigo original aqui.

Tradução de Fernando Chiocca.

Imprimir