11. O Círculo de Vegas

0
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Lee I. Iglody

[Lee Iglody ([email protected]), advogado em Las Vegas, concluiu seu Bacharelado em Economia com honras sob a orientação dos Professores Murray N. Rothbard e Hans-Herman Hoppe na Universidade de Nevada, Las Vegas.]

 

Fui apresentado ao professor Dr. Hans-Hermann Hoppe por meio de Murray N. Rothbard, a quem acompanhei da Brooklyn Polytech de Nova York até a Universidade de Nevada, em Las Vegas, para estudar Economia Austríaca. Tendo terminado recentemente de ler seu livreto do Mises Institute sobre o Método Austríaco, quase tremi ao estender a mão para cumprimentá-lo. Quase vinte anos depois, ainda me lembro com carinho daquele breve momento no corredor. Para exagerar só um pouco, foi mais emocionante do que conhecer Mick Jagger e David Bowie. Logo de cara, qualquer pessoa que conheceu os professores Rothbard e Hoppe no final dos anos 1980 e início dos anos 90 vai confirmar que essa dupla dinâmica tinha uma química que ao mesmo tempo os tornava muito acessíveis, mas estranhamente distantes. A acessibilidade vinha do fato de que Rothbard sempre estava disposto a entreter até as perguntas mais tolas com sua gargalhada característica e uma explicação de como as coisas são. O professor Hoppe, por outro lado, tinha uma maneira muito mais metodológica e teutônica de lidar com indagações estúpidas, uma forma de diálogo socrático com muitos “sim, mas…” lançados para pontuar a conversa. (“O governo fornece bens que o mercado não pode produzir? Sim, mas o que você quer dizer com ‘bens’?”)

Na época, eu trafeguei bastante pelo círculo de seminários “libertários”. Em cada um desses cursos, sempre encontrei pessoas maravilhadas com a profundidade e amplitude das obras de Rothbard e Hoppe, e não paravam de fazer perguntas sobre eles e seu trabalho. E cada vez que isso acontecia, eu tomava um momento para agradecer a Deus novamente pela chance que tive de aprender aos pés dos verdadeiros mestres, Rothbard e Hoppe. E é aí que entra parte da distância. Rothbard e Hoppe estavam operando em um nível totalmente diferente. Existem aqueles de nós que têm a sorte de passar pela vida com uma vaga compreensão do que são as coisas e como elas se tornaram o que são. Já alguns poucos indivíduos abençoados transcendem tudo, veem quase tudo, e são capazes de transmitir o dom de ver. Neste ponto, Hoppe era simplesmente muito superior.

Em sala de aula, o professor Hoppe não era um conferencista regurgitando o “conhecimento” higienizado e estéril dos livros didáticos (ele não os usava), mas um grande “professor” da verdade, com uma oratória clara e concisa pontuada por seu maravilhoso humor seco, e uma lista de leitura que incluía livros como Economia Numa Única Lição de Hazlitt e Homem, Economia e Estado de Rothbard. Eu pessoalmente o testemunhei converter muitos alunos ao libertarianismo. “Sabe, o que ele diz realmente faz sentido”, foi dito por incontáveis ​​alunos após a aula. Ele fez até mesmo alunos geralmente desinteressados ​​pensarem e se envolverem com questões fundamentais de economia e, portanto, de civilização.

Previsivelmente, embora o professor Hoppe recebesse com regularidade notas excelentes dos alunos e sua lista de publicações envergonhasse a maior parte do departamento de economia, chegou um momento em que a Universidade tentou negar-lhe a posição de professor titular. Com perseverança e dignidade, o professor Hoppe venceu seus oponentes e alcançou a estabilidade. Depois disso, mais duas vezes seus inimigos vieram atrás dele, e mais duas vezes ele os repeliu, com grande custo para si próprio. Eu pessoalmente testemunhei o imenso tempo e esforço que o Professor Hoppe teve que despender na defesa contra esses ataques, e me entristece pensar de quantas novas ideias a humanidade foi privada por causa desse desvio de seu tempo e pensamentos.

Uma de nossas atividades regulares fora da sala de aula era a reunião semanal do Clube de Economia Política, que acontecia em um pub local, com cerveja barata e um canto adequadamente tranquilo para nos reunirmos ao redor do Professor Hoppe. Normalmente, na terceira ou quarta rodada, o professor Hoppe tornava-se “Hans” e as discussões tornavam-se animadas. Vários estudantes visitantes, e ocasionais dignitários, costumavam parar para injetar nova energia na discussão de diversos tópicos. Além dos benefícios educacionais e sociais das conversas que se estendiam até a madrugada, tive o privilégio de observar a evolução do pensamento de Hoppe sobre muitas questões.

É verdade que Hans é genuinamente teutônico em sua reserva e distanciamento, mas como tantos grandes pensadores germânicos, sob esse exterior teutônico está uma paixão pela liberdade e pelo conhecimento que o impulsiona a buscar respostas e soluções, justamente porque as consequências para a humanidade são enormes. Quem leu suas obras teóricas ou práticas pode imaginá-lo um defensor sincero da Civilização Ocidental, com tudo que isso implica; mas ter sentado à sua frente quando ele é “Hans” explicando por que, por exemplo, o individualismo metodológico é indispensável para o conhecimento real, ou a democracia é um falso deus, é ver e sentir que aqui está outra alma corajosa que tomou de coração o “Tu ne cede malis, sed contra audentior ito”. Diz-se que Ludwig von Mises se arrependeu não das vezes em que se manteve firme, mas das vezes em que cedeu. Por esse critério, o professor Hoppe tem poucos arrependimentos.

Eu saúdo você, Hans.