10. O reconhecimento de um aluno ao professor Hoppe

0
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Jeffrey Barr

[Jeffrey Barr ([email protected]) é advogado em Las Vegas, Nevada. Ele estudou com Murray Rothbard e Hans Herman-Hoppe no final dos anos 1980 e início dos anos 1990.]

 

Como a engenharia alemã, a visão de mundo do professor Hans Hermann-Hoppe é ordenada, robusta e, em última análise, convincente.

Mesmo assim, descobri (e depois abracei) essa visão de mundo por acidente. Embora em geral fosse um bom aluno, falhei miseravelmente na minha primeira passagem pela matéria de microeconomia. A aula era um pântano de encantamentos neoclássicos e modelos matemáticos do comportamento humano que não tinham base na realidade. Realmente, na época, economia parecia ser a “ciência sombria” de Carlyle, e a experiência foi tão ruim que jurei nunca mais pôr os pés em outra aula de economia. Mas como eu havia sido reprovado, tive que refazer a matéria. Felizmente, a aula de Microeconomia do Professor Hoppe se encaixou na minha programação no semestre seguinte. Meu orientador aconselhou a evitar o professor Hoppe, afirmando: “Muitos alunos o acham … não ortodoxo”.

Dada minha frustração com a ortodoxia econômica, ignorei meu orientador e felizmente me inscrevi para as aulas do professor Hoppe. O professor Hoppe não decepcionou. Em contraste com a ciência sombria, o professor Hoppe professava a praxeologia de maneira revigorante – a ciência da ação humana. O assunto fazia sentido intuitivamente, e o professor Hoppe dava aulas nítidas e articuladas, sempre pontuadas por seu humor seco e sotaque alemão. Ele evitou os livros-texto de economia padrão; em vez disso, seus alunos leram Economia Numa Única Lição,[1] de Henry Hazlitt, e The Free Market Reader,[2] de Lew Rockwell. Até mesmo as provas do professor Hoppe zombavam subversivamente das correntes dominantes da ciência econômica.

Embora eu tenha assistido a muitas aulas do professor Hoppe em várias matérias diferentes, tive a sorte de me inscrever em um seminário inesquecível intitulado “Marxismo e seus críticos”. O professor Hoppe dedicou a primeira metade do seminário a doutrinar a classe no marxismo tradicional e puro. Ele insistia que seus alunos pudessem recitar os princípios do socialismo melhor do que qualquer estudante universitário soviético. O Bom Professor então dedicou a segunda metade do semestre a refutar sistematicamente cada contenção socialista fundamental. Sessão após sessão, Herr Hoppe demoliu metodicamente os fundamentos lógicos do sistema comunista, atacando a filosofia podre em seu cerne. Foi também nessa época que devorei o primeiro livro em inglês do Professor Hoppe, Uma teoria do Socialismo e do Capitalismo.[3] Este tratado, e o curso de “Marxismo e seus críticos”, solidificaram o brilhantismo de Hoppe em minha mente. Também percebi que poderia estar na presença, ironicamente, do crítico mais formidável de Marx.

Apesar de todos os trabalhos formais com o professor Hoppe, valorizo ​​ainda mais suas aulas informais. No início de cada semestre, o professor Hoppe anunciava que se reuniria com alunos interessados ​​em ingressar no Clube de Economia Política em um pub local. Ele convidou todos em suas aulas, embora poucos tivessem a coragem de comparecer. Aqueles que o fizeram desfrutaram de longas horas de debates sobre os muitos assuntos do dia – e que assuntos havia para discutir! O final da década de 1980/início da década de 1990 foram tempos emocionantes. Murray Rothbard estava no auge de seu prestígio. A queda do comunismo vindicou Mises, e a chamada “revolução das raízes republicanas ” do início dos anos 90 confirmava exuberantemente as teorias que eu estava aprendendo na universidade. Esses eventos forneceram muito material para as reuniões noturnas enfumaçadas do Clube de Economia Política. As sessões eram menos como reuniões, e mais como o professor Hoppe a ouvir argumentos e pronunciar vereditos. Um pouco indiferente, o professor Hoppe costumava ouvir as deliberações, tomar um gole de sua bebida, colocar a mão no queixo, olhar para o ar em profunda contemplação e, finalmente, depois de organizar seus pensamentos, ele respondia com um, “Ja, Ja, mas veja bem….” Muitas vezes, eu simplesmente ouvia essas discussões, sem arriscar fazer uma pergunta pouco inteligente, porque o gênio de Hoppe me intimidava. Depois de conhecer o professor Hoppe por quase vinte anos, confesso que continuo impressionado com seu brilhantismo, tanto que ainda me sinto um pouco sem graça em tratá-lo de qualquer forma que não seja “Professor Hoppe”.

Tenho orgulho de fazer parte destas “escritas comemorativas”, em homenagem à notável carreira de Hans-Hermann Hoppe. Poucas pessoas tiveram uma influência mais profunda em minha vida. Estranhamente, serei eternamente grato àquele horrível professor de economia neoclássica que me reprovou em microeconomia. Sem aquela nota baixa, eu nunca teria tido o privilégio de chamar Hans Hermann-Hoppe de amigo, mentor e, acima de tudo, professor. Parabéns, Professor Hoppe!

 

_________________________

Notas

[1] Henry Hazlitt, Economia numa única lição, rev. ed. (New York: Manor Books, 1962, 1974; reimpressão New Rochelle, N.Y.: Arlington House, 1979).

[2] The Free Market Reader: Essays in the Economics of Liberty, Llewellyn H. Rockwell, ed. (Auburn, Ala.: Ludwig von Mises Institute, 1988).

[3] Hoppe, A Theory of Socialism and Capitalism (Boston-Dordrecht-London: Kluwer, 1989).